“O homem que julga infalível a sua razão está bem perto do erro. Mesmo aqueles, cujas ideias são as mais falsas, se apóiam na sua própria razão e é por isso que rejeitam tudo o que lhes parece impossível.” Fonte: O Livro dos Espíritos, introdução VII.

Trabalhemos todos, pela Unificação do movimento espírita!!

O Espiritismo é uma questão de fundo; prender-se à forma seria puerilidade indigna da grandeza do assunto. Daí vem que os centros que se acharem penetrados do verdadeiro espírito do Espiritismo deverão estender as mãos uns aos outros, fraternalmente, e unir-se para combater os inimigos comuns: a incredulidade e o fanatismo.”

“Dez homens unidos por um pensamento comum são mais fortes do que cem que não se entendam.”
Allan Kardec (Obras Póstumas – Constituição do Espiritismo – Item VI).

“Mas a sabedoria que vem do alto é, primeiramente, pura, depois, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia.”Thiago,3/17

“Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito.” João – 15:7

Falar e Fazer

Em se tratando de reforma íntima: “Fácil é dizer como se faz. Difícil é fazer como se diz.” Precisamos fazer mais e dizer menos. Francisco Rebouças.

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

DEDICA-TE AO TRABALHO

Dedica-te ao trabalho em que te sustentas, sem desprezar a pausa do repouso ou o entretenimento em que se te restaurem as energias.

Serve ao próximo, tanto quanto puderes.

Tempera a conversação com o fermento da esperança e da alegria.

Quando a lembrança do passado não contenha valores reais, olvida o que já se foi, usando o presente na edificação do futuro melhor.

Oferece um sorriso de simpatia e bondade, seja a quem for.

A paciência é a escora da paz em todas as crises e provocações nas quais te vejas. Trocá-la por reclamações e cólera, descontentamento e intolerância, será sempre deixar a pequena dificuldade em que te encontras para cair na pior.

Não condenes o mundo, Ao invés de apará-lo.

A fonte em movimento assinala o poder do manancial.

A caridade em ação é o metro que determina as dimensões da fé.

Soubéssemos praticar o espírito de aceitação que nos sugerem os ensinamentos do Cristo e decerto que a nossa vida se desdobraria em degraus de paz e luz, ante os nossos anseios de elevação.

Livro: Caminho Iluminado

Chico Xavier/Emmanuel

Francisco Rebouças

domingo, 22 de novembro de 2020

É hora de vivenciar os exemplos do Cristo


“Sabeis estas coisas, bem aventurados sois se as fizerdes” João, 13:17

Feliz daquele que sabe ouvir a voz dos Espíritos Superiores, que alertam para a responsabilidade de todo aquele que desfruta das interpretações mais avançadas dos ensinamentos de Jesus, através da doutrina espírita. Não resta dúvida alguma que reconhecemos a o caminho que temos para encontrar os alicerces puros da verdadeira mensagem ensinada e exemplificada pelo Mestre de Nazaré no processo de reforma íntima que estamos convocados a realizar.

De posse dos ensinos de nossa doutrina, para o entendimento de que precisamos investir no Reinado do Espírito em nossas construções intelectuais e morais em busca de um porvir feliz, imprescindível se faz, que mudemos de atitude diante dos novos desafios que a vida nos propõe, enfrentando-os corajosamente mantendo nosso esforço por seguir o roteiro de luz que o espiritismo nos oferece. “Vem cumprir, nos tempos preditos, o que o Cristo anunciou e preparar a realização das coisas futuras. Ele é, pois, obra do Cristo, que preside, conforme igualmente o anunciou, à regeneração que se opera e prepara o reino de Deus na Terra.”

(1)
O Espiritismo propondo-nos soluções simples para os problemas complicados, satisfazendo indagações e decifrando enigmas, à luz da fé que raciocina sem levar em conta os perniciosos artifícios das desculpas de sempre, incentiva seus seguidores a prática da caridade, através do trabalho altruísta em prol do bem e da paz. Não desconhecemos que muito maior é a responsabilidade que nos pesa nos ombros, porquanto a quem mais for dado mais será pedido.

Através da Doutrina Espírita, sabemos que só a fé raciocinada se apresenta em conformidade com as Leis Divinas que regem nossos destinos. Esclarece-nos a concepção real da justiça, favorecendo uma clara percepção da sabedoria Divina na harmonia do Universo, o que nossos irmãos oriundos de filosofias distintas da nossa, nem sempre conseguem perceber. A doutrina Espírita, revivendo o Cristianismo puro, é a religião do esclarecimento livre, sem constrangimento ou coação, sem rituais ou símbolos, sem convenções ou exigências, e sim o incentivo ao indivíduo para a busca da sua transformação íntima.

Dessa forma, a doutrina espírita espera de cada um de seus seguidores uma conduta adequada com tudo que ela nos ensina.

Aguarda do seguidor de sua filosofia, que se constitua em um núcleo de ações edificantes, que exercite seus postulados na prática diária tornando-se uma viga robusta na sustentação dos princípios doutrinários pelo exemplo, que possa se manter como célula sadia na sociedade adoentada dos dias de hoje, que trabalhe incessantemente na implantação e manutenção da paz, da disciplina, da ordem do respeito etc., que combata a revolta, o pessimismo e a maledicência, que espalhe à sua volta os nobres valores da esperança, da confiança e da fé nas promessas do Cristo contidas em seu evangelho libertador.

Trabalhadores da Seara espírita, alegremo-nos com o feliz encontro com a mensagem esclarecedora e consoladora da doutrina cristã que ora esposamos, em comunhão com Jesus nas mensagens e exemplos que Ele nos trouxe e vivenciou junto a nós, e que Mateus registrou em suas anotações no capítulo 6, versículo 33, quando o Celeste Amigo nos adverte: — “Buscai, acima de tudo, o Reino de Deus e a sua justiça e todas essas coisas ser-vos-ão acrescentadas.”

(2)
Façamos então, a parte que nos cabe fazer com esmero e amor, para que o mais cedo possível, essa realidade seja sentida e vivenciada em nosso planeta.

Referências:

(1) KAEDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo, FEB 112ª edição. – Cap. I, iten 7); e
(2) Mateus, Cap. 6: 33.

Francisco Rebouças

sábado, 21 de novembro de 2020

Jesus e nós!

“Se pretendes trazer ao Mestre o feito de teu caminho, recorda que o Cristo não deseja adoradores de sua figura excelsa, mas, artífices e servidores da Boa Nova que saibam calar auxiliando, amar com desprendimento e servir sem repouso, porque somente nesse culto íntimo de afetuoso devotamento, é que conseguiremos, em verdade, comungar-lhe, hoje e sempre, a edificação do Reino de Amor e Luz.”

Livro: Construção do Amor – Chico Xavier/Emmanuel – Cap. A Oferenda Cristã

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

Palestra Espírita - AEB

 

Nesta quinta-feira dia 19/11/2020, tivemos a alegria de receber o estimado amigo Éder Freyre da S.E.A.C - Sociedade Espírita Amor e Caridade - São Gonçalo/RJ, para mais uma palestra espírita, pelo facebook da nossa Agenda Espírita Brasil.

Foi mais uma noite de muito aprendizado, em que o nosso convidado expôs com sabedoria o tema: "A Serviço do Senhor".

Agradecemos ao Éder Freyre pela disposição em nos atender ao convite nesta oportunidade e esperamos ter a felicidade de ouví-lo outras vezes.

https://www.facebook.com/agendaespiritabrasil/videos/691387601517567/

Um grande abraço meu amigo.

Francisco Rebouças.

Temos responsabilidades também!


“É verdade indiscutível que marchamos todos para a fraternidade universal, para a realização concreta dos ensinamentos cristãos; todavia, enquanto não atingirmos a época em que o Evangelho se materializará na Terra, não será justo entregar ao mal, à desordem ou à perturbação a parte de serviço que nos compete.” 

Livro: Vinha de Luz – Chico Emmanuel – Cap. 132.

ORIENTAÇÕES

O fato é autêntico e sabido, mas é justo registrá-lo, de nossa parte.

Alguns ministros da fé se reuniram, a fim de se entenderem quanto às melhores orientações na tradução do Evangelho de Jesus.

Um deles destacou antiga publicação da latinidade, outro se referiu a inspirado escritor de assuntos religiosos, e ainda outros salientaram os tradutores que se lhes faziam favoritos.

Um deles, porém, que se mantinha em silêncio, foi chamado a opinar.

A melhor tradução do Evangelho que conheço - disse ele - é a de minha mãe.

Não sabíamos que sua genitora se dedicava às letras sagradas - falou um dos maiorais.

Onde o livro dela para que possamos fazer a aquisição.

O interpelado respondeu, com simplicidade:

Minha mãe nada escreveu. Ela traduziu as lições de Jesus para nós, o seus filhos, em atos de amor e sacrifício, com tanta grandeza de humildade e trabalho que não será nos possível esquecer-lhe o devotamento. Nesse ponto das apreciações gerais, a reunião foi encerrada.

Livro: Material de Construção

Chico Xavier/Emmanuel

Francisco Rebouças

terça-feira, 17 de novembro de 2020

Perdão e Vida

 Capítulo 01

 Progresso é a soma dos problemas solucionados.

Evolução é barreira vencida.

Dificuldade é medida de resistência.

Tribulação é o cadinho da fé.

Perdão e tolerância são alavancas de sustentação da nossa paz íntima.

Em suma, para quem quiser na Terra trabalhar e progredir com mais saúde e paz, alegria e segurança, vale a pena perdoar constantemente para viver melhor.

Se te propões a colaborar no levantamento do bem de todos, não desistas de agir e servir.

Emmanuel

***

Quem diz que o verbo se vai

Qual o sol vazio no vento,

Não mostra o espírito atento

Ao que se pensa e se diz;

Mormente agora, na Terra,

Em transição apressada,

A frase rude na estrada

Invoca a treva infeliz.

Maria Dolores

***

Esquece possíveis ofensas alheias, reconhecendo os nossos próprios erros.

Fala criando otimismo e paz.

Não te queixes de ninguém.

Trabalha e serve sempre.

Emmanuel

Livro: Perdão e Vida

Chico Xavier/Espíritos Diversos.

Francisco Rebouças

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

O VASO DIVINO

Agar

O coração é o vaso de amor com que vamos à fonte da vida, espalhando o bem

e recebendo-o, dando de nós mesmos e aproveitando o concurso dos que nos cercam.

Atende às sugestões da bondade e avança sempre.

Nunca digas – estou fatigado.

Não exclames – não posso.

Não afirmes – é impossível.

Não penses – nada sou.

Não clames – sou fraco.

Não asseveres – nada tenho.

Ajuda sem descansar, porque, no cântaro da fraternidade os recursos do Senhor se multiplicam, em doce milagre de luz para a glorificação da vida.

Segue, pois, adiante, com o vaso de tua alma inclinado ao Eterno Bem e a Graça do Alto se encarregará de provê-lo a fim de que a tua cooperação se dilate ao Infinito Divino na solução da infinita necessidade humana. 

Livro: Cartas do Coração

Chico Xavier/Espíritos Diversos.

Francisco Rebouças

CONTRADIÇÕES

Emmanuel

"... E os nossos irmãos pessimistas continuam nas antigas contradições.

Clamam em altas vozes: o mundo não presta.

Prosseguem, porém, comendo o pão que o mundo lhes fornece.

Gritam, frequentemente: dinheiro é o fator de todos os vícios.

No entanto, precisam do dinheiro, todos os dias.

Falam com revolta: ninguém me auxilia.

E exigem o concurso de muita gente para viver, a começar do trabalho exercido pela criatura que lhes prepara o café da manhã.

Afirmam que a vida é um vale de lágrimas.

Entretanto, reclamam com veemência quando lhes falta o leito macio.

Os servidores fiéis, porém sempre otimistas, tudo escutam em silêncio e continuam trabalhando e servindo, unindo-se, cada vez mais para a vitória do Bem."

Livro: Luz e Vida

Chico Xavier/Emmanuel

Francisco Rebouças

domingo, 15 de novembro de 2020

Cumpre teu dever!

"Nada de fora perturba um coração tranquilo, que pulsa ao compasso do dever retamente cumprido.

A paz merece todo o teu esforço para consegui-la."

Livro: Vida Feliz- Cap. VIII

Francisco Rebouças


CONTRADIÇÕES

Emmanuel

"... E os nossos irmãos pessimistas continuam nas antigas contradições.

Clamam em altas vozes: o mundo não presta.

Prosseguem, porém, comendo o pão que o mundo lhes fornece.

Gritam, frequentemente: dinheiro é o fator de todos os vícios.

No entanto, precisam do dinheiro, todos os dias.

Falam com revolta: ninguém me auxilia.

E exigem o concurso de muita gente para viver, a começar do trabalho exercido pela

criatura que lhes prepara o café da manhã.

Afirmam que a vida é um vale de lágrimas.

Entretanto, reclamam com veemência quando lhes falta o leito macio.

Os servidores fiéis, porém sempre otimistas, tudo escutam em silêncio e continuam trabalhando e servindo, unindo-se, cada vez mais para a vitória do Bem."

Livro: Luz e Vida

Chico Xavier/Emmanuel.

Francisco Rebouças

sexta-feira, 13 de novembro de 2020

Atenção aos avisos!

 

O trânsito em qualquer parte,

Parece um teste constante,

Exigindo, a cada instante,

Humildade e amor ao bem;


Aparece um desafio,

A prolongar-se no insulto,

E o crime que estava oculto

Arrasa os dias de alguém.

 

Maria Dolores

Palestra Espírita - AEB

Nesta quinta-feira dia 12/11/2020, tivemos a felicidade de receber para mais uma palestra na Agenda Espírita Brsil, o querido amigo Lutenio Faria - Águeda/Portugal.

Foi uma noite de muita reflexão sobre o tema "Saudável Resistência" exposto por Lutenio de forma brilhante.

Ficamos muito felizes em recebê-lo caro amigo e esperamos contar com você em outras muitas oportunidades.

Receba nosso abraço agradecido e votos de muitas felicidades em suas atividades de divulgação da mensagem espírita.

Um grande abraço.

https://www.facebook.com/agendaespiritabrasil/videos/1036947550101928

Francisco Rebouças.

quinta-feira, 12 de novembro de 2020

Deus Primeiro

"Se os profetas da calamidade e da negação anunciarem o fim do mundo, traçando quadros de aflição e terror, crê em Deus primeiro. Recordando que ainda mesmo da cova pequenina, em que a semente minúscula é sepultada, o Senhor faz nascer a graja do perfume e a beleza da cor, a abastança da seiva e a alegria do pão."

Livro: Caminho Espírita - Cap. 27

BASES

 Emmanuel

"Todas as preciosidades terrestres apresentam-se em base justa.

A casa mantém o próprio equilíbrio sobre os alicerces.

A escola se garante sobre a experiência dos professores.

O carro para movimentar-se apoia-se no combustível.

A flor se escora na planta que a produz.

O mel procede da colméia.

A fonte surge do nascedouro.

Assim também se expressam os sentimentos humanos.

É imperioso reconhecer que a paciência se baseia na humildade."

Livro: Luz e Vida
Chico Xavier/Emmanuel

Francisco Rebouças

terça-feira, 10 de novembro de 2020

Os que habitam o Reino Angelical

Ninguém pense que o Espírito ao atingir os mais altos graus da escala evolutiva, pode manter a vã pretensão de desfrutar daí em diante de privilégios que o isentem de trabalhar pela conquista da felicidade dos eleitos do senhor, ao contrário, deve saber que a quem mais foi dado, mais será pedido.

Quem ainda segue aspirando pela conquista de uma vida de gozos intermináveis, onde possa se fartar de festas, comemorações, bebedeiras, guloseimas, e despreocupações fruindo de toda felicidade que o não fazer nada, seria capaz de assegurar a alguém, procure estudar a mensagem esclarecedora do espiritismo, para saber que isso não passa de um inadmissível absurdo.

Os que assim pensam, ainda não compreenderam que os Espíritos Puros só chegaram a essa condição de angelitude, justamente pelo trabalho de aperfeiçoamento intelectual, moral e espiritual, aos quais se dedicaram com disciplina e disposição em busca de suas nobres aspirações, por compreenderem que precisavam fazer a parte que lhes cabiam no desenvolvimento moral e espiritual da humanidade.

Dedicaram-se então, com disciplina e boa-vontade, aproveitando as oportunidades que a vida lhes ofertou, evitando perder tempo com conjecturas infundadas e sem objetivos elevados, ensinando-nos que a ociosidade é inimiga mortal do aperfeiçoamento do espírito, e que ninguém conseguiria viver eternamente sem nada fazer, alem de “curtir a vida” dessa forma.

Urge entender que, quanto mais o espírito cresce em conhecimento científico e moral, mais sabe ser preciso não desperdiçar a menor fração de tempo, em coisas que pertencem unicamente ao mundo da matéria, e procuram investir no trabalho da caridade no bem por saberem que só o amor a Deus e aos seus irmãos lhes rogam todo empenho para amenizar a dor e a infelicidade que campeiam nos mundos inferiores como a Terra.

Na PARTE 2ª – CAPÍTULO I, do Livros dos Espíritos,  sob o título de Diferentes ordens de Espíritos, encontramos as explicações que seguem:

Primeira ordem. – Espíritos puros

  1. CARACTERES GERAIS. –“Nenhuma influência da matéria. Superioridade intelectual e moral absoluta, com relação aos Espíritos das outras ordens.
  1. Primeira classeClasse única. – Os Espíritos que a compõem percorreram todos os graus da escala e se despojaram de todas as impurezas da matéria. Tendo alcançado a soma de perfeição de que é suscetível a criatura, não têm mais que sofrer provas, nem expiações. Não estando mais sujeitos à reencarnação em corpos perecíveis, realizam a vida eterna no seio de Deus.

Gozam de inalterável felicidade, porque não se acham submetidos às necessidades, nem às vicissitudes da vida material. Essa felicidade, porém, não é a ociosidade monótona, a transcorrer em perpétua contemplação. Eles são os mensageiros e os ministros de Deus, cujas ordens executam para manutenção da harmonia universal. Comandam a todos os Espíritos que lhes são inferiores, auxiliam-nos na obra de seu aperfeiçoamento e lhes designam as suas missões. Assistir os homens nas suas aflições, concitá-los ao bem ou à expiação das faltas que os conservem distanciados da suprema felicidade, constitui para eles ocupação gratíssima. São designados às vezes pelos nomes de anjos, arcanjos ou serafins.

Podem os homens pôr-se em comunicação com eles, mas extremamente presunçoso seria aquele que pretendesse tê-los constantemente às suas ordens”.

Citam ainda para nossa compreensão que no reino angelical os espíritos de escol que o compõem, são os verdadeiros executores da vontade de Deus, não cabendo assim, descanso ou improdutividade no ambiente de tanto amor e desprendimento das coisas da matéria que já não exerce qualquer influência.

O Reino Angelicalé composto exclusivamente pelos Espíritos de Primeira Ordem, ou seja: Espíritos Puros.

Dessa forma, é imprescindível saber que ninguém conquistará a Angelitude tendo por meta a ociosidade, ou os prazeres da matéria que só existem nos mundos inferiores como o nosso.

Pensemos nisso com a atenção que o assunto merece!

Francisco Rebouças

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

ABRIGO IDEAL

E tudo vai passando, como sempre dizes,

Os dias de infortúnio e os movimentos felizes.

Tempos de infância, belos e risonhos

Envaíram-se todos, tais quais sonhos

Que não consegues explicar;

O lar de agora já não te parece

O mesmo antigo lar

Em que o colo de mãe, na luz da prece,

Inteiro se te abria,

Sustentando-te a paz no clarão da alegria...

Onde ouvir novamente as vozes que, à noitinha,

Uniam-se-te à voz inocente a cantar:

- “Oh! ciranda, cirandinha.

Vamos todos cirandar!...”

Fitavam-te, na marcha dos instantes,

Estrelas cintilantes,

Como a notar-te o sentimento puro

E a te indicarem, sem que percebesses,

As estradas difíceis do futuro.

A juventude plena de ansiedade

Passou, qual luminosa floração

E indagas onde estão

Os planos da primeira mocidade...

Refletes nas queridas afeições

No ponto solitário em que te pões...

Quantos amigos desertaram

Da senda em que persistes?

Quantos julgaram tristes

As tarefas que abraças?

E largaram-te, a sós, dizendo-se à procura

Do prazer, do renome e da ventura?!...

Enquanto passas,

No serviço de sempre,

De coração ao desalinho,

Perguntas, muitas vezes, quantos lábios

Ouviste transformados no caminho,

Lábios que te falavam, ontem, de ternura,

Em promessas de apoio e de carinho

E hoje te comunicam amargura,

Acusação, queixa e censura,

Impondo-te incerteza e incompreensão?

E os outros que, em magoada despedida,

Deixaram-te no mundo, em busca de outra vida,

Dando-te a inquietação constante que te invade

Pela chama invisível da saudade?!...

E tudo vai passando, tal qual dizes,

Os instantes felizes e infelizes,

Entretanto, alma irmã, de pés sangrando embora,

Segue amando e servindo, tempo afora...

Nada te impeça caminhar

Para a sublimação que te pede lutar,

Esculpindo, em ti mesmo, o amor cuja beleza

Palpita em tua própria natureza.

Não contes desengano, prova, idade...

Segue e não temas,

Quem serve encontra em todos os problemas

Motivação para a felicidade.

E quando tudo te pareça

Saudade e solidão

Na bruma que te envolva o coração,

Entra no claro abrigo que reténs,

Que se te faz no mundo o mais alto dos bens,

Riqueza em luz e paz que ninguém desarruma

E nunca sofre alteração alguma...

Esse refúgio ideal que te descansa

Nos tesouros de tudo quanto é teu,

É a bênção de servir que te guarda a esperança

No trabalho do bem que Deus te concedeu...

Livro: Caminhos do Amor
Chico Xavier/Maria Dolores

Francisco Rebouças

sábado, 7 de novembro de 2020

UMEN, nosso refúgio de Paz!

 AH! Se soubesses companheiro amigo,

O que significa esse templo bendito

Estarias radiante e convencido,

Das finalidades superiores desse nosso Abrigo.

 

A espiritualidade amiga, há muito planejava

Realizar esse grandioso projeto,

Trazer para as necessidades de nossa Terra

Um local para atendimento direto.


Assim, inspirou aqueles alegres jovens

Que logo entenderam o recado

E eis que surge a UMEN.

Para realizar esse sonho, bastante aguardado.


Em nossa casa espírita, de muita realização,

Ontem hoje e amanhã, o trabalho seguirá

Atendendo nosso compromisso diante da Lei de Amor

Fundamentado no exemplo do nosso Mestre e Senhor.


Sabedores de que somos discípulos de Jesus

Ergamos nossos melhores recursos,

Intelectual, moral e espiritual

Fazendo brilhar casa vez mais, a chama dessa pujante Luz.


Tarefeiros de ontem, hoje amanhã e sempre

Tenhamos a convicção, da responsabilidade que temos

De zelar por essa oficina de aprimoramento,

Porque os benefícios são muito superiores ao que vemos.


Que Deus, Jesus e os seus prepostos,

Ao nosso lado estejam por toda a vida,

Orientando aprimorando e abençoando

Cada irmão a executar com amor, esmero e alegria sua lida!


Francisco Rebouças.

A verdadeira Riqueza

Nem sempre nos damos conta de que quase sempre desperdiçamos grande quantidade de energias para conquista de bens materiais de valores ilusórios, que aos poucos nos enceguecem e endurecem o coração.

Urge vigiar nossos apetites pelos bens materiais de duração efêmera, e procurar desenvolver em nós o apetite pela conquista dos bens inalienáveis e preciosos que podem realmente nos oferecer benefícios espirituais que os bens materiais são incapazes de proporcionar.

Para essa finalidade é indispensável desenvolver e saber utilizar os talentos que a Sabedoria Divina nos confiou, para conquistar pelas próprias mãos a experiência que o trabalho no bem faculta de aprimoramento e elevação.

Em toda parte e a toda hora, dispomos da riqueza do tempo para as mais nobres realizações na conquista da verdadeira riqueza que proporciona bem estar, e paz de consciência.

Encontramos em O Evangelho Segundo o Espiritismo, no Cap. XVI item 9, sob o título de A verdadeira propriedade, as instruções que seguem.

“O homem só possui em plena propriedade aquilo que lhe é dado levar deste mundo.

Do que encontra ao chegar e deixa ao partir goza ele enquanto aqui permanece. Forçado, porém, que é a abandonar tudo isso, não tem das suas riquezas a posse real, mas, simplesmente, o usufruto. Que é então o que ele possui? Nada do que é de uso do corpo; tudo o que é de uso da alma: a inteligência, os conhecimentos, as qualidades morais. Isso o que ele traz e leva consigo, o que ninguém lhe pode arrebatar, o que lhe será de muito mais utilidade no outro mundo do que neste. Depende dele ser mais rico ao partir do que ao chegar, visto como, do que tiver adquirido em bem, resultará a sua posição futura.

Quando alguém vai a um país distante, constitui a sua bagagem de objetos utilizáveis nesse país; não se preocupa com os que ali lhe seriam inúteis. Procedei do mesmo modo com relação à vida futura; aprovisionai-vos de tudo o de que lá vos possais servir.

Ao viajante que chega a um albergue, bom alojamento é dado, se o pode pagar. A outro, de parcos recursos, toca um menos agradável. Quanto ao que nada tenha de seu, vai dormir numa enxerga. O mesmo sucede ao homem, a sua chegada no mundo dos Espíritos: depende dos seus haveres o lugar para onde vá. Não será, todavia, com o seu ouro que ele o pagará. Ninguém lhe perguntará: Quanto tinhas na Terra? Que posição ocupavas? Eras príncipe ou operário? Perguntar-lhe-ão: Que trazes contigo? Não se lhe avaliarão os bens, nem os títulos, mas a soma das virtudes que possua. Ora, sob esse aspecto, pode o operário ser mais rico do que o príncipe. Em vão alegará que antes de partir da Terra pagou a peso de ouro a sua entrada no outro mundo. Responder-lhe-ão: Os lugares aqui não se compram: conquistam-se por meio da prática do bem. Com a moeda terrestre, hás podido comprar campos, casas, palácios; aqui, tudo se paga com as qualidades da alma. És rico dessas qualidades? Sê bem-vindo e vai para um dos lugares da primeira categoria, onde te esperam todas as venturas. És pobre delas? Vai para um dos da última, onde serás tratado de acordo com os teus haveres. – Pascal. (Genebra, 1860.)”

É preciso entender que somente através do auxílio ao próximo, que o dever bem cumprido, que o estudo edificante nos facultará a compreensão de que “fora da caridade não há salvação”, conforme o ensinamento da doutrina espírita e representará a bagagem que nos ajudará conquistar o tesouro da simpatia aqui e além da vida física.

Os valores amoedados que mobilizemos para promover o conforto alheio é um abençoado auxílio que proporcionamos a outrem, mas o esforço que despendemos em ações pessoais para que a vida se faça melhor à nossa volta, é virtude imensurável que incorporamos ao próprio caráter.

Distribuir com o necessitado o que entesouramos materialmente falando, é útil e plausível, mas doar de nós mesmos no esforços de amar ao próximo no sacrifício de assistência e ajuda pessoal no silêncio de nossa renúncia, de nosso suor, etc., é investir na verdadeira felicidade desenvolvendo em nós a claridade da Luz Espiritual.

Francisco Rebouças

TRABALHO

 “E Jesus lhes respondeu: Meu Pai obra até agora, e eu trabalho também.” — (João, capítulo 5, versículo 17.)

Em todos os recantos, observamos criaturas queixosas e insatisfeitas.

Quase todas pedem socorro. Raras amam o esforço que lhes foi conferido. A maioria revolta-se contra o gênero de seu trabalho.

Os que varrem as ruas querem ser comerciantes; OS trabalhadores do campo prefeririam a existência na cidade.

O problema, contudo, não é de gênero de tarefa, mas o de compreensão da oportunidade recebida.

De modo geral, as queixas, nesse sentido, são filhas da preguiça inconsciente. É o desejo ingênito de conservar o que é inútil e ruinoso, das quedas no pretérito obscuro.

Mas Jesus veio arrancar-nos da “morte no erro”.

Trouxe-nos a bênção do trabalho, que é o movimento incessante da vida.

Para que saibamos honrar nosso esforço, referiu-se ao Pai que não cessa de servir em sua obra eterna de amor e sabedoria e à sua tarefa própria, cheia de imperecível dedicação à Humanidade.

Quando te sentires cansado, lembra-te de que Jesus está trabalhando. Começamos ontem nosso humilde labor e o Mestre se esforça por nós, desde quando?

Livro: Caminho, Verdade e Vida

Chico Xavier/Emmanuel

Francisco Rebouças

quinta-feira, 5 de novembro de 2020

Palestra Espírita AEB.

Nesta quinta-feira dia 05/11/2020, tivemos a alegria de receber o nossa querida convidada Ana De Nigris, para uma palestra pelo face book da Agenda Espírita Brasil.

Ana De Nigris expôs de forma brilhante, demonstrando muito conhecimento sobre o tema: "Ler para Ser", explicando de forma clara e precisa, o estudo que preparou para hoje com muito carinho.

Tenha certeza que ficamos muito satisfeitos estimada amiga, com sua presença entre nós, e mantemos a expectativa de contar com você em outras oportunidades em nossa Agenda Espírita Brasil.

Nosso sincero e agradecido muito obrigado!

https://www.facebook.com/751829658166744/videos/358052078806272

Um fraterno abraço.

Francisco Rebouças

segunda-feira, 2 de novembro de 2020

A vida é para sempre!

“Ora, Deus não é de mortos, mas, sim, de vivos. Por isso, vós errais muito.”    — Jesus. (MARCOS, CAPÍTULO 12, VERSÍCULO 27.)

Despertemos amigos para o tempo perdido por distração diante da vida que passa farta de ofertas e convites para buscarmos a realização de nossos objetivos espirituais a caminho da felicidade que nos está reservada como destinação superior.

Aproveitemos com responsabilidade as horas dos nossos dias, dedicando o melhor de nós em prol do desenvolvimento das virtudes das quase somos portadores, não há mais lugar nem tempo para gastar com lamentações infrutíferas, com reclamações contra as atitudes dos outros, com revolta diante das adversidades com as quais a vida nos desafia diariamente etc.

É preciso ter equilíbrio para enxergar que assim como para nós nem tudo são flores, para todos os seres humanos as coisas também não são diferentes, de um jeito ou de outro, todos tiveram e continuam a ter seus problemas, às vezes muito maiores que os nossos.

Tenhamos mais atenção para não nos deixar influenciar pelos hábitos doentios dos indivíduos que caminham sem fé, sem esperança, desanimados sem coragem para encarar os compromissos que assumimos quando rogamos a Deus a oportunidade de aqui estarmos trabalhando pela nossa transformação para melhor, pois é este o nosso compromisso maios diante da Soberana Sabedoria do Universo, que no-la concedeu por misericórdia, que nos reserva ao final da jornada evolutiva a felicidade e a perfeição.

Não são poucos os que perdem o sentido e o gosto pela vida com lamentações pela perda de um de seus entes queridos, que partiram desta para a outra vida, por força da Lei Natural que rege o destino de todas as criaturas na Terra, sem se darem conta de que eles continuam bem vivos, pois a morte nada mais é que a simples troca de vestimenta do Espírito, que segue na vida, pois é simplesmente Imortal.

Preciso se faz saber que desencarnar, é voltar para a verdadeira vida e que todos para lá também voltaremos um dia, e que os que nos antecederam sofrem com o nosso desespero e nossa inconformação para com as Sublimes Leis Naturais, sábias e imutáveis que a todos tratam em igualdade de condições.

Quem realmente quer demonstrar seu carinho e afeto para com eles, que os honrem em atitudes nobres, decentes, caridosas, respeitosas, amando a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo, mas, o que observam é justamente que a maioria dos  familiares se desesperam cegos e lamentosos preferindo o sofrimento em vez de desfrutar a companhia daqueles que aqui ainda estão, e que lhe fazem companhia diária na vida presente que segue. A saudade dos entes que partiram para a outra vida, é positiva e natural em todos nós, mas o desequilíbrio e o desespero são desnecessários e inconvenientes.

Ouçamos Emmanuel na página do livro Pão Nosso, pela psicografia de Chico Xavier conforme segue.

SEMPRE VIVOS

       “Ora, Deus não é de mortos, mas, sim, de vivos. Por isso, vós errais muito.” — Jesus. (MARCOS, CAPÍTULO 12, VERSÍCULO 27.)

“Considerando as convenções estabelecidas em nosso trato com os amigos encarnados, de quando em quando nos referimos à vida espiritual utilizando a palavra “morte” nessa ou naquela sentença de conversação usual. No entanto, é imprescindível en­tendê-la, não por cessação e sim por atividade transformadora da vida.

Espiritualmente falando, apenas conhecemos um gênero temível de morte — a da consciência dene­grida no mal, torturada de remorso ou paralítica nos despenhadeiros que marginam a estrada da insen­satez e do crime.

É chegada a época de reconhecermos que todos somos vivos na Criação Eterna.

Em virtude de tardar semelhante conhecimento nos homens, é que se verificam grandes erros. Em razão disso, a Igreja Católica Romana criou, em sua teologia, um céu e um inferno artificiais; diversas co­letividades das organizações evangélicas protestantes apegam-se à letra, crentes de que o corpo, vestimen­ta material do Espírito, ressurgirá um dia dos sepul­cros, violando os princípios da Natureza, e inúmeros espiritistas nos têm como fantasmas de laboratório ou formas esvoaçantes, vagas e aéreas, errando in­definidamente.

Quem passa pela sepultura prossegue trabalhan­do e, aqui, quanto aí, só existe desordem para o de­sordeiro. Na Crosta da Terra ou além de seus círculos, permanecemos vivos invariavelmente.

Não te esqueças, pois, de que os desencarnados não são magos, nem adivinhos. São irmãos que conti­nuam na luta de aprimoramento. Encontramos a morte tão-somente nos caminhos do mal, onde as sombras impedem a visão gloriosa da vida.

Guardemos a lição do Evangelho e jamais es­queçamos que Nosso Pai é Deus dos vivos imortais.”

Dessa forma, não te faças portador de preocupações e sofrimento para aqueles que dizes amar, que partiram para a vida verdadeira e ora por ti e por ele expulsando de teu coração a tristeza, e confia a Deus Pai e Criador de tudo e de todos o destino de teu parente querido, pois certamente ele estará muito mais feliz em te ver gozando alegremente tua vida, do que se te encontrar em lamentável e inexplicável sofrimento e desespero. 

Francisco Rebouças.

AUXILIANDO-TE, AUXILIARÁS

Indispensável não esquecer que podes auxiliar a ti mesmo, através do amparo que dispenses aos outros.

Ocasiões aparecem, nas quais um simples grito ou uma queixa velada podem ser os dispositivos abertos a tumultos e sofrimentos sem conta.

Se a nossa agressividade é suscetível de exageros, aprendamos a corrigi-la par que não venhamos a desencadear explosões de azedume ou de cólera naqueles que amamos.

Se consegues suportar a moléstia que te aflige, não lhe dramatizes os sintomas para que a paz não se perca no ambiente em que vives.

Todo estado mental é contagioso, através da palavra em que se expressa.

Comunicamos o que sentimos, tanto quanto nos é possível doar do que somos e temos.

Muitas vezes, a criatura na Terra implora o Socorro Divino, derrubando os apoios humanos que a Divina Providência lhe ergueu no caminho par que lhe sirvam de escora em momento justo.

Auxilia a ti mesmo para que os outros te possam auxiliar.

Em nossa condição evolutiva, ainda não sabemos medir a resistência, uns dos outros.

Em razão disso, guardemos a nossa dor ou a emenda que é positivamente nossa e exportemos alegria e esperança onde estivermos.

Quantos te estimem a presença, compartilhem-te o modo de ser.

Falam do que dizes, conduzem para a frente os sentimentos que nutres e reagem aos teus impulsos, conforme as tuas próprias ações.

Quando pedires a Deus determinado tipo de amparo, não te esqueças de que Deus se manifestará por aqueles com os quais te cercou as trilhas da existência.

Conserva os corações amigos por bênçãos do Céu, seguindo-te os passos.

Não lhes cries problemas para que não se perturbem, nem lhes imponhas inquietações capazes de induzi-los ao desespero.

“Ajuda-te e Deus te ajudará” – ensina a antiga sabedoria, mas, na maioria de nossas petições e requerimentos, é imperioso ajudar aos outros, em nome de Deus, para que, em nome de Deus, também os outros nos possam auxiliar.

Livro: Inspiração

Chico Xavier/Emmanuel.

Francisco Rebouças

sexta-feira, 30 de outubro de 2020

A palavra pode até convencer, mas só pelo exemplo é possível arrastar!

   “E se alguém cuida saber alguma coisa, ainda não sabe como convém saber.” – Paulo. (I Coríntios, 8:2.)

A doutrina Espírita em seus postulados de sublime luz, não prescinde do bom senso e da lógica, e solicita de seus sinceros adeptos atenção para esse fundamento, esclarecendo no Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. XIX, item 7 o seguinte : “Fé inabalável só o é a que pode encarar a razão, em todas as épocas da humanidade”.

Isso porque não podemos mais justificar nos dias de hoje uma fé sem uma base de sustentação que não se solidifique na constatação das descobertas científicas da atualidade e de outras muitas que certamente chegarão.

Se honestamente pretendemos seguir os caminhos ensinados por aquele que nos afirmou ser “o caminho a verdade e a vida”, e que “ninguém vai ao Pai senão por ELE”, faz-se urgente deixar o velho hábito de falar como se faz, para fazer como se deve.

Para seguir o caminho de encontro ao Mestre é preciso entender que Jesus não deseja que sejamos dele simples adoradores de sua excelsa figura como homem que esteve entre nós realizando prodígios, mas, acima de tudo, competentes servidores da obra do bem da qual a Boa Nova é portadora.

Isto é, amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos, procurando calar auxiliando, trabalhar com dedicação e servir com desprendimento, porque somente através do labor com devotamento é que verdadeiramente estaremos sendo eficientes na implantação e edificação do Reinado do Amor e da Luz na Terra.

O Evangelho de Jesus não pode servir de argumento para debates infrutíferos sobre seus artigos e versículos, quando muitos “cristãos”, em suas diversas correntes religiosas, pretendem se passar por únicos e verdadeiros seguidores de seus ensinamentos, sem se preocuparem em dar os necessários testemunhos na conduta diária, diante do seu semelhante.

Em nosso movimento Espírita também é comum observarmos esse tipo de comportamento, onde alguns “estudiosos” da doutrina desejam ter o monopólio da verdadeira interpretação doutrinária, esquecendo que os outros também estudam as mesmas obras e nem sempre chegam às mesmas conclusões.

No livro Vinha de Luz, psicografia de Chico Xavier, pelo Espírito Emmanuel, Cap. 44, o benfeitor nos alerta sobre o assunto conforme segue.

Assim também, na esfera individual, o homem apenas cogita saber, esquecendo que é indispensável saber como convém.

Em nossas atividades evangélicas, toda a atenção é necessária ao êxito na tarefa que nos foi cometida.

Aprendizes do Evangelho existem que pretendem guardar toda a revelação do Céu, para impô-la aos vizinhos; que se presumem de posse da humildade, para tiranizarem os outros; que se declaram pacientes, irritando a quem os ouve; que se afirmam crentes, confundindo a fé alheia; que exibem títulos de benemerência, olvidando comezinhas obrigações domésticas.

Esses amigos, principalmente, são daqueles que cuidam saber sem saberem de fato”.

Até mesmo alguns neófitos se autoproclamam conhecedores do Espiritismo porque leram O Livro dos Espíritos, e se acham dessa forma devidamente entendidos em doutrina Espírita. Sobre o assunto, ouçamos o que diz Allan Kardec, na Revista Espírita de Novembro de 1861, na matéria intitulada Discurso do Sr. Allan Kardec, da qual extraí o texto abaixo.

Um erro bastante frequente, nos novos adeptos, é o de se crer tornarem-se mestres depois de alguns meses de estudo. O Espiritismo é uma ciência imensa, como sabeis, e cuja experiência não pode se adquirir senão com o tempo, nisso como em todas as coisas. Há nessa pretensão, de não ter mais necessidade de conselhos de outrem e de se crer acima de todos, uma prova de insuficiência, uma vez que falta a um dos primeiros preceitos da Doutrina: a modéstia e a humildade. Quando os Espíritos maus encontram semelhantes disposições num indivíduo, não deixam de superexcitá-los e entretê-los, persuadindo-os de que só eles possuem a verdade. É um dos escolhos que se podem encontrar, e contra o qual acreditei dever vos prevenir, acrescentando que não basta mais se dizer Espírita como se dizer cristão: é preciso prová-lo pela prática”.

Encontramos no Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. XVII, item 4, a correta definição para o verdadeiro espírita que não leva em consideração apenas o conhecimento doutrinário do espírita, mas e principalmente, o que se faz com ele, conforme segue. “Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más”.

Pensemos nisso com muita atenção.

Francisco Rebouças

Brasil coração do mundo...

https://youtu.be/_a9tpJnGcbw

Homenagem a Chico Xavier

Haroldo Dias Dutra - As cartas de Paulo

Haroldo Dutra - Jesus o Médico da Almas

https://youtu.be/Uk7OUvyGCZU



Divaldo Franco

https://youtu.be/OVbstbRFs9M

Entrevista sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis...

Reencarnação é uma realidade

Palestra O trabalho no Bem - Cristiane Parmiter

Palestra: As Leis Divinas e nós - Cristiane Parmiter

Palestra: Benevolência - Cristiane Parmiter

Palestra: Jesus e o Mundo - Cristiane Parmiter

Palestra: A Dinâmica do Perdão - Cristiane Parmiter

Palestra: Perante Jesus - Cristiane Parmiter

Palestra AVAREZA - Cristiane Parmiter

Palestra Obediência Construtiva - Cristiane Parmiter

Palestra Tribulações - Cristiane Parmiter

Palestra Conquistando a Fé - Cristiane Parmiter

Palestra Humildade e Jesus - Cristiane Parmiiter

Palestra Renúncia - Cristiane Parmiter

Rádios Brasil

Simplesmente Espetacular!!!

Professora Amanda Gurgel

Andrea Bocelli & Sarah Brightman - Time To Say Goodbye

De Kardec aos dias de hoje

Madre Teresa

As Mães de Chico Xavier

Reencarnação - Menino Piloto

http://www.youtube.com/embed/cQ2ZqUCKDow" frameborder="0" allowfullscreen>

Muitas Vidas

Espiritismo: família de Andrea Maltarolli mantém contato com a autora - Mais Você - GLOBO

Divaldo Franco

ESPIRITISMO - CHICO XAVIER - REPORTAGEM DO FANTASTICO - OS SEGREDOS DE CHICO

Entrevista com Divaldo Franco

Sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis, e muito mais, confira. 1ª Parte 2ª Parte

Oração de Gratidão - Divaldo Franco

Chico Xavier

Chico Xavier no Fantástico

Chico Xavier (2010) trailer oficial

Página de Mensagens

Nesta página estarei lançando variadas páginas de conteúdo edificante para nosso aprendizado.

Francisco Rebouças.

1-ANTE A LIÇÃO

"Considera o que te digo, porque o Senhor te dará entendimento em tudo".- Paulo. II TIMÓTEO. 2:7.

Ante a exposição da verdade, não te esquives à meditação sobre as luzes que recebes.

Quem fita o céu, de relance, sem contemplá-lo, não enxerga as
estrelas; e quem ouve uma sinfonia, sem abrir-lhe a acústica da alma, não lhe percebe as notas divinas.

Debalde escutarás a palavra inspirada de pregadores ardentes, se não descerrares o coração para que o teu sentimento mergulhe na claridade bendita daquela.

Inúmeros seguidores do Evangelho se queixam da incapacidade de retenção dos ensinos da Boa Nova, afirmando-se ineptos à frente das novas revelações, e isto porque não dispensam maior trato à lição ouvida, demorando-se longo tempo na província da distração e da leviandade.

Quando a câmara permanece sombria, somos nós quem desata o ferrolho à janela para que o sol nos visite.

Dediquemos algum esforço à graça da lição e a lição nos responderá com as suas graças.

O apóstolo dos gentios é claro na observação. "Considera o que te digo, porque, então, o Senhor te dará entendimento em tudo."

Considerar significa examinar, atender, refletir e apreciar.

Estejamos, pois, convencidos de que, prestando atenção aos
apontamentos do Código da Vida Eterna, o Senhor, em retribuição à nossa boa-vontade, dar-nos-á entendimento em tudo.

Livro: Fonte Viva
Chico Xavier/Emmanuel

NO CAMPO FÍSICO

"Semeia-se corpo animal, ressuscitará corpo espiritual." - Paulo. (I CORÍNTIOS, 15:44.)

Ninguém menospreze a expressão animal da vida humana, a pretexto de preservar-se na santidade.

A imersão da mente nos fluidos terrestres é uma oportunidade de sublimação que o espírito operoso e desperto transforma em estruturação de valores eternos.

A sementeira comum é símbolo perfeito.

O gérmen lançado à cova escura sofre a ação dos detritos da terra, afronta a lama, o frio, a resistência do chão, mas em breve se converte em verdura e utilidade na folhagem, em perfume e cor nas flores e em alimento e riqueza nos frutos.

Compreendamos, pois, que a semente não estacionou. Rompeu todos os obstáculos e, sobretudo, obedeceu à influência da luz que a orientava para cima, na direção do Sol.

A cova do corpo é também preciosa para a lavoura espiritual, quando nos submetemos à lei que nos induz para o Alto.

Toda criatura provisoriamente algemada à matéria pode aproveitar o tempo na criação de espiritualidade divina.

O apóstolo, todavia, é muito claro quando emprega o termo "semeia-se". Quem nada planta, quem não trabalha na elevação da própria vida, coagula a atividade mental e rola no tempo à maneira do seixo que avança quase inalterável, a golpes inesperados da natureza.

Quem cultiva espinhos, naturalmente alcançará espinheiros.

Mas, o coração prevenido que semeia o bem e a luz, no solo de si mesmo, espere, feliz, a colheita da glória espiritual.

E N T R E I R M Ã O S
Olympia Belém (Espírito)[1]

Estes são tempos desafiadores para todos os que buscam um mundo melhor, onde reine o amor, onde pontifique a fraternidade, onde possam florir os mais formosos sentimentos nos corações.
Anelamos por dias em que a esperança, há tanto tempo acariciada, possa converter-se em colheita de progressos e de paz.
Sonhamos com esse alvorecer de uma nova era em que o Espiritismo, transformado em religião do povo, apresentando Jesus às multidões, descrucificado e vivo, possa modificar as almas, para que assumam seu pujante papel de filhas de Deus no seio do mundo.
Entrementes, não podemos supor que esses ansiados dias estejam tão próximos, quando verificamos que há, ainda, tanta confusão nos relacionamentos, tanta ignorância nos entendimentos, tanta indiferença e ansiedade nos indivíduos, como se vendavais, tufões, tormentas variadas teimassem em sacudir o íntimo das criaturas, fazendo-as infelizes.
A fim de que os ideais do Cristo Jesus alcancem a Terra, torna-se indispensável o esforço daqueles que, tendo ouvido o cântico doloroso do Calvário, disponham-se a converter suas vidas na madrugada luminosa do Tabor.
O mundo terreno, sob ameaças de guerras e sob os rufares da violência, em vários tons, tem urgência do Mestre de Nazaré, ainda que O ignore em sua marcha atordoada, eivada do materialismo que o fascina, que o domina e que o faz grandemente desfigurado, por faltar sentido positivo e digno no uso das coisas da própria matéria.
Na atualidade, porém, com as advertências da Doutrina dos Espíritos, com essa luculenta expressão da misericórdia de Deus para com Seus filhos terrenos, tudo se torna menos áspero, tudo se mostra mais coerente, oferecendo-nos a certeza de que, no planeta, tudo está de conformidade com a lei dos merecimentos, com as obras dos caminheiros, ora reencarnados, na estrada da suspirada libertação espiritual.
"A cada um segundo as suas obras" aparece como canto de justiça e esperança, na voz do Celeste Pastor.
Hoje, reunidos entre irmãos, unimo-nos aos Emissários destacados do movimento de disseminação da luz sobre as brumas terráqueas, e queremos conclamar os queridos companheiros, aqui congregados, a que não se permitam atormentar pelos trovões que se fazem ouvir sobre as cabeças humanas, ameaçadores, tampouco esfriar o bom ânimo, considerando que o Cristo vela sempre. Que não se deixem abater em razão de ainda não terem, porventura, alcançado as excelentes condições para o ministério espírita, certos de que o tempo é a magna oportunidade que nos concede o Senhor. Que ponham mãos à obra, confiantes e vibrantes, certos de que os verdadeiros amigos de Jesus caminham felizes, apesar das lutas e das lágrimas, típicas ocorrências das experiências, das expiações e das provas.
Marchemos devotados, oferecendo, na salva da nossa dedicação, o melhor que o Espiritismo nos ensina, o melhor do que nos apresenta para os que se perdem nas alamedas do medo, da desesperança e da ignorância a nossa volta.
Hoje, entre os amigos espíritas, encontramos maior ânimo para a superação dos nossos próprios limites, o que configurará, ao longo do tempo a superação dos limites do nosso honroso Movimento Espírita.
Sejamos pregadores ou médiuns, evangelizadores, escritores ou servidores da assistência social, não importa. Importa que nos engajemos, todos, nos labores do Codificador, plenificando-nos da grande honra de cooperar com os excelsos interesses do Insuperado Nazareno.
O tempo é hoje, queridos irmãos. O melhor é o agora, quando nos entrelaçamos para estudar, confraternizar e louvar a Jesus com os corações em clima festivo.
Certos de que o Espiritismo é roteiro de felicidade e bandeira de luz, que devemos içar bem alto sobre o dorso do planeta, abracemo-nos e cantemos, comovidos: Louvado seja Deus! Louvado seja Jesus!
Com extremado carinho e votos de crescente progres­so para todos, em suas lidas espiritistas, quero despedir-me sempre devotada e servidora pequenina.
Olympia Belém.

[1]
- Mensagem psicografada pelo médium J. Raul Teixeira no dia 03.09.95, no encerramento da X Confraternização Espírita do Estado do Rio de Janeiro.

O TEMPO

“Aquele que faz caso do dia, patrão Senhor o faz.” — Paulo. (ROMANOS, capítulo 14, versículo 6.)

A maioria dos homens não percebe ainda os valores infinitos do tempo.
Existem efetivamente os que abusam dessa concessão divina. Julgam que a riqueza dos benefícios lhes é devida por Deus.
Seria justo, entretanto, interrogá-los quanto ao motivo de semelhante presunção.
Constituindo a Criação Universal patrimônio comum, é razoável que todos gozem as possibilidades da vida; contudo, de modo geral, a criatura não medita na harmonia das circunstâncias que se ajustam na Terra, em favor de seu aperfeiçoamento espiritual.
É lógico que todo homem conte com o tempo, mas, se esse tempo estiver sem luz, sem equilíbrio, sem saúde, sem trabalho?
Não obstante a oportunidade da indagação, importa considerar que muito raros são aqueles que valorizam o dia, multiplicando-se em toda parte as fileiras dos que procuram aniquilá-lo de qualquer forma.
A velha expressão popular “matar o tempo” reflete a inconsciência vulgar, nesse sentido.
Nos mais obscuros recantos da Terra, há criaturas exterminando possibilidades sagradas. No entanto, um dia de paz, harmonia e iluminação, é muito importante para o concurso humano, na execução das leis divinas.
Os interesses imediatistas do mundo clamam que o “tempo é dinheiro”, para, em seguida, recomeçarem todas as obras incompletas na esteira das reencarnações... Os homens, por isso mesmo, fazem e desfazem, constroem e destroem, aprendem levianamente e recapitulam com dificuldade, na conquista da experiência.
Em quase todos os setores de evolução terrestre, vemos o abuso da oportunidade complicando os caminhos da vida; entretanto, desde muitos séculos, o apóstolo nos afirma que o tempo deve ser do Senhor.

Livro: Caminho Verdade e Vida.
Chico Xavier/Emmanuel.

NISTO CONHECEREMOS

"Nisto conhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro." (I JOÃO, 4:6.)

Quando sabemos conservar a ligação com a Paz Divina, apesar de todas as perturbações humanas, perdoando quantas vezes forem necessárias ao companheiro que nos magoa; esquecendo o mal para construir o bem; amparando com sinceridade aos que nos aborrecem; cooperando espiritualmente, através da ação e da oração, a benefício dos que nos perseguem e caluniam; olvidando nossos desejos particulares para servirmos em favor de todos; guardando a fé no Supremo Poder como luz inapagável no coração; perseverando na bondade construtiva, embora mil golpes da maldade nos assediem; negando a nós mesmos para que a bênção divina resplandeça em torno de nossos passos; carregando nossas dificuldades como dádivas celestes; recebendo adversários por instrutores; bendizendo as lutas que nos aperfeiçoam a alma, à frente da Esfera Maior; convertendo a experiência terrena em celeiros de alegrias para a Eternidade; descortinando ensejos de servir em toda parte; compreendendo e auxiliando sempre, sem a preocupação de sermos entendidos e ajudados; amando os nossos semelhantes qual temos sido amados pelo Senhor, sem expectativa de recompensa; então, conheceremos o espírito da verdade em nós, iluminando-nos a estrada para a redenção divina.

DOUTRINAÇÕES

"Mas não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos, antes, por estarem os vossos nomes escritos nos céus." — Jesus. (LUCAS, capítulo 10, versículo 20.)

Freqüentemente encontramos novos discípulos do Evangelho exultando de contentamento, porque os Espíritos perturbados se lhes sujeitam.

Narram, com alegria, os resultados de sessões empolgantes, nas quais doutrinaram, com êxito, entidades muita vez ignorantes e perversas.

Perdem-se muitos no emaranhado desses deslumbramentos e tocam a multiplicar os chamados "trabalhos práticos", sequiosos por orientar, em con-tactos mais diretos, os amigos inconscientes ou infelizes dos planos imediatos à esfera carnal.

Recomendou Jesus o remédio adequado a situações semelhantes, em que os aprendizes, quase sempre interessados em ensinar os outros, esquecem, pouco a pouco, de aprender em proveito próprio.

Que os doutrinadores sinceros se rejubilem, não por submeterem criaturas desencarnadas, em desespero, convictos de que em tais circunstâncias o bem é ministrado, não propriamente por eles, em sua feição humana, mas por
emissários de Jesus, caridosos e solícitos, que os utilizam à maneira de canais para a Misericórdia Divina; que esse regozijo nasça da oportunidade de servir ao bem, de consciência sintonizada com o Mestre Divino, entre as certezas
doces da fé, solidamente guardada no coração.

A palavra do Mestre aos companheiros é muito expressiva e pode beneficiar amplamente os discípulos inquietos de hoje.

Livro: Caminho Verdade e Vida.

Chico Xavier/Emmanuel.

FILHOS DA LUZ

FILHOS DA LUZ"Andai como filhos da luz." - Paulo.

(EFÉSIOS, 5:8.)Cada criatura dá sempre notícias da própria origem espiritual.

Os atos, palavras e pensamentos constituem informações vivas da zona mental de que procedemos.

Os filhos da inquietude costumam abafar quem os ouve, em mantos escuros de aflição.

Os rebentos da tristeza espalham o nevoeiro do desânimo.

Os cultivadores da irritação fulminam o espírito da gentileza com os raios da cólera.

Os portadores de interesses mesquinhos ensombram a estrada em que transitam, estabelecendo escuro clima nas mentes alheias.

Os corações endurecidos geram nuvens de desconfiança, por onde passam.

Os afeiçoados à calúnia e à maledicência distribuem venenosos quinhões de trevas com que se improvisam grandes males e grandes crimes.

Os cristãos, todavia, são filhos da luz.E a missão da luz é uniforme e insofismável.Beneficia a todos sem distinção.

Não formula exigências para dar.Afasta as sombras sem alarde.

Espalha alegria e revelação crescentes.Semeia renovadas esperanças.Esclarece, ensina, ampara e irradia-se.

Vinha de Luz

Chico Xavier/André Luiz


QUEM LÊ, ATENDA

"Quem lê, atenda." - Jesus. (MATEUS, 24:15.)

Assim como as criaturas, em geral, converteram as produções sagradas da Terra em objeto de perversão dos sentidos, movimento análogo se verifica no mundo, com referência aos frutos do pensamento.

Freqüentemente as mais santas leituras são tomadas à conta de tempero emotivo, destinado às sensações renovadas que condigam com o recreio pernicioso ou com a indiferença pelas obrigações mais justas.

Raríssimos são os leitores que buscam a realidade da vida.

O próprio Evangelho tem sido para os imprevidentes e levianos vasto campo de observações pouco dignas.

Quantos olhos passam por ele, apressados e inquietos, anotando deficiências da letra ou catalogando possíveis equívocos, a fim de espalharem sensacionalismo e perturbação? Alinham, com avidez, as contradições aparentes e tocam a malbaratar, com enorme desprezo pelo trabalho alheio, as plantas tenras e dadivosas da fé renovadora.

A recomendação de Jesus, no entanto, é infinitamente expressiva.

É razoável que a leitura do homem ignorante e animalizado represente conjunto de ignominiosas brincadeiras, mas o espírito de religiosidade precisa penetrar a leitura séria, com real atitude de elevação.

O problema do discípulo do Evangelho não é o de ler para alcançar novidades emotivas ou conhecer a Escritura para transformá-la em arena de esgrima intelectual, mas, o de ler para atender a Deus, cumprindo-lhe a Divina Vontade.

Livro; Vinha de Luz
Chico Xavier/Emmanuel