Trabalhemos todos, pela Unificação do movimento espírita!!

O Espiritismo é uma questão de fundo; prender-se à forma seria puerilidade indigna da grandeza do assunto. Daí vem que os centros que se acharem penetrados do verdadeiro espírito do Espiritismo deverão estender as mãos uns aos outros, fraternalmente, e unir-se para combater os inimigos comuns: a incredulidade e o fanatismo.”

“Dez homens unidos por um pensamento comum são mais fortes do que cem que não se entendam.”
Allan Kardec (Obras Póstumas – Constituição do Espiritismo – Item VI).



sábado, 22 de setembro de 2018

Doutrina Espírita


Quando se resolve mal um problema, ele dá surgimento a outro, que lhe é resultado, ou retorna mais desafiador. Por isso, somente as atitudes corretas, baseadas na honradez e na lealdade, conseguem resolver em definitivo as dificuldades e as ocorrências desagradáveis do percurso.
O indivíduo imaturo sempre adia soluções, na ilusão de que amanhã as possibilidades serão melhores do que as de hoje, fugindo ao enfrentamento com a consciência e o dever. Suas vitórias são conseguidas através dos mecanismos da deslealdade, da conduta incorreta, que lhes permitem sorrir da forma como ludibriam os demais. Em verdade, porém, enganam-se a si mesmos, porque o compromisso retorna-lhes sempre para a necessária regularização.

Divaldo Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis - Livro: Vida Desafios e Soluções – Cap. 3 Fatores de insegurança.

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Saber respeitar é uma necessidade!

Amigos, nós que nos dizemos Espíritas, precisamos vivenciar verdadeiramente em nossas atitudes, diárias os verdadeiros ensinamentos da doutrina espírita.
Assim sendo, ouçamos os Espíritos Superiores nas questões que seguem:


839. Será repreensível aquele que escandalize com a sua crença um outro que não pensa como ele?

“Isso é faltar com a caridade e atentar contra a liberdade de pensamento.”
877. Da necessidade que o homem tem de viver em sociedade, nascem-lhe obrigações especiais?

“Certo e a primeira de todas é a de respeitar os direitos de seus semelhantes. Aquele que respeitar esses direitos procederá sempre com justiça. Em o vosso mundo, porque a maioria dos homens não pratica a lei de justiça, cada um usa de represálias. Essa a causa da perturbação e da confusão em que vivem as sociedades humanas. A vida social outorga direitos e impões deveres recíprocos.”

878. Podendo o homem enganar-se quanto à extensão do seu direito, que é o que lhe fará conhecer o limite desse direito?
“O limite do direito que, com relação a si mesmo, reconhecer ao seu semelhante, em idênticas circunstâncias e reciprocamente.”

Fonte: O Livro dos Espíritos – FEB, 76 edição.

Vida Feliz


LIV

Sê gentil e bondoso, sem te tornares servil.
A humildade é uma virtude nobre que não convive com as situações vis.
íntegra, enriquece o homem de valores espirituais, que o tornam forte, na sua aparente fraqueza e poderoso na sua pobreza.
Sócrates, Cristo e Gandhi são os exemplos máximos da humildade e os expoentes mais belos da evolução.
Abatidos por homicidas loucos, preferiram morrer a ceder, permanecendo imortais na sua grande vitória.

Livro: Vida Feliz
Divaldo Franco/Joanna de Ângelis
Francisco Rebouças

terça-feira, 18 de setembro de 2018

COLABORA

Meimei

...Sai de tí mesmo e ampara aos que esmorecerem de inanição na vida íntima...

Se a compreensão já se te fez luz nos recessos da alma, reflete nos problemas da fome espiritual.

Não existiria a delinquência na Terra, em tamanha extensão, não fosse a carência de recursos na sustentação da alma.

Indaguemos dos companheiros internados em sanatórios e instituições outras de trabalho reeducativo, para tratamento das alterações psicológicas de que são portadores, se teriam entrado em qualquer processo culposo, caso soubessem quanto lhes custaria a recuperação.

Conheces as estatísticas, referentes às áreas do Planeta, ameaçadas pela falta de pão.

Medita nas multidões, em todos os setores da experiências terrestre que clamam por esclarecimento e consolo, segurança e tranquilidade. 

Fotografas a presença de certas enfermidades no corpo, através da radiografia.

A biópsia fornece exata notícia do câncer.

Quem fará a identificação do desânimo no caráter juvenil ou da tempestade de lágrimas que arrasa um coração materno?

Sai de tí mesmo e ampara aos que esmorecem de inanição na vida íntima.

A fome do estômago grita e agride.

A fome do coração, no entanto, é anestisiada pelas sombras da ignorância, quando as sombras da ignorância acerca de Deus e da Imortalidade alcançam as forças do sentimento.

Tolera, serve, eleva e abençoa.

Para auxiliar na extinção das trevas de espírito, ninguém te pede espetáculos de grandeza.

Basta te disponhas a estender essa ou aquela migalha de amor num raio de luz.

Livro: Amizade
Chico Xavier/Meimei

Francisco Rebouças

Remanso Fraterno

Caros amigos, vamos colaborar com as obras de assistência social S.E.F.
Mais crianças na escola, esse é o grande desafio a conquistar!!! 
Participem, divulguem, o futuro agradece.
   

Conte Comigo!

MULTIPLICADORES SOLIDÁRIOS

Quer entender mais?



Sociedade Espírita Fraternidade - SEF
Rua Passo da Pátria, 38 - São Domingos - Niterói/RJ.
CEP: 24210-240 - Tel: 55+21 2717-8235

E-mail: sef@sef.org.br

sábado, 15 de setembro de 2018

Estudando o Espiritismo - L.M.

Tem, pois, dois corpos o indivíduo que se mostra simultaneamente em dois lugares diferentes. Mas, desses dois corpos, um somente é real, o outro é simples aparência. Pode-se dizer que o primeiro tem a vida orgânica e que o segundo tem a vida da alma. Ao despertar o indivíduo, os dois corpos se reúnem e a vida da alma volta ao corpo material. Não parece possível, pelo menos não conhecemos disso exemplo algum, e a razão, ao nosso ver, o demonstra, que, no estado de separação, possam os dois corpos gozar, simultaneamente e no mesmo grau, da vida ativa e inteligente. Demais, do que acabamos de dizer ressalta que o corpo real não poderia morrer, enquanto o corpo aparente se conservasse visível, porquanto a aproximação da morte sempre atrai o Espírito para o corpo, ainda que apenas por um instante. Daí resulta igualmente que o corpo aparente não poderia ser matado, porque não é orgânico, não é formado de carne e osso. Desapareceria, no momento em que o quisessem matar (1).
____________________________________________________________
(1) Ver na Revue Spirite, janeiro de 1859: O Duende de Baiona; fevereiro de 1859: Os agêneres; meu amigo Hermann; maio de 1859: O laço que prende o Espírito ao corpo ; novembro de 1859: A alma errante; janeiro de 1860: O Espírito de um lado e o corpo do outro ; março de 1860: Estudos sobre o Espírito de pessoas vivas; o doutor V. e a senhorita I .; abril de 1860: O fabricante de São Petersburgo; aparições tangíveis ; novembro de 1860: História de Maria Agreda; julho de 1861: Uma aparição providencial.
Fonte: Livro dos Médiuns – Cap. VII, item 121 - DA BICORPOREIDADE E DA TRANSFIGURAÇÃO

AGRADECE

Meimei

Agradece as mãos que te constroem a existência, decorando-a com as tintas da alegria e da esperança, mas endereça os teus pensamentos de gratidão àquelas outras que te ferem com os espinhos da incompreensão, ensinando-te a conviver e a servir.

Agradece as vozes que te embalam os anseios, entretecendo hinos de paz e amor com que te inspiram as melhores realizações, no entanto, envia as tuas vibrações de reconhecimento àquelas outras que te exageram essa ou aquela falha, induzindo-te a compreender e a perdoar.

Agradece aos amigos que te proporcionam mesa farta, impulsionando-te a pensar na abastança da Terra, mas não recuses respeito àqueles que, em algum tempo, te sonegaram o pão, levando-te a prestigiar a fraternidade e a beneficência.

Agradece aos irmãos que te reconhecem a nobreza de sentimentos, louvando-te o trabalho, entretanto, não olvides o apreço que se deve àqueles outros que te menosprezam, auxiliando-te a descobrir os tesouros da humildade e da tolerância.

Certa feita, um pedaço de carbono sumido no monturo pediu a Deus o levasse para a superfície da Terra, a fim de ser mais útil. O Supremo Senhor ouviu-lhe a súplica e determinou fosse ele detido no subsolo para a devida maturação.

O minério humilde aceitou a resposta e permaneceu na clausura, por séculos e séculos, suportando a química da natureza com o assalto constante dos vermes que habitavam o chão.

Chegou, por fim, o tempo em que o Criador mandou arrancá-lo para atender-lhe aos ideais. Instrumentos de perfuração exumaram-no a golpes desapiedados e o lapidário cortou-lhe o corpo, de vários modos, em minucioso burilamento.

Mas quando o carbono sublimado surgiu, de todo, aos olhos do mundo, Deus o havia transformado no brilhante, que passou a brilhar, entre os homens, parecendo uma flor do arco-íris com o fulgor das estrelas.

Livro: Amizade
Chico Xavier, pelo Espírito Meimei

Francisco Rebouças

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Zona de conforto ou dissimulada preguiça?

“Ânimo, trabalhadores! Tomai dos vossos arados e das vossas charruas; lavrai os vossos corações; arrancai deles a cizânia; semeai a boa semente que o Senhor vos confia e o orvalho do amor lhe fará produzir frutos de caridade.” — Cap. XVIII, 15.
Estamos sempre em busca do encontro com a tão desejada e difundida “zona de conforto”, que nos parece tentadora e sedutora conquista que precisamos alcançar, e representa a facilidade e comodidade de continuar a vida sem grandes esforços e trabalhos para empreender mudanças em nossas vidas.
Na grande maioria das vezes, significa a manutenção das nossas tendências em realizar o que nos parece mais fácil e cômodo, sem que nos saliente qualquer compromisso em interromper os velhos, inadequados, improdutivos hábitos aos quais já nos afeiçoamos há milênios, arquivados no psiquismo do homem velho que nos governa ainda nos dias da atualidade.
A zona de conforto em que nos deliciamos, não passa de falsa comodidade, um falso bem-estar porque na verdade, impede-nos de começar qualquer movimento de mudança, algo novo ou desafiador, que exija disciplina, dedicação, e comprometimento além do necessário trabalho que nos exigirá a imediata saída da ilusória paz da inércia.
conforto como entendemos inicialmente, é a fuga da dor, do sacrifício, das dificuldades, é um equivocado sentimento prazeroso de harmonia íntima, é a fictícia sensação de tranquilidade e segurança, como se estivéssemos realmente imunes aos dissabores da vida comum de qualquer ser humano, na estrada do progresso individual que nos compete alcançar.
Os principais motivos, que nos prendem na nossa zona de conforto são: Ignorância, Orgulho, Preguiça, Medo etc., que nos impõem os efeitos mais danosos para o nosso Ser imortal a caminho da felicidade e da pureza espiritual que é o nosso verdadeiro destino, isto porque desperdiçamos os Talentos com que a Soberania Sabedoria do Universo nos enriqueceu a vida.
O conforto mal compreendido causará sérios prejuízos à saúde física, algemando-nos ao sedentarismo, provocando maléficos efeitos na saúde do indivíduo como obesidade, dependência química, prejuízo intelectual por falta de exercício mental, com a consequente dificuldade no raciocínio, perda de agilidade etc.
O Homem está submetido às Leis Divinas, perfeitas e imutáveis, e a Lei do Trabalho é uma delas, que institivamente nos estimula à busca do desenvolvimento, aprimoramento e iluminação, que nos fará compreender a necessidade de mudança de comportamento para crescer e evoluir a caminho da felicidade e da paz de Espírito que tanto almejamos desfrutar.
O Benfeitor Emmanuel apresenta algumas sugestões para não ficarmos na nossa tal zona de conforto e nos fazermos úteis a nós mesmos e ao nosso semelhante, conforme segue.
“Reflete nas provações alheias e auxilia incessantemente.
Louvado para sempre o trabalho honesto com que te dispões a minorar as dificuldades dos semelhantes, ensinando-lhes a encontrar a felicidade, através do esforço digno.
Bendita a moeda que deixas escorregar nas mãos fatigadas que se constrangem a implorar o socorro publico.
Inesquecível a operação da beneficência, com a qual te desfazes de recursos diversos para que não haja penúria na vizinhança.
Abençoado o dia de serviço gratuito que prestas no amparo aos companheiros menos felizes.
Enaltecido o devotamento que empregas na instrução aos viajores do mundo, que ainda se debatem nos labirintos da ignorância.
Glorificado o conselho fraterno com que te decides a mostrar o melhor caminho.
Santo o remédio com que alivias a dor.
Inolvidáveis todos os investimentos que realizes no Instituto Universal da Providência Divina, quando entregas a beneficio dos outros o concurso financeiro, a página educativa, a peça de roupa, o litro de leite, o cobertor aconchegante, o momento de consolo, o gesto de solidariedade, o prato de pão…
Não se pode esquecer que Jesus consignou por crédito sublime da alma, no Reino de Deus, o simples copo de água que se dê no mundo em seu nome.
Entretanto, mil vezes bem-aventurada seja cada hora de tua paciência diante daqueles que não te compreendam ou te esqueçam, te firam ou te achincalhem, porque a paciência, invariavelmente feita de bondade e silêncio, abnegação e esquecimento do mal, é donativo essencialmente da alma, benção da fonte divina do amor, que jorra das nascentes do sacrifício, seja formada no suor da humildade ou no pranto oculto do coração.” (1)
Não devemos esquecer em nenhuma situação a importância do trabalho, altruísta em nossos relacionemos, particularmente nas situações de dificuldades e sofrimentos que atingem o semelhante, porque já sabemos que “O poço de águas trancadas foge de aliviar a sede das criaturas, convertendo-se para logo em piscina de vermes.”
Referências:(1) Xavier, Francisco Cândido, pelo Espírito Emmanuel – Livro da Esperança, cap. Donativo da Alma.
Francisco Rebouças

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Estudando o Espiritismo - O.P.


ALLAN KARDEC
CARÁTER E CONSEQUÊNCIAS RELIGIOSAS DAS MANIFESTAÇÕES DOS ESPÍRITOS
                                    
Não se devem confundir os médiuns curadores com os médiuns receitistas, que são simples médiuns escreventes, cuja especialidade consiste em servirem mais facilmente de intérpretes aos Espíritos para as prescrições médicas; absolutamente mais não fazem que transmitir o pensamento do Espírito, sem exercerem, de si mesmos, nenhuma
influência.

Fonte: Obras Póstumas – FEB 12ª edição, item 55.
                                                                                                              


quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Estudando o Espiritismo - G.

Doutrina espírita, nossa fonte de luz!
- Haverá revelações diretas de Deus aos homens? É uma questão que não ousaríamos resolver, nem afirmativamente, nem negativamente, de maneira absoluta. O fato não é radicalmente impossível, porém, nada nos dá dele prova
certa. O que não padece dúvida é que os Espíritos mais próximos de Deus pela
perfeição se imbuem do seu pensamento e podem transmiti-lo. Quanto aos reveladores encarnados, segundo a ordem hierárquica a que pertencem e o grau a que chegaram de saber, esses podem tirar dos seus próprios conhecimentos as instruções que ministram, ou recebê-las de Espíritos mais elevados, mesmo dos mensageiros diretos de Deus, os quais, falando em nome de Deus, têm sido às vezes tomados pelo próprio Deus.
As comunicações deste gênero nada têm de estranho para quem conhece os fenômenos espíritas e a maneira pela qual se estabelecem as relações entre os encarnados e os desencarnados. As instruções podem ser transmitidas por diversos meios: pela simples inspiração, pela audição da palavra, pela visibilidade dos Espíritos instrutores, nas visões e aparições, quer em sonho, quer em estado de vigília, do que há muitos exemplos na Bíblia, no Evangelho e nos livros sagrados de todos os povos.
É, pois, rigorosamente exato dizer-se que quase todos os reveladores são médiuns inspirados, audientes ou videntes. Daí, entretanto, não se deve concluir que todos os médiuns sejam reveladores, nem, ainda menos, intermediários diretos da divindade ou dos seus mensageiros.
Fonte: A Gênese – Cap. I, item 9

domingo, 2 de setembro de 2018

Onde houver erro que eu leve a verdade…



Em todos os tempos, o Criador cuidou com muito amor e carinho de suas criaturas, ofertando os imprescindíveis recursos para as tornarem capazes de alavancar o próprio progresso intelectual e moral, em cumprimento a Lei de Progresso.
A Doutrina Espírita representa, sem qualquer sombra de dúvidas, um dos mais sérios e nobres Instrumentos da qual a Espiritualidade Superior se utilizou para nos tirar do erro através do conhecimento da verdade das Leis Celestiais, aclarando nossa forma de observar a sabedoria de uma Inteligência Suprema.
Tudo tem uma razão útil de existir, e, por isso mesmo, trataremos aqui da importância do período infantil para o Espírito Imortal, porque o que mais se observa nos dias da atualidade é o desrespeito a tudo e a todos de um número grandioso e crescente de crianças que parecem não ter recebido os necessários cuidados com a educação por parte de seus de seus pais ou responsáveis na grande maioria dos casos.
  1. Qual, para este, a utilidade de passar pelo estado de infância?
“Encarnado, com o objetivo de se aperfeiçoar, o Espírito, durante esse período, é mais acessível às impressões que recebe, capazes de lhe auxiliarem o adiantamento, para o que devem contribuir os incumbidos de educá-lo.”
  1. Que é o que motiva a mudança que se opera no caráter do indivíduo em certa idade, especialmente ao sair da adolescência? É que o Espírito se modifica?
“É que o Espírito retoma a natureza que lhe é própria e se mostra qual era.
“Não conheceis o que a inocência das crianças oculta. Não sabeis o que elas são, nem o que foram, nem o que serão. Contudo, afeição lhes tendes, as acaricias, como se fossem parcelas de vós mesmos, a tal ponto que se considera o amor que uma mãe consagra a seus filhos como o maior amor que um ser possa votar a outro. Donde nasce o meigo afeto, a terna benevolência que mesmo os estranhos sentem por uma criança? Sabeis? Não. Pois bem! Vou explicá-lo.”
“As crianças são os seres que Deus manda a novas existências. Para que não lhe possam imputar excessiva severidade, dá-lhes Ele todos os aspectos da inocência. Ainda quando se trata de uma criança de maus pendores, cobrem-se-lhe as más ações com a capa da inconsciência. Essa inocência não constitui superioridade real com relação ao que eram antes, não. É a imagem do que deveriam ser e, se não o são, o consequente castigo exclusivamente sobre elas recai.
“Não foi, todavia, por elas somente que Deus lhes deu esse aspecto de inocência; foi também e sobretudo por seus pais, de cujo amor necessita a fraqueza que as caracteriza.
Ora, esse amor se enfraqueceria grandemente à vista de um caráter áspero e intratável, ao passo que, julgando seus filhos bons e dóceis, os pais lhes dedicam toda a afeição e os cercam dos mais minuciosos cuidados. Desde que, porém, os filhos não mais precisam da proteção e assistência que lhes foram dispensadas durante quinze ou vinte anos, surge-lhes o caráter real e individual em toda a nudez. Conservam-se bons, se eram fundamentalmente bons; mas, sempre irisados de matizes que a primeira infância manteve ocultos.
Como vedes, os processos de Deus são sempre os melhores e, quando se tem o coração puro, facilmente se lhes apreende a explicação…
 “A infância ainda tem outra utilidade. Os Espíritos só entram na vida corporal para se aperfeiçoarem, para se melhorarem. A delicadeza da idade infantil os torna brandos, acessíveis aos conselhos da experiência e dos que devam fazê-los progredir. Nessa fase é que se lhes pode reformar os caracteres e reprimir os maus pendores. Tal o dever que Deus impôs aos pais, missão sagrada de que terão de dar contas.
“Assim, portanto, a infância é não só útil, necessária, indispensável, mas também consequência natural das leis que Deus estabeleceu e que regem o Universo.” (1)
Por essa razão, precisamos estar atentos a todas as atitudes e tendências de nossos filhos, para que não nos tornemos causa de dores e sofrimentos para eles no porvir, em virtude da nossa negligência em educá-los. Precisamos ter olhos de ver e ouvidos de ouvir, seguindo de forma equilibrada o sim, sim, não, não, conforme nos recomendou Jesus.
“…Constatamos, então, que a alma humana tem labirintos e esconderijos inimagináveis, onde se ocultam os produtos mais inabordáveis das vivências individuais e coletivas.. 
…O indivíduo criminoso conduz, de modo dissimulado ou reprimido, a agressividade maligna que o impulsionará desde a infância, o que se pode observar pelo modo como se relaciona com as outras crianças e com os adultos, em geral, e, particularmente, com crianças deficientes e com idosos. Costuma expressar, desde cedo, impulsos sadistas, seja por meio da brincadeira maldosa, do sarcasmo, da violência – quando exterioriza a perversão reprimida – ou por meio da verbalização desrespeitosa, do chiste de conteúdo cruel, quando intenta promover descontração e alegrias com a imagem mental do trágico, do destrutivo, do horror – quando mostra a sua perversão disfarçada, dissimulada. Ao longo do tempo vai-se desenvolvendo o processo sadomasoquista, que da fase infantil migra para as experiências adolescentes e adultas, caso uma bem forjada estrutura educativa não interfira, fomentando um seguro roteiro de vida moral e de busca espiritual, capaz de inseri-lo numa pauta de enobrecida transformação, permitindo-lhe a construção de nova tábua de valores…”. (2)
A humanidade sofre os efeitos do relaxamento na educação dos pequeninos, que se fazem espelho dos adultos irresponsáveis e negligentes, achando que fazer as vontades e realizar os desejos de seus filhos, sem a coragem para dizer não quando a situação se faz necessária, simplesmente para não ter trabalho e não enfrentar a contrariedade do seu filho é o correto.
Mais tarde, sofrem os efeitos desse descuido na educação de filhos e filhas, na própria carne, e ficam a lamentar e reclamar do convívio difícil deles em relação aos próprios familiares por atitudes, deseducadas, desatenciosas, desrespeitosas etc., esquecendo que foram eles mesmos quem os criaram.
Urge modificar os maus hábitos dos pequeninos, fazendo-os compreender que devem obediência a seus pais, respeito aos mais velhos, cuidado com a natureza entre outros muitos ensinamentos, porque eles crescerão, e se tornarão o que deles fizermos, salvo raras e compreensíveis exceções.
Referências:(1) Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos. F.E.B. 76ª edição.
(2) Teixeira, Raul. Pelo Espírito Camilo. Livro: A Carta Magna da Paz Editora Fráter – Cap. 1.
Grifos nossos.
Francisco Rebouças

UMEP - Petrópolis

Palestras espíritas em Petrópolis.
Compareçam, divulguem!!














Francisco Rebbouças


sábado, 1 de setembro de 2018

Espiritismo em Foco

Assistam ao vivo, divulguem!


















Francisco Rebouças

EM NOSSAS TAREFAS ESPIRITUAIS

Espírito Bezerra de Meneses

I
No caminho de suas realizações e tarefas,o bom trabalhador contará sempre com o auxílio do Mais Alto através de recursos espirituais.
Mas, da mesma forma, os Benfeitores Maiores contarão sempre com a segurança de sua fé, ante as trilhas que lhes cabe percorrer e superar.
Pois que as nossas atividades mediúnicas e o trabalho metódico no grupo espírita a que nos vinculamos obterão o maior rendimento no Bem sempre que confiarmos ao amparo de Jesus a nossa sementeira de paz e amor.
II
Confiemos em Jesus, fazendo, sempre, o melhor em nosso alcance e os mensageiros espirituais do Mais Alto prosseguirão colaborando na sustentação de nossas forças, para a desincumbência de nossos compromissos.
III
Filhos, sem dúvida, nosso coração poderá usar a palavra dos Amigos Espirituais, pela inspiração com o Evangelho, sempre que nos dispomos ao trabalho com Jesus.
A idéia Cristã é patrimônio que nos pertence a todos. Jesus conosco!
IV
Em nossas tarefas dignas e edificantes seremos sempre sustentados com o amparo de Jesus, através de abnegados amigos do Alto.
V
Dever bem cumprido é degrau de ascensão à vitória. Não nos faltará o socorro Divino no fiel desempenho de nossas obrigações.
Roguemos ao Senhor nos multiplique as energias.
VI
Permaneçamos firmes em nossas tarefas e confiemos em Jesus hoje e sempre.
Só assim a nossa saúde orgânica e espiritual receberá o melhor contingente de forças, através do campo vibratório do círculo espiritual a que nos integramos.
VII
Guardemos sempre a serenidade e a fé viva em nossos caminhos e confiemos no amparo de Jesus.

Livro: Apelos Cristãos
Chico Xavier/Bezerra de Menezes

Francisco Rebouças

sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Palestra Espírita

Alberto Leitão Rosa, excelente palestrante espírita.
Compareçam, divulguem!





































Francisco Rebouças

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

O DESEJO DO MESTRE


 João de Deus 

“— Minha mãe, que hei de fazer 
Para me unir com Jesus?...” 
Dizia uma pequenina 
Num halo doce de luz. 

“— Filhinha, — dizia a voz 
Do carinho maternal — 
Jesus estará contigo 
Se evitares todo o mal.”

 “— Mamãe, — insistia ainda 
A pequena a perguntar — 
Que quer o Mestre de mim 
P’ra que eu possa lhe agradar?” 

“— Jesus quer de todos nós  — 
Disse a materna afeição  — 
O amor, a humildade e o bem 
No livro do coração!...”

Livro: TEMPO E AMOR 
Francisco Cândido Xavier e Clovis Tavares (Autores Diversos)

Francisco Rebouças

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Estudando o Espiritismo - R.E.

Estudando a doutrina espírita...
A CLAREZA.
(Sociedade de Paris, 5 de janeiro de 1866. - Médium, Sr. Leymarie.)
Concedei-me a hospitalidade, para vossa primeira sessão de 1866? Eu desejo, com o abraço fraternal, vos apresentar meus votos amigos; que possais ter muitas satisfações morais, muito de vontade e de caridade perseverante.
Neste século de luz, o que mais falta, é a clareza! Os semi-sábios, os Bichos-Papões da imprensa, valentemente fizeram o trabalho da aranha para obscurecer, com a ajuda de um tecido supostamente liberal, tudo que é claro, tudo o que esclarece.
Caros Espíritas, tendes encontrado em todas as camadas sociais essa força de raciocínio que é a marca de inteligência dos seres chegados? Não tendes, ao contrário, a certeza de que a grande maioria de vossos irmãos está estagnada numa ignorância malsã? Por toda a parte as heresias e as más ações! As boas intenções, viciadas em seu princípio, caem uma a uma, semelhantes a esses belos frutos dos quais um verme rói o coração e que o vento lança à terra. A clareza, nos argumentos, no saber, teria feito por acaso eleição de domicílio nas academias, entre os filósofos, os jornalistas ou os planfetários?... Poder-se-ia disto duvidar, parece-me, em vendo-os, à maneira de Diógenes, lanterna à mão, procurar uma verdade em pleno sol.
Luz, clareza, sois a essência de todo movimento inteligente! Logo inundareis com vossos raios benfazejos os recantos mais obscuros dessa pobre Humanidade; sereis vós que saireis desse lodo de tantos terrestres atordoados, embrutecidos, espíritos infelizes que devem ser lavados pela instrução, pela liberdade, sobretudo pela consciência de seu valor espiritual. A luz expulsará as lágrimas, as dificuldades, os sombrios desesperos, a negação das coisas divinas, todas as más vontades! Cercando o materialismo, ela o forçará a não mais se abrigar atrás dessa muralha factícia, carcomida, de onde arremessa inabilmente suas setas sobre tudo o que não é obra sua.
Mas as máscaras serão arrancadas e saberemos, então, se os gozos, a fortuna e o sensualismo são bem os emblemas da vida e da liberdade. A clareza é útil em tudo e a todos; ao embrião como ao homem, é preciso a luz! sem ela tudo caminha às cegas, e a alma, às cegas, procura a alma.
Que uma noite eterna se faça! logo as cores harmoniosas desaparecerão de vosso globo, as flores se enfraquecerão, as grandes árvores serão destruídas; os insetos, a Natureza inteira não darão mais esses mil ruídos, a eterna canção a Deus! os riachos banharão margens desoladas; o frio terá tudo mumificado, a vida terá desaparecido!...
Ocorre o mesmo com o Espírito. Se fizerdes noite ao redor dele, nela estará doente; o frio petrificará suas tendências divinas; o homem, como na Idade Média, se entorpecerá, semelhante em sua alma às solidões selvagens e desoladas das regiões boreais!
É por isto, Espíritas, que vos deveis a todas as clarezas. Mas antes de aconselhar e ensinar, começai primeiro por esclarecer as menores dobras de vossa alma. Quando, bastante depurados para nada temer, podereis elevar a voz, o olhar, o gesto, fareis uma guerra implacável à sombra, à tristeza, à ausência de vida; ensinareis as grandes leis espíritas aos irmãos que nada sabem do papel que Deus lhes assinala.
1866, possas tu, pelos anos a vir, ser essa estrela luminosa que conduziu os reis magos para a manjedoura de um humilde filho do povo; vinham prestar homenagem à encarnação que deveria representar, no sentido mais amplo, o espírito de verdade, essa luz benfazeja que transformou a Humanidade. Por esta criança tudo foi compreendido! Foi bem ela que eternizou a graça da simplicidade, da caridade, da benevolência, do amor e da liberdade.
O Espiritismo, também estrela luminosa, deve, como a que rasgou, há dezoito séculos, o véu sombrio dos séculos de ferro, conduzir os terrestres à conquista das verdades prometidas. Saberá bem se livrar das tempestades que nos prometem as evoluções humanas e as resistências desesperadas da ciência às agonias? É que vós todos, meus amigos, e nós vossos irmãos da erraticidade, somos chamados a melhor revelar, inundando este ano com as claridades adquiridas.
Trabalhar com este objetivo é ser adepto do Filho de Belém, é ser filho de Deus, de quem emanam toda luz e toda a clareza.
SONNEZ
Fonte: Revista Espírita – FEV. 1867

Brasil coração do mundo...

https://youtu.be/_a9tpJnGcbw

Homenagem a Chico Xavier

Haroldo Dias Dutra - As cartas de Paulo

Haroldo Dutra - Jesus o Médico da Almas

https://youtu.be/Uk7OUvyGCZU



Divaldo Franco

https://youtu.be/OVbstbRFs9M

Entrevista sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis...

Reencarnação é uma realidade

Palestra O trabalho no Bem - Cristiane Parmiter

Palestra: As Leis Divinas e nós - Cristiane Parmiter

Palestra: Benevolência - Cristiane Parmiter

Palestra: Jesus e o Mundo - Cristiane Parmiter

Palestra: A Dinâmica do Perdão - Cristiane Parmiter

Palestra: Perante Jesus - Cristiane Parmiter

Palestra AVAREZA - Cristiane Parmiter

Palestra Obediência Construtiva - Cristiane Parmiter

Palestra Tribulações - Cristiane Parmiter

Palestra Conquistando a Fé - Cristiane Parmiter

Palestra Humildade e Jesus - Cristiane Parmiiter

Palestra Renúncia - Cristiane Parmiter

Rádios Brasil

Simplesmente Espetacular!!!

Professora Amanda Gurgel

Andrea Bocelli & Sarah Brightman - Time To Say Goodbye

De Kardec aos dias de hoje

Madre Teresa

As Mães de Chico Xavier

Reencarnação - Menino Piloto

http://www.youtube.com/embed/cQ2ZqUCKDow" frameborder="0" allowfullscreen>

Muitas Vidas

Espiritismo: família de Andrea Maltarolli mantém contato com a autora - Mais Você - GLOBO

Divaldo Franco

ESPIRITISMO - CHICO XAVIER - REPORTAGEM DO FANTASTICO - OS SEGREDOS DE CHICO

Entrevista com Divaldo Franco

Sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis, e muito mais, confira. 1ª Parte 2ª Parte

Oração de Gratidão - Divaldo Franco

Chico Xavier

Chico Xavier no Fantástico

Chico Xavier (2010) trailer oficial

Página de Mensagens

Nesta página estarei lançando variadas páginas de conteúdo edificante para nosso aprendizado.

Francisco Rebouças.

1-ANTE A LIÇÃO

"Considera o que te digo, porque o Senhor te dará entendimento em tudo".- Paulo. II TIMÓTEO. 2:7.

Ante a exposição da verdade, não te esquives à meditação sobre as luzes que recebes.

Quem fita o céu, de relance, sem contemplá-lo, não enxerga as
estrelas; e quem ouve uma sinfonia, sem abrir-lhe a acústica da alma, não lhe percebe as notas divinas.

Debalde escutarás a palavra inspirada de pregadores ardentes, se não descerrares o coração para que o teu sentimento mergulhe na claridade bendita daquela.

Inúmeros seguidores do Evangelho se queixam da incapacidade de retenção dos ensinos da Boa Nova, afirmando-se ineptos à frente das novas revelações, e isto porque não dispensam maior trato à lição ouvida, demorando-se longo tempo na província da distração e da leviandade.

Quando a câmara permanece sombria, somos nós quem desata o ferrolho à janela para que o sol nos visite.

Dediquemos algum esforço à graça da lição e a lição nos responderá com as suas graças.

O apóstolo dos gentios é claro na observação. "Considera o que te digo, porque, então, o Senhor te dará entendimento em tudo."

Considerar significa examinar, atender, refletir e apreciar.

Estejamos, pois, convencidos de que, prestando atenção aos
apontamentos do Código da Vida Eterna, o Senhor, em retribuição à nossa boa-vontade, dar-nos-á entendimento em tudo.

Livro: Fonte Viva
Chico Xavier/Emmanuel

NO CAMPO FÍSICO

"Semeia-se corpo animal, ressuscitará corpo espiritual." - Paulo. (I CORÍNTIOS, 15:44.)

Ninguém menospreze a expressão animal da vida humana, a pretexto de preservar-se na santidade.

A imersão da mente nos fluidos terrestres é uma oportunidade de sublimação que o espírito operoso e desperto transforma em estruturação de valores eternos.

A sementeira comum é símbolo perfeito.

O gérmen lançado à cova escura sofre a ação dos detritos da terra, afronta a lama, o frio, a resistência do chão, mas em breve se converte em verdura e utilidade na folhagem, em perfume e cor nas flores e em alimento e riqueza nos frutos.

Compreendamos, pois, que a semente não estacionou. Rompeu todos os obstáculos e, sobretudo, obedeceu à influência da luz que a orientava para cima, na direção do Sol.

A cova do corpo é também preciosa para a lavoura espiritual, quando nos submetemos à lei que nos induz para o Alto.

Toda criatura provisoriamente algemada à matéria pode aproveitar o tempo na criação de espiritualidade divina.

O apóstolo, todavia, é muito claro quando emprega o termo "semeia-se". Quem nada planta, quem não trabalha na elevação da própria vida, coagula a atividade mental e rola no tempo à maneira do seixo que avança quase inalterável, a golpes inesperados da natureza.

Quem cultiva espinhos, naturalmente alcançará espinheiros.

Mas, o coração prevenido que semeia o bem e a luz, no solo de si mesmo, espere, feliz, a colheita da glória espiritual.

E N T R E I R M Ã O S
Olympia Belém (Espírito)[1]

Estes são tempos desafiadores para todos os que buscam um mundo melhor, onde reine o amor, onde pontifique a fraternidade, onde possam florir os mais formosos sentimentos nos corações.
Anelamos por dias em que a esperança, há tanto tempo acariciada, possa converter-se em colheita de progressos e de paz.
Sonhamos com esse alvorecer de uma nova era em que o Espiritismo, transformado em religião do povo, apresentando Jesus às multidões, descrucificado e vivo, possa modificar as almas, para que assumam seu pujante papel de filhas de Deus no seio do mundo.
Entrementes, não podemos supor que esses ansiados dias estejam tão próximos, quando verificamos que há, ainda, tanta confusão nos relacionamentos, tanta ignorância nos entendimentos, tanta indiferença e ansiedade nos indivíduos, como se vendavais, tufões, tormentas variadas teimassem em sacudir o íntimo das criaturas, fazendo-as infelizes.
A fim de que os ideais do Cristo Jesus alcancem a Terra, torna-se indispensável o esforço daqueles que, tendo ouvido o cântico doloroso do Calvário, disponham-se a converter suas vidas na madrugada luminosa do Tabor.
O mundo terreno, sob ameaças de guerras e sob os rufares da violência, em vários tons, tem urgência do Mestre de Nazaré, ainda que O ignore em sua marcha atordoada, eivada do materialismo que o fascina, que o domina e que o faz grandemente desfigurado, por faltar sentido positivo e digno no uso das coisas da própria matéria.
Na atualidade, porém, com as advertências da Doutrina dos Espíritos, com essa luculenta expressão da misericórdia de Deus para com Seus filhos terrenos, tudo se torna menos áspero, tudo se mostra mais coerente, oferecendo-nos a certeza de que, no planeta, tudo está de conformidade com a lei dos merecimentos, com as obras dos caminheiros, ora reencarnados, na estrada da suspirada libertação espiritual.
"A cada um segundo as suas obras" aparece como canto de justiça e esperança, na voz do Celeste Pastor.
Hoje, reunidos entre irmãos, unimo-nos aos Emissários destacados do movimento de disseminação da luz sobre as brumas terráqueas, e queremos conclamar os queridos companheiros, aqui congregados, a que não se permitam atormentar pelos trovões que se fazem ouvir sobre as cabeças humanas, ameaçadores, tampouco esfriar o bom ânimo, considerando que o Cristo vela sempre. Que não se deixem abater em razão de ainda não terem, porventura, alcançado as excelentes condições para o ministério espírita, certos de que o tempo é a magna oportunidade que nos concede o Senhor. Que ponham mãos à obra, confiantes e vibrantes, certos de que os verdadeiros amigos de Jesus caminham felizes, apesar das lutas e das lágrimas, típicas ocorrências das experiências, das expiações e das provas.
Marchemos devotados, oferecendo, na salva da nossa dedicação, o melhor que o Espiritismo nos ensina, o melhor do que nos apresenta para os que se perdem nas alamedas do medo, da desesperança e da ignorância a nossa volta.
Hoje, entre os amigos espíritas, encontramos maior ânimo para a superação dos nossos próprios limites, o que configurará, ao longo do tempo a superação dos limites do nosso honroso Movimento Espírita.
Sejamos pregadores ou médiuns, evangelizadores, escritores ou servidores da assistência social, não importa. Importa que nos engajemos, todos, nos labores do Codificador, plenificando-nos da grande honra de cooperar com os excelsos interesses do Insuperado Nazareno.
O tempo é hoje, queridos irmãos. O melhor é o agora, quando nos entrelaçamos para estudar, confraternizar e louvar a Jesus com os corações em clima festivo.
Certos de que o Espiritismo é roteiro de felicidade e bandeira de luz, que devemos içar bem alto sobre o dorso do planeta, abracemo-nos e cantemos, comovidos: Louvado seja Deus! Louvado seja Jesus!
Com extremado carinho e votos de crescente progres­so para todos, em suas lidas espiritistas, quero despedir-me sempre devotada e servidora pequenina.
Olympia Belém.

[1]
- Mensagem psicografada pelo médium J. Raul Teixeira no dia 03.09.95, no encerramento da X Confraternização Espírita do Estado do Rio de Janeiro.

O TEMPO

“Aquele que faz caso do dia, patrão Senhor o faz.” — Paulo. (ROMANOS, capítulo 14, versículo 6.)

A maioria dos homens não percebe ainda os valores infinitos do tempo.
Existem efetivamente os que abusam dessa concessão divina. Julgam que a riqueza dos benefícios lhes é devida por Deus.
Seria justo, entretanto, interrogá-los quanto ao motivo de semelhante presunção.
Constituindo a Criação Universal patrimônio comum, é razoável que todos gozem as possibilidades da vida; contudo, de modo geral, a criatura não medita na harmonia das circunstâncias que se ajustam na Terra, em favor de seu aperfeiçoamento espiritual.
É lógico que todo homem conte com o tempo, mas, se esse tempo estiver sem luz, sem equilíbrio, sem saúde, sem trabalho?
Não obstante a oportunidade da indagação, importa considerar que muito raros são aqueles que valorizam o dia, multiplicando-se em toda parte as fileiras dos que procuram aniquilá-lo de qualquer forma.
A velha expressão popular “matar o tempo” reflete a inconsciência vulgar, nesse sentido.
Nos mais obscuros recantos da Terra, há criaturas exterminando possibilidades sagradas. No entanto, um dia de paz, harmonia e iluminação, é muito importante para o concurso humano, na execução das leis divinas.
Os interesses imediatistas do mundo clamam que o “tempo é dinheiro”, para, em seguida, recomeçarem todas as obras incompletas na esteira das reencarnações... Os homens, por isso mesmo, fazem e desfazem, constroem e destroem, aprendem levianamente e recapitulam com dificuldade, na conquista da experiência.
Em quase todos os setores de evolução terrestre, vemos o abuso da oportunidade complicando os caminhos da vida; entretanto, desde muitos séculos, o apóstolo nos afirma que o tempo deve ser do Senhor.

Livro: Caminho Verdade e Vida.
Chico Xavier/Emmanuel.

NISTO CONHECEREMOS

"Nisto conhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro." (I JOÃO, 4:6.)

Quando sabemos conservar a ligação com a Paz Divina, apesar de todas as perturbações humanas, perdoando quantas vezes forem necessárias ao companheiro que nos magoa; esquecendo o mal para construir o bem; amparando com sinceridade aos que nos aborrecem; cooperando espiritualmente, através da ação e da oração, a benefício dos que nos perseguem e caluniam; olvidando nossos desejos particulares para servirmos em favor de todos; guardando a fé no Supremo Poder como luz inapagável no coração; perseverando na bondade construtiva, embora mil golpes da maldade nos assediem; negando a nós mesmos para que a bênção divina resplandeça em torno de nossos passos; carregando nossas dificuldades como dádivas celestes; recebendo adversários por instrutores; bendizendo as lutas que nos aperfeiçoam a alma, à frente da Esfera Maior; convertendo a experiência terrena em celeiros de alegrias para a Eternidade; descortinando ensejos de servir em toda parte; compreendendo e auxiliando sempre, sem a preocupação de sermos entendidos e ajudados; amando os nossos semelhantes qual temos sido amados pelo Senhor, sem expectativa de recompensa; então, conheceremos o espírito da verdade em nós, iluminando-nos a estrada para a redenção divina.

DOUTRINAÇÕES

"Mas não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos, antes, por estarem os vossos nomes escritos nos céus." — Jesus. (LUCAS, capítulo 10, versículo 20.)

Freqüentemente encontramos novos discípulos do Evangelho exultando de contentamento, porque os Espíritos perturbados se lhes sujeitam.

Narram, com alegria, os resultados de sessões empolgantes, nas quais doutrinaram, com êxito, entidades muita vez ignorantes e perversas.

Perdem-se muitos no emaranhado desses deslumbramentos e tocam a multiplicar os chamados "trabalhos práticos", sequiosos por orientar, em con-tactos mais diretos, os amigos inconscientes ou infelizes dos planos imediatos à esfera carnal.

Recomendou Jesus o remédio adequado a situações semelhantes, em que os aprendizes, quase sempre interessados em ensinar os outros, esquecem, pouco a pouco, de aprender em proveito próprio.

Que os doutrinadores sinceros se rejubilem, não por submeterem criaturas desencarnadas, em desespero, convictos de que em tais circunstâncias o bem é ministrado, não propriamente por eles, em sua feição humana, mas por
emissários de Jesus, caridosos e solícitos, que os utilizam à maneira de canais para a Misericórdia Divina; que esse regozijo nasça da oportunidade de servir ao bem, de consciência sintonizada com o Mestre Divino, entre as certezas
doces da fé, solidamente guardada no coração.

A palavra do Mestre aos companheiros é muito expressiva e pode beneficiar amplamente os discípulos inquietos de hoje.

Livro: Caminho Verdade e Vida.

Chico Xavier/Emmanuel.

FILHOS DA LUZ

FILHOS DA LUZ"Andai como filhos da luz." - Paulo.

(EFÉSIOS, 5:8.)Cada criatura dá sempre notícias da própria origem espiritual.

Os atos, palavras e pensamentos constituem informações vivas da zona mental de que procedemos.

Os filhos da inquietude costumam abafar quem os ouve, em mantos escuros de aflição.

Os rebentos da tristeza espalham o nevoeiro do desânimo.

Os cultivadores da irritação fulminam o espírito da gentileza com os raios da cólera.

Os portadores de interesses mesquinhos ensombram a estrada em que transitam, estabelecendo escuro clima nas mentes alheias.

Os corações endurecidos geram nuvens de desconfiança, por onde passam.

Os afeiçoados à calúnia e à maledicência distribuem venenosos quinhões de trevas com que se improvisam grandes males e grandes crimes.

Os cristãos, todavia, são filhos da luz.E a missão da luz é uniforme e insofismável.Beneficia a todos sem distinção.

Não formula exigências para dar.Afasta as sombras sem alarde.

Espalha alegria e revelação crescentes.Semeia renovadas esperanças.Esclarece, ensina, ampara e irradia-se.

Vinha de Luz

Chico Xavier/André Luiz


QUEM LÊ, ATENDA

"Quem lê, atenda." - Jesus. (MATEUS, 24:15.)

Assim como as criaturas, em geral, converteram as produções sagradas da Terra em objeto de perversão dos sentidos, movimento análogo se verifica no mundo, com referência aos frutos do pensamento.

Freqüentemente as mais santas leituras são tomadas à conta de tempero emotivo, destinado às sensações renovadas que condigam com o recreio pernicioso ou com a indiferença pelas obrigações mais justas.

Raríssimos são os leitores que buscam a realidade da vida.

O próprio Evangelho tem sido para os imprevidentes e levianos vasto campo de observações pouco dignas.

Quantos olhos passam por ele, apressados e inquietos, anotando deficiências da letra ou catalogando possíveis equívocos, a fim de espalharem sensacionalismo e perturbação? Alinham, com avidez, as contradições aparentes e tocam a malbaratar, com enorme desprezo pelo trabalho alheio, as plantas tenras e dadivosas da fé renovadora.

A recomendação de Jesus, no entanto, é infinitamente expressiva.

É razoável que a leitura do homem ignorante e animalizado represente conjunto de ignominiosas brincadeiras, mas o espírito de religiosidade precisa penetrar a leitura séria, com real atitude de elevação.

O problema do discípulo do Evangelho não é o de ler para alcançar novidades emotivas ou conhecer a Escritura para transformá-la em arena de esgrima intelectual, mas, o de ler para atender a Deus, cumprindo-lhe a Divina Vontade.

Livro; Vinha de Luz
Chico Xavier/Emmanuel