Trabalhemos todos, pela Unificação do movimento espírita!!

O Espiritismo é uma questão de fundo; prender-se à forma seria puerilidade indigna da grandeza do assunto. Daí vem que os centros que se acharem penetrados do verdadeiro espírito do Espiritismo deverão estender as mãos uns aos outros, fraternalmente, e unir-se para combater os inimigos comuns: a incredulidade e o fanatismo.”

“Dez homens unidos por um pensamento comum são mais fortes do que cem que não se entendam.”
Allan Kardec (Obras Póstumas – Constituição do Espiritismo – Item VI).



terça-feira, 19 de setembro de 2017

I ENCONTRO DA MEDIUNIDADE DO 34º CEU.

É no próximo domingo.
Esteja presente. Cabo Frio e Região terão essa excelente oportunidade de participar desse maravilhoso evento do 34° CEU.
Compareçam, divulguem!

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

A gentileza produz a paz!

“Se vivemos em Espírito, andemos também em Espírito.”  Paulo. (Gálatas, 5:25.)
Não está fácil para ninguém observar atitudes de gentileza nas relações que vivenciamos na agitada correria do nosso dia. Absorto pelos diversos compromissos sob nossa responsabilidade e pela pressa em resolvê-los, não nos damos conta de quantas vezes esquecemos os bons costumes e as boas atitudes para com o nosso semelhante, e, por isso mesmo, já não nos incomodamos muito com seu mau comportamento e suas más atitudes em relação a nós, afinal, como cobrar dos outros o que não oferecemos por nossa vez?
O fruto dessa falta de consideração mútua é a ausência de cordialidade, de afeto, de convívio saudável, e até mesmo a falta de educação gerando desavenças e desrespeitos que grassam na sociedade dita moderna, onde cada indivíduo parece ser único, não se importando com o que está acontecendo à sua volta, seja com seu parente, seu vizinho, colega de trabalho etc., exibindo em suas atitudes o quanto frondosa se encontra a árvore do egoísmo, na exibição dos frutos amargos da frieza e da indiferença, como se não necessitássemos uns dos outros para nada, a não ser, diante de alguém do qual esperamos obter algum favor ou alguma vantagem pessoal.
É cada vez mais visível pelo comportamento que exibimos o quanto nos faz falta o conhecimento e vivência do Evangelho de Jesus em nossas vidas, pois nele encontramos as sábias orientações sobre o verdadeiro sentido de nossa existência na Terra, lições que precisamos aprender e colocar em prática em nosso próprio benefício e de toda a comunidade em que estamos inseridos, conforme segue:
“O verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza. Se ele interroga a consciência sobre seus próprios atos, a si mesmo perguntará se violou essa lei, se não praticou o mal, se fez todo o bem que podia, se desprezou voluntariamente alguma ocasião de ser útil, se ninguém tem qualquer queixa dele; enfim, se fez a outrem tudo o que desejara lhe fizessem.” (E.S.E. Cap. XVII – item 3 – O Homem de Bem). (1)
Precisamos urgentemente meditar sobre esse seu comportamento equivocado e irracional, para ver em cada criatura um irmão de quem também depende nossa própria elevação espiritual, pois fomos criados com a finalidade maior que é a perfeição em todos os sentidos, e que para isso não prescindimos da convivência salutar com o irmão de caminhada evolutiva, em constante troca de experiências, e com o qual muito temos que aprender que com nossos limitados recurso e conhecimentos, não seremos capazes de chegar ao nosso bendito destino traçado pela Inteligência Suprema que são a felicidade e a pureza espiritual, e observar que só através do trabalho árduo e constante da reforma íntima, buscando “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos”, nos promoveremos na escala hierárquica da criação universal.
O Evangelho de Jesus nos propõe a mudança de métodos e atitudes, para priorizar as virtudes do Espírito Imortal que dormem em nosso interior, sem as quais não conseguiremos construir a tão almejada paz interior, que os bens e conquistas materiais não são capazes de nos conceder, pois depois de alcançados passarão a segundo plano, surgindo imediatamente nova necessidade de conquista que por sua vez, com o passar do tempo também deixará de ser tão importante, e assim sucessivamente.
O gesto de gentileza em muitas situações pode evitar uma inimizade nascente, uma suspeita infundada, uma informação infeliz, abrindo horizontes novos e facilitando a compreensão e a concórdia à nossa volta, em vista disso, não devemos aguardar a gentileza dos outros para conosco, é necessário darmos o primeiro passo na plantação e no cultivo da semente da gentileza, que certamente produzirá colheita farta no porvir; nesse particular a doutrina espírita é rica de ensinamentos.
“Bem compreendido, mas sobretudo bem sentido, o Espiritismo leva aos resultados acima expostos, que caracterizam o verdadeiro espírita, como o cristão verdadeiro, pois que um o mesmo é que outro. O Espiritismo não institui nenhuma nova moral; apenas facilita aos homens a inteligência e a prática da do Cristo, facultando fé inabalável e esclarecida aos que duvidam ou vacilam. Muitos, entretanto, dos que acreditam nos fatos das manifestações não lhes apreendem as consequências, nem o alcance moral, ou, se os apreendem, não os aplicam a si mesmos. A que atribuir isso? A alguma falta de clareza da Doutrina? Não, pois que ela não contém alegorias nem figuras que possam dar lugar a falsas interpretações. A clareza é da sua essência mesma e é donde lhe vem toda a força, porque a faz ir direito à inteligência. Nada tem de misteriosa e seus iniciados não se acham de posse de qualquer segredo, oculto ao vulgo.” (E.S.E. Cap. XVII – item 4 – Os Bons Espíritas).(2)
Urge, portanto, sejamos os primeiros a dar os passos em direção ao nosso irmão, utilizando-nos dos ensinos dos Espíritos Superiores, agindo sempre de forma gentil para com o nosso próximo, mesmo que ele não nos trate com gentileza, sigamos a meta de amar a todos sem esperar retribuição de quem quer que seja respeitando a maneira de agir e pensar de cada um, compreendendo nos irmãos ingratos e frios criaturas de corações ainda endurecidos, necessitados por isso mesmo de nossa maior cota de gentileza e compreensão. Dessa forma estaremos vivenciando a fraternidade conosco mesmo e com nosso semelhante, fazendo a parte que nos cabe, na construção de um mundo mais pacificado, harmônico e feliz.
Referências:(1) Kardec, Allan – O Evangelho Segundo o Espiritismo – FEB, 106ª Edição – Cap. XVII, item 3; e
(2) Kardec, Allan –  O Evangelho Segundo o Espiritismo – FEB, 106ª Edição – Cap. XVII, item 4.
Francisco Rebouças

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

EM ORACÃO!

ORAÇÃO EM FAVOR DA VIDA!

Senhor, Pai de amor infinito,
Aclara-me a compreensão para que eu possa entender
Diante daquele que me fere, o quanto também já feri meu semelhante,
Não me permitas esquecer quantas vezes fui beneficiado com o perdão alheio.


Senhor, pai de misericórdia infinita,
Aclara-me o raciocínio para lembrar-me do quanto tenho sido inconveniente, para com os outros, com meus erros absurdos, para que também eu possa ter a necessária compreensão para com os erros dos outros, e que em momento algum, desista de procurar entender os deslizes do meu próximo.


Senhor, Pai de amor e Justiça,
Aclara-me o pensamento e inspira-me a usar de maneira positiva a faculdade de discernir com inteligência, para aceitar que não só recebo a ingratidão e o fel do meu semelhante, mas, igualmente, também não tenho sido grato a tantos corações amigos que me auxiliam e orientam, e que também preciso contar com a boa vontade para comigo, dos meus irmãos com melhor entendimento e compreensão que eu, para seguir em minha jornada esforçando-me por amar e servir cada vez mais e melhor... 

Que assim seja!

Francisco Rebouças.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Não é Milagre, é trabalho mesmo!

Não obstante as calamidades que grassam por toda a parte, dando-nos a impressão de que o mal não tem remédio, não nos deixemos levar pela ilusão de que o caos está na direção dos destinos da Terra. Também é falsa a impressão de que os fatos negativos que se apresentam em forma de tormentos na nossa vida diária, mantenham-se por toda eternidade.
Procuremos nos mirar no exemplo dado pela natureza que transforma o pântano renovado pela drenagem em campo reverdejante, e procuremos tirar as melhores lições para operar em nós mesmos as transformações que a vida nos propõe nas variadas situações de progresso e crescimento que a presente encarnação nos felicita.
Observemos a síntese grandiosa que a natureza nos oferta, sob a forma da sábia lição, que reporta-se ás leis dos esforços em conjunto.
No Cosmos Grandioso, onde cintilam milhões de corpos celestes, também faz sentir a sublimidade desta lei. Pois vemos que, no cortejo imenso dos astros, existe a harmonia em todas as trajetórias.
Bastaria um só corpo celeste, por pequenino que fosse, não cooperar no conjunto, para que cataclismos de grande proporções adviessem como resultado. As leis magnéticas de atração e repulsão precisam estar em perfeita conjunção de esforços, para haver o equilíbrio.
Aqui na terra, também vemos a natureza sempre nos dar singelos exemplos.
Uma pérola que tivesse hábitos solitários, não poderia formar sozinha o conjunto harmonioso de um colar custoso.
Uma garoa de água, que teimasse em desprender sozinha da nuvem alentada, não poderia irrigar o solo árido pois sua capacidade de trabalho seria restrita.
Um tijolo, por mais que tenha boa vontade, se teimar em estar sozinho sem a cooperação de outros tijolos seus irmãos, não poderá, nas mãos de hábil arquiteto, se transformar em acolhedora vivenda.
Em tudo é preciso conjunto para mais fácil e eficiente se tornar a tarefa a ser empreendida.
Copiemos a natureza com nossos atos, sendo unidos em nossos empreendimentos. Se assim fizermos, mais facilmente venceremos os obstáculos.
E como cooperadores da Seara do Divino Mestre, porque não unirmos nossos esforços, para, em conjunto, edificarmos algo que seja útil para a Humanidade?” (1)
Apressemo-nos na luta constante pela nossa reforma moral, consoante o chamado do Cristo. Facultando, o quanto antes, o nascer do homem novo em nosso mundo íntimo, em substituição ao homem velho que sempre nos habitou, tornando possível com essa mudança o ensejo de um porvir feliz para nós e para os nossos.
O trabalho no bem sem aguardar recompensas, o cuidado em não cultivar ressentimentos, o respeito aos semelhantes, a luta constante para eliminar de nossa vida o pessimismo e expandir o otimismo são atitudes inteligentes que precisamos cultivar em nosso mundo íntimo, pois, representam caminhos seguros a serem seguidos por quantos se decidam por se guiar pelas sábias mensagens e incomparáveis exemplos deixados por Jesus.
Não podemos, de forma alguma, interromper ou sequer diminuir nossa disposição de combater no “bom combate”. Porque justamente no enfrentamento dos nossos desafios maiores com responsabilidade e disciplina, cumprindo com os nossos deveres, é que nos transformaremos em mensageiros da Boa Nova, executando a parte que nos compete na consolidação do Reino de Deus em nossos corações e do nosso semelhante.
Em determinadas ocasiões, as crises e os conflitos atravessam nossos caminhos com tamanha força que nos sugerem desistir. Porém, se nos mantivermos vigilantes e em orações, teremos a devida ajuda dos Amigos Espirituais a nos fazer perceber que as horas de tranquilidade, regozijo e beleza que nos aguardam são inumeráveis e compensam todo e qualquer esforço por alcança-los.
Jesus nos sustente na busca por esse estado íntimo de paz!
Referência:
(1) Xavier, Francisco Cândido, pelo Espírito Meimei. Livro: Bençãos de Paz, cap. A União.
Francisco Rebouças

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

APRENDIZADO

Emmanuel

- O homem físico está sempre ligado ao seu pretérito espiritual? Já que a maioria das criaturas humanas se encontra em lutas expiatórias, podemos figurar o homem terrestre, à maneira de alguém a lutar para desfazer-se do seu próprio cadáver, que é o passado culposo, de modo a ascender para a vida e para a luz. Essa imagem temo-la na semente do mundo que, para desenvolver o embrião, cheio de vitalidade e beleza, necessita do temporário estacionamento no seio lodoso do solo, a fim de se desfazer do próprio envoltório, crescendo em seguida, para a luz do sol cumprindo a própria missão enfeitada de flores e frutos.

Livro: Visão Nova
Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos


Francisco Rebouças

domingo, 10 de setembro de 2017

Vida Feliz

LIV

A humildade é uma virtude nobre que não convive com as situações vis.

Íntegra, enriquece o homem de valores espirituais, que o tornam forte, na sua aparente fraqueza e poderoso na sua pobreza.

Sócrates, Cristo e Gandhi são os exemplos máximos da humildade e os expoentes mais belos da evolução.

Abatidos por homicidas loucos, preferiram morrer a ceder, permanecendo imortais na sua grande vitória.

Livro: Vida Feliz
Divaldo Franco/Joanna de Ângelis


Francisco Rebouças

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Convite da coragem


Aceita-te, tal qual és, fazendo de ti o melhor que puderes. 
Não lamentes as vantagens perdidas. 
Acima de qualquer desapontamento continua amando as tarefas que te honram a existência com os recursos que te foram colocados nas mãos. 
Constrói, sempre que possível, o otimismo e a alegria, em derredor de teus passos. 
A tristeza inerte não auxilia a ninguém. 
Não carregues contigo a sucata de teus desencantos e frustrações. Desengano é esclarecimento. 
A coragem da fé em Deus se te fará alavanca de apoio na travessia dos obstáculos. 
Não te aflijas por benefícios que ainda não possuis. 
Age para o bem e o teu dia de êxito chegará. 

Livro: Palavras da Coragem
Chico Xavier/Emmanuel

Francisco Rebouças

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Nosso incomparável exemplo é Jesus

“A palavra do Cristo habite em vós ricamente.” – Paulo. (Colossenses, 3:16).
Foi o próprio Jesus que em sua sabedoria e ascendência moral nos assegurou ser o caminho, a verdade e a vida, e podemos comprovar que as suas são palavras de luz que libertam o homem da ignorância de seus seculares atavismos, contendo ensinamentos que permanecem insuperáveis, desde aqueles distantes dias de sua estada em nosso planeta.      
Com sua maneira incomparável de se expressar, o Mestre transmitiu-nos seus conhecimentos superiores através de palavras consoladoras e esclarecedoras espalhando à sua volta as sublimes noções de esperança e paz, e todos os seus ensinamentos permanecem como caminhos que conduzem os homens a à plenificação humana, confirmadas pelo seu procedimento na convivência diária com seus irmãos.
Allan Kardec como emissário do Alto, confirmou nos livros que compõem o pentateuco espírita, que as palavras de Jesus encontram-se impregnadas de um magnetismo superior e contêm uma lógica invulgar alicerçadas em uma sabedoria ainda bastante distante dos nossos mais extraordinários conhecimentos científicos.
Suas obras orientam o ser humano a edificar sua vida com os valores morais para adotar como regra de conduta natural os bens do Espírito Imortal que somos, porque ao penetrar os conteúdos profundos da revelação espiritual o Mestre lionês, atualizou os ensinamentos de Jesus, ligando definitivamente os conhecimentos da fé raciocinada e da ciência.
A doutrina Espírita contém igualmente as palavras de Luz que nos aclaram o entendimento e ajudam a engrandecer e elevar aqueles que verdadeiramente se decidem por vivenciá-las semeando as boas sementes, investindo os necessários recursos para garantir como colheita uma sociedade mais equilibrada e feliz no futuro.
No Livro dos Espíritos podemos constatar essa verdade conforme segue.
  1. Poderia sempre o homem, pelos seus esforços, vencer as suas más inclinações?“Sim, e, frequentemente, fazendo esforços muito insignificantes. O que lhe falta é a vontade. Ah! Quão poucos dentre vós fazem esforços!” (1)
O Espiritismo alicerçado no Evangelho redivivo de Jesus apresenta a tantos quantos o buscam as orientações seguras, sugerindo soluções passíveis de serem aplicadas por qualquer um de nós, que de verdade procuramos saídas para vencer os desafios propostos pela vida para o nosso aperfeiçoamento.
Referência:(1) Kardec, Allan. O livro dos Espíritos FEB. 76ª edição.
Francisco Rebouças

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Estudando o Espiritismo

 Aprendendo com a doutrina espírita.

















Francisco Rebouças

AVISE A VOCÊ.

Espírito: ANDRÉ LUIZ.

Aprenda a admoestar-se, antes que a vida admoeste a você. 
Se o seu problema é alimentar-se excessivamente, exponha na mesa está legenda 
escrita, diante dos olhos: 
-  Devo moderar meu apetite. 
Se a sua luta decorre da preguiça, dependure este dístico à frente do próprio leito para a reflexão cada manhã: 
-  Devo trabalhar honestamente. 
Se a sua intranqüilidade surge da irritação sistemática, coloque este aviso em evidência na lar para observação incessante: 
-  Devo governar minhas emoções. 
Se o seu impedimento irrompe de vícios arraigados, carregue consigo um cartão com esta lembrança breve: 
-  Devo renovar-me. 
Se o seu caso difícil é a inquietação sexual, traga no pensamento este aviso constante: 
-  Devo controlar meus impulsos. 
Se o seu ponto frágil está na palavra irrefletida, espalhe este memorando em torno de seus passos: 
-  Devo falar caridosamente. 
Não acredite em liberdade incondicional. Todo direito está subordinado a determinado dever. Ninguém abusa sem consequências. 
Repare os sistemas penalógicos da vida funcionando espontaneamente. 
Enfermidades compartilham excessos... 
Obsessões cavalgam desequilíbrios... 
Cárceres segregam a delinquência... 
Reencarnações expiatórias acompanham desatinos... 
Corrijamos a nós mesmos, antes que o mundo nos corrija. 
Todos sabemos proclamar os méritos do pensamento positivo, entretanto, não há pensamento positivo para o bem sem pensamento reto. 
O tempo é aquele orientador incansável que ensina a cada um de nós, hoje, amanhã e sempre que ninguém pode realmente brincar de viver. 
◆◆◆ 
Livro: Ideal Espírita
Chico Xavier/Espíritos Diversos

Francisco Rebouças

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

CONVERSA COM JESUS

Maria Dolores 

Senhor ! Não lastimamos tanto 
Contemplar no caminho a penúria sem nome, 
Porque sabemos que socorrerás 
Os famintos de pão e os sedentos de paz; 
Dói encontrar na vida 
Os que fazem a fome. 

Ante aqueles que choram 
Não lamentamos tanto, 
Já que estendes o braço 
Aos que gemem de angústia e cansaço; 
Deploramos achar nas multidões do mundo 
Os que abrem na Terra as comportas do pranto. 

Não lastimamos tanto os que se esfalfam 
Carregando a aflição de férrea cruz, 
De vez que nós sabemos quanto assistes 
Os humildes e os tristes; 
Lastimamos os cérebros que brilham 
E sonegam a luz.

Não deploramos tanto os que suportam 
Sarcasmo e solidão na carência de amor, 
Porquanto tens as mãos, hora por hora, 
No consolo e no apoio a todo ser que chora; 
Lamentamos fitar os amigos felizes 
Que alimentam a dor.    

É por isso, Jesus, que nós te suplicamos: 
Não nos deixes seguir-te o passo em vão, 
Que o prazer do conforto não nos vença, 
Livra-nos de tombar no pó da indiferença... 
Inda que a provação nos seja amparo e guia, 
Toma e guarda em serviço o nosso coração. 

Livro: Mãos Marcadas
Chico Xavier/Espíritos Diversos

Francisco Rebouças

Divaldo Franco em Niterói

Divaldo, Raul e Marcos Alves
Com o tema "A felicidade é possível", o tribuno espírita Divaldo Franco emocionou todos que estiveram no Clube Português de Niterói nesta manhã deste domingo 03/09/2017.

Foi um seminário muito lindo, com presença maciça de um público que encantado agradeceu a
Público Parcial
Deus por mais este banquete de luz espiritual que nos concedeu por misericórdia.
Ao final do evento Raul Teixeira pediu a todos para cantar o parabéns a Divaldo por mais um ano de vida dedicado ao amor e à paz.

Parte da UMEN presente
Que Deus o abençoe guie e guarde este seu dedecado servidor por todo o sempre.
E a nós outros resta dizer a este Pai misericordioso e bom do fundo de nossas Almas: "MUITO OBRIGADO SENHOR".
Graças a Deus estávamos presentes. (Da esquerda para a direita: Edgar Poiate, Isis Poiate, Rodrigo Amorim, Gisele Santos, Adriana Feital, Francisco Rebouças e Diva Alves).
Francisco Rebouças

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

REALIDADE

Casimiro Cunha

Quem trabalha para o Bem,
Sem qualquer reclamação,
Está sob a Lei de Deus
No esforço de elevação.

Mas quem fere os semelhantes
Com lâminas de tristeza,
Não está na Lei de deus,
Nem da própria Natureza.

Livro: Moradias de Luz
Chico Xavier/Casimiro Cunha

Francisco Rebouças

CONCURSO DO BEM

Emmanuel 

(Página dedicada ao Joaquim Alves) 

Meu irmão, muita paz. 
Os conflitos sentimentais da atualidade resultam em tua alma sensível do passado obscuro que desejas apagar, ao preço de renunciação e sacrifício, muitas vezes. A prova na Terra é sempre o fruto de nossas resoluções, antes do regresso à lide carnal. 

Abençoemos a dor e a incompreensão que nos auxiliam e sigamos para a frente, aprendendo e amando, sofrendo e auxiliando para bem atender à Vontade Redentora de Jesus. 

Abraça na tua mediunidade – mormente, a curativa ao pé dos nossos irmãos enfermos – a tua âncora de luz para o grande caminho. 

Não te faltará o concurso do Bem e que o teu coração saiba aceitar a luta moral de agora, com calma e serenidade, em favor da felicidade que receberás depois são os nossos votos. 

Livro Temas da Vida - Psicografia Chico Xavier

Francisco Rebouças

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Na ausência do amor

“Mas aquele que aborrece a seu irmão está em treva-se anda em  trevas e não sabe para onde deva ir, porque as trevas lhe cegaram os olhos.” – João. (1ª Epístola de João, 2:11.) 

Se não sabes cultivar a verdadeira fraternidade, serás atacado fatalmente pelo pessimismo, tanto quanto a terra seca sofrerá o acúmulo de pó. 

Tudo incomoda àquele que se recolhe à intransigência. 

Os  companheiros que fogem  às  tarefas do  amor  são  profundamente tristes pelo fel de intolerância com que se alimentam. 

Convidados ao esforço de equipe, asseveram que os homens respiram em bancarrota moral. 

Trazidos ao culto da fé, supõem reconhecer, em toda parte, a maldade e a desilusão.

Chamados  à  caridade,  consideram  nos  irmãos  de  sofrimento inimigos prováveis, afastando-se irritadiços.

Impelidos  a  essa  ou  àquela  manifestação  de  contentamento, recuam, desencantados, crendo surpreender maldade e lama nas menores exteriorizações de beleza festiva. 

Caminham no mundo entre a amargura e a desconfiança. 

Não há carinho que lhes baste. Vampirizam criaturas por onde estagiam, chorando, reclamando, lamentando... 

Não possuem rumo certo. Declaram-se expulsos da sociedade e da família. 

É que, incapazes do amor ao próximo, jornadeiam pela Terra, sob  o  pesado  nevoeiro  do  egoísmo  que  nos  detém  tão-somente no círculo estreito de nossas necessidades, sem qualquer expressão de respeito para com as necessidades alheias. 

Afirmam-se  incompreendidos,  porque  não  desejam  compreender. 

Ausentes  do  amor,  ressecam  a  máquina da vida, perdendo  a visão espiritual. 

Impermeáveis ao bem, fazem-se representantes do mal. 

Se o pessimismo começa a abeirar-se de teu espírito, recolhe-te à oração e pede ao Senhor te multiplique as forças na resistência, ante o assalto das trevas. 

Aprendamos  a  viver  com  todos,  tolerando  para  que  sejamos tolerados,  ajudando  para  que  sejamos  ajudados,  e  o  amor  nos fará viver, prestimosos e otimistas, no clima luminoso em que a luta e o trabalho são bênçãos de esperança.

Livro: Fonte Viva
Chico Xavier/Emmanuel

Francisco Rebouças

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Para sentir a paz em nosso mundo íntimo

“O perfeito amor lança fora o temor”. (I JOÃO, 4:18.)
Alguns instantes de meditação nos seriam suficientes para perceber que em muitas ocasiões nós mesmos sobrecarregamos a mente de inquietações sem fundamento. É comum estragarmos parte do nosso dia entregando-nos a aflições e ansiedades inúteis, que em nada nos ajudam a melhorar os problemas ou as condições daquilo ou daqueles que nos deram causa.
Muito pelo contrário, em lhes concedendo atenção e preocupação exageradas, ei-las que se fortalecem e ampliam transformando-se em instrumento de desarmonia, desequilíbrio, enfermidade, delinquência podendo até mesmo transformar-se em dolorosa obsessão. Muito importante que nos imunizemos contra a absorção desses venenos mentais, vigiando e orando para não nos infelicitarmos com seus efeitos devastadores.
Quando alguém nos imputar calúnias, insultos, difamação, veiculando boatos a nosso respeito, mantenhamo-nos, acima de tudo, calmos sem abrir brecha na fortaleza de nosso mundo interior, convictos de que não vale a pena conturbar o nosso coração, porque sabemos que o problema pertence ao caluniador que, responderá cedo ou tarde, pelos males que nos tenha causado perante a Soberana Sabedoria do Universo.
“Na atualidade do mundo é possível também exerças expressivo papel em algum drama familiar.
Observa, porém, que não te encontras a sós. Em torno de ti, outras provações se desenrolam, quase sempre, com características mais dolorosas do que as tuas.
As tribulações daqueles que carregam enfermidades irreversíveis; os grupos domésticos involuntariamente envolvidos em questões de delinquência; os pais que se responsabilizam por filhos doentes, cujo raciocínio se apaga, gradativamente, nos sanatórios; os filhos que perderam os pais nas cinzas da morte, e que, muitas vezes, passam do sofrimento ao clima do ódio por bagatelas de herança; as equipes familiares que se reconhecem desafiadas por violentos processos de obsessão; a tragédia de muitos amigos que abandonaram a fé e se despenham no suicídio; as mulheres desprotegidas com filhos pequeninos no colo e os grupos inumeráveis de crianças desorientadas, que se localizam na rebeldia e nos hábitos infelizes, preparando o amanhã de inquietação que as espera.
Se te encontras na condição de peça na engrenagem de hoje, a que se acolhem tantas criaturas aflitas, não te entregues ao luxo do desânimo, e sim, trabalha servindo sempre. 
É preciso aprender a suportar os revezes do mundo, sem perder a própria segurança”. (1)
Sigamos realizando com esmero as nossas sagradas tarefas de aprimoramentos moral e espiritual, aproveitando as oportunidades de serviço no bem, que nos propiciarão alegrias na intimidade de nosso Ser, conquistando afeições verdadeiras e construindo um conceito mais elevado perante as inteligências superiores do Universo que, em nome de Deus, abençoar-nos-ão e valorizarão cada esforço despendido no trabalho com responsabilidade e lealdade aos próprios compromissos assumidos quando ainda no mundo espiritual encontrávamo-nos.
Sabemos que ainda estamos sujeitos a erros e enganos que, à medida de nossa compreensão, serão retificados e refeitos por nós mesmos com humildade e honestidade, sem a necessidade de que nos enquadremos nos preceitos Divinos de que “seja dado a cada um segundo as suas obras”, contidos na inexorável Lei de Causa e Efeito.
Precisamos entender o quanto antes a necessidade de nos adequar ao planejamento superior que o Supremo Pai traçou para cada um de nós, na edificação da felicidade e da paz em nossos caminhos, alicerçando as diretrizes de renovação que nos sejam indispensáveis para o êxito da empreitada presente, diante da Lei do Progresso evolutivo em que estamos inseridos.
Urge acreditarmos na força do bem e cooperar trabalhando, infatigavelmente, na sustentação da harmonia geral, na certeza de que o Amor é uma determinação de ordem Superior e que temos que contribuir com a parte que nos foi designada para que ele se estabeleça em definitivo no coração dos homens e de cuja execução não nos é lícito postergar.
Deus seja louvado!
Referências Bibliográficas:
(1) XAVIER, FRANCISCO CÂNDIDO, pelo Espírito Emmanuel. Livro Paz. Capítulo “Paz e Trabalho”.
Francisco Rebouças

Vida Feliz

LIII

Os maus pensamentos intoxicam a alma.

Atraem o pessimismo e as presenças doentias dos Espíritos perturbados e maus.

Mantém a tua mente presa às ideias positivas, iluminativas , aos programas de enobrecimento, de cuja conduta te advirá o bem-estar íntimo e a alegria de viver.

O que pensares com insistência, hoje ou mais tarde se concretizará.

Os fatos se corporificam, de início, no campo mental, para depois se tornar em realidade no corpo físico.

Pensa no bem e banha-te com a luz do amor.

Livro: Vida Feliz
Divaldo Franco/Joanna de Ângelis


Francisco Rebouças

sábado, 26 de agosto de 2017

Precisamos caprichar na higiene da Alma


Assim como nos preocupamos com a higiene do corpo físico, é de fundamental importância que não negligenciemos nos cuidados com a higiene da Alma, investindo no desenvolvimento dos valores espirituais dos quais somos portadores e entre esses o perdão que para nós significa a água pura com a qual lavamos todas as nódoas que nos contaminam a nossa existência.
Preciso se faz que nos empenhemos na busca de limpar a nossa casa mental, para poder exibir uma veste sem vestígios de lama, evitando guardar em nosso mundo íntimo o tóxico venenoso do lixo produzido pelas emoções e sentimentos em desequilíbrio capazes de nos causar transtornos e sofrimentos.
Em nosso mundo íntimo, não permitamos de forma alguma abrigar mágoas, melindres, rancores e etc., diante da conduta alheia em relação a nós, porque isso é o mesmo que armazenar no reduto do próprio ser, os detritos pestilentos que em muito nos dificultarão a marcha de progresso evolutivo que é a nossa principal tarefa na vida.
“Na prática do perdão, como, em geral, na do bem, não há somente um efeito moral:
há também um efeito material. A morte, como sabemos, não nos livra dos nossos inimigos; os Espíritos vingativos perseguem, muitas vezes, com seu ódio, no além-túmulo, aqueles contra os quais guardam rancor; donde decorre a falsidade do provérbio que diz: “Morto o animal, morto o veneno”, quando aplicado ao homem. O Espírito mau espera que o outro, a quem ele quer mal, esteja preso ao seu corpo e, assim, menos livre, para mais facilmente o atormentar, ferir nos seus interesses, ou nas suas mais caras afeições. Nesse fato reside a causa da maioria dos casos de obsessão, sobretudo dos que apresentam certa gravidade, quais os de subjugação e possessão. O obsidiado e o possesso são, pois, quase sempre vítimas de uma vingança, cujo motivo se encontra em existência anterior, e à qual o que a sofre deu lugar pelo seu proceder.
Deus o permite, para os punir do mal que a seu turno praticaram, ou, se tal não ocorreu, por haverem faltado com a indulgência e a caridade, não perdoando. Importa, conseguintemente, do ponto de vista da tranquilidade futura, que cada um repare, quanto antes, os agravos que haja causado ao seu próximo, que perdoe aos seus inimigos, a fim de que, antes que a morte lhe chegue, esteja apagado qualquer motivo de dissensão, toda causa fundada de ulterior animosidade. Por essa forma, de um inimigo encarniçado neste mundo se pode fazer um amigo no outro; pelo menos, o que assim procede põe de seu lado o bom direito e Deus não consente que aquele que perdoou sofra qualquer vingança. Quando Jesus recomenda que nos reconciliemos o mais cedo possível com o nosso adversário, não é somente objetivando apaziguar as discórdias no curso da nossa atual existência; é, principalmente, para que elas se não perpetuem nas existências futuras. Não saireis de lá, da prisão, enquanto não houverdes pago até o último centavo, isto é, enquanto não houverdes satisfeito completamente a justiça de Deus.” (1)
Não nos deixemos contaminar pelos maus hábitos de odiar, maldizer, reclamar, censurar e etc., pois agir dessa forma é render culto ao desequilíbrio e fomentar a desesperança espalhando em volta dos nossos passos a desconfiança e a infelicidade pelas quais responderemos mais cedo ou mais tarde pelos efeitos de corrigenda contidos na Lei da Justiça Divina. Não devemos nos esquecer de que também temos necessidades do perdão alheio, a fim de que nossa caminhada evolutiva nos livre dos empecilhos de toda ordem que, de outro modo, encontraríamos abarrotada pelos nossos próprios erros.
Lembremos o reconforto que colhemos nas palavras de estímulo e na bênção de alívio que nos alimenta de paz o coração, quando as nossas faltas são recebidas por outrem com tolerância. Dessa forma, constitui ato inteligente o perdão, sem condições, a todos os golpes que, por ventura, nos forem desferidos, na certeza de que todo mal desaparecerá um dia da Terra, para que o bem possa permanecer por toda a eternidade.
“Em toda parte, encontrarás o próximo, buscando-te a capacidade de entender e de ajudar.
Auxilia aos outros com aquilo que possuas de melhor.
Os santos e os heróis ainda não residem na Terra.
Somos espíritos humanos, mistos de luz e sombra, amor e egoísmo, inteligência e ignorância.
Cada homem, na fase evolutiva em que nos encontramos, traz uma auréola incompleta de rei e uma espada de tirano.
Se chamas o fidalgo, encontrarás um servidor.
Se procuras o guerreiro, terás um inimigo feroz pela frente.
Por isso mesmo, reafirmou Jesus o antigo ensinamento da Lei: – ‘ama o próximo, como a ti mesmo’.
É que o espírito, quando ama verdadeiramente, encontra mil meios de auxiliar, a cada instante, e o próximo, na essência, é o degrau que nos aparece diante do coração, por abençoado caminho de acesso à Vida Celestial.” (2)
Urge que trabalhemos com afinco desde agora e para sempre no desenvolvimento das virtudes que permanecem adormecidas em nosso íntimo aprendendo a nos desfazer de tudo o que representa inutilidade para o nosso crescimento moral, buscando valorizar e fazer brilhar a nossa luz na compreensão e no amor, que são bens renovadores e duradouros no caminho para Deus, que nem a ferrugem, nem as traças, nem os ladrões poderão retirar de nós a posse definitiva.
Referências Bibliográficas:(1) KARDEC, ALLAN. O Evangelho Segundo o Espiritismo – FEB. 112ª edição, Cap. X, item 6;
(2) XAVIER, FRANCISCO CÂNDIDO, pelo Espírito Emmanuel. Assim Vencerás, capítulo “O Próximo”.
Francisco Rebouças

Brasil coração do mundo...

https://youtu.be/_a9tpJnGcbw

Homenagem a Chico Xavier

Haroldo Dias Dutra - As cartas de Paulo

Haroldo Dutra - Jesus o Médico da Almas

https://youtu.be/Uk7OUvyGCZU



Divaldo Franco

https://youtu.be/OVbstbRFs9M

Entrevista sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis...

Reencarnação é uma realidade

Palestra O trabalho no Bem - Cristiane Parmiter

Palestra: As Leis Divinas e nós - Cristiane Parmiter

Palestra: Benevolência - Cristiane Parmiter

Palestra: Jesus e o Mundo - Cristiane Parmiter

Palestra: A Dinâmica do Perdão - Cristiane Parmiter

Palestra: Perante Jesus - Cristiane Parmiter

Palestra AVAREZA - Cristiane Parmiter

Palestra Obediência Construtiva - Cristiane Parmiter

Palestra Tribulações - Cristiane Parmiter

Palestra Conquistando a Fé - Cristiane Parmiter

Palestra Humildade e Jesus - Cristiane Parmiiter

Palestra Renúncia - Cristiane Parmiter

Rádios Brasil

Simplesmente Espetacular!!!

Professora Amanda Gurgel

Andrea Bocelli & Sarah Brightman - Time To Say Goodbye

De Kardec aos dias de hoje

Madre Teresa

As Mães de Chico Xavier

Reencarnação - Menino Piloto

http://www.youtube.com/embed/cQ2ZqUCKDow" frameborder="0" allowfullscreen>

Muitas Vidas

Espiritismo: família de Andrea Maltarolli mantém contato com a autora - Mais Você - GLOBO

Divaldo Franco

ESPIRITISMO - CHICO XAVIER - REPORTAGEM DO FANTASTICO - OS SEGREDOS DE CHICO

Entrevista com Divaldo Franco

Sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis, e muito mais, confira. 1ª Parte 2ª Parte

Oração de Gratidão - Divaldo Franco

Chico Xavier

Chico Xavier no Fantástico

Chico Xavier (2010) trailer oficial

Página de Mensagens

Nesta página estarei lançando variadas páginas de conteúdo edificante para nosso aprendizado.

Francisco Rebouças.

1-ANTE A LIÇÃO

"Considera o que te digo, porque o Senhor te dará entendimento em tudo".- Paulo. II TIMÓTEO. 2:7.

Ante a exposição da verdade, não te esquives à meditação sobre as luzes que recebes.

Quem fita o céu, de relance, sem contemplá-lo, não enxerga as
estrelas; e quem ouve uma sinfonia, sem abrir-lhe a acústica da alma, não lhe percebe as notas divinas.

Debalde escutarás a palavra inspirada de pregadores ardentes, se não descerrares o coração para que o teu sentimento mergulhe na claridade bendita daquela.

Inúmeros seguidores do Evangelho se queixam da incapacidade de retenção dos ensinos da Boa Nova, afirmando-se ineptos à frente das novas revelações, e isto porque não dispensam maior trato à lição ouvida, demorando-se longo tempo na província da distração e da leviandade.

Quando a câmara permanece sombria, somos nós quem desata o ferrolho à janela para que o sol nos visite.

Dediquemos algum esforço à graça da lição e a lição nos responderá com as suas graças.

O apóstolo dos gentios é claro na observação. "Considera o que te digo, porque, então, o Senhor te dará entendimento em tudo."

Considerar significa examinar, atender, refletir e apreciar.

Estejamos, pois, convencidos de que, prestando atenção aos
apontamentos do Código da Vida Eterna, o Senhor, em retribuição à nossa boa-vontade, dar-nos-á entendimento em tudo.

Livro: Fonte Viva
Chico Xavier/Emmanuel

NO CAMPO FÍSICO

"Semeia-se corpo animal, ressuscitará corpo espiritual." - Paulo. (I CORÍNTIOS, 15:44.)

Ninguém menospreze a expressão animal da vida humana, a pretexto de preservar-se na santidade.

A imersão da mente nos fluidos terrestres é uma oportunidade de sublimação que o espírito operoso e desperto transforma em estruturação de valores eternos.

A sementeira comum é símbolo perfeito.

O gérmen lançado à cova escura sofre a ação dos detritos da terra, afronta a lama, o frio, a resistência do chão, mas em breve se converte em verdura e utilidade na folhagem, em perfume e cor nas flores e em alimento e riqueza nos frutos.

Compreendamos, pois, que a semente não estacionou. Rompeu todos os obstáculos e, sobretudo, obedeceu à influência da luz que a orientava para cima, na direção do Sol.

A cova do corpo é também preciosa para a lavoura espiritual, quando nos submetemos à lei que nos induz para o Alto.

Toda criatura provisoriamente algemada à matéria pode aproveitar o tempo na criação de espiritualidade divina.

O apóstolo, todavia, é muito claro quando emprega o termo "semeia-se". Quem nada planta, quem não trabalha na elevação da própria vida, coagula a atividade mental e rola no tempo à maneira do seixo que avança quase inalterável, a golpes inesperados da natureza.

Quem cultiva espinhos, naturalmente alcançará espinheiros.

Mas, o coração prevenido que semeia o bem e a luz, no solo de si mesmo, espere, feliz, a colheita da glória espiritual.

E N T R E I R M Ã O S
Olympia Belém (Espírito)[1]

Estes são tempos desafiadores para todos os que buscam um mundo melhor, onde reine o amor, onde pontifique a fraternidade, onde possam florir os mais formosos sentimentos nos corações.
Anelamos por dias em que a esperança, há tanto tempo acariciada, possa converter-se em colheita de progressos e de paz.
Sonhamos com esse alvorecer de uma nova era em que o Espiritismo, transformado em religião do povo, apresentando Jesus às multidões, descrucificado e vivo, possa modificar as almas, para que assumam seu pujante papel de filhas de Deus no seio do mundo.
Entrementes, não podemos supor que esses ansiados dias estejam tão próximos, quando verificamos que há, ainda, tanta confusão nos relacionamentos, tanta ignorância nos entendimentos, tanta indiferença e ansiedade nos indivíduos, como se vendavais, tufões, tormentas variadas teimassem em sacudir o íntimo das criaturas, fazendo-as infelizes.
A fim de que os ideais do Cristo Jesus alcancem a Terra, torna-se indispensável o esforço daqueles que, tendo ouvido o cântico doloroso do Calvário, disponham-se a converter suas vidas na madrugada luminosa do Tabor.
O mundo terreno, sob ameaças de guerras e sob os rufares da violência, em vários tons, tem urgência do Mestre de Nazaré, ainda que O ignore em sua marcha atordoada, eivada do materialismo que o fascina, que o domina e que o faz grandemente desfigurado, por faltar sentido positivo e digno no uso das coisas da própria matéria.
Na atualidade, porém, com as advertências da Doutrina dos Espíritos, com essa luculenta expressão da misericórdia de Deus para com Seus filhos terrenos, tudo se torna menos áspero, tudo se mostra mais coerente, oferecendo-nos a certeza de que, no planeta, tudo está de conformidade com a lei dos merecimentos, com as obras dos caminheiros, ora reencarnados, na estrada da suspirada libertação espiritual.
"A cada um segundo as suas obras" aparece como canto de justiça e esperança, na voz do Celeste Pastor.
Hoje, reunidos entre irmãos, unimo-nos aos Emissários destacados do movimento de disseminação da luz sobre as brumas terráqueas, e queremos conclamar os queridos companheiros, aqui congregados, a que não se permitam atormentar pelos trovões que se fazem ouvir sobre as cabeças humanas, ameaçadores, tampouco esfriar o bom ânimo, considerando que o Cristo vela sempre. Que não se deixem abater em razão de ainda não terem, porventura, alcançado as excelentes condições para o ministério espírita, certos de que o tempo é a magna oportunidade que nos concede o Senhor. Que ponham mãos à obra, confiantes e vibrantes, certos de que os verdadeiros amigos de Jesus caminham felizes, apesar das lutas e das lágrimas, típicas ocorrências das experiências, das expiações e das provas.
Marchemos devotados, oferecendo, na salva da nossa dedicação, o melhor que o Espiritismo nos ensina, o melhor do que nos apresenta para os que se perdem nas alamedas do medo, da desesperança e da ignorância a nossa volta.
Hoje, entre os amigos espíritas, encontramos maior ânimo para a superação dos nossos próprios limites, o que configurará, ao longo do tempo a superação dos limites do nosso honroso Movimento Espírita.
Sejamos pregadores ou médiuns, evangelizadores, escritores ou servidores da assistência social, não importa. Importa que nos engajemos, todos, nos labores do Codificador, plenificando-nos da grande honra de cooperar com os excelsos interesses do Insuperado Nazareno.
O tempo é hoje, queridos irmãos. O melhor é o agora, quando nos entrelaçamos para estudar, confraternizar e louvar a Jesus com os corações em clima festivo.
Certos de que o Espiritismo é roteiro de felicidade e bandeira de luz, que devemos içar bem alto sobre o dorso do planeta, abracemo-nos e cantemos, comovidos: Louvado seja Deus! Louvado seja Jesus!
Com extremado carinho e votos de crescente progres­so para todos, em suas lidas espiritistas, quero despedir-me sempre devotada e servidora pequenina.
Olympia Belém.

[1]
- Mensagem psicografada pelo médium J. Raul Teixeira no dia 03.09.95, no encerramento da X Confraternização Espírita do Estado do Rio de Janeiro.

O TEMPO

“Aquele que faz caso do dia, patrão Senhor o faz.” — Paulo. (ROMANOS, capítulo 14, versículo 6.)

A maioria dos homens não percebe ainda os valores infinitos do tempo.
Existem efetivamente os que abusam dessa concessão divina. Julgam que a riqueza dos benefícios lhes é devida por Deus.
Seria justo, entretanto, interrogá-los quanto ao motivo de semelhante presunção.
Constituindo a Criação Universal patrimônio comum, é razoável que todos gozem as possibilidades da vida; contudo, de modo geral, a criatura não medita na harmonia das circunstâncias que se ajustam na Terra, em favor de seu aperfeiçoamento espiritual.
É lógico que todo homem conte com o tempo, mas, se esse tempo estiver sem luz, sem equilíbrio, sem saúde, sem trabalho?
Não obstante a oportunidade da indagação, importa considerar que muito raros são aqueles que valorizam o dia, multiplicando-se em toda parte as fileiras dos que procuram aniquilá-lo de qualquer forma.
A velha expressão popular “matar o tempo” reflete a inconsciência vulgar, nesse sentido.
Nos mais obscuros recantos da Terra, há criaturas exterminando possibilidades sagradas. No entanto, um dia de paz, harmonia e iluminação, é muito importante para o concurso humano, na execução das leis divinas.
Os interesses imediatistas do mundo clamam que o “tempo é dinheiro”, para, em seguida, recomeçarem todas as obras incompletas na esteira das reencarnações... Os homens, por isso mesmo, fazem e desfazem, constroem e destroem, aprendem levianamente e recapitulam com dificuldade, na conquista da experiência.
Em quase todos os setores de evolução terrestre, vemos o abuso da oportunidade complicando os caminhos da vida; entretanto, desde muitos séculos, o apóstolo nos afirma que o tempo deve ser do Senhor.

Livro: Caminho Verdade e Vida.
Chico Xavier/Emmanuel.

NISTO CONHECEREMOS

"Nisto conhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro." (I JOÃO, 4:6.)

Quando sabemos conservar a ligação com a Paz Divina, apesar de todas as perturbações humanas, perdoando quantas vezes forem necessárias ao companheiro que nos magoa; esquecendo o mal para construir o bem; amparando com sinceridade aos que nos aborrecem; cooperando espiritualmente, através da ação e da oração, a benefício dos que nos perseguem e caluniam; olvidando nossos desejos particulares para servirmos em favor de todos; guardando a fé no Supremo Poder como luz inapagável no coração; perseverando na bondade construtiva, embora mil golpes da maldade nos assediem; negando a nós mesmos para que a bênção divina resplandeça em torno de nossos passos; carregando nossas dificuldades como dádivas celestes; recebendo adversários por instrutores; bendizendo as lutas que nos aperfeiçoam a alma, à frente da Esfera Maior; convertendo a experiência terrena em celeiros de alegrias para a Eternidade; descortinando ensejos de servir em toda parte; compreendendo e auxiliando sempre, sem a preocupação de sermos entendidos e ajudados; amando os nossos semelhantes qual temos sido amados pelo Senhor, sem expectativa de recompensa; então, conheceremos o espírito da verdade em nós, iluminando-nos a estrada para a redenção divina.

DOUTRINAÇÕES

"Mas não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos, antes, por estarem os vossos nomes escritos nos céus." — Jesus. (LUCAS, capítulo 10, versículo 20.)

Freqüentemente encontramos novos discípulos do Evangelho exultando de contentamento, porque os Espíritos perturbados se lhes sujeitam.

Narram, com alegria, os resultados de sessões empolgantes, nas quais doutrinaram, com êxito, entidades muita vez ignorantes e perversas.

Perdem-se muitos no emaranhado desses deslumbramentos e tocam a multiplicar os chamados "trabalhos práticos", sequiosos por orientar, em con-tactos mais diretos, os amigos inconscientes ou infelizes dos planos imediatos à esfera carnal.

Recomendou Jesus o remédio adequado a situações semelhantes, em que os aprendizes, quase sempre interessados em ensinar os outros, esquecem, pouco a pouco, de aprender em proveito próprio.

Que os doutrinadores sinceros se rejubilem, não por submeterem criaturas desencarnadas, em desespero, convictos de que em tais circunstâncias o bem é ministrado, não propriamente por eles, em sua feição humana, mas por
emissários de Jesus, caridosos e solícitos, que os utilizam à maneira de canais para a Misericórdia Divina; que esse regozijo nasça da oportunidade de servir ao bem, de consciência sintonizada com o Mestre Divino, entre as certezas
doces da fé, solidamente guardada no coração.

A palavra do Mestre aos companheiros é muito expressiva e pode beneficiar amplamente os discípulos inquietos de hoje.

Livro: Caminho Verdade e Vida.

Chico Xavier/Emmanuel.

FILHOS DA LUZ

FILHOS DA LUZ"Andai como filhos da luz." - Paulo.

(EFÉSIOS, 5:8.)Cada criatura dá sempre notícias da própria origem espiritual.

Os atos, palavras e pensamentos constituem informações vivas da zona mental de que procedemos.

Os filhos da inquietude costumam abafar quem os ouve, em mantos escuros de aflição.

Os rebentos da tristeza espalham o nevoeiro do desânimo.

Os cultivadores da irritação fulminam o espírito da gentileza com os raios da cólera.

Os portadores de interesses mesquinhos ensombram a estrada em que transitam, estabelecendo escuro clima nas mentes alheias.

Os corações endurecidos geram nuvens de desconfiança, por onde passam.

Os afeiçoados à calúnia e à maledicência distribuem venenosos quinhões de trevas com que se improvisam grandes males e grandes crimes.

Os cristãos, todavia, são filhos da luz.E a missão da luz é uniforme e insofismável.Beneficia a todos sem distinção.

Não formula exigências para dar.Afasta as sombras sem alarde.

Espalha alegria e revelação crescentes.Semeia renovadas esperanças.Esclarece, ensina, ampara e irradia-se.

Vinha de Luz

Chico Xavier/André Luiz


QUEM LÊ, ATENDA

"Quem lê, atenda." - Jesus. (MATEUS, 24:15.)

Assim como as criaturas, em geral, converteram as produções sagradas da Terra em objeto de perversão dos sentidos, movimento análogo se verifica no mundo, com referência aos frutos do pensamento.

Freqüentemente as mais santas leituras são tomadas à conta de tempero emotivo, destinado às sensações renovadas que condigam com o recreio pernicioso ou com a indiferença pelas obrigações mais justas.

Raríssimos são os leitores que buscam a realidade da vida.

O próprio Evangelho tem sido para os imprevidentes e levianos vasto campo de observações pouco dignas.

Quantos olhos passam por ele, apressados e inquietos, anotando deficiências da letra ou catalogando possíveis equívocos, a fim de espalharem sensacionalismo e perturbação? Alinham, com avidez, as contradições aparentes e tocam a malbaratar, com enorme desprezo pelo trabalho alheio, as plantas tenras e dadivosas da fé renovadora.

A recomendação de Jesus, no entanto, é infinitamente expressiva.

É razoável que a leitura do homem ignorante e animalizado represente conjunto de ignominiosas brincadeiras, mas o espírito de religiosidade precisa penetrar a leitura séria, com real atitude de elevação.

O problema do discípulo do Evangelho não é o de ler para alcançar novidades emotivas ou conhecer a Escritura para transformá-la em arena de esgrima intelectual, mas, o de ler para atender a Deus, cumprindo-lhe a Divina Vontade.

Livro; Vinha de Luz
Chico Xavier/Emmanuel