Trabalhemos todos, pela Unificação do movimento espírita!!

O Espiritismo é uma questão de fundo; prender-se à forma seria puerilidade indigna da grandeza do assunto. Daí vem que os centros que se acharem penetrados do verdadeiro espírito do Espiritismo deverão estender as mãos uns aos outros, fraternalmente, e unir-se para combater os inimigos comuns: a incredulidade e o fanatismo.”

“Dez homens unidos por um pensamento comum são mais fortes do que cem que não se entendam.”
Allan Kardec (Obras Póstumas – Constituição do Espiritismo – Item VI).



Mas a sabedoria que vem do alto é, primeiramente, pura, depois, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia.

Thiago, 3/17


sexta-feira, 19 de julho de 2019

NUNCA SEM ESPERANÇA

Nunca percas a esperança.
Se o pranto te encharca a existência, recorre a Deus no exercício do bem e acharás Deus nas entranhas da própria alma, a propiciar-te consolo.
Se sofres incompreensão, auxilia ainda e sempre aos que te não entendem e encontrarás Deus no imo do próprio espírito, a fortalecer-te com o bálsamo da piedade pelos que se desequilibram na sombra.
Se tem menosprezam ou te injuriam, guarda-te em silêncio no auxílio ao próximo e surpreenderás Deus no íntimo de teus mais íntimos pensamentos, prestigiando-te as intenções.
Se te golpeiam ou censuram, cala-te edificando a felicidade dos que te rodeiam e Deus falará por ti na voz inarticulada do tempo.
E, se erraste, não tombes em desespero, mas, trabalhando e servindo receberás de Deus a oportunidade da retificação e da paz.
Sejam quais forem as aflições e problemas que te agitem a estrada, confia em Deus, amando e construindo, perdoando e amparando sempre, porque Deus, acima de todas as calamidades e de todas as lágrimas, te fará sobreviver, abençoando-te a vida e sustentando-te o coração.

Livro: Coragem, Cap. 6
Chico Xavier/Meimei

Francisco Rebouças

segunda-feira, 15 de julho de 2019

FALTA TAREFEIROS!


"A Seara é realmente grande, mas poucos são os ceifeiros".
Semelhantes afirmativas do Senhor provam a importância por ele atribuída à contribuição humana.
Amemos e trabalhemos, purificando e servindo sempre.
Onde estiver um seguidor do Evangelho aí se encontra um mensageiro do Amigo Celestial para a obra incessante do bem.
Cristianismo significa Cristo e nós.
Livro: Fonte Viva –Cap. 17
Chico Xavier/Emmanuel


Francisco Rebouças

quinta-feira, 11 de julho de 2019

Seguir Jesus


Se pretendes trazer ao Mestre o feito de teu caminho, recorda que o Cristo não deseja adoradores de sua figura excelsa, mas, artífices e servidores da Boa Nova que saibam calar auxiliando, amar com desprendimento e servir sem repouso, porque somente nesse culto íntimo de afetuoso devotamento, é que conseguiremos, em verdade, comungar-lhe, hoje e sempre, a edificação do Reino de Amor e Luz.
Livro: Construção do Amor
Chico/Emmanuel


Francisco Rebouças

terça-feira, 9 de julho de 2019

Nosso tempo para Deus!

Conhecemos a importância de dar a César o que é de César, ou seja, dedicar nossa atenção e respeito às experiências que vivenciamos na materialidade, quando o homem consciente e responsável se ajusta às suas obrigações do dia a dia, mesmo convivendo com preocupações, exigências, expectativas e ilusões diversas que muito contribuem para o seu afastamento da harmonia e da paz nas experiências mundanas, e mais ainda da sua natureza espiritual.
Envolvido por um turbilhão de acontecimentos, normalmente de caráter espinhoso, quase sempre escorrega em direção ao abismo provocado pela tristeza e pelo desencanto da realidade dura que as experiências de suas vidas lhes impõem, principalmente quando não desfruta dos salutares benefícios proporcionados pela fé.
Isso porque, raros são os homens que se preocupam em lembrar a sua natureza Divina e dedicar alguns minutos das 24 horas do dia para uma breve conversa com seu Pai e criador, esquecidos de que a riqueza, o poder, as honrarias, sejam quais forem, procedem justamente de Deus, como simples empréstimos dos quais teremos que prestar contas do bom ou mau uso que deles fizermos.
“Todos os homens vivem na Obra de Deus, valendo-se dela para alcançarem, um dia, a grandeza divina. Usufrutuários de patrimônios que pertencem ao Pai, encontram-se no campo das oportunidades presentes, negociando com os valores do Senhor.
Em razão desta verdade, meu amigo, vê o que fazes e não te esqueças de subordinar teus desejos a Deus, nos negócios que por algum tempo te forem confiados no mundo”.  (1)
Quando na experiência reencarnatória, é justo a observar o respeito às Leis que regulam as relações humanas, o pagamento dos tributos, o suor do trabalho em busca da sobrevivência digna etc., disso todos sabemos. Mas preciso se faz entender também que podemos viver na Terra sem ser da Terra, conforme nos asseverou Jesus, pois, ninguém está impedido de construir seus alicerces espirituais no desenvolvimento da fé e da confiança em Deus para fruir-lhe a sua infinita bondade.
Urge iniciarmos a nossa obra individual de autolibertação do homem velho equivocado e dominador do qual temos sido verdadeiros escravos, seguindo-o cegamente há milênios, e investirmos no desenvolvimento das virtudes espirituais de que somos portadores, seguindo as lições e exemplos de Jesus para uma perfeita sintonia com as sublimes Leis Naturais, que nos propiciarão ganhos espirituais incalculáveis.
Para tanto o Evangelho está repleto de lições daquele que é o caminho, a verdade e a vida, modelo e guia enviado por Deus para nossa libertação dos atavismos seculares que nos prendem ao materialismo insano. Necessário, comecemos concedendo alguns instantes de meditação e recolhimento para que Deus possa fazer parte de nossa vida, cada vez mais até o dia em que nos tornemos verdadeiros instrumentos para sua utilização.
“Somente Jesus oferece estrada invariável para a Ressurreição Divina.
Quem se desenvolve, portanto, com o exemplo e com a palavra do Mestre, trabalhando por revelar bondade e luz, em si mesmo, desde as lutas e ensinamentos do mundo, pode ser considerado cidadão celeste”. (2)
Nós espíritas muito mais até que outros cristãos, detentores de tantas informações e esclarecimentos, nos utilizemos desse manancial para agir, distribuindo algo de nós mesmos em nome da caridade, e do amor, em generosidade, compreensão, cooperação, e bom ânimo distribuindo em volta dos nossos passos, a alegria e a esperança em dias melhores para todos no porvir.
Que possamos dar a César o que a ele pertence, mas não negligenciemos jamais com as obrigações que nos elevam para frente e para o alto, porque, somente assim, nos credenciaremos ao crescimento moral e espiritual em busca das Celestes Moradias.
Deus: “É soberanamente justo e bom. A sabedoria providencial das leis divinas se revela, assim nas mais pequeninas coisas, como nas maiores, e essa sabedoria não permite se duvide nem da justiça nem da bondade de Deus”. (3)
Dediquemos a Deus, alguns minutos de contato com Ele através das orações, mas estejamos com Ele em nosso dia a dia nos comportando com respeito e bondade, amando a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos, trabalhando no bem em favor da comunidade, que nos possibilita evoluir a caminho da felicidade e da pureza que o Senhor nos reserva como seus filhos amados.
Referências:(1) Xavier, Francisco Cândido, pelo espírito Emmanuel. Livro: Vinha de Luz, Cap. 2.
(2) Xavier, Francisco Cândido, pelo espírito Neio Lúcio. Livro: Alvorada Cristã, Cap. 1.
(3) Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos, FEB 76ª edição.
Francisco Rebouças

domingo, 30 de junho de 2019

17 anos de saudades de Chico!


Lembro-me daquela noite de 30 de junho de 2002, quando o noticiário exibido pela televisão anunciou para todo o Brasil que, em Uberaba, acabava de desencarnar, aos 92 anos de idade, vitimado por uma crise cardíaca, o médium Francisco Cândido Xavier.
Chico estava bem perto de completar 75 anos de mediunidade a serviço de Jesus, o que se daria no mês de julho seguinte.

O fato acontecido gerou reações de espanto e tristeza no movimento espírita, de todo o Brasil, e na população em geral de todo o mundo, principalmente naqueles que se beneficiavam do trabalho de amor e consolação que o Trabalhador Divino realizava em benefício dos mais necessitados, como ninguém sabia fazer.

Estávamos todos alegres e comemorávamos efusivamente a conquista do penta campeonato mundial de futebol, e devido a esse importante acontecimento para os torcedores da nossa seleção, nem todos tomaram conhecimento do anúncio da sua desencarnação.
Foi dessa forma que o saudoso Médium partiu, vendo um de seus maiores desejos atendidos pelos Imortais da Vida Superior, que era de regressar à Pátria Espiritual em dia de alegria e felicidade do povo brasileiro.

Deixou-nos de forma tão discreta, enfatizando a simplicidade que o caracterizava, Chico sempre foi uma pessoa que vivenciou a humildade em cada realização, jamais esteve nas tribunas ou nas diversas mídias para se enaltecer, e ainda teve a preocupação de que sua partida não causasse qualquer onda de tristeza e pesar, nem provocasse maiores alterações na vida dos seus compatriotas, que se não estivessem envolvidos pela alegria da conquista da copa do mundo, certamente sentiriam muito mais do que sentiram.

Hoje, dezessete anos depois de sua desencarnação, todos nós, brasileiros ou não, continuamos a sentir sua falta, principalmente nós espíritas, que hoje recordamos suas ações de caridade através dos diversos vídeos e documentos exibido em grande quantidade na internet, que testemunham sua disposição em vivenciar os postulados da nossa doutrina, consolando os corações aflitos e muitas das vezes vazios que Chico fazia vibrar de forma diferente, depois do encontro com ele, carregando novas expectativas após ouvirem sua palavra reconfortante que tinham o poder de transformar o aspecto triste dos que o ouviam em um sorriso de esperança.

Chico Xavier continua certamente com seu extraordinário trabalho de caridade e amor, distribuindo seu inesgotável estoque de paciência, resignação, respeito e compreensão com os menos esclarecidos dos dois planos da vida, tendo por companhia os prepostos do Cristo, do qual ele faz parte desde há muito, enviando-nos suas vibrações e seus sinceros desejos de nos ver bem e melhores a cada dia, pois que para isso ele muito colaborou com incomparável acervo de Livros recheados de esclarecimentos e de Luz. Preciso se faz que busquemos nos perguntar interiormente: que estamos fazendo com os ensinos e exemplos que o Chico nos deixou?

O Mineiro do Século continua mais vivo que antes, pois, não se cansava de dizer: “morrer é simplesmente mudar completamente de casa sem nada mudar na essência”, e agora ao lado dos Benfeitores da humanidade, permanece trabalhando pela felicidade dos seus irmãos na Terra.
Pelo que fez, pelo que faz, quero neste instante solicitar do fundo do meu coração agradecido a Jesus que leve até você querido amigo, meu sincero e reconhecido MUITO OBRIGADO CHICO por você existir e por termos tido a honra de conhecê-lo.

Francisco Rebouças.

NOS ENCARGOS DA VIDA

Recorda: Deus nos criou para a execução de determinados encargos, em que nos façamos felizes.
Não digas que a Terra é um mundo exclusivamente de provações.
Em qualquer degrau da evolução, podes instalar-te no lugar próprio à criação de tuas próprias alegrias.
Necessário reconhecer que te encontras na condição certa e com as criaturas mais adequadas para a tarefa a cumprir.
Conscientiza-te de que ninguém consegue realizar algo sem o apoio de alguns, competindo-nos a todos adquirir paciência e tolerância de uns para com os outros Aprendamos a viver sem reclamações e sem queixas.
Os obstáculos e problemas, em maioria, com que somos defrontados na desincumbência de nossos deveres partem de nós e não dos outros Adaptarmo-nos às exigências do trabalho a realizar, sem perder altura no ideal superior que abraçamos, é norma de triunfo em nossas obrigações.
Lembremo-nos de que todos aqueles que sabem desculpar as dificuldades e faltas alheias estão criando fatores de base ao próprio êxito.
Quem se consagra a servir, serve para viver, honrando a vida em qualquer posição.

Livro: CALMA
Chico Xavier/Emmanuel

Francisco Rebouças

Caridade para com todos!

“Urge auxiliemos os doentes do veículo físico que se movimentam no mundo em desequilíbrio e dificuldade à vista de todos, mas não desprezemos os doentes da alma, que disfarçam suas atitudes trevosas, e caminham na Terra, aparentemente sadios, carregando enfermidades ocultas que lhes consomem o pensamento e deturpam seus sentidos. É preciso entender que, não são os sãos que precisam de médicos, consoante a assertiva de Jesus, e que a caridade deve ser exercida para com todos. Particularmente com os “dissimulados”, carentes por essa razão de misericórdia e oração.”

Francisco Rebouças. 

domingo, 23 de junho de 2019

ENTRE CHAMADOS E ESCOLHIDOS


Emmanuel
Apreciando aquele ensinamento dos “chamados e escolhidos”, a destacar-se da palavra do Senhor, nas lições do Evangelho, mentalizemos o assunto, transferindo-o a uma oficina terrestre.
Em favor da produção de serviço, são aí admitidos colaboradores de variada procedência, escalonados em classes diversas.
Todos são chamados pela obra a fazer, a fim de conjugarem esforços dentro das finalidades da instituição a que se ajustam.
Entretanto, raros se portam à altura dos compromissos que assumem.
Muitos deles devoram o tempo, renovando indagações incessantes acerca dos problemas comezinhos da casa, a pretexto de recolherem esclarecimentos e diretrizes.
São os servos ociosos.
Outros muitos confiam-se à irascibilidade e à cólera, arrojando de si os fluídos empestados da indisciplina com que espalham o fogo da rebelião e o gelo do desânimo, anulando máquinas e desencorajando os companheiros.
São os servos revoltados.
Muitos ainda entregam-se ao culto da lisonja, abandonando as obrigações que lhes cabem, para tecerem elogios venenosos à pessoa dos dirigentes, com o fim de lhes subornarem a consciência, à cata de vantagens materiais.
São os servos bajuladores.
Muitos se refugiam nos programas extensos, salientando o futuro com discursos brilhantes, nos quais se reportam a imaginárias realizações, abominando os deveres humildes que consideram indignos da inteligência que lhes é própria.
Mas há um tipo de cooperador que indaga pouco e age muito, que cultua a dignidade pessoal sem descer aos desvarios do orgulho, que sustenta o respeito devido à ordem sem se render à adulação e que traça diretivas de trabalho para cumpri-las, cada dia, ao preço do próprio amor e da própria renúncia.
Servos desses são aqueles que o serviço elege por seus diretores, sem qualquer recurso a caprichos particulares.
Assim, para que te faças escolhido como sustentáculo na obra da luz e do amor, não basta te consagres a longas plataformas verbais ou a preciosas promessas da boca, vazias de substância e sentido.
Antes de tudo, é imprescindível saibamos escolher a própria luz e o próprio amor como normas de nossa vida, porque assim, através do constante serviço aos
outros, edificaremos o verdadeiro serviço a nós mesmos em abençoada e permanente ascensão.


Livro: Fé, paz e amor.
Chico Xavier/Espíritos Diversos

Francisco Rebouças

segunda-feira, 17 de junho de 2019

Família nossa base!

“A família, na condição de grupo consanguíneo, está formulando um vigoroso pedido de socorro à sociedade em geral.
Esse S.O.S. alcança as mentes e os corações, convidando à reflexão e á ação imediata no dever e no bem; à seriedade no que tange aos compromissos domésticos; à renúncia em benefício da prole; à abnegação, ampliando as áreas do amor no lar; ao respeito recíproco dos cônjuges, que se comprometeram educar o clã feliz...”

Livro: S.O.S. Família – Prefácio.
Divaldo Franco/Joanna de Ângelis

sexta-feira, 14 de junho de 2019

DIA A DIA

Nas curtas viagens do dia-a-dia, todos nós encontramos o próximo, para cuja dificuldade somos próximo mais próximo.
Imaginemo-nos, assim, numa excursão de cem passos que nos transporte do lar à rua. Não longe, passa um homem que não conseguimos, de imediato, reconhecer.
“Quem será?” – perguntamos em pensamento.
E a Lei do Amor no-lo aponta como alguém que precisa de algo:
se vive em penúria, espera socorro;
se abastado, solicita assistência moral, de maneira a empregar, com justiça, as sobras de que dispõe;
se aflito, pede consolo;
se alegre, reclama apreço fraterno, para manter-se ajustado à ponderação;
se é companheiro, aguarda concurso amigo;
sé é adversário, exige respeito;
se benfeitor requer cooperação;
se malfeitor demanda piedade;
se doente, requisita remédio;
se é dono de razoável saúde, precisa de apoio a fim de que a preserve;
se ignorante, roga amparo educativo;
se culto, reivindica estímulo ao trabalho, para desentranhar, a benefício dos semelhantes, os tesouros que acumula na inteligência;
se é bom, não prescinde de auxílio para fazer-se melhor;
se é menos bom, espera compaixão, que o integre na dignidade da vida.
Ante o ensino de Jesus, pelo samaritano da caridade, poderemos facilmente entender que os outros necessitam de nós, tanto quanto necessitamos dos outros. E, para atender às nossas obrigações, no socorro mútuo, comecemos, à frente de qualquer um, pelo exercício espontâneo da compreensão e da simpatia.

Emmanuel

Caminho Espírita
Espíritos Diversos.

Francisco Rebouças

terça-feira, 11 de junho de 2019

Estudando a doutrina espírita


Desde que se admite a solicitude de Deus para com as suas criaturas, por que não se há de admitir que Espíritos capazes, por sua energia e superioridade de conhecimento, de fazerem que a Humanidade avance, encarnem pela vontade de Deus, com o fim de ativarem o progresso em determinado sentido? Por que não admitir que eles recebam missões, como um embaixador as recebe do seu soberano? Tal o papel dos grandes gênios. Que vêm eles fazer, senão ensinar aos homens verdades que estes ignoram e ainda ignorariam durante largos períodos, a fim de lhes dar um ponto de apoio mediante o qual possam elevar-se mais rapidamente? Esses gênios, que aparecem através dos séculos como estrelas brilhantes, deixando longo traço luminoso sobre a Humanidade, são missionários ou, se o quiserem, messias. O que de novo ensinam aos homens, quer na ordem física, quer na ordem filosófica, são revelações. Se Deus suscita reveladores para as verdades científicas, pode, com mais forte razão, suscitá-los para as verdades morais, que constituem elementos essenciais do progresso. Tais são os filósofos cujas idéias atravessam os séculos.
Fonte: A Gênese - cap I, item 6


Francisco Rebouças

segunda-feira, 10 de junho de 2019

Conhecer a Verdade, para construir a liberdade!

 “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” – João: 8:32.
É preciso saber que liberdade na essência, é aceitar que o homem é um espírito imortal, utilizando o corpo físico, como uma simples vestimenta transitória.
A vida física de um homem reencarnado, não passa de alguns anos de experiências necessárias para o seu aprendizado e aperfeiçoamento muito curto em relação à eternidade que nos está reservada para alcançar a felicidade e a pureza a que estamos destinados.
É neste mundo físico que encontramos o campo propício para arar e plantar a boa semente que significa nosso esforço na prática do bem, no desenvolvimento da caridade, que é o amor em ação pelos caminhos que escolhermos trilhar.
O Espiritismo alicerçado pela Ciência no desenvolvimento do raciocínio, a Filosofia empregando o método da indagação, que nos exigem respostas e nos obrigam a pesquisar e a pensar, a Religião, solicitando a utilização da ciência e da filosofia na aproximação da criatura ao seu criador, representam para nós os recursos para encontrarmos o verdadeiro caminho da ascensão moral espiritual, porque somos herdeiros da Suprema Sabedoria do Universo.
“A Ciência e a Religião são as duas alavancas da inteligência humana: uma revela as leis do mundo material e a outra as do mundo moral. Tendo, no entanto, essas leis o mesmo princípio, que é Deus, não podem contradizer-se. Se fossem a negação uma da outra, uma necessariamente estaria em erro e a outra com a verdade, porquanto Deus não pode pretender a destruição de sua própria obra. A incompatibilidade que se julgou existir entre essas duas ordens de ideias provém apenas de uma observação defeituosa e de excesso de exclusivismo, de um lado e de outro. Daí um conflito que deu origem à incredulidade e à intolerância.(…)
(…) São chegados os tempos em que os ensinamentos do Cristo têm de ser completados; em que o véu intencionalmente lançado sobre algumas partes desse ensino tem de ser levantado; em que a Ciência, deixando de ser exclusivamente materialista, tem de levar em conta o elemento espiritual e em que a Religião, deixando de ignorar as leis orgânicas e imutáveis da matéria, como duas forças que são, apoiando-se uma na outra e marchando combinadas, se prestarão mútuo concurso. Então, não mais desmentida pela Ciência, a Religião adquirirá inabalável poder, porque estará de acordo com a razão, já se lhe não podendo mais opor a irresistível lógica dos fatos.
A Ciência e a Religião não puderam, até hoje, entender-se, porque, encarando cada uma as coisas do seu ponto de vista exclusivo, reciprocamente se repeliam. Faltava com que encher o vazio que as separava, um traço de união que as aproximasse. Esse traço de união está no conhecimento das leis que regem o Universo espiritual e suas relações com o mundo corpóreo, leis tão imutáveis quanto as que regem o movimento dos astros e a existência dos seres”. (…)  (1)
Para tanto, o arado nos exige trabalho árduo na conquista dos valores inalienáveis da experiência, solicitando de cada um de nós não desprezarmos as oportunidades da hora que passa, aceitando que é preciso abrir a mente para os ideais superiores que dignificam a nossa existência.
Investir na fraternidade, no auxílio ao necessitado, agindo conforme o exemplo daquele que ofertou sua própria vida para a consolidação do amor a Deus e ao próximo para nos servir de modelo a ser seguido, esse o nosso maior desafio.
O conhecimento da doutrina espírita é roteiro para que cada Ser inteligente perceba a importância da fé raciocinada para melhor compreender a perfeição das Leis Naturais, que nos consideram iguais sem qualquer tipo de privilégio para quem quer que seja, independentemente da corrente religiosa que escolhemos para seguir.
O Espiritismo nos ilumina o entendimento a cerca dos benefícios proporcionados pelas verdadeiras virtudes do Espírito imortal para que nos libertemos das algemas milenares que nos mantiveram presos às ilusórias riquezas materiais, que nos escravizam até os dias da atualidade, apresentando-nos o caminho do aperfeiçoamento como impositivo da Lei do Progresso, a caminho da verdadeira liberdade, que é a paz da consciência tranquila pela observação e cumprimento das Perfeitas e Imutáveis Leis Divinas.Referência:
Kardec, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. FEB 112ª edição, Capítulo I – Não Vim Destruir a Lei, item 8.

Francisco Rebouças

sexta-feira, 7 de junho de 2019

LIBERDADE E PROVEITO

São muitos os companheiros que requisitam liberdade e mais liberdade.

Entretanto, a maioria se esquece de que a independência de alguém vale pela disciplina que esse alguém apresenta na execução dos deveres que a vida lhe preceitue.

A Natureza mostra isso em lições claras e simples.

O Sol é um gigante de força no Espaço Cósmico, no entanto, se não aceitasse os impositivos da gravitação, não sustentaria a sua imensa colméia de mundos.

A cachoeira assemelha-se a uma explosão de energias desatadas, mas sem a represa que lhe condiciona o poder das águas, o homem não usufruiria muitos dos valiosos benefícios da Civilização.

Sem controle dos implementos que lhe são próprios, o avião não se levantaria.

Sem leis que presidam o relacionamento entre as criaturas, a ordem seria uma ilusão.

Reflitamos nisso e saibamos cumprir as obrigações que nos cabem.

A criatura se destaca pelo que saiba, mas vale pelo bem que se decida a fazer.

Livro: Convivência
Chico Xavier/Emmanuel


Francisco Rebouças

domingo, 2 de junho de 2019

No Trânsito da Fé


No caminho da fé, para que se lhe consolide o valor, é possível encontres obstáculos, através dos quais possas demonstrar as tuas aquisições de sinceridade e coragem, tais quais sejam: a incompreensão dos bons, a agressão dos desesperados, o sarcasmo dos irreverentes, a perturbação dos irmãos ainda ignorantes, a exigência dos críticos, a deserção de companheiros, a perseguição dos adversários, as horas de crise, as sombras da tristeza, os braseiros da aflição, os imperativos da renúncia, a necessidade do sacrifício pessoal e o golpe de amargas desilusões, mas, se tiveres humildade, na marcha em direção aos elevados objetivos que te propões a atingir, não te faltarão apoio e assistência constante, na senda a percorrer, porque a humildade se transforma em amor e o amor se te fará luz e bênção, na jornada para Deus.


Livro: Convivência -Cap. 15
Chico Xavier/Emmanuel.

Francisco Rebouças

quinta-feira, 30 de maio de 2019

Enxergar o melhor dos outros!

“A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz.” (Jesus – Mateus – 6/22)
Jesus nos alerta para o cuidado que devemos ter quando olhar alguma atitude do nosso semelhante, porque a visão física, nem sempre é certeza do que está, realmente, acontecendo na vasta e complexa visão do Espírito imortal, que se dilata e se enriquece, constantemente, à medida que nossos sentimentos e emoções desenvolvem e aprimoram-se.
Aparências podem levar alguém a deduzir, errada e levianamente, sobre uma atitude ou ação de algum indivíduo. É necessário sublimar nossa disposição de enxergar sempre o melhor em nossos semelhantes, para isso, necessário se faz dilatarmos e aprimorarmos nossas aquisições psíquicas de clarividência nas vastas oportunidades que a vida nos oferece.
Urge guardemos a pureza de coração que Jesus nos receitou, a fim de que essa pureza, em se exteriorizando através da nossa percepção, equilibre-nos o emocional, mantendo-nos vigilantes para não nos precipitarmos em condenações precipitadas no julgamento infeliz de atitudes alheias.
Quem procura observar o “lado bom dos acontecimentos, o melhor e mais nobre das pessoas”, está conquistando preciosos tesouros da Visão. E nós seguidores da Doutrina Espírita já temos motivos suficientes para olhar de forma diferente com cuidado de ver o melhor em cada atitude de alguém, porque não sabemos se seríamos capazes de agir, diferentemente, dele na situação que ele está vivenciando.
“É muito comum que interpretemos muitos irmãos, que cercam nossos passos, como pessoas desequilibradas, estranhas, complicadas, maldosas, incapazes e outras coisas mais que o nosso entendimento momentâneo estabelece…
…Acontece que, estando em processo de aprendizagem e crescimento na Terra, os Espíritos aqui renascidos são portadores de regiões sombrias e de outras bem claras, no íntimo de si mesmos o que nos permite observar contrastes diversíssimos nos seus procedimentos…
…Não é difícil entender que as almas, em estágio de evolução, num mundo como a Terra, não consigam manter-se todo o tempo em fina sintonia com a Grande Alma, que é Jesus, em cuja vivência conseguimos achar o Criador”. (1)
Precisamos desenvolver as virtudes sublimes do Espírito que todos trazemos no íntimo do Ser, e conseguiremos descobrir os horizontes da nossa gloriosa imortalidade. Quando encontrarmos um irmão caído na estrada, façamos o possível para que também ele possa despertar para as alegrias da vida, mas não esqueçamos que para isso, será indispensável estender-lhe, fraternalmente, nossas mãos. Muitos olham, apreciando alguém ou alguma coisa na vida comum, entretanto, raros sabem, realmente, ver como convém.
Busquemos seguir os princípios morais do Vidente Divino que soube compreender as fragilidades humanas, com respeito, amor e perdão, convictos de que assim agindo, com absoluta certeza, começaremos, desde agora, a penetrar na intimidade sublime de nossa própria iluminação.
“A felicidade real nasce, invariável, daquela felicidade com que tornamos alguém feliz. Façamos, assim, aos outros o que desejamos nos façam eles, na convicção de que, se cuidamos da lei do bem, a lei do bem cuidará de nós”. (2)
Referências Bibliográficas:
(1) TEIXEIRA, RAUL. Espírito José Lopes Neto. Em Nome de Deus, página 135;
(2) XAVIER, FRANCISCO CÂNDIDO. Espírito Emmanuel. Justiça Divina. Capítulo 54 – Na Lei do Bem.
Francisco Rebouças

quarta-feira, 22 de maio de 2019

Gentileza e Gratidão!


XXIX
Exercita a gentileza e a gratidão para com todas as pessoas, especificamente os idosos.
A velhice é fase inexorável que alcançarás, caso a morte não te arrebate o corpo antes.
Nesse período difícil, as forças diminuem, os órgãos se debilitam, as lembranças se apagam e a dependência física, emocional e afetiva se faz imperiosa.
Pode parecer cansativa a presença do idoso; ele, porém, é rico da experiência que te pode brindar, mas carente dos recursos que lhe podes oferecer.
Livro: Vida Feliz
Divaldo Franco/Joanna de Ângelis


Francisco Rebouças

Caridade sempre!

Urge levemos em conta que os nascidos num planeta como o nosso, são espíritos endividados com a Lei Divina em processo de burilamento, submetidos aos ditames da “Justiça Maior” da qual ninguém consegue burlar, em cumprimento da Lei do Progresso.
Dessa forma, é muito importante agirmos com benevolência, indulgência e perdão para com os erros dos nossos semelhantes, porque também nós necessitamos destas mesmas virtudes dos nossos semelhantes para conosco, porque também somos espíritos necessitados da mão amiga e fraterna dos nossos irmãos de caminhada evolutiva.
“…A caridade é a virtude fundamental sobre que há de repousar todo o edifício das virtudes terrenas. Sem ela não existem as outras. Sem a caridade não há esperar melhor sorte, não há interesse moral que nos guie; sem a caridade não há fé, pois a fé não é mais do que pura luminosidade que torna brilhante uma alma caridosa.
A caridade é, em todos os mundos, a eterna âncora de salvação; é a mais pura emanação do próprio Criador; é a sua própria virtude, dada por ele à criatura. Como desprezar essa bondade suprema? Qual o coração, disso ciente, bastante perverso para recalcar em si e expulsar esse sentimento todo divino? Qual o filho bastante mau para se rebelar contra essa doce carícia: a caridade?
Não ouso falar do que fiz, porque também os Espíritos têm o pudor de suas obras; considero, porém, a que iniciei como uma das que mais hão de contribuir para o alívio dos vossos semelhantes. Vejo com frequência os Espíritos a pedirem lhes seja dado, por missão, continuar a minha tarefa. Vejo-os, minhas bondosas e queridas irmãs, no piedoso e divino ministério; vejo-os praticando a virtude que vos recomendo, com todo o júbilo que deriva de uma existência de dedicação e sacrifícios. Imensa dita é a minha, por ver quanto lhes honra o caráter, quão estimada e protegida é a missão que desempenham. Homens de bem, de boa e firme vontade, uni-vos para continuar amplamente a obra de propagação da caridade; no exercício mesmo dessa virtude, encontrareis a vossa recompensa; não há alegria espiritual que ela não proporcione já na vida presente. Sede unidos, amai-vos uns aos outros, segundo os preceitos do Cristo. Assim seja.” – São Vicente de Paulo. (Paris, 1858.) (1)
O Cristão que, verdadeiramente, segue Jesus, jamais hostiliza ou desfaz de quem quer que seja, pois já compreende que estamos em condições diferentes de compreensão da vida, e que é preciso empenho para que superemos em nós mesmos as tendências inferiores herdadas dos tempos primitivos que hoje já não mais fazem sentido, e busca desenvolver e cultivar as vibrações superiores dos patamares mais elevados da criação, no desejo de conquistar a felicidade e a paz de espírito que espera desfrutar.
Busca ao contrário compreender e ajudar os semelhantes em tudo que lhe for possível e, dessa forma, descobre um prazer e uma alegria que lhe estimula ao trabalho cada vez mais ativo no exercício da caridade em favor do irmão necessitado, doando-se e empenhando-se com o desejo sincero de se tornar útil, o que lhe faculta ensejo de progredir moral e espiritualmente por constatar quão imensa é a carência daqueles que ainda se afogam nas paixões perturbadoras, que ele já conseguiu superar.
No Livro dos Espíritos encontramos a resposta dos Espíritos Superiores ao Codificador do Espiritismo sobre o entendimento de Jesus a respeito da caridade, conforme segue abaixo:
“886. Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus?
Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas.
O amor e a caridade são o complemento da lei de justiça, pois amar o próximo é fazer-lhe todo o bem que nos seja possível e que desejáramos nos fosse feito. Tal o sentido destas palavras de Jesus: Amai-vos uns aos outros como irmãos.
A caridade, segundo Jesus, não se restringe à esmola, abrange todas as relações em que nos achamos com os nossos semelhantes, sejam eles nossos inferiores, nossos iguais, ou nossos superiores. Ela nos prescreve a indulgência, porque da indulgência precisamos nós mesmos, e nos proíbe que humilhemos os desafortunados, contrariamente ao que se costuma fazer. Apresente-se uma pessoa rica e todas as atenções e deferências lhe são dispensadas. Se for pobre, toda gente como que entende que não precisa preocupar-se com ela. No entanto, quanto mais lastimosa seja a sua posição, tanto maior cuidado devemos pôr em lhe não aumentarmos o infortúnio pela humilhação. O homem verdadeiramente bom procura elevar, aos seus próprios olhos, aquele que lhe é inferior, diminuindo a distância que os separa”. (2)
Dessa forma, urge seguir os ensinamentos do Mestre e Guia da humanidade e dedicar todo tempo possível ao trabalho de fazer ao próximo o que gostaríamos que o próximo nos fizesse, porque já sabemos que “Fora da Caridade, não há Salvação”.
Referências Bibliográficas:
[1] Kardec, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. FEB, 112ª edição, cap. VIII, item 12.
[2] Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos. FEB, 76ª edição.
Francisco Rebouças

Brasil coração do mundo...

https://youtu.be/_a9tpJnGcbw

Homenagem a Chico Xavier

Haroldo Dias Dutra - As cartas de Paulo

Haroldo Dutra - Jesus o Médico da Almas

https://youtu.be/Uk7OUvyGCZU



Divaldo Franco

https://youtu.be/OVbstbRFs9M

Entrevista sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis...

Reencarnação é uma realidade

Palestra O trabalho no Bem - Cristiane Parmiter

Palestra: As Leis Divinas e nós - Cristiane Parmiter

Palestra: Benevolência - Cristiane Parmiter

Palestra: Jesus e o Mundo - Cristiane Parmiter

Palestra: A Dinâmica do Perdão - Cristiane Parmiter

Palestra: Perante Jesus - Cristiane Parmiter

Palestra AVAREZA - Cristiane Parmiter

Palestra Obediência Construtiva - Cristiane Parmiter

Palestra Tribulações - Cristiane Parmiter

Palestra Conquistando a Fé - Cristiane Parmiter

Palestra Humildade e Jesus - Cristiane Parmiiter

Palestra Renúncia - Cristiane Parmiter

Rádios Brasil

Simplesmente Espetacular!!!

Professora Amanda Gurgel

Andrea Bocelli & Sarah Brightman - Time To Say Goodbye

De Kardec aos dias de hoje

Madre Teresa

As Mães de Chico Xavier

Reencarnação - Menino Piloto

http://www.youtube.com/embed/cQ2ZqUCKDow" frameborder="0" allowfullscreen>

Muitas Vidas

Espiritismo: família de Andrea Maltarolli mantém contato com a autora - Mais Você - GLOBO

Divaldo Franco

ESPIRITISMO - CHICO XAVIER - REPORTAGEM DO FANTASTICO - OS SEGREDOS DE CHICO

Entrevista com Divaldo Franco

Sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis, e muito mais, confira. 1ª Parte 2ª Parte

Oração de Gratidão - Divaldo Franco

Chico Xavier

Chico Xavier no Fantástico

Chico Xavier (2010) trailer oficial

Página de Mensagens

Nesta página estarei lançando variadas páginas de conteúdo edificante para nosso aprendizado.

Francisco Rebouças.

1-ANTE A LIÇÃO

"Considera o que te digo, porque o Senhor te dará entendimento em tudo".- Paulo. II TIMÓTEO. 2:7.

Ante a exposição da verdade, não te esquives à meditação sobre as luzes que recebes.

Quem fita o céu, de relance, sem contemplá-lo, não enxerga as
estrelas; e quem ouve uma sinfonia, sem abrir-lhe a acústica da alma, não lhe percebe as notas divinas.

Debalde escutarás a palavra inspirada de pregadores ardentes, se não descerrares o coração para que o teu sentimento mergulhe na claridade bendita daquela.

Inúmeros seguidores do Evangelho se queixam da incapacidade de retenção dos ensinos da Boa Nova, afirmando-se ineptos à frente das novas revelações, e isto porque não dispensam maior trato à lição ouvida, demorando-se longo tempo na província da distração e da leviandade.

Quando a câmara permanece sombria, somos nós quem desata o ferrolho à janela para que o sol nos visite.

Dediquemos algum esforço à graça da lição e a lição nos responderá com as suas graças.

O apóstolo dos gentios é claro na observação. "Considera o que te digo, porque, então, o Senhor te dará entendimento em tudo."

Considerar significa examinar, atender, refletir e apreciar.

Estejamos, pois, convencidos de que, prestando atenção aos
apontamentos do Código da Vida Eterna, o Senhor, em retribuição à nossa boa-vontade, dar-nos-á entendimento em tudo.

Livro: Fonte Viva
Chico Xavier/Emmanuel

NO CAMPO FÍSICO

"Semeia-se corpo animal, ressuscitará corpo espiritual." - Paulo. (I CORÍNTIOS, 15:44.)

Ninguém menospreze a expressão animal da vida humana, a pretexto de preservar-se na santidade.

A imersão da mente nos fluidos terrestres é uma oportunidade de sublimação que o espírito operoso e desperto transforma em estruturação de valores eternos.

A sementeira comum é símbolo perfeito.

O gérmen lançado à cova escura sofre a ação dos detritos da terra, afronta a lama, o frio, a resistência do chão, mas em breve se converte em verdura e utilidade na folhagem, em perfume e cor nas flores e em alimento e riqueza nos frutos.

Compreendamos, pois, que a semente não estacionou. Rompeu todos os obstáculos e, sobretudo, obedeceu à influência da luz que a orientava para cima, na direção do Sol.

A cova do corpo é também preciosa para a lavoura espiritual, quando nos submetemos à lei que nos induz para o Alto.

Toda criatura provisoriamente algemada à matéria pode aproveitar o tempo na criação de espiritualidade divina.

O apóstolo, todavia, é muito claro quando emprega o termo "semeia-se". Quem nada planta, quem não trabalha na elevação da própria vida, coagula a atividade mental e rola no tempo à maneira do seixo que avança quase inalterável, a golpes inesperados da natureza.

Quem cultiva espinhos, naturalmente alcançará espinheiros.

Mas, o coração prevenido que semeia o bem e a luz, no solo de si mesmo, espere, feliz, a colheita da glória espiritual.

E N T R E I R M Ã O S
Olympia Belém (Espírito)[1]

Estes são tempos desafiadores para todos os que buscam um mundo melhor, onde reine o amor, onde pontifique a fraternidade, onde possam florir os mais formosos sentimentos nos corações.
Anelamos por dias em que a esperança, há tanto tempo acariciada, possa converter-se em colheita de progressos e de paz.
Sonhamos com esse alvorecer de uma nova era em que o Espiritismo, transformado em religião do povo, apresentando Jesus às multidões, descrucificado e vivo, possa modificar as almas, para que assumam seu pujante papel de filhas de Deus no seio do mundo.
Entrementes, não podemos supor que esses ansiados dias estejam tão próximos, quando verificamos que há, ainda, tanta confusão nos relacionamentos, tanta ignorância nos entendimentos, tanta indiferença e ansiedade nos indivíduos, como se vendavais, tufões, tormentas variadas teimassem em sacudir o íntimo das criaturas, fazendo-as infelizes.
A fim de que os ideais do Cristo Jesus alcancem a Terra, torna-se indispensável o esforço daqueles que, tendo ouvido o cântico doloroso do Calvário, disponham-se a converter suas vidas na madrugada luminosa do Tabor.
O mundo terreno, sob ameaças de guerras e sob os rufares da violência, em vários tons, tem urgência do Mestre de Nazaré, ainda que O ignore em sua marcha atordoada, eivada do materialismo que o fascina, que o domina e que o faz grandemente desfigurado, por faltar sentido positivo e digno no uso das coisas da própria matéria.
Na atualidade, porém, com as advertências da Doutrina dos Espíritos, com essa luculenta expressão da misericórdia de Deus para com Seus filhos terrenos, tudo se torna menos áspero, tudo se mostra mais coerente, oferecendo-nos a certeza de que, no planeta, tudo está de conformidade com a lei dos merecimentos, com as obras dos caminheiros, ora reencarnados, na estrada da suspirada libertação espiritual.
"A cada um segundo as suas obras" aparece como canto de justiça e esperança, na voz do Celeste Pastor.
Hoje, reunidos entre irmãos, unimo-nos aos Emissários destacados do movimento de disseminação da luz sobre as brumas terráqueas, e queremos conclamar os queridos companheiros, aqui congregados, a que não se permitam atormentar pelos trovões que se fazem ouvir sobre as cabeças humanas, ameaçadores, tampouco esfriar o bom ânimo, considerando que o Cristo vela sempre. Que não se deixem abater em razão de ainda não terem, porventura, alcançado as excelentes condições para o ministério espírita, certos de que o tempo é a magna oportunidade que nos concede o Senhor. Que ponham mãos à obra, confiantes e vibrantes, certos de que os verdadeiros amigos de Jesus caminham felizes, apesar das lutas e das lágrimas, típicas ocorrências das experiências, das expiações e das provas.
Marchemos devotados, oferecendo, na salva da nossa dedicação, o melhor que o Espiritismo nos ensina, o melhor do que nos apresenta para os que se perdem nas alamedas do medo, da desesperança e da ignorância a nossa volta.
Hoje, entre os amigos espíritas, encontramos maior ânimo para a superação dos nossos próprios limites, o que configurará, ao longo do tempo a superação dos limites do nosso honroso Movimento Espírita.
Sejamos pregadores ou médiuns, evangelizadores, escritores ou servidores da assistência social, não importa. Importa que nos engajemos, todos, nos labores do Codificador, plenificando-nos da grande honra de cooperar com os excelsos interesses do Insuperado Nazareno.
O tempo é hoje, queridos irmãos. O melhor é o agora, quando nos entrelaçamos para estudar, confraternizar e louvar a Jesus com os corações em clima festivo.
Certos de que o Espiritismo é roteiro de felicidade e bandeira de luz, que devemos içar bem alto sobre o dorso do planeta, abracemo-nos e cantemos, comovidos: Louvado seja Deus! Louvado seja Jesus!
Com extremado carinho e votos de crescente progres­so para todos, em suas lidas espiritistas, quero despedir-me sempre devotada e servidora pequenina.
Olympia Belém.

[1]
- Mensagem psicografada pelo médium J. Raul Teixeira no dia 03.09.95, no encerramento da X Confraternização Espírita do Estado do Rio de Janeiro.

O TEMPO

“Aquele que faz caso do dia, patrão Senhor o faz.” — Paulo. (ROMANOS, capítulo 14, versículo 6.)

A maioria dos homens não percebe ainda os valores infinitos do tempo.
Existem efetivamente os que abusam dessa concessão divina. Julgam que a riqueza dos benefícios lhes é devida por Deus.
Seria justo, entretanto, interrogá-los quanto ao motivo de semelhante presunção.
Constituindo a Criação Universal patrimônio comum, é razoável que todos gozem as possibilidades da vida; contudo, de modo geral, a criatura não medita na harmonia das circunstâncias que se ajustam na Terra, em favor de seu aperfeiçoamento espiritual.
É lógico que todo homem conte com o tempo, mas, se esse tempo estiver sem luz, sem equilíbrio, sem saúde, sem trabalho?
Não obstante a oportunidade da indagação, importa considerar que muito raros são aqueles que valorizam o dia, multiplicando-se em toda parte as fileiras dos que procuram aniquilá-lo de qualquer forma.
A velha expressão popular “matar o tempo” reflete a inconsciência vulgar, nesse sentido.
Nos mais obscuros recantos da Terra, há criaturas exterminando possibilidades sagradas. No entanto, um dia de paz, harmonia e iluminação, é muito importante para o concurso humano, na execução das leis divinas.
Os interesses imediatistas do mundo clamam que o “tempo é dinheiro”, para, em seguida, recomeçarem todas as obras incompletas na esteira das reencarnações... Os homens, por isso mesmo, fazem e desfazem, constroem e destroem, aprendem levianamente e recapitulam com dificuldade, na conquista da experiência.
Em quase todos os setores de evolução terrestre, vemos o abuso da oportunidade complicando os caminhos da vida; entretanto, desde muitos séculos, o apóstolo nos afirma que o tempo deve ser do Senhor.

Livro: Caminho Verdade e Vida.
Chico Xavier/Emmanuel.

NISTO CONHECEREMOS

"Nisto conhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro." (I JOÃO, 4:6.)

Quando sabemos conservar a ligação com a Paz Divina, apesar de todas as perturbações humanas, perdoando quantas vezes forem necessárias ao companheiro que nos magoa; esquecendo o mal para construir o bem; amparando com sinceridade aos que nos aborrecem; cooperando espiritualmente, através da ação e da oração, a benefício dos que nos perseguem e caluniam; olvidando nossos desejos particulares para servirmos em favor de todos; guardando a fé no Supremo Poder como luz inapagável no coração; perseverando na bondade construtiva, embora mil golpes da maldade nos assediem; negando a nós mesmos para que a bênção divina resplandeça em torno de nossos passos; carregando nossas dificuldades como dádivas celestes; recebendo adversários por instrutores; bendizendo as lutas que nos aperfeiçoam a alma, à frente da Esfera Maior; convertendo a experiência terrena em celeiros de alegrias para a Eternidade; descortinando ensejos de servir em toda parte; compreendendo e auxiliando sempre, sem a preocupação de sermos entendidos e ajudados; amando os nossos semelhantes qual temos sido amados pelo Senhor, sem expectativa de recompensa; então, conheceremos o espírito da verdade em nós, iluminando-nos a estrada para a redenção divina.

DOUTRINAÇÕES

"Mas não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos, antes, por estarem os vossos nomes escritos nos céus." — Jesus. (LUCAS, capítulo 10, versículo 20.)

Freqüentemente encontramos novos discípulos do Evangelho exultando de contentamento, porque os Espíritos perturbados se lhes sujeitam.

Narram, com alegria, os resultados de sessões empolgantes, nas quais doutrinaram, com êxito, entidades muita vez ignorantes e perversas.

Perdem-se muitos no emaranhado desses deslumbramentos e tocam a multiplicar os chamados "trabalhos práticos", sequiosos por orientar, em con-tactos mais diretos, os amigos inconscientes ou infelizes dos planos imediatos à esfera carnal.

Recomendou Jesus o remédio adequado a situações semelhantes, em que os aprendizes, quase sempre interessados em ensinar os outros, esquecem, pouco a pouco, de aprender em proveito próprio.

Que os doutrinadores sinceros se rejubilem, não por submeterem criaturas desencarnadas, em desespero, convictos de que em tais circunstâncias o bem é ministrado, não propriamente por eles, em sua feição humana, mas por
emissários de Jesus, caridosos e solícitos, que os utilizam à maneira de canais para a Misericórdia Divina; que esse regozijo nasça da oportunidade de servir ao bem, de consciência sintonizada com o Mestre Divino, entre as certezas
doces da fé, solidamente guardada no coração.

A palavra do Mestre aos companheiros é muito expressiva e pode beneficiar amplamente os discípulos inquietos de hoje.

Livro: Caminho Verdade e Vida.

Chico Xavier/Emmanuel.

FILHOS DA LUZ

FILHOS DA LUZ"Andai como filhos da luz." - Paulo.

(EFÉSIOS, 5:8.)Cada criatura dá sempre notícias da própria origem espiritual.

Os atos, palavras e pensamentos constituem informações vivas da zona mental de que procedemos.

Os filhos da inquietude costumam abafar quem os ouve, em mantos escuros de aflição.

Os rebentos da tristeza espalham o nevoeiro do desânimo.

Os cultivadores da irritação fulminam o espírito da gentileza com os raios da cólera.

Os portadores de interesses mesquinhos ensombram a estrada em que transitam, estabelecendo escuro clima nas mentes alheias.

Os corações endurecidos geram nuvens de desconfiança, por onde passam.

Os afeiçoados à calúnia e à maledicência distribuem venenosos quinhões de trevas com que se improvisam grandes males e grandes crimes.

Os cristãos, todavia, são filhos da luz.E a missão da luz é uniforme e insofismável.Beneficia a todos sem distinção.

Não formula exigências para dar.Afasta as sombras sem alarde.

Espalha alegria e revelação crescentes.Semeia renovadas esperanças.Esclarece, ensina, ampara e irradia-se.

Vinha de Luz

Chico Xavier/André Luiz


QUEM LÊ, ATENDA

"Quem lê, atenda." - Jesus. (MATEUS, 24:15.)

Assim como as criaturas, em geral, converteram as produções sagradas da Terra em objeto de perversão dos sentidos, movimento análogo se verifica no mundo, com referência aos frutos do pensamento.

Freqüentemente as mais santas leituras são tomadas à conta de tempero emotivo, destinado às sensações renovadas que condigam com o recreio pernicioso ou com a indiferença pelas obrigações mais justas.

Raríssimos são os leitores que buscam a realidade da vida.

O próprio Evangelho tem sido para os imprevidentes e levianos vasto campo de observações pouco dignas.

Quantos olhos passam por ele, apressados e inquietos, anotando deficiências da letra ou catalogando possíveis equívocos, a fim de espalharem sensacionalismo e perturbação? Alinham, com avidez, as contradições aparentes e tocam a malbaratar, com enorme desprezo pelo trabalho alheio, as plantas tenras e dadivosas da fé renovadora.

A recomendação de Jesus, no entanto, é infinitamente expressiva.

É razoável que a leitura do homem ignorante e animalizado represente conjunto de ignominiosas brincadeiras, mas o espírito de religiosidade precisa penetrar a leitura séria, com real atitude de elevação.

O problema do discípulo do Evangelho não é o de ler para alcançar novidades emotivas ou conhecer a Escritura para transformá-la em arena de esgrima intelectual, mas, o de ler para atender a Deus, cumprindo-lhe a Divina Vontade.

Livro; Vinha de Luz
Chico Xavier/Emmanuel