Trabalhemos todos, pela Unificação do movimento espírita!!

O Espiritismo é uma questão de fundo; prender-se à forma seria puerilidade indigna da grandeza do assunto. Daí vem que os centros que se acharem penetrados do verdadeiro espírito do Espiritismo deverão estender as mãos uns aos outros, fraternalmente, e unir-se para combater os inimigos comuns: a incredulidade e o fanatismo.”

“Dez homens unidos por um pensamento comum são mais fortes do que cem que não se entendam.”

Allan Kardec (Obras Póstumas – Constituição do Espiritismo – Item VI).



segunda-feira, 29 de junho de 2015

ESTÁS DOENTE?

       “E a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará.” - (TIAGO, capítulo 5, versículo 15.)
 
Todas as criaturas humanas adoecem, todavia, são raros aqueles que cogitam de cura real.

Se te encontras enfermo, não acredites que a ação medicamentosa, através da boca ou dos poros, te possa restaurar integralmente.

O comprimido ajuda, a injeção melhora, entre­tanto, nunca te esqueças de que os verdadeiros males procedem do coração.

A mente é fonte criadora.

A vida, pouco a pouco, plasma em torno de teus passos aquilo que desejas.

De que vale a medicação exterior, se prossegues triste, acabrunhado ou insubmisso?

De outras vezes, pedes o socorro de médicos humanos ou de benfeitores espirituais, mas, ao sur­girem as primeiras melhoras, abandonas o remédio ou o conselho salutar e voltas aos mesmos abusos que te conduziram à enfermidade.

Como regenerar a saúde, se perdes longas horas na posição da cólera ou do desânimo? A indignação rara, quando justa e construtiva no interesse geral, é sempre um bem, quando sabemos orientá-la em serviços de elevação; contudo, a indignação diária, a propósito de tudo, de todos e de nós mesmos, é um hábito pernicioso, de conseqüências imprevisíveis.

O desalento, por sua vez, é clima anestesiante, que entorpece e destrói.

E que falar da maledicência ou da inutilidade, com as quais despendes tempo valioso e longo em conversação infrutifera, extinguindo as tuas forças?

Que gênio milagroso te doará o equilíbrio orgâ­nico, se não sabes calar, nem desculpar, se não ajudas, nem compreendes, se não te humilhas para os desígnios superiores, nem procuras harmonia com os homens?

Por mais se apressem socorristas da Terra e do Plano Espiritual, em teu favor, devoras as próprias energias, vítima imprevidente do suicidio indireto.

Se estás doente, meu amigo, acima de qualquer medicação, aprende a orar e a entender, a auxiliar e a preparar o coração para a Grande Mudança.

Desapega-te de bens transitários que te foram emprestados pelo Poder Divino, de acordo com a Lei do Uso, e lembra-te de que serás, agora ou de­pois, reconduzido à Vida Maior, onde encontramos sempre a própria consciência.

Foge à brutalidade.

Enriquece os teus fatores de simpatia pessoal, pela prática do amor fraterno.

Busca a intimidade com a sabedoria, pelo estudo e pela meditação.

Não manches teu caminho.

Serve sempre.

Trabalha na extensão do bem.

Guarda lealdade ao ideal superior que te ilumi­na o coração e permanece convicto de que se culti­vas a oração da fé viva, em todos os teus passos, aqui ou além, o Senhor te levantará.

Livro: Fonte Viva
Chico Xavier/Emmanuel

Francisco Rebouças

domingo, 28 de junho de 2015

PERDOA AGORA

Não te detenhas!

Torna à presença do companheiro que te feriu e perdoa,  ajudando-o a recuperar-se.

Reflete e ampara-o!

Quantas  dores  e  quantas  perturbações  lhe  vergastaram a  alma, antes  que  a  palavra  dele  se  erguesse  para  ofender-te  ou antes que o seu braço,  armado pela incompreensão,  deferisse contra ti o golpe deprimente?

Guarda a calma e auxilia,  sem cessar.

Mais  tarde,  é  possível  que  não  possas,  por  tua  vez,  suportar  o  horrendo  assalto  da  ira  e  reclamarás,  igualmente,  o bálsamo da alheia compreensão.

Retorna  ao  teu  lar  ou  à  tua  luta  e  espalha,   de  novo,  a  bênção  do  amor,   com  todos  os  corações  que  jazem  envenenados, pelo fel da crueldade ou pela peçonha da calúnia.

Não hesites, porém!

Perdoa  agora,  enquanto  a  oportunidade  de  reaproximação te favorece  os  bons   desejos  porque,  provavelmente,  amanhã, o ensejo  luminoso  terá  passado  e  não  encontrarás, ao  redor  de  ti  senão  a cinza  do  arrependimento  e  o  choro amargo  da inútil lamentação.
Livro: Assim Vencerás
Chico Xavier/Emmanuel


Francisco Rebouças

Podes se quiseres!


Dificilmente alguém logrará alcançar seu objetivo, sem a decisão de enfrentar corajosamente os desafios do cotidiano, pois, o fracasso advém do abandono ou da negação de enfrenta-los. Dessa forma, é imprescindível que o indivíduo entenda que em todas as suas atividades e tarefas do dia a dia, terá que superar inúmeras dificuldades e obstáculos que se repetem e às vezes se multiplicam, e que por isso mesmo só os verdadeiramente conscientes dessa verdade, conseguirão triunfar.
É preciso entender que possíveis quedas e aparentes insucessos, na execução das tarefas devem ser encaradas como experiências que a pesar dos dissabores que causam, podem constituir-se em fator de vitórias futuras, que se deve perseguir até o fim, porque desistir do empreendimento colimado em virtude das dificuldades que se apresentem, significa aceitar pacificamente a derrota sem luta.
Quando o indivíduo se propõe realmente a realizar os labores que lhes dizem respeito, na conquista de seus nobres objetivos, vislumbra em si mesmo uma força interior que não pensava possuir, e se enche de uma disposição necessária para persistir lutando confiante sem desistir, até triunfar.
“Não aguardes o lance da morte para atender, em ti mesmo, à grande renovação.
Se a chama de tuas esperanças mais caras surge agora reduzida a pó e cinza, aproveita os resíduos dos sonhos mortos por adubo à nova sementeira de fé e caminha para diante, sem descrer da felicidade.
Muitos desertam do quadro escabroso em que o Céu lhes permite a quitação com as Leis Divinas, deitando-lhe insultos, como se se retirassem de província infernal, mas voltarão a ele, em momento oportuno, com lágrimas de tardio arrependimento, para reajustar suas disposições, quando poupariam larga quota de tempo se lhe buscassem compreender as lições ocultas.
Outros muitos fogem de entes amados, reprochando-lhes a conduta e anatematizando-lhes a existência, qual se se ausentassem de desapiedados verdugos; no entanto, voltarão, igualmente mais tarde, a tributar-lhes paciência e carinho, a fim de curar-lhes as chagas de ignorância e ajudá-los no pagamento de débitos escabrosos, entendendo, por fim, que teriam adquirido enorme tesouro de experiência se lhes houvessem doado apoio e entendimento, perdão e auxílio justo, no instante difícil em que se mostravam desmemoriados e inconscientes.
Não deixes, assim, para amanhã o trabalho bendito da caridade que te pede ação ainda hoje.
O caminho de angústia e a mão do insensato despontam do pretérito, cujas dívidas precisamos solver.
Desse modo, se te não é lícito possuir esse ou aquele patrimônio que te parece adequado à realização do mais alto ideal, faze da tela escura em que estagias a escola da própria sublimação e, se não podes receber, em determinada condição, a alma que amas no mundo, consagra-lhe mesmo assim o melhor de teu culto, estendendo-lhe a bondade silenciosa, na bênção da simpatia.
Não encomendes, pois, embaraços e aversões à loja do futuro, porque, a favor de nossa própria renovação, concede-nos o Senhor, cada manhã, o Sol renascente de cada dia”.¹
 
169. É invariável o número das encarnações para todos os Espíritos?
“Não; aquele que caminha depressa, a muitas provas se forra. Todavia, as encarnações sucessivas são sempre muito numerosas, porquanto o progresso é quase infinito.” ²

A galeria daqueles que não desistiram de seus intentos e confiaram na vitória que souberam construir e esperar, é muito grande, entre tantos exemplos de persistência em busca de seus objetivos, citamos Édson, que experimentou quase 10.000 testes para lograr êxito da lâmpada elétrica e graças à sua insistência, sem desanimar, ofereceu à humanidade esse valioso contributo de que nos servimos diariamente.
Assim, é imprescindível que diante dos possíveis empeços que nos surjam no caminho de qualquer de nossas conquistas materiais, morais ou espirituais, estejamos dispostos a enfrenta-los com determinação, coragem e confiança, vencendo e avançando paulatinamente na direção da vitória que por certo será alcançada. Faz-se preciso continuar fiéis e otimistas às nossas propostas de vida.

1) Xavier, Francisco Cândido – Livro: Religião dos Espíritos, cap.15.

2) Kardec, Allan – O Livro dos Espíritos – FEB, 76ª edição.

Francisco Rebouças

sábado, 27 de junho de 2015

ENSINAR


Emmanuel

“Meus irmãos, muitos de vós não sejam mestres, sabendo que receberemos mais duro juízo”. – Tiago: 3-1

Ensinar alguma cousa traz consigo uma responsabilidade direta.

Se ensinas o bem a uma criatura que não o conhece, é justo aguardar do discípulo a interrogação quanto ao teu modo de agir.

Fora  dos  liames  da  Terra,  consideramos  como  é  difícil  ensinar  aí  com proveito.

Desde os primórdios da organização social, o homem compreendeu que o vento  leva  as  palavras,  que  não  são  difíceis  os  longos  discursos,  que  é  fácil  a formula dos votos de prosperidade.

Entretanto, é indispensável que os homens aprendam a viver, uns com os outros.

Tiago foi divinamente inspirado em seu apelo.

Ele recomenda para que muitos não se arvorem em mestres, sabendo que hão de receber juízo mais sério.

O apostolo não se referiu a todos, porque sabia que alguns necessitam da coragem de testemunhar de si próprios no caminho mais rude.

Falou para os levianos e ignorantes que não pesam o valor do que dizem.

Os  que  ensinam  verdadeiramente  entendem o divino  valor  das  palavras, conhecem o elevado preço das aquisições espirituais, não criticam porque sabem quanto  é  precioso  e  difícil  o  esforço  pessoal,  não  dão  conselhos  senão  quando requisitados  a  isso,  por  que  cientes  de  quanto  é  fácil  falar  e  quão  penoso  agir entre  as  incompreensões  do  mundo,  sempre  prontos  a  defender  os  outros, silenciam quanto à própria defesa por compreenderem que pertencem a Deus.
Livro: Luz no Caminho
Chico Xavier/Emmanuel
Francisco Rebouças

O QUEIXOSO



Irmão X

Como tantos, o caso de  Argemiro Zaqueu é o seguinte:

Ele embaratustou   no   templo   espírita   e   se   postou   diante do   diretor   da   casa,   o   velho Epifânio Calístrato, choramingando...

–  Ai de mim!... O senhor é o presidente da casa, não é?

E, antes que Calístrato respondesse, prosseguiu:

–   Pois  é...   Pessoa   que   sofre   como   eu,   o   senhor   nunca   viu.   Já   não   aguento   mais.   É uma   penação   sem  fim,   dia   e   noite...   Já   me   tratei   de   muitos   modos,   remédio   não   dá   conta...

Saio   da   cama,   toda   manhã,   tremendo,   tremendo...   Vejo  vultos   rondando   o   aposento,   ouço vazes,  procura  saber  quem  é,  não  acho  ninguém.  É  um  enfaramento  de  tudo   e  de  todos,   que nem   sei   explicai...   Quando  olho   para   a   coitada   de   minha   mulher ,   noto   a   presença   de   outra pessoa nela...

Pessoa   que   os   demais   não   enxergam...   O   senhor   sabe   como   é...   Fico   atordoado, perco   a   cabeça,   atormentado   por   vazes   e   mais   vazes...   Se   bebo   café   ou   se   tomo   qualquer refeição,   desconfio   ser   veneno,   como   se   alguém  estivesse   soprando   ideias     estranhas   sobre   o meu pensamento... Não sei o que fazer de minha vida... Como devo agir, Seu Calístrato?

Epifânio   tornava   posição  para  responder   e  chegava  a  colocar   a  primeira   palavra  na comissura dos lábios; entretanto, Zaqueu voltava à carga:

–   Ah!   esqueci-me   de   dizer ...   Se   alguém   chega   em   casa,   alguém   que   não   seja   da família,   sinto  o  coração  batendo  acelerado  e  corro  a  esconder-me...  Tenho  medo  de  qualquer novidade.  Profissão,   já   larguei... Via   tanta  gente  que  ninguém  via  na  repartição   e  conversava tanto,   sozinho,   que  o   melhor   para   mim   foi   licença...   Sou   um   homem  desprezado...   T odos fogem   de   mim...   Meus   dois   filhos  perderam   o   respeito   e   gritam   na   minha   cara...   Minha mulher ,   por  duas  vezes,  já   me  levou  à  internação  em  casa  de  saúde,  mas   não  melhorei...  Seu Calístrato, que posso fazer?
Epifânio   debalde   tentava   dizer  alguma   coisa,   porque   Zaqueu   lhe   impunha   silêncio, lastimanda:

–  Ainda não contei o que passo na rua... Basta pôr o pé fora da porta e começa nova perturbação...  É  um  pavor  de  tudo,   que  nada  contém...  Se  um  amigo  me  toca,   de  leve,   penso que  vou  morrer .   Carro,  não  consigo  olhar  de  perto...  Barulho  de  máquina,  não  suporto...  Em toda   esquina,  tenho  a  impressão de que  pessoas   ocultas   gargalham com  sarcasmo, zombando de mim...  Ajude-me, Seu Calístrato!...

O   interlocutor   empenhava   esforço   para   dizer   qualquer   coisa;   no   entanto,   Zaqueu avançava:
– Escute... Quero ainda falar sobre a noite...  Anseio descansar, roas quem diz que eu durmo? Tudo  roda   em  meu  quarto...  Se  passo  por  ligeira  madorna,  alta  madrugada,  é  aflição em cima de aflição, pois vejo inimigos de carranca terrível, levantando punhais...

Grito,   contorço-me   desesperado,   até   que   alguém  me  acorde...   E   quando   me   vejo desperto,   as   vazes   me  rodeiam,   afrontando-me  com   injúrias...   Daí,  levanto-me  sem  saber   se estou louco...Por amor de Deus, tenha dó de mim, Seu Calístrato!...

O generoso amigo deu-se pressa em falar e ponderou:

– Bem, meu caro, tudo indica que seu caso é mediunidade, exigindo estudo... Venha à nossa reunião de amanhã e procuremos trabalhar juntos.

– Trabalhar? - indagou o visitante repentinamente desapontado.

–   Sim,   trabalhar   no   sentido   de   orar   e   estudar   em  equipe,   conjugando   as   nossas próprias energias no objetivo de amparar aqueles que sofrem mais que nós mesmos. É preciso não esquecer que auxiliando a outros é que somos auxiliados...

– Então– observou o candidato ao socorro – é necessário trabalhar?
–   Sim,   sim...  –   acentuou   o   experiente   orientador   –   venha   amanhã   e   comecemos...

Para nós todos a lei determina a obrigação de nos apoiarmos reciprocamente.

O   queixoso,   porém,   ouvindo   falar   em   responsabilidade   e  serviço,   perdeu   a loquacidade,   passando   a   despedir-se.   E,  até   hoje,   decorridos   seis   anos,   conquanto   Epifânio ainda o espere, não mais voltou.

Livro: Aulas da Vida
Chico Xavier/Espíritos Diversos


Francisco Rebouças

sexta-feira, 26 de junho de 2015

A vida do espírita deve ser de trabalho e otimismo!


Sabemos que não é fácil para ninguém nos dias de hoje, seguir com fidelidade e esmero as Sublimes lições contidas na codificação da doutrina espírita. Muitos são os obstáculos e adversários dos dois planos da vida que se opõem a esse intento acalentado por cada seguidor da filosofia ensinada pelos Imortais da Vida Maior.



Mas, os próprios mensageiros do Alto, nos esclarecem no sentido de que apesar dos entraves e adversidades, que afirmam ser naturais em um mundo como o nosso composto por espíritos em processos de expiação e provas, e que por essa razão, não devemos entrar em pânico nem desanimar em nosso caminhar diário em busca de nossa melhoria como seres humanos a caminho da angelitude, que embora ainda bem distante do nosso momento atual, é absolutamente certo que conquistaremos um dia.


Precisamos continuar na labuta regeneradora de hoje, com muita disposição e confiança, fazendo tudo que estiver ao nosso alcance, com o pensamento positivo e as mãos operantes, no trabalho imprescindível que nos cabe realizar na obra de nossa própria regeneração como espíritos ainda bastante comprometidos com as Soberanas Leis que regem os destinos das criaturas na Terra.


“Em qualquer circunstância aflitiva, quando as coisas se apresentem negativas ou infelizes, não deixes de fazer o que te cabe fazer, considerando que a parte de Deus, Ele a fará.


Com frequência, quando o homem se vê a braços com os desafios da vida, que surgem na figuração de problemas de complexa envergadura, logo lhe acodem à ideia os pensamentos pessimistas, em convite inditoso à desistência da luta, ou à rebeldia, ou à queda irreversível no abismo...


Nesse estado, recusa-se utilizar os preciosos dons da oração, que faculta paz; da meditação, que leva à confiança plena; da submissão aos desígnios divinos, que proporciona humildade; da inalterável certeza de que Deus interfere da forma que é melhor, com o que propicia intercâmbio inspirativo para atitudes corretas.


Conduzido na voragem dos desajustes de vária ordem, o agitado não tem clima mental para raciocinar com acerto, do que decorrem mais graves distúrbios que os causadores da inquietação.


Desta forma, concitado ao labor edificante, faze a tua parte; defrontando enfermidades a minar o organismo, realiza a tua parte; incompreendido nos mais expressivos ideais de enobrecimento, prossegue com a tua parte; acoimado pela inferioridade, ajusta a tua parte; colhido pelo lodaçal das calúnias e vis humilhações, avança com a tua parte; empurrado à tentação, coloca em pauta a tua parte; surpreendido por qualquer acidente inesperado e trágico, executa a tua parte, porquanto a de Deus chegará com segurança no momento oportuno, a teu benefício.” ¹


Então, diante de esclarecimentos tão explícitos, entendamos definitivamente que o momento mais importante de nossas vidas, é o que ora vivenciamos, pois, o tempo perdido não retorna, e o futuro depende de nossas construções do presente. Urge empregar agora toda atenção e todos os recursos disponíveis ao nosso alcance no investimento do projeto de nosso aperfeiçoamento como Espíritos Imortais que somos contribuindo dessa forma para o progresso de todos e para a definitiva implantação do bem e o estabelecimento da paz, em volta dos nossos passos.


Que Deus nos abençoe e nos ajude a buscar as melhores resoluções em prol do bem e da paz.


Bibliografia:

1- Franco, Divaldo Pereira – pelo Espírito Joanna de Ângelis – Livro: Celeiro de Bênçãos - Cap. 7.


Francisco Rebouças

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Não se impressione com o que os outros dizem


Resultado de imagem para capa do livro minutos de sabedoriaMANTENHA seu equilíbrio.

O equilíbrio depende da serenidade da mente.

Jamais se aborreça nem se exalte.

Não ligue importância às coisas passageiras que lhe vêm de fora.

Não se impressione com o que os outros dizem.

Siga a conduta ditada por sua consciência, e não perca seu equilíbrio.

Caminhe para a frente, alegre e certo de que há de vencer, por maiores que sejam as dificuldades do caminho.
 
Livro: Minutos de Sabedoria
Carlos Torres Pastorino

Francisco Rebouças

Lindos Casos de Chico Xavier


VENDO MAIS ALÉM...

Resultado de imagem para fotos de chico xavier
Em fins de 1945, o irmão Agostinho João de Deus adquirira a MALEITA. E foi a Pedro Leopoldo pedir ao Chico uma receita.

O Chico o atendeu prontamente. Na receita vinha o medicamento ATEBRINA. E, ao entregar-lhe a receita, considerou:

— Agostinho, este remédio é alemão e, em virtude da guerra mundial, está muito escasso nas farmácias. Pensou um pouco e, como quem procurava ver mais além, concluiu:
— Mas você vai encontrá-lo numa das farmácias de Sabará, que ainda possui meia dúzia dele.

Agostinho agradeceu ao Chico e partiu... Em Belo Horizonte procurou-o em várias drogarias e farmácias e não o encontrou. Em chegando a Sabará, foi incontinenti procurá-lo. E, de fato, numa das três farmácias existentes, encontrou meia dúzia de vidros de ATEBRINA...

 Tomou-o e, graças a Deus, com um só vidro, ficou curado.

Livro: Lindos Casos de Chico Xavier
Ramiro Gama

Francisco Rebouças

quarta-feira, 24 de junho de 2015

A doutrina Espírita esclarece!

ABORTO
Emmanuel/ Chico Xavier

Pergunta:  Gostaria  de  saber  para  onde  vão  os  espíritos  que  não chegaram  a  nascer,  como  no  aborto.  E  eles  serão  sofredores  ou  se libertam de  sua missão no mundo  –  transferindo para  os que  não os desejaram?

Resposta:  A situação do espírito que passa por um aborto dependerá em  muito  de  suas  condições  mentais  e  das  conquistas  que  já conseguiu dos séculos.

Há espíritos que desencarnam em estado de grande revolta.

Nesses casos, imbuídos da ideia de vingança, esses espíritos recusam-se  a  toda  espécie  de  auxílio  dos  Benfeitores  Espirituais  para obsediarem as mães, pais ou profissionais que concorreram para seu desencarne.  Outros,  porém,  apesar  da  situação  dolorosa  por  que passaram,  retornam  às  colônias  espirituais  onde  se  submetem  a tratamentos intensivos e trabalhosos a fim de lograrem novamente o equilíbrio e aguardarem nova oportunidade de reencarne. Entretanto, não devemos nos esquecer que em cada dia refazemos nossos destinos e  por mais que tenhamos cometido faltas, o Evangelho do Cristo se desdobra diante de nós com suas imensas possibilidades de redenção.

AÇÃO E REAÇÃO
Emmanuel/ Chico Xavier

Pergunta:  O que acontece com uma pessoa que tem sua vida tirada
por outra? É possível esse espírito se tornar obsessor?

Resposta:  Essa  pessoa,  que  teve  sua  vida  tirada  por  outra,  deverá encontrar  auxílio  no  mundo  dos  espíritos  assim  como  outras  que tenham desencarnado por razões diversas, e seguir normalmente sua existência espiritual.

Entretanto, se não compreender e aceitar sua condição e forma pela  qual  deixou  a  vida  do  plano  dos  encarnados  terá necessariamente que responder por essa situação. Não perdoando seu algoz e se envolvendo em pensamentos de baixo teor, atrairá outros espíritos inferiores que certamente lhe incutirão na mente sentimentos de  vingança,  podendo  assim  tornar-se  obsessora  daquela  que  lhe retirou do mundo material.

Livro: Plantão de Respostas - Pinga Fogo II
Chico Xavier/Emmanuel

Francisco Rebouças

terça-feira, 23 de junho de 2015

ETERNO ABRIGO

   João De Deus

Quando o Sol da verdade acaricia
O coração dos crentes em Jesus,
Há sempre a luminosa eucaristia
Do pão da vida, transformado em luz.

Não existem mais lágrimas, nem cruz,
Nesse eterno banquete de alegrias,
Onde tudo é o amor que nos seduz
Em vibrações de paz e de harmonia.

Derramando-se as luzes da verdade,
No coração de toda a humanidade,
Virá o amor que salva e que conduz.

E é dando o nosso braço irmão e amigo
Que faremos da Terra o eterno abrigo
Da bondade infinita de Jesus.



Livro: Lira Imortal
Chico Xavier/Espíritos Diversos


Francisco Rebouças

segunda-feira, 22 de junho de 2015

A Mediunidade com Cristo, e a segurança!

Francisco RebouçasA Mediunidade com Cristo, e a segurança!
As defesas das Casas Espíritas sérias, que trabalham exclusivamente na obra do bem, jamais estão esquecidas e recebem da equipe espiritual, toda atenção e cuidado na providência desse importante item que é a proteção de que necessitam os grupamentos mediúnicos, para que tenham total tranquilidade para que possam se dedicar às tarefas reservadas a elas na obra da caridade nas suas dependências com toda calma e todo amor possível.
Mesmo assim, as Instituições Espíritas, constantemente são alvo de ataques dos espíritos desequilibrados, que trabalham a serviço das trevas, na tentativa de espalharem temor e desequilíbrio por onde se movimentam, com a finalidade de amedrontar e causar desarmonia nas equipes do plano físico, que, se não estiverem bem preparadas para as tarefas poderão ser afetadas, sofrendo a interferência perniciosa dessas entidades perturbadoras.
Contudo, se os tarefeiros da equipe do plano físico forem portadores de uma conduta digna de um verdadeiro tarefeiro espírita, isto é, se procuram manter elevado padrão de moralidade em suas vidas particulares, se são zelosos em seus afazeres, respeitosos para com as Leis de Deus e dos homens, se cumprem com dignidade e honestidade, seus compromissos, e, ainda, confiam na equipe do plano espiritual, certamente nada precisarão temer em relação às ameaças que recebem dos espíritos que lá se manifestam com promessas de forra.
Essas entidades, perturbadas e perturbadoras, são levadas às reuniões mediúnicas, com o aval da equipe de proteção das tarefas de cunho espiritual das casas espíritas, e estão submetidos a rigorosa vigilância dos emissários da paz, pois, são irmãos em profundo estado de ignorância, e, por essa razão, precisam ter o merecido esclarecimento a respeito das Divinas e sábias Leis de amor, que regem o destino das criaturas e que devem viger na relação de contato entre elas.
“(...) Porem, aqueles que estiverem com o Cristo estarão fortalecidos para suportar qualquer problema. Onde há fé, a discórdia não domina, onde há esperança, a solidão não maltrata, onde há amor, o mal jamais vencerá, e onde houver o Cristo, certa é a proteção e a vitória no porvir. Estes são os verdadeiros antídotos para vencer o mal feito e afastar os adversários do bem!” ¹
A equipe espiritual, que cuida da segurança das tarefas levadas a efeito nas Instituições espíritas, particularmente na tarefa da desobsessão, é composta por verdadeiros “guerreiros”, devidamente instruídos para manter a tranquilidade com vigor, mas, de maneira respeitosa, dando ênfase à ordem que não pode ser negligenciada de forma alguma, pois, a caridade não dispensa a disciplina e o bom senso.
Nesse aspecto, os encarregados pela segurança do ambiente não permitem o ingresso de entidades perturbadoras ou malfeitoras sem o devido aval dos dirigentes do Mais Alto, para que o trabalho não sofra danos prejudiciais ao seu bom andamento; pois, são prestimosos e dedicados tarefeiros da Seara do Mestre de Nazaré, empenhados na plantação da semente do bem no solo dos corações necessitados.
É, por essa razão, que os participantes das equipes do plano físico, destinadas ao socorro dos irmãos necessitados nas reuniões mediúnicas, não precisam estar ansiosos ou preocupados com outra coisa, senão a concentração e o empenho em desenvolver da melhor maneira possível das funções reservadas a cada indivíduo na obra da caridade atendendo aos anseios da equipe espiritual que com eles contam para o bom êxito da empreitada.
Mesmo aquelas entidades que chegam às reuniões mediúnicas dizendo que invadiram o recinto dos trabalhos, contrariando a ordem de não entrar, mal sabem que seu ingresso além de permitido com severa vigilância e controle dos responsáveis pela harmonia e ordem no ambiente.
Assim sendo, tenhamos absoluta certeza de que, tudo que se passa nos ambientes das reuniões mediúnicas que trabalham alicerçadas pelo conhecimento contido nas obras do espiritismo, particularmente em O Livro dos Médiuns, e levado a efeito com amor e disciplina, por todos os tarefeiros da equipe encarnada estarão sob a direção e proteção de qualificadas equipes do plano espiritual, e supervisionada pelo Mestre da Vinha, que espera de nós outros, apenas a participação de forma digna e com sincero desejo de ser instrumento útil nas mãos dos Emissários da Luz.
Bibliografia:
1) Cristiano, Emanuel – Livro: Bastidores da Mediunidade, pelo Espírito Nora, Editora Allan Kardec – 2ª edição, página 113.
Francisco Rebouças.

domingo, 21 de junho de 2015

Qual a finalidade da mediunidade na Terra?


Divaldo

A mediunidade é, antes de tudo, uma oportunidade de servir. Bênção de Deus, que faculta manter o contato com a vida espiritual. Graças ao intercâmbio, podemos ter aqui, não apenas a certeza da sobrevivência da vida após a morte, mas também o equilíbrio para resgatarmos com proficiência os débitos adquiridos nas encarnações anteriores. E graças à mediunidade que o homem tem a antevisão do seu futuro espiritual, e, ao mesmo tempo, o relato daqueles que o precederam na viagem de volta à Erraticidade, trazendo-lhe informes de segurança, diretrizes de equilíbrio e a oportunidade de refazer o caminho pelas lições que ele absorve do contato mantido com os desencarnados.

Assim, a mediunidade tem uma finalidade de alta importância, porque é graças a ela que o homem se conscientiza das suas responsabilidades de espírito imortal. Conforme afirmava o Apóstolo Paulo, se não houvesse a ressurreição do Cristo, para nos trazer a certeza da vida espiritual, de nada valeria a mensagem que Ele nos deu.

Livro: Diretrizes de Segurança
Divaldo Franco e Raul Teixeira

Francisco Rebouças

Impedimentos

“Deixemos todo impedimento e pecado que tão de perto nos rodeiam e corramos com perseverança à carreira que nos está proposta.” – Paulo. (Hebreus, 12:1.)

O  grande  apóstolo  da  gentilidade  figura  o  trabalho  cristão como sendo uma carreira da alma, no estádio largo da vida.

Paulo, naturalmente, em recorrendo a essa imagem, pensava nos jogos gregos de sua época e, sem nos referirmos ao entusiasmo  e  à  emulação  benéfica  que  devem  presidir  semelhante esforço, recordemos tão-somente o ato inicial dos competidores.

Cada  participante do prélio despia  a  roupagem  exterior  para disputar a partida com indumentária tão leve quanto possível.

Assim, também, na aquisição de vida eterna, é imprescindível nos desfaçamos da indumentária asfixiante do espírito.

É necessário que o coração se faça leve, alijando todo fardo inútil.

Na claridade da Boa Nova, o discípulo encontra-se à frente do Mestre, investido de obrigações santificantes para  com todas as criaturas.

As  inibições  contra  a  carreira  vitoriosa  costumam  aparecer todos os dias. Temo-las, com freqüência, nos mais insignificantes passos do caminho.

A cada hora surge o impedimento inesperado.

É o parente frio e incompreensivo.

A secura dos corações ao redor de nós.

O companheiro que desertou.

A mulher que desapareceu, perseguindo objetivos inferiores.

O amigo que se iludiu nas ilhas de repouso, deliberando atrasar a jornada.

O cooperador que a morte levou consigo.

O ódio gratuito.

A indiferença aos apelos do bem.

A perseguição da maldade.
A tormenta da discórdia.
A Boa Nova, porém, oferece ao cristão a conquista da glória
divina.
Se quisermos alcançar a meta, ponhamos de lado todo impedimento e corramos, com perseverança, na prova de amor e luz que nos está proposta.
Livro: Fonte Viva
Chico Xavier/Emmanuel

Francisco Rebouças

Brasil coração do mundo...

https://youtu.be/_a9tpJnGcbw

Homenagem a Chico Xavier

Haroldo Dias Dutra - As cartas de Paulo

Haroldo Dutra - Jesus o Médico da Almas

https://youtu.be/Uk7OUvyGCZU



Divaldo Franco

https://youtu.be/OVbstbRFs9M

Entrevista sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis...

Reencarnação é uma realidade

Palestra O trabalho no Bem - Cristiane Parmiter

Palestra: As Leis Divinas e nós - Cristiane Parmiter

Palestra: Benevolência - Cristiane Parmiter

Palestra: Jesus e o Mundo - Cristiane Parmiter

Palestra: A Dinâmica do Perdão - Cristiane Parmiter

Palestra: Perante Jesus - Cristiane Parmiter

Palestra AVAREZA - Cristiane Parmiter

Palestra Obediência Construtiva - Cristiane Parmiter

Palestra Tribulações - Cristiane Parmiter

Palestra Conquistando a Fé - Cristiane Parmiter

Palestra Humildade e Jesus - Cristiane Parmiiter

Palestra Renúncia - Cristiane Parmiter

Rádios Brasil

Simplesmente Espetacular!!!

Professora Amanda Gurgel

Andrea Bocelli & Sarah Brightman - Time To Say Goodbye

De Kardec aos dias de hoje

Madre Teresa

As Mães de Chico Xavier

Reencarnação - Menino Piloto

http://www.youtube.com/embed/cQ2ZqUCKDow" frameborder="0" allowfullscreen>

Muitas Vidas

Espiritismo: família de Andrea Maltarolli mantém contato com a autora - Mais Você - GLOBO

Divaldo Franco

ESPIRITISMO - CHICO XAVIER - REPORTAGEM DO FANTASTICO - OS SEGREDOS DE CHICO

Entrevista com Divaldo Franco

Sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis, e muito mais, confira. 1ª Parte 2ª Parte

Oração de Gratidão - Divaldo Franco

Chico Xavier

Chico Xavier no Fantástico

Chico Xavier (2010) trailer oficial

Página de Mensagens

Nesta página estarei lançando variadas páginas de conteúdo edificante para nosso aprendizado.

Francisco Rebouças.

1-ANTE A LIÇÃO

"Considera o que te digo, porque o Senhor te dará entendimento em tudo".- Paulo. II TIMÓTEO. 2:7.

Ante a exposição da verdade, não te esquives à meditação sobre as luzes que recebes.

Quem fita o céu, de relance, sem contemplá-lo, não enxerga as
estrelas; e quem ouve uma sinfonia, sem abrir-lhe a acústica da alma, não lhe percebe as notas divinas.

Debalde escutarás a palavra inspirada de pregadores ardentes, se não descerrares o coração para que o teu sentimento mergulhe na claridade bendita daquela.

Inúmeros seguidores do Evangelho se queixam da incapacidade de retenção dos ensinos da Boa Nova, afirmando-se ineptos à frente das novas revelações, e isto porque não dispensam maior trato à lição ouvida, demorando-se longo tempo na província da distração e da leviandade.

Quando a câmara permanece sombria, somos nós quem desata o ferrolho à janela para que o sol nos visite.

Dediquemos algum esforço à graça da lição e a lição nos responderá com as suas graças.

O apóstolo dos gentios é claro na observação. "Considera o que te digo, porque, então, o Senhor te dará entendimento em tudo."

Considerar significa examinar, atender, refletir e apreciar.

Estejamos, pois, convencidos de que, prestando atenção aos
apontamentos do Código da Vida Eterna, o Senhor, em retribuição à nossa boa-vontade, dar-nos-á entendimento em tudo.

Livro: Fonte Viva
Chico Xavier/Emmanuel

NO CAMPO FÍSICO

"Semeia-se corpo animal, ressuscitará corpo espiritual." - Paulo. (I CORÍNTIOS, 15:44.)

Ninguém menospreze a expressão animal da vida humana, a pretexto de preservar-se na santidade.

A imersão da mente nos fluidos terrestres é uma oportunidade de sublimação que o espírito operoso e desperto transforma em estruturação de valores eternos.

A sementeira comum é símbolo perfeito.

O gérmen lançado à cova escura sofre a ação dos detritos da terra, afronta a lama, o frio, a resistência do chão, mas em breve se converte em verdura e utilidade na folhagem, em perfume e cor nas flores e em alimento e riqueza nos frutos.

Compreendamos, pois, que a semente não estacionou. Rompeu todos os obstáculos e, sobretudo, obedeceu à influência da luz que a orientava para cima, na direção do Sol.

A cova do corpo é também preciosa para a lavoura espiritual, quando nos submetemos à lei que nos induz para o Alto.

Toda criatura provisoriamente algemada à matéria pode aproveitar o tempo na criação de espiritualidade divina.

O apóstolo, todavia, é muito claro quando emprega o termo "semeia-se". Quem nada planta, quem não trabalha na elevação da própria vida, coagula a atividade mental e rola no tempo à maneira do seixo que avança quase inalterável, a golpes inesperados da natureza.

Quem cultiva espinhos, naturalmente alcançará espinheiros.

Mas, o coração prevenido que semeia o bem e a luz, no solo de si mesmo, espere, feliz, a colheita da glória espiritual.

E N T R E I R M Ã O S
Olympia Belém (Espírito)[1]

Estes são tempos desafiadores para todos os que buscam um mundo melhor, onde reine o amor, onde pontifique a fraternidade, onde possam florir os mais formosos sentimentos nos corações.
Anelamos por dias em que a esperança, há tanto tempo acariciada, possa converter-se em colheita de progressos e de paz.
Sonhamos com esse alvorecer de uma nova era em que o Espiritismo, transformado em religião do povo, apresentando Jesus às multidões, descrucificado e vivo, possa modificar as almas, para que assumam seu pujante papel de filhas de Deus no seio do mundo.
Entrementes, não podemos supor que esses ansiados dias estejam tão próximos, quando verificamos que há, ainda, tanta confusão nos relacionamentos, tanta ignorância nos entendimentos, tanta indiferença e ansiedade nos indivíduos, como se vendavais, tufões, tormentas variadas teimassem em sacudir o íntimo das criaturas, fazendo-as infelizes.
A fim de que os ideais do Cristo Jesus alcancem a Terra, torna-se indispensável o esforço daqueles que, tendo ouvido o cântico doloroso do Calvário, disponham-se a converter suas vidas na madrugada luminosa do Tabor.
O mundo terreno, sob ameaças de guerras e sob os rufares da violência, em vários tons, tem urgência do Mestre de Nazaré, ainda que O ignore em sua marcha atordoada, eivada do materialismo que o fascina, que o domina e que o faz grandemente desfigurado, por faltar sentido positivo e digno no uso das coisas da própria matéria.
Na atualidade, porém, com as advertências da Doutrina dos Espíritos, com essa luculenta expressão da misericórdia de Deus para com Seus filhos terrenos, tudo se torna menos áspero, tudo se mostra mais coerente, oferecendo-nos a certeza de que, no planeta, tudo está de conformidade com a lei dos merecimentos, com as obras dos caminheiros, ora reencarnados, na estrada da suspirada libertação espiritual.
"A cada um segundo as suas obras" aparece como canto de justiça e esperança, na voz do Celeste Pastor.
Hoje, reunidos entre irmãos, unimo-nos aos Emissários destacados do movimento de disseminação da luz sobre as brumas terráqueas, e queremos conclamar os queridos companheiros, aqui congregados, a que não se permitam atormentar pelos trovões que se fazem ouvir sobre as cabeças humanas, ameaçadores, tampouco esfriar o bom ânimo, considerando que o Cristo vela sempre. Que não se deixem abater em razão de ainda não terem, porventura, alcançado as excelentes condições para o ministério espírita, certos de que o tempo é a magna oportunidade que nos concede o Senhor. Que ponham mãos à obra, confiantes e vibrantes, certos de que os verdadeiros amigos de Jesus caminham felizes, apesar das lutas e das lágrimas, típicas ocorrências das experiências, das expiações e das provas.
Marchemos devotados, oferecendo, na salva da nossa dedicação, o melhor que o Espiritismo nos ensina, o melhor do que nos apresenta para os que se perdem nas alamedas do medo, da desesperança e da ignorância a nossa volta.
Hoje, entre os amigos espíritas, encontramos maior ânimo para a superação dos nossos próprios limites, o que configurará, ao longo do tempo a superação dos limites do nosso honroso Movimento Espírita.
Sejamos pregadores ou médiuns, evangelizadores, escritores ou servidores da assistência social, não importa. Importa que nos engajemos, todos, nos labores do Codificador, plenificando-nos da grande honra de cooperar com os excelsos interesses do Insuperado Nazareno.
O tempo é hoje, queridos irmãos. O melhor é o agora, quando nos entrelaçamos para estudar, confraternizar e louvar a Jesus com os corações em clima festivo.
Certos de que o Espiritismo é roteiro de felicidade e bandeira de luz, que devemos içar bem alto sobre o dorso do planeta, abracemo-nos e cantemos, comovidos: Louvado seja Deus! Louvado seja Jesus!
Com extremado carinho e votos de crescente progres­so para todos, em suas lidas espiritistas, quero despedir-me sempre devotada e servidora pequenina.
Olympia Belém.

[1]
- Mensagem psicografada pelo médium J. Raul Teixeira no dia 03.09.95, no encerramento da X Confraternização Espírita do Estado do Rio de Janeiro.

O TEMPO

“Aquele que faz caso do dia, patrão Senhor o faz.” — Paulo. (ROMANOS, capítulo 14, versículo 6.)

A maioria dos homens não percebe ainda os valores infinitos do tempo.
Existem efetivamente os que abusam dessa concessão divina. Julgam que a riqueza dos benefícios lhes é devida por Deus.
Seria justo, entretanto, interrogá-los quanto ao motivo de semelhante presunção.
Constituindo a Criação Universal patrimônio comum, é razoável que todos gozem as possibilidades da vida; contudo, de modo geral, a criatura não medita na harmonia das circunstâncias que se ajustam na Terra, em favor de seu aperfeiçoamento espiritual.
É lógico que todo homem conte com o tempo, mas, se esse tempo estiver sem luz, sem equilíbrio, sem saúde, sem trabalho?
Não obstante a oportunidade da indagação, importa considerar que muito raros são aqueles que valorizam o dia, multiplicando-se em toda parte as fileiras dos que procuram aniquilá-lo de qualquer forma.
A velha expressão popular “matar o tempo” reflete a inconsciência vulgar, nesse sentido.
Nos mais obscuros recantos da Terra, há criaturas exterminando possibilidades sagradas. No entanto, um dia de paz, harmonia e iluminação, é muito importante para o concurso humano, na execução das leis divinas.
Os interesses imediatistas do mundo clamam que o “tempo é dinheiro”, para, em seguida, recomeçarem todas as obras incompletas na esteira das reencarnações... Os homens, por isso mesmo, fazem e desfazem, constroem e destroem, aprendem levianamente e recapitulam com dificuldade, na conquista da experiência.
Em quase todos os setores de evolução terrestre, vemos o abuso da oportunidade complicando os caminhos da vida; entretanto, desde muitos séculos, o apóstolo nos afirma que o tempo deve ser do Senhor.

Livro: Caminho Verdade e Vida.
Chico Xavier/Emmanuel.

NISTO CONHECEREMOS

"Nisto conhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro." (I JOÃO, 4:6.)

Quando sabemos conservar a ligação com a Paz Divina, apesar de todas as perturbações humanas, perdoando quantas vezes forem necessárias ao companheiro que nos magoa; esquecendo o mal para construir o bem; amparando com sinceridade aos que nos aborrecem; cooperando espiritualmente, através da ação e da oração, a benefício dos que nos perseguem e caluniam; olvidando nossos desejos particulares para servirmos em favor de todos; guardando a fé no Supremo Poder como luz inapagável no coração; perseverando na bondade construtiva, embora mil golpes da maldade nos assediem; negando a nós mesmos para que a bênção divina resplandeça em torno de nossos passos; carregando nossas dificuldades como dádivas celestes; recebendo adversários por instrutores; bendizendo as lutas que nos aperfeiçoam a alma, à frente da Esfera Maior; convertendo a experiência terrena em celeiros de alegrias para a Eternidade; descortinando ensejos de servir em toda parte; compreendendo e auxiliando sempre, sem a preocupação de sermos entendidos e ajudados; amando os nossos semelhantes qual temos sido amados pelo Senhor, sem expectativa de recompensa; então, conheceremos o espírito da verdade em nós, iluminando-nos a estrada para a redenção divina.

DOUTRINAÇÕES

"Mas não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos, antes, por estarem os vossos nomes escritos nos céus." — Jesus. (LUCAS, capítulo 10, versículo 20.)

Freqüentemente encontramos novos discípulos do Evangelho exultando de contentamento, porque os Espíritos perturbados se lhes sujeitam.

Narram, com alegria, os resultados de sessões empolgantes, nas quais doutrinaram, com êxito, entidades muita vez ignorantes e perversas.

Perdem-se muitos no emaranhado desses deslumbramentos e tocam a multiplicar os chamados "trabalhos práticos", sequiosos por orientar, em con-tactos mais diretos, os amigos inconscientes ou infelizes dos planos imediatos à esfera carnal.

Recomendou Jesus o remédio adequado a situações semelhantes, em que os aprendizes, quase sempre interessados em ensinar os outros, esquecem, pouco a pouco, de aprender em proveito próprio.

Que os doutrinadores sinceros se rejubilem, não por submeterem criaturas desencarnadas, em desespero, convictos de que em tais circunstâncias o bem é ministrado, não propriamente por eles, em sua feição humana, mas por
emissários de Jesus, caridosos e solícitos, que os utilizam à maneira de canais para a Misericórdia Divina; que esse regozijo nasça da oportunidade de servir ao bem, de consciência sintonizada com o Mestre Divino, entre as certezas
doces da fé, solidamente guardada no coração.

A palavra do Mestre aos companheiros é muito expressiva e pode beneficiar amplamente os discípulos inquietos de hoje.

Livro: Caminho Verdade e Vida.

Chico Xavier/Emmanuel.

FILHOS DA LUZ

FILHOS DA LUZ"Andai como filhos da luz." - Paulo.

(EFÉSIOS, 5:8.)Cada criatura dá sempre notícias da própria origem espiritual.

Os atos, palavras e pensamentos constituem informações vivas da zona mental de que procedemos.

Os filhos da inquietude costumam abafar quem os ouve, em mantos escuros de aflição.

Os rebentos da tristeza espalham o nevoeiro do desânimo.

Os cultivadores da irritação fulminam o espírito da gentileza com os raios da cólera.

Os portadores de interesses mesquinhos ensombram a estrada em que transitam, estabelecendo escuro clima nas mentes alheias.

Os corações endurecidos geram nuvens de desconfiança, por onde passam.

Os afeiçoados à calúnia e à maledicência distribuem venenosos quinhões de trevas com que se improvisam grandes males e grandes crimes.

Os cristãos, todavia, são filhos da luz.E a missão da luz é uniforme e insofismável.Beneficia a todos sem distinção.

Não formula exigências para dar.Afasta as sombras sem alarde.

Espalha alegria e revelação crescentes.Semeia renovadas esperanças.Esclarece, ensina, ampara e irradia-se.

Vinha de Luz

Chico Xavier/André Luiz


QUEM LÊ, ATENDA

"Quem lê, atenda." - Jesus. (MATEUS, 24:15.)

Assim como as criaturas, em geral, converteram as produções sagradas da Terra em objeto de perversão dos sentidos, movimento análogo se verifica no mundo, com referência aos frutos do pensamento.

Freqüentemente as mais santas leituras são tomadas à conta de tempero emotivo, destinado às sensações renovadas que condigam com o recreio pernicioso ou com a indiferença pelas obrigações mais justas.

Raríssimos são os leitores que buscam a realidade da vida.

O próprio Evangelho tem sido para os imprevidentes e levianos vasto campo de observações pouco dignas.

Quantos olhos passam por ele, apressados e inquietos, anotando deficiências da letra ou catalogando possíveis equívocos, a fim de espalharem sensacionalismo e perturbação? Alinham, com avidez, as contradições aparentes e tocam a malbaratar, com enorme desprezo pelo trabalho alheio, as plantas tenras e dadivosas da fé renovadora.

A recomendação de Jesus, no entanto, é infinitamente expressiva.

É razoável que a leitura do homem ignorante e animalizado represente conjunto de ignominiosas brincadeiras, mas o espírito de religiosidade precisa penetrar a leitura séria, com real atitude de elevação.

O problema do discípulo do Evangelho não é o de ler para alcançar novidades emotivas ou conhecer a Escritura para transformá-la em arena de esgrima intelectual, mas, o de ler para atender a Deus, cumprindo-lhe a Divina Vontade.

Livro; Vinha de Luz
Chico Xavier/Emmanuel