Trabalhemos todos, pela Unificação do movimento espírita!!

O Espiritismo é uma questão de fundo; prender-se à forma seria puerilidade indigna da grandeza do assunto. Daí vem que os centros que se acharem penetrados do verdadeiro espírito do Espiritismo deverão estender as mãos uns aos outros, fraternalmente, e unir-se para combater os inimigos comuns: a incredulidade e o fanatismo.”

“Dez homens unidos por um pensamento comum são mais fortes do que cem que não se entendam.”

Allan Kardec (Obras Póstumas – Constituição do Espiritismo – Item VI).



quinta-feira, 30 de junho de 2011

Sociedade Spiritsit de Virginia (SSVA) - Workshop

Convidamos você a se juntar a nós para o primeiro workshop no nosso novo local.
 
A data será terça - feira 12 de junho, 2011
Para aqueles que não têm comparecido aos eventos anteriores, nossas oficinas são abertas ao público com o objetivo de discutir assuntos específicos à luz dos ensinamentos do Espírita.

Por favor, consulte o folheto em anexo para obter mais detalhes.
Esperamos ver você lá.
Com amor fraterno de seus amigos em SSVA.
Endereço: 4280 Henninger Ct, suite I
Chantilly, VA 20151
USA
Francisco Rebouças

Raul Teixeira

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Quero informar aos caros amigos que visitam o meu site, que está sendo divulgada uma página no FACE BOOK como se fosse minha. O seu autor faz constar minha foto, capas de alguns livros psicografados por mim e dados do Remanso Fraterno, nossa obra social, o que é fácil de se obter nas publicações que faço.

Mais ainda, o responsável pela página (que deseja passar-se por mim) está respondendo a perguntas que são enviadas à referida página, em meu nome, e muitos pensam que seja eu o autor dessas respostas.

Venho preveni-los de que NÃO me pertence tal página. NÃO tenho nada no FACE BOOK. NÃO costumo responder a perguntas por esse veículo.

Como o autor de tudo isso faz uso do meu nome, imagem e obras indevidamente, não pode ter boas intenções. Por isso medidas judiciais já estão sendo tomadas a respeito.

Peço-lhes para que divulguem que tal página do FACE BOOK não é de minha responsabilidade nem de minha autoria, e que nada tenho a ver com ela.

Muito obrigado,
Raul Teixeira.
Grifos nossos.


Francisco Rebouças

POSSES DEFINITIVAS

“Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância.” — Jesus. (JOÃO, capítulo 10, versículo 10.)

Se a paz da criatura não consiste na abundância do que possui na Terra, depende da abundância de valores definitivos de que a alma é possuída.

Em razão disso, o Divino Mestre veio até nós para que sejamos portadores de vida transbordante, repleta de luz, amor e eternidade.

Em favor de nós mesmos, jamais deveríamos esquecer os dons substanciais a serem amealhados em nosso próprio espírito.

No jogo de forças exteriores jamais encontraremos a iluminação necessária.

Maravilhosa é a primavera terrena, mas o inverno virá depois dela.

A mocidade do corpo é fase de embriagantes prazeres; no entanto, a velhice não tardará.

O vaso físico mais íntegro e harmonioso experimentará, um dia, a enfermidade ou a morte.

Toda a manifestação de existência na Terra éprocesso de transformação permanente.

É imprescindível construir o castelo interior, de onde possamos erguer sentimentos aos campos mais altos da vida.

Encheu-nos Jesus de sua presença sublime, não para que possuamos facilidades efêmeras, mas para sermos possuídos pelas riquezas imperecíveis; não para que nos cerquemos de favores externos e, sim, para concentrarmos em nós as aquisições definitivas.

Sejamos portadores da vida imortal.

Não nos visitou o Cristo, como doador de benefícios vulgares. Veio ligar-nos a lâmpada do coração à usina do Amor de Deus, convertendo-nos em luzes inextinguíveis.

Livro: Caminho, Verdade e Vida
Chico Xavier/Emmanuel
 
Francisco Rebouças

Estudando o Espiritismo - L.E.


O Nosso Blog Espírita, foi criado justamente para o constante e sério estudo e divulgação da doutrina espírita, por essa razão, estamos dando continuidade ao estudo do Livro dos Espíritos, para nossa melhor compreensão de nossa doutrina. Nesta oportunidade focalizamos as questões de nºs 271 a 273. Estudem consoco!

271- Estudando, na erraticidade, as diversas condições em que poderá progredir, como pensa o Espírito conseguí-lo, nascendo, por exemplo, entre canibais?
“Entre canibais não nascem Espíritos já adiantados, mas Espíritos da natureza dos canibais, ou ainda inferiores aos destes.”

Sabemos que os nossos antropólogos não se acham no último degrau da escala espiritual e que mundos há onde a bruteza e a ferocidade não têm analogia na Terra. Os Espíritos que aí encarnam são, portanto, inferiores aos mais ínfimos que no nosso mundo encarnam. Para eles, pois, nascer entre os nossos selvagens representa um progresso, como progresso seria, para os antropófagos terrenos, exercerem entre nós uma profissão que os obrigasse a fazer correr sangue. Não podem pôr mais alto suas vistas, porque sua inferioridade moral não lhes permite compreender maior progresso. O Espírito só gradativamente avança. Não lhe é dado transpor de um salto a distância que da civilização separa a barbárie e é esta uma das razões que nos mostram ser necessária a reeencarnação, que verdadeiramente corresponde à justiça de Deus. De outro modo, que seria desses milhões de criaturas que todos os dias morrem na maior degradação, se não tivessem meios de alcançar a superioridade? Por que os privaria Deus dos favores concedidos aos outros homens?

272. Poderá dar-se que Espíritos vindos de um mundo inferior à Terra, ou de um povo muito atrasado, como os canibais, por exemplo, nasçam no seio de povos civilizados?

“Pode. Alguns há que se extraviam, por quererem subir muito alto. Mas, nesse caso, ficam deslocados no meio em que nasceram, por estarem seus costumes e instintos em conflito com os dos outros homens.”

Tais seres nos oferecem o triste espetáculo da ferocidade dentro da civilização.

Voltando para o meio dos canibais, não sofrem uma degradação; apenas volvem ao lugar que lhes é próprio e com isso talvez até ganhem.

273. Será possível que um homem de raça civilizada reencarne, por exemplo, numa raça de selvagens?

“É; mas depende do gênero da expiação. Um senhor, que tenha sido de grande crueldade para os seus escravos, poderá, por sua vez, tornar-se escravo e sofrer os maus tratos que infligiu a seus semelhantes. Um, que em certa época exerceu o mando, pode, em nova existência, ter que obedecer aos que se curvaram ante a sua vontade. Ser-lhe-á isso uma expiação, que Deus lhe imponha, se ele abusou do seu poder. Também um bom Espírito pode querer encarnar no seio daquelas raças, ocupando posição influente, para fazê-las progredir. Em tal caso, desempenha uma missão.”

Fonte: Livro dos Espíritos - FEB, 76ª edição.

Francisco Rebouças

O Desânimo

Tóxico imobilizador, o desânimo se insinua suavemente, dominando as reservas da coragem e submetendo o combatente à sua ação perturbadora.

Instala-se, a pouco e pouco, inspirando pessimismo e malestar, que se agrava, qual invasor que conquista passo a passo os espaços abandonados à sua frente.

O desânimo é inimigo covarde que ceifa mais vidas do que o câncer, pelos resultados que logra na economia do comportamento humano.

Quando sintas a insinuação do desânimo, ciciando-te falsos motivos para que abandones a peleja, ou a postergues, ou a desconsideres, tem cuidado.

Usa a razão e expulsão da casa mental.

Às vezes se te apresenta na condição de mágoa defluente de qualquer incompreensão sofrida e, noutras ocasiões, em forma de exaustão de forças, que deves superar, mediante mudança de atitude mental e de atividade física.

A marcha do tempo é inexorável.

De qualquer forma, as horas se sucedem.

Utiliza-as de maneira condigna, mesmo que, a peso de sacrifícios.

Quando transponhas a barreira da dificuldade, constatarás a vantagem de haver perseverado, descobrindo-te rico de paz, face aos tesouros de amor e realização que adquiriste.

Motivo algum deve servir de apoio para o desânimo.

Tudo, na vida, constitui convite para o avanço e a conquista de valores, na harmonia e na glória do bem.

Livro: Episódios Diários
Divaldo Franco/Joanna de Ângelis)
 
Francisco Rebouças

DEGREDADOS

Cruz e Souza

AOS ESPÍRITAS
As desditosas almas desterradas
Choram de angústia no caminho estreito
Onde o homem – misérrimo e imperfeito –
Palmilha escabrosíssimas estradas...

E recordam radiosas alvoradas,
Deslumbramentos no infinito Eleito,
Onde a luz da justiça e do direito
É a alma das leis na Terra desprezadas!

Ó vós que andais idealizando o brilho
Da luz celeste sobre o vosso exílio,
Que é um deserto de sombra merencória!

Para que esplenda a luz da nova era,
Lutai! Porque a ventura vos espera
Na eternidade lúcida da glória!

Livro: Lira Imoral
Chico Xavier/Emmanuel
 
Francisco Rebouças

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Banha-te nas águas da confiança em Deus


As lesões da alma são mais mortificadoras.

As feridas externas são de fácil cicatrização, enquanto aquelas que pululam no íntimo tornam-se de mais demorado curso.

Banha-te nas águas da confiança em Deus, da paciência, da humildade, do perdão e do amor, não permitindo que o ódio, o egoísmo, a revolta e a mágoa te macerem os tecidos da alma.

Muitas enfermidades do corpo procedem do espírito danificado pelos conflitos da emoção ou pelo ácido das imperfeições morais.

Cuida dos equipamentos internos, resguardando-os da agressão contumaz do vício e da irresponsabilidade.

Livro: Vida Feliz - 73
Divaldo Franco/Joanna de Ângelis

Francisco Rebouças

Da Tolerância

Mesmo Ferido
Hilário Silva

O rapaz fora rudemente esbofeteado num baile. Em sã consciência, não sentia culpa alguma.

Nada fizera que pudesse ofender. Por mera desconfiança, o agressor esmurrara-lhe o rosto.

“Covarde, covarde” – haviam dito os circunstantes. Ele, porém, limpando a face sanguinolenta, compreendeu que, desarmado, não seria prudente medir forças. Jurara, porém, vingar-se. E, agora, munido de um revólver, aguardava ocasião. Um amigo, no entanto, percebendo-lhe a alma sombria, instou muito e conduziu-o a uma reunião da Doutrina Espírita.

Desinteressado, ouviu preces e pregações, comentários e apontamentos edificantes.

Ao término da sessão, porém, um amigo espiritual, pela mão de um dos médiuns presentes, escreveu bela página sobre o perdão, na qual surgiam afirmações como estas:

- A justiça real vem de Deus.

- Ninguém precisa vingar-se.

- Mesmo ferido, serve e perdoa.

- A corrigenda do ofensor pode ser amanhã.

O jovem ouviu atentamente e saiu pensando, pensando...

Na manhã seguinte, topou, face a face, o desafeto, mas recordou a lição e conteve-se. Por uma semana se repetiu o reencontro, e, por sete vezes, freou-se prudentemente.

Dias depois, porém, retornado ao trabalho, encontra um enterro e descobre-se. Só então vem a saber que o grande esmurrador, aquele que o ferira, morrera na véspera, picado por escorpião.

No caminho para o Céu,
Por lei, em qualquer lugar,
O tempo mais importante
É o tempo de perdoar.
Lobo da Costa

Eis a norma da vingança
De formação garantida:
Desculpar sem condições
A quem nos golpeia a vida.

Augusto de Oliveira

Não estrague o seu dia. Aprenda, com a Sabedoria Divina, a desculpar infinitamente, construindo e reconstruindo sempre para o Infinito Bem.

André Luiz
 
Livro: Idérias e Ilustrações
Chico Xavier/Diversos Espíritos
 
Francisco Rebouças

Grupo Espírita Francisco de Assis - São Pedro da Aldeia

Palestra Pública – Quartas-feiras às 18:00h
MÊS: JULHO
TEMÁTICA: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO
Dia: 06/07/2011
Palestrante: Martha Maria (CETJ – Cabo Frio)
TEMA: A Lei de Amor
Dia: 13/07/2011
Palestrante: Carlos Alberto Correa (GEFA – São Pedro da Aldeia)
TEMA: O Egoísmo
Dia: 20/07/2011
Palestrante: Geciel Correa (GEFA – São Pedro da Aldeia)
TEMA: A Fé e a Caridade
Dia: 27/07/2011
Palestrante: Maria Waldívia (GEFA – São Pedro da Aldeia) TEMA: Caridade para com os Criminosos
Endereço: Rua Manoel Ribeiro, 143 – Porto da Aldeia, São Pedro da Aldeia
Contato: Teixeira – 9999-2233


Francisco Rebouças

CEAP- Centro espírita Antonio de Pádua

Caros amigos, esta é a grade de palestras do Centro Espírita Antoino de Pádua programadas para o mês de julho/2011.
Dia 04 de JULHO – SEGUNDA-FEIRA - 19h00min
Palestrante: FERNANDO MACHADO - GEEV
Tema: “O Dever” (ESE, cap. XVII, 7)
Dia 05 de JULHO – TERÇA-FEIRA – 17h00min
Palestrante: SÍLVIA PINHO - GEFA
Tema: “Não vim trazer a Paz, mas a Espada” (ESE, cap. XXIII, 9 a 18)
Dia 11 de JULHO – SEGUNDA- FEIRA - 19h00min
Palestrante: TITO VERSIANI - UMEN
Tema: “Fé, Mãe da Esperança e da Caridade” (ESE, cap. XIX, 11, 6 e 7)
Dia 12 de JULHO – TERÇA- FEIRA – 17h00min
Palestrante: ALEJANDRO GONZALES - CMM
Tema: “Piedade Filial” (ESE, cap. XIV, 3 e 4)
Dia 18 de JULHO – SEGUNDA- FEIRA - 19h00min
Palestrante: ANA CLÁUDIA - GEFA
Tema: “Buscai e Achareis” (ESE, cap. XXV)
Dia 19 de JULHO – TERÇA- FEIRA – 17h00min
Palestrante: JOSÉ VENCESLAU - CEAP
Tema: “Causas Atuais das Aflições” (ESE, cap. V, 4 e 5)
Dia 25 de JULHO – SEGUNDA- FEIRA - 19h00min
Palestrante: SEBASTIÃO CADILHE - IEBM
Tema: “A Felicidade não é deste Mundo” (ESE, cap. V, 20)
Dia 26 de JULHO – TERÇA- FEIRA – 17h00min
Palestrante: JUSSARA CARDOZO - UNESMAR
Tema: “Parentesco Corporal e Espiritual” (ESE, cap. XIV 8 e 9)
Grupos de Estudos:
terça e quinta-feira às 19h30min, quarta-feira às 16h00min, quinta-feira às 17h30min, sábado às 08h00min e às 10h00min.
Todos os domingos, de 09h00min às 11h00min, estudo de "O Evangelho Segundo o Espiritismo".
Lembramos que nossa Livraria funciona nos dias de palestra. Livros, CDs e DVDs com 20% de desconto para pagamento a vista.
Livros infantis pela metade do preço!
Agradecemos a divulgação das palestras entre seus amigos e nos sentiremos felizes com a sua presença no CEAP.
Muita paz!
Equipe de Divulgação - Centro Espírita Antonio de Pádua
Rua Visconde de Sepetiba, 426 - Centro
Niterói, RJ - CEP 24020-206
e-mail: ceapadua@gmail.com
(21) 8515-3122 (Diretoria de Divulgação)
CEAP na Internet:

Francisco Rebouças

terça-feira, 28 de junho de 2011

Felicidade também se aprende na escola


Com o título acima, o Jornal La Nacion de Buenos Aires, na Argentina, nos trouxe ao conhecimento a matéria que abaixo colocamos, por julgarmos oportuno, em virtude do seu conteúdo nos fazer acreditar que se realmente essa idéia for posta em prática, em toda a extensão territorial desse planeta, provavelmente, muito em breve, teremos a constatação do que nos afirmam os Espíritos Superiores, quando nos asseguram que a transformação da Terra está por se realizar, num período de tempo não tão distante.

Vamos então à notícia: “Na Inglaterra, dois mil alunos de escolas públicas estão sendo submetidos a uma experiência inédita: a inclusão, no currículo escolar, de uma disciplina que “ensina a ser feliz”. Aumento de auto-estima, mudança de pensamento negativo para positivo, e técnicas especiais de respiração são algumas das práticas da sala de aula”. 1

Do La Nacion - Publicado por Carla Rodrigues - 18/09/06.

Ficamos, por isso mesmo, bastante felizes e, embora lamentando que não seja com nossas crianças, que essa experiência esteja acontecendo, pelo menos nos resta a esperança de que os resultados positivos que com certeza advirão dessa feliz iniciativa, possam servir de exemplo e sejam posteriormente implantados e utilizados por outros países, incluindo, é claro, o nosso querido Brasil.

A Doutrina Espírita, apregoando a fé raciocinada não nos deixa qualquer dúvida quanto ao sucesso que será obtido por esse tipo de iniciativa tão simples, mas, que produzirá sem qualquer sombra de dúvida, e muito brevemente, uma outra mentalidade nas gerações do futuro, visto que o pensamento é tudo e se bem utilizado nos levará ao alcance de um estado de felicidade que ainda não estamos acostumados a sentir, em virtude do nosso total desprezo ao desenvolvimento psíquico do SER pensante que somos.

A querida benfeitora Joanna de Angelis, nos diz claramente A ação do pensamento sobre a saúde é incontestável” (...); mais à frente continua: (...) o pessimismo perturba o aparelho digestivo e produz distúrbios gerais; da mesma forma, a tranqüilidade, o otimismo, a coragem, são estimulantes que trabalham pela harmonia emocional e orgânica, produzindo salutares efeitos na vida (...). 2

Sabemos que se nos afeiçoarmos aos pensamentos positivos, edificantes, assumimos automaticamente uma postura vitoriosa em relação aos percalços da estrada evolutiva, passando a encarar as dificuldades que se nos apresentarem como mais um desafio a vencer, sem nos deixar abater ou entrar em desespero que em nada nos beneficiaria.

Os pensamentos positivos, otimistas, saudáveis, são os únicos capazes de nos proporcionarem benefícios, porque irradiam idéias do bem, do progresso, da paz, captando por sintonia a respectiva resposta da vida no mesmo grau de vibração benéfica e saudável envolvendo-nos em uma atmosfera benigna propiciando-nos uma agradável sensação de harmonia com as Leis Divinas que nos regem a vida na Terra.

Nós espíritas, temos portanto, uma oportunidade ímpar de implantarmos em nossas casas espíritas, nos grupos de evangelização e de mocidade, desde já essa brilhante idéia, se já não o fazemos, não esperando que o nosso governo se dê ao luxo de pensar em inclusão de idéias como essa no currículo escolar de nosso país, quando não se prestou sequer a contratação adequada de professores para lecionar as atuais matérias do nosso currículo escolar; e vivemos às voltas com graves problemas de segurança, falta de material, espaços e outros tantos ingredientes tão necessários ao desenvolvimento natural de uma aula, sem falar de conforto para mestres e alunos.

Uma das formas de contribuirmos com nossa pequena, mas, importante e imprescindível participação no progresso nosso e da sociedade a que pertencemos, é buscar a verdade, não estacionando no pouco que já realizamos, trabalhando e servindo incessantemente, utilizando-nos de todos os recursos que a filosofia espírita nos concede para ajudar o crescimento do bem, da harmonia, do amor e da concórdia entre as pessoas.

Precisamos, urgentemente contribuir de forma decisiva na mudança de mentalidade de nossas crianças, alterando para melhor seus velhos hábitos pessimistas, derrotistas, medrosos, e busquemos infundir em seus psiquismos uma nova e salutar postura diante da vida, incentivando em cada um, a vontade de vencer, crescer, ser um homem ou uma mulher de bem, contribuindo dessa forma para um comportamento pautado na fé, na dignidade, na fraternidade, e no desejo de ser um verdadeiro Cristão.

Bibliografia:
(1) Jornal La Nacion - Por Carla Rodrigues.
(2) FRANCO, Divaldo Pereira – Espírito: Joanna de Angelis, Livro: Episódios diários, Livraria Espírita “Alvorada Editora” – 1ª Edição;
Grifos Nossos

Francisco Rebouças.

ANTE O PODER DO AMOR

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna – João, 3:16

Ninguém conseguiria manter a ordem sem a justiça, mas ninguém constrói a paz sem amor.

Não se negará merecimento à colônia penal que reúne os doentes de espírito, como não se recusa apreço ao hospital que congrega os doentes do corpo; mas assim como na instituição de saúde somente o desvelo do amor é capaz de assegurar o preciso êxito às instruções da medicina, nos estabelecimentos de regeneração apenas o trabalho do amor garante a recuperação da lei que traça disposições para o equilíbrio social.

Muitos falarão de esforço corretivo perante os erros do mundo: não lhes desconsiderarás as razões, quando justas, todavia, precedendo quaisquer medidas de coerção referir-te-as ao amor que restaura.

Muitos apontarão os perigos resultantes das deficiências do próximo; não lhes desrespeitarás a argumentação, quando sincera, mas antes de tudo providenciarás a obtenção de remédio que as reduza.

Assim, deve ser, de vez que por enquanto, na Terra, para legiões de acusadores, diante das vítimas do mal, existem raros advogados para o socorro do bem. 

Ama sempre. E quando estiveres a ponto de descrer do poder do amor, lembra-te do Cristo; o Senhor sabia que o mundo de seu tempo estava repleto de espíritos endividados perante a Lei, que Ele não poderia invalidar os arestos da justiça para o reajustamento dos culpados, compreendia que as criaturas hipnotizadas pelo vício não lhe dariam atenção, que deveria contar com a hostilidade daqueles mesmos a quem se propunha beneficiar, permanecia convicto de que o extremo sacrifício lhe seria o coroamento da obra; entretanto, consubstanciando em si mesmo o infinito amor que Deus consagra à Humanidade, veio ao mundo, mesmo assim.

Livro: Benção de Paz
Chico Xavier/Emmanuel
 
Francisco Rebouças

PREOCUPAÇÕES

Não se aflija por antecipação, porquanto é possível que a vida resolva o seu problema, ainda hoje, sem qualquer esforço de sua parte.

Não é a preocupação que aniquila a pessoa e sim a preocupação em virtude da preocupação.

Antes das suas dificuldades de agora, você já faceou inúmeras outras e já se livrou de todas elas, com o auxílio invisível de Deus.

Uma pessoa ocupada em servir nunca dispõe de tempo para comentar injúria ou ingratidão.

Disse um notável filósofo: "uma criatura irritada está sempre cheia de veneno", e podemos acrescentar: "e de enfermidade também".

Trabalhe antes, durante e depois de qualquer crise e o trabalho garantirá sua paz.

Conte as bênçãos que lhe enriquecem a vida, em anotando os males que porventura lhe visitem o coração, para reconhecer o saldo imenso de vantagens a seu favor.

Geralmente, o mal é o bem mal-interpretado.

Em qualquer fracasso, compreenda que se você pode trabalhar, pode igualmente servir, e quem pode servir carrega consigo um tesouro nas mãos.

Por maior lhe seja o fardo do sofrimento, lembre-se de que Deus, que agüentou com você ontem, agüentará também hoje.

Livro: Sinal Verde
Chico Xavier/André Luiz

Francisco Rebouças

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Palestra espírita em Winterthur - Suiça

Prezados senhores,  o CEEAK- Centro de Estudos Espíritas Allan Kardec,  convida a todos para a palestra que será proferida por Francisco do Espirito Santo Neto, escritor e palestrante espírita, e será realizada em sua sede no próximo dia  03/07/2011, conforme cartaz anexo.

Clique no mesmo para vê-lo ampliado e tome nota dos detalhes desse excelente evento espírita.






Francisco Rebouças

Livro: "O Consolador"


59 – Tem o Espiritismo um papel especial junto da Sociologia?

– Na hora atual da humanidade terrestre, em que todas as conquistas da civilização se subvertem nos extremismos, o Espiritismo é o grande iniciador da Sociologia, por significar o Evangelho redivivo que as religiões literalistas tentam inumar nos interesses econômicos e na convenção exterior de seus prosélitos (adeptos).

Restaurando os ensinos de Jesus para o homem e esclarecendo que os valores legítimos da criatura são os que procedem da consciência e do coração, a doutrina consoladora dos Espíritos reafirma a verdade de que a cada homem será dado de acordo com seus méritos, no esforço individual, dentro da aplicação da lei do trabalho e do bem; essa a razão pela qual representa o melhor antídoto contra os venenos sociais atualmente espalhados no mundo pelas filosofias políticas do absurdo e da ambição desmedida, restabelecendo a verdade e a concórdia para os corações.

60 – Como se deverá comportar o espiritista perante a política do mundo?

– O sincero discípulo de Jesus está investido de missão mais sublime, em face da tarefa política saturada de lutas materiais. Essa é a razão por que não deve provocar uma situação de evidência para si mesmo nas administrações transitórias do mundo. E, quando convocado a tais situações pela força das circunstâncias, deve aceitá-las não como galardão para a doutrina que professa, mas como provação imperiosa e árdua, onde todo êxito é sempre difícil. O espiritista sincero deve compreender que a iluminação do mundo, salientando-se a tarefa do Evangelho junto das almas encarnadas na Terra, é a mais importante de todas, visto constituir e consolar e instruir, em Jesus, para que todos mobilizem as suas possibilidades divinas no caminho da vida. Trocá-la por um lugar no banquete dos Estados é inverter o valor dos ensinos, porque todas as organizações humanas são passageiras em face da necessidade de renovação de todas as fórmulas do homem na lei do progresso universal, depreendendo-se daí que a verdadeira construção da felicidade geral só será efetiva com bases legítimas no espírito das criaturas.

61 – Como devemos encarar a política do racismo?

– Se é justo observarmos nas pátrias o agrupamento de múltiplas coletividades, pelos laços afins da educação e do sentimento, a política do racismo deve ser encarada como erro grave, que pretexto algum justifica, porquanto não pode apresentar base séria nas suas alegações, que mal encobrem o propósito nefasto de tirania e separatividade.

62 – O “não matarás” alcança o caçador que mata por divertimento e o carrasco que extermina por obrigação?

– À medida que evolverdes no sentimento evangélico, compreendereis que todos os matadores se encontram em oposição ao texto sagrado.

No grau dos vossos conhecimentos atuais, entendeis que somente os assassinos que matam por perversidade estão contra a lei divina. Quando avançardes mais no caminho, aperfeiçoando o aparelho social, não tolerareis o carrasco, e quando estiverdes mais espiritualizados, enxergando nos animais os irmãos inferiores de vossa vida, a classe dos caçadores não terá razão de ser.

Lendo os nossos conceitos, recordareis os animais daninhos e, no íntimo, haveis de ponderar sobre a necessidade do seu extermínio. É possível, porém, que não vos lembreis dos homens daninhos e ferozes. O caluniador não envenena mais que o toque de uma serpente? Com frieza a maquinaria da guerra incompreensível não é mais impiedosa que o leão selvagem?...

Ponderemos essas verdades e reconheceremos que o homem espiritual do futuro, com a luz do Evangelho na inteligência e no coração, terá modificado o seu ambiente de lutas, auxiliando igualmente os esforços evolutivos de seus companheiros do plano inferior, na vida terrestre.

63 – Considerando a determinação positiva do “não julgueis”, como poderemos discernir do mal, sem julgamento?

– Entre julgar e discernir, há sempre grande distância. O ato de julgar para a especificação de consequência definitiva pertence à autoridade divina, porém, o direito da análise está instituído para todos os Espíritos, de modo que, discernindo o bem e o mal, o erro e a verdade, possam as criaturas traçar as diretrizes do seu melhor caminho para Deus.

Livro: O Consolador
Chico Xavier/Emmanuel
 
Francisco Rebouças

COM O EVANGELHO

João De Deus
São Paulo, 29-3-37.
Sobre o mundo de dor e de agonia,
Toda a ciência de paz, de amor e luz,
Somente encontrará a sabedoria,
No sublime Evangelho de Jesus!

A existência terrestre é como a cruz
Que a alma leva na estrada erma e sombria,
Estrada dolorosa que a conduz
Ao reino da verdade e da harmonia.

Sem o labor divino do Evangelho
Toda a ciência do mundo é a do homem velho
Preso aos grilhões das sombras do mal;

Somente com Jesus, com o Seu exemplo,
Pode-se edificar o eterno templo
Da infinita ciência universal.

Livro: Lira Imortal
Chico Xavier/Espíritos Diversos

Francisco Rebouças

O pensamento plasma nossa vida de amanhã.

NÃO se esqueça de que somos o reflexo daquilo que pensamos.

O pensamento plasma nossa vida de amanhã.

Aproveite, portanto, o momento que passa, a fim de construir um amanhã risonho.

Plante em torno de você as sementes de otimismo e bondade, para que possa colher amanhã os frutos do amor e da felicidade.

Se somos escravos do ontem, somos donos de nosso amanhã.

Livro: Minutos de Sabedoria
Carlos Torres Pastorino
 
Francisco rebouças

CELD - Centro Espírita Léon Denis de Cabo Frio

Recebemos dos amigos do CELD e estamos divulgando com alegria, mais este importante evento que se realizará no Centro Espírita Léon Denis de Cabo Frio/RJ.

Detalhes E-mail: celd@celd-cabofrio.org.br

Mensagem: Convidamos a todos os seus a participarem no mês de julho do 18º Encontro Espírita sobre Mediunidade, aonde os dinamizadores virão do Celd (RJ).
 
Acontecerá no dia 03/07 das 8h às 13h.
Com o seguinte tema: A Casa Espírita e o Trabalho em Equipe.
O encontro será realizado no Centro Espírita Léon Denis de Cabo Frio.
Endereço: Rua Antonio de Oliveira Gama, Nº 209 C – Jardim Flamboyant, Cabo Frio – RJ.
Muita Paz!
 
Francisco Rebouças

4º Congresso Alemão de Medicina 2011


Caros amigos, os confrades do GEEAK - Grupo de Estudos Espíritas Allan Kardec, em Munique, Alemanha, convidam a todos para o 4º Congresso Alemão de Medicina 2011, que terá tradução do alemão para português, conforme segue.

Para mais informações: info@psychomedizin.com
Muito amor
Cleide
Nascer, morrer, nascer de novo e sempre prosseguir: esta é a lei.
Allan Kardec.

Francisco Rebouças

domingo, 26 de junho de 2011

Na Sociedade

Desistir de somente aparentar propósitos de evangelização, mas reformar-se efetivamente no campo moral, não se submetendo a qualquer hábito menos digno, ainda mesmo quando consagrado por outrem.

A evolução requer da criatura a necessária dominação sobre o meio em que nasceu.
Perdoar sempre as possíveis e improcedentes desaprovações sociais à sua fé, confessando, quando preciso for, a sua qualidade religiosa, principalmente através da boa reputação e da honradez que lhe exornam o caráter.

Cada Espírito responde por si mesmo.
Libertar-se das injunções sociais que funcionem em detrimento da fé que professa e desapegar-se do “desculpismo” sistemático com que possa acomodar-se a qualquer atitude menos feliz.

A negligência provoca desperdícios irreparáveis.

Afastar-se dos lugares viciosos com discrição e prudência, sem crítica nem desdém, somente relacionando-se com eles para emprestar-lhes colaboração fraterna a favor dos necessitados.

O cristão sabe descer à furna do mal, socorrendo-lhe as vítimas.

Em injunção alguma, considerar ultrapassadas ou ridículas as práticas religiosas naturais do Espiritismo, como meditar, orar ou pregar.

A Doutrina Espírita é uma só em todas as circunstâncias.

Tributar respeito aos companheiros que fracassaram em tarefas do coração.

Há lutas e dores que só o Juiz Supremo pode julgar em sã consciência.

Atender aos supostos felizes ou infelizes, cultos e incultos, com respeito e bondade, distinção e cortesia.

A condição social é apenas apresentação passageira e todos os papéis são permutáveis na sucessão das existências.

“Sigamos, pois, as coisas que contribuem para a paz e para a edificação de uns para com os outros.”

Paulo. (1ª epístola aos romanos, capítulo 14, versículo 19.)

Livro: Conduta Espírita
Waldo Vieira/Espírito André Luiz
 
Francisco Rebouças

Conveniência

“... Quando derdes um jantar ou uma ceia, não convideis, nem vossos amigos, nem vossos irmãos, nem vossos parentes, nem vossos vizinhos que forem ricos, de modo que eles vos convidem em seguida, a seu turno, e que, assim, retribuam o que haviam recebido de vós...”
(Capítulo 13, item 7.)

Fazer o bem pelo único prazer de fazê-lo, amar sinceramente dando o melhor de nós mesmos sem pensar em retribuições - eis a base do amor incondicional.

A sinceridade é o melhor antídoto para afastar falsas amizades. Convidar à mesa os pobres, os estropiados, os coxos e os cegos - na recomendação de Jesus - é angariar relacionamentos satisfatórios, leais, estimulantes, sem segundas intenções.

Talvez por querermos levar vantagens e proveito em tudo, tenhamos atraído para o nosso círculo afetivo amizades vazias, distorcidas, que representam verdadeiros parasitas de nossas energias. Por isso nos sentimos, algumas vezes, inadaptados ao meio em que vivemos.

Mas se amarmos por amar, encontraremos criaturas que não se preocuparão com as escalas hierárquicas e nos aceitarão como somos. Não esperarão de nós toda a sabedoria para todas as respostas, apenas compartilharão conosco o carinho de bons amigos.

O refrão da conveniência é: “vou te amar se...

Se me recompensares, serei teu amigo.

Se me convidares, eu te prestigiarei.

Se ficares sempre a meu lado, eu te amarei.

Se concordares comigo, concordarei contigo.

Jesus nos pede desinteresse nas relações, e não imposições de conformidade com as nossas paixões. Ele nos ensina a lição de não manipularmos ocasiões, porque toda cobrança fragiliza relacionamentos, e em verdade é uma questão de tempo para que tudo venha a ruínas.

Os sentimentos verdadeiros não são mercadorias permutáveis, mas alimentos nutrientes das almas, os quais nos dão fortalecimento durante as provas e reerguimento perante as lutas expiatórias.

Quando esperamos que os outros supram nossas carências e nos façam felizes gratuitamente, não estamos de fato amando, mas explorando-os.

Ao identificarmos jogos de manipulação, procuremos relembrar nossa verdadeira missão na Terra, pois sabemos que não viemos a este mundo a fim de agradar os outros ou viver à moda deles, mas para aprender a amar a nós mesmos e aos outros, sem condições.

Em muitas ocasiões, fundimos nossos sentimentos com os de outros seres - cônjuge, pais, filhos, amigos, irmãos - e perdemos nossas fronteiras individuais, por ser momentaneamente conveniente e cômodo. A partir daí, esperamos sempre retribuições deles, nossos amados, e sofreremos se eles não fizerem tudo como desejamos.

Esquecemos de abrir o círculo da afetividade para outros seres e não percebemos o quanto é saudável e imensamente vitalizante essa postura. Continuamos a convidar à mesa somente aqueles com quem fazemos questão de compartilhar mútuos interesses.

Embora, de início, não avaliemos o mal que essa atitude nos causa, é provável que soframos a solidão num amanhã bem próximo, pois os laços afetivos podem ser desfeitos pela morte física ou por separações outras. Por termos restringido esses vínculos afetivos, sentiremos certamente a tristeza de quem se acha só e abandonado como se tivesse perdido o “chão”.

A observação dos jogos sociais dar-nos-á sempre uma real percepção de onde e quando existem encontros unicamente realizados para a busca de vantagens pessoais. E para que possamos promover autênticos encontros, providos de sinceridade e boas intenções, é preciso sejamos primeiramente honestos com nós mesmos, para atrairmos as legítimas aproximações, através de nossos pensamentos e propósitos de franqueza.

A vantagem dos relacionamentos sinceros é uma abertura de nossa afetividade em círculos cada vez maiores, que, por sua vez, edificarão uma atmosfera de carinho e lealdade em torno de nós mesmos, atraindo e induzindo criaturas francas e maduras a partilhar conosco toda uma existência no Amor.

Livro: Renovando Atitudes
Francisco do Espírito Santo Neto/Hammed
 
Francisco Rebouças

NA ORAÇÃO

“Senhor, ensina-nos a orar... — (LUCAS, capítulo 11, versículo 1.)

A prece, nos círculos do Cristianismo, caracteriza-se por gradação infinita em suas manifestações, porque existem crentes de todos os matizes nos vários cursos da fé.

Os seguidores inquietos reclamam a realização de propósitos inconstantes.

Os egoístas exigem a solução de caprichos inferiores.

Os ignorantes do bem chegam a rogar o mal para o próximo.

Os tristes pedem a solidão com ociosidade.

Os desesperados suplicam a morte.

Inúmeros beneficiários do Evangelho imploram isso ou aquilo, com alusão à boa marcha dos negócios que lhes interessam a vida física. Em suma, buscam a fuga. Anelam somente a distância da dificuldade, do trabalho, da luta digna.

Jesus suporta, paciente, todas as fileiras de candidatos do seu serviço, de sua iluminação, estendendo-lhes mãos benignas, tolerando-lhes as queixas descabidas e as lágrimas inaceitáveis.

Todavia, quando aceita alguém no discipulado definitivo, algo acontece no íntimo da alma contemplada pelo Senhor.

Cessam as rogativas ruidosas. Acalmam-se os desejos tumultuários. Converte-se a oração em trabalho edificante. O discípulo nada reclama. E o Mestre, respondendo-lhe às orações, modifica-lhe a vontade, todos os dias, alijando-lhe do pensamento os objetivos inferiores.

O coração unido a Jesus é um servo alegre e silencioso.

Disse-lhe o Mestre: Levanta-te e segue-me. E ele ergueu-se e seguiu.

Livro: Caminho, Verdade e Vida
Chico Xavier/Emmanuel
 
Francisco Rebouças

sábado, 25 de junho de 2011

Estudando o Evangelho


Ajuda-te a ti mesmo, que o céu te ajudará
Pedi e se vos dará; buscai e achareis; batei à porta e se vos abrirá; porquanto, quem pede recebe e quem procura acha e, àquele que bata à porta, abrir-se-á.

Qual o homem, dentre vós, que dá uma pedra ao filho que lhe pede pão? — Ou, se pedir um peixe, dar-lhe-á uma serpente? — Ora, se, sendo maus como sois, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, não é lógico que, com mais forte razão, vosso Pai que está nos céus dê os bens verdadeiros aos que lhos pedirem? (S. MATEUS, cap. VII, vv. 7 a 11.)

Do ponto de vista terreno, a máxima: Buscai e achareis é análoga a esta outra: Ajuda-te a ti mesmo, que o céu te ajudará. É o princípio da lei do trabalho e, por conseguinte, da lei do progresso, porquanto o progresso é filho do trabalho, visto que este põe em ação as forças da inteligência.

Na infância da Humanidade, o homem só aplica a inteligência à cata do alimento, dos meios de se preservar das intempéries e de se defender dos seus inimigos. Deus, porém, lhe deu, a mais do que outorgou ao animal, o desejo incessante do melhor, e é esse desejo que o impele à pesquisa dos meios de melhorar a sua posição, que o leva às descobertas, às invenções, ao aperfeiçoamento da Ciência, porquanto é a Ciência que lhe proporciona o que lhe falta. Pelas suas pesquisas, a inteligência se lhe engrandece, o moral se lhe depura. Às necessidades do corpo sucedem as do espírito: depois do alimento material, precisa ele do alimento espiritual. É assim que o homem passa da selvageria à civilização.

Mas, bem pouca coisa é, imperceptível mesmo, em grande número deles, o progresso que cada um realiza individualmente no curso da vida. Como poderia então progredir a Humanidade, sem a preexistência e a reexistência da alma? Se as almas se fossem todos os dias, para não mais voltarem, a Humanidade se renovaria incessantemente com os elementos primitivos, tendo de fazer tudo, de aprender tudo. Não haveria, nesse caso, razão para que o homem se achasse hoje mais adiantado do que nas primeiras idades do mundo, uma vez que a cada nascimento todo o trabalho intelectual teria de recomeçar. Ao contrário, voltando com o progresso que já realizou e adquirindo de cada vez alguma coisa a mais, a alma passa gradualmente da barbárie à civilização material e desta à civilização moral. (Vede: cap. IV, nº 17.)

Fonte: O Evangelho Segundo o Espiritismo - Cap. XXV, itens 1 e 2.

Francisco Rebouças

NOTA DE AMIGO


Emmanuel

Confia em Deus.

Sofre com paciência.

Faze o que puderes pela conservação da paz.

Evita os assuntos amargos.

Não penses mal de ninguém.

Esquece as nuvens que passaram.

Desculpa aos que, porventura, te hajam ofendido.

Não percas a bênção do trabalho.

Serve sempre.

Cultiva a alegria de ser útil.

E triunfarás sempre, com a bênção de Deus, nas provas de cada dia.

Livro: Momentos de Ouro
Chico Xavier/Diversos Espíritos

Francisco Rebouças

RESPONDER

“A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como responder a cada um.” — Paulo. (COLOSENSES, CAPÍTULO 4, VERSÍCULO 6.)

O ato de responder proveitosamente a inteligências heterogêneas exige qualidades superiores que o homem deve esforçar-se por adquirir.

Nem todos os argumentos podem ser endereçados, indistintamente, à coletividade dos companheiros que lutam entre si, nas tarefas evolutivas e redentoras. Necessário redarguir, com acerto, a cada um. Ao que lida no campo, não devemos retrucar mencionando espetáculos da cidade; ao que comenta dificuldades ásperas do caminho individualista, não se replicará com informações científicas de alta envergadura.

Primeiramente, é imprescindível não desagradar a quem ouve, temperando a atitude verbal com a legítima compreensão dos problemas da vida, constituindo-nos um dever contribuir para que os desviados da simplicidade e da utilidade se reajustem.

Toda resposta em assunto importante é remédio. É indispensável saber dosá-lo, com vista aos efeitos. Cada criatura tolerará, com benefício, determinada dinamização. As próprias soluções da verdade e do amor não devem ser administradas sem esse critério. Aplicada em porções inadequadas, a verdade poderá destruir, tanto quanto o amor costuma perder...

Ainda que sejas interpelado pelo maior malfeitor do mundo, deves guardar uma atitude agradável e digna para informar ou esclarecer. Saber responder é virtude do quadro da sabedoria celestial. Em favor de ti mesmo, não olvides o melhor modo de atender a cada um.

Livro: Pão Nosso
Chico Xavier/Emmanuel
 
Francisco Rebouças

Palestra em inglês - Miami, Flórida, EUA

Centro Espírita Bezerra de Menezes. Palestra em inglêsMiami, Flórida, EUA

Did you know that, on Sundays, at Bezerra de Menezes Kardecian Spiritist Association, there is a conference in English about The Gospel According to Spiritism?Every Sunday you can enjoy a presentation by one of our qualified presenters that will provide an overview on different chapters of the Gospel. Jesus teachings, made easy and clear to us by the Spiritual World, will certainly re-energize you every week, and serve as a guide on your lives .What a great opportunity to attend and invite your English-speaking friends, so that they also can benefit from these Sunday mornings' studies, and perhaps help us, the Spiritists that have chosen to live in this Country, to disseminate the doctrine of the Spiritis to the American community. Let’s participate and invite our friends too…
Sunday, Jun, 26, 201110:00 AM
Jose Augusto Chagas                            
Chapter XXIII
"Strange Moral"Gospel According to Spiritism in English
Public meeting followed by Spiritual Passes(Informações em email de News - Bezerra de Menezes Center news@spiritist.com)
Francisco Rebouças

Unificar é preciso e urgente...

“Trabalhar pela unificação dos órgãos doutrinários do Espiritismo (...) é prestar relevante serviço à causa do Evangelho Redentor junto à Humanidade. Reunir elementos dispersos, concatená-los e estruturar-lhes o plano de ação, na ordem superior que nos orienta o idealismo, é serviço de indiscutível benemerência porque demanda sacrifício pessoal, oração e vigilância na fé renovadora e, sobretudo, elevada capacidade de renunciação”.
Emmanuel - (Psicografia de F. C. Xavier - Unificação – “Reformador” out./1977)

Francisco Rebouças

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Entrevistas


Caros amigos, O Francisco Rebouças – Espiritista, traz ao conhecimento de todos vocês que nos honram com o prestígio e a confiança em nosso trabalho, a entrevista que nos foi concedida por PAULO JORGE, dedicado trabalhador da Seara espírita em Cabo Frio/RJ.

Inicialmente gostaríamos de agradecer ao amigo Paulo Jorge, pela gentileza em nos atender para esta entrevista.
Entrevista
FR: Meu caro amigo, como você nos definiria Paulo Jorge?

R: Uma pessoa comum, cheia de defeitos, mas que luta para melhorar...

Amo minha família e os amigos! Vibro com cada sucesso deles e também me entristeço com os momentos de insucesso em que não posso ajudar.

FR: Qual é a sua formação acadêmica?

R: Cursei Biologia na Unirio, com a intenção de fazer ascensão funcional no Ministério da Saúde, onde desempenhava a função de Técnico em Radiologia desde 1985. Já no final do curso, o governo federal deixou de realizar concursos internos, frustrando meus propósitos. Como já trabalhava com eletrônica, prestei vestibular novamente e fiz o curso de Processamento de Dados (Informática) na Universidade Veiga de Almeida, na Tijuca - RJ, no qual me formei em 1993. Depois disso fiz pós-graduação em Administração de Sistemas de Informação e Docência Superior. Recentemente, diante da necessidade de atualização profissional e da impossibilidade de pagar bons cursos, prestei vestibular para o consórcio UFF/CEDERJ e estou cursando Computação, no polo de Saquarema. Ainda pretendo fazer um mestrado em Informática, na UFF.

FR: Como aconteceu o seu encontro com a doutrina espírita?

R: Enquanto alguns se aproximam da Doutrina Espírita pela dor, eu me aproximei pelo amor! Serei mais claro: pelo amor à minha esposa. Eu vivia em busca de uma religião que não ferisse alguns conceitos que já trazia desde a infância - eu questionava com veemência alguns dogmas que a minha religião de berço me impunha. Rose, na época minha namorada, já era espírita e me convenceu a acompanhá-la numa reunião pública - gostei bastante, embora com algumas ressalvas. Então, procurei estudar acerca do espiritismo, pois sei que somente conseguimos gostar daquilo que conhecemos e eu queria gostar do espiritismo, pois afinal, precisava agradar minha namorada. Tornei-me um apaixonado pela Doutrina Espírita, pois esta veio responder aos questionamentos antigos. E lá se vão quase trinta anos... Parece que foi ontem!

FR: Pelo que fiquei sabendo, você nasceu em São Pedro da Aldeia, isso é verdade? E porque sua transferência para Cabo Frio?

R: Nasci em outubro de 1957 e morei até os dezesseis anos em uma localidade chamada “Pau-Rachado”, no interior de São Pedro da Aldeia - zona rural sem saneamento básico e sem luz elétrica. A professora do local só sabia ensinar até a terceira série primária (ensino fundamental). Passei então a estudar em São Pedro da Aldeia, mas para isso tinha que sair de casa às O3:30 h da manhã, a cavalo. Percorria metade do trajeto na montaria, até a localidade da Cruz; a outra metade, de ônibus, cujo único horário pela manhã era às 05 horas. Chegava em casa somente por volta das 16 horas e ainda tinha que cuidar do cavalo. Mais tarde, minhas duas irmãs e duas primas passaram a estudar na cidade também - passamos a viajar de charrete.

Meu pai tinha um sonho: ver todos os seis filhos formados no Ginásio (atualmente ensino fundamental), mas via que nosso sofrimento para estudar era muito grande e resolveu vender parte do sítio. Comprou então uma casa em péssimo estado, em uma localidade com baixo valor comercial em Cabo Frio e nos mudamos para lá, o que facilitou a nossa vida. A dele é que ficou pior, pois era ele que a partir daquele momento teria que viajar até a sua labuta no roçado, onde ganhava o nosso sustento.

R: Quais as funções que você já exerceu e exerce atualmente no movimento espírita da Região dos Lagos?

R: Já dirigi o Departamento de Doutrina do CETJ, trabalhei como tarefeiro na Biblioteca e nos serviços assistenciais da casa.

Atualmente, sou Diretor de Informática, dirigente em palestras públicas, esclarecedor em uma reunião mediúnica semanal e facilitador em um grupo do Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (tarefa que divido com minha esposa).

Tenho ainda a função de Expositor da Doutrina Espírita na minha casa e em cidades onde sou convidado, mas são os trabalhos assistenciais do CETJ as tarefas de maior importância.

FR: Como se deu seu encontro com o Centro Espírita trabalhadores de Jesus?

R: Quando retornei de Niterói para Cabo Frio, procurava por uma casa espírita. Certo dia ficamos retidos em um engarrafamento numa das principais ruas da cidade e já começávamos a lamentar, pois uma das características do local, que mais apreciávamos, era o fato de não ter os gargalos de trânsito, tão comuns em Niterói e Rio de Janeiro. Quando olhamos para o lado vimos que estávamos bem em frente ao Centro Espírita Trabalhadores de Jesus.

Começamos a frequentar as palestras públicas e o Grupo de Pais, reunião que ocorria paralelamente à evangelização infantil, onde inscrevemos nossos filhos.

FR: Quais as principais atividades desenvolvidas por essa nobre instituição espírita?

R: ● Divulgação da Doutrina Espírita por meio de palestras públicas (domingos e quartas), informativo impresso, portais na Internet e participação de oradores e articulistas da casa nos meios de comunicação;

● Estudo introdutório da Doutrina Espírita;

● Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (várias turmas);

● Estudo Avançado da Doutrina Espírita;

● Estudo da Mediunidade;

● Reuniões Mediúnicas;

● Evangelização da Infância e Juventude (semanal);

● Grupo de Pais (semanal);

● Oficina de Música (semanal);

● Grupo GEMA - Assistência a Gestantes Carentes (semanal);

● Grupo da costura, onde são confeccionados os enxovais para o GEMA peças para o bazar;

● Pechincha (venda de roupas usadas);

● Plantão de Passes;

● Grupo de Implantação do Evangelho no Lar;

● Assistência a famílias carentes, com esclarecimento, corte de cabelo, refeição e fornecimento de cestas básicas (ocorre no primeiro e no terceiro sábado de cada mês);

● Reunião de Tratamento Espiritual;

● Atendimento Fraterno;

● Outras que a minha precária memória deve ter omitido (peço perdão aos amigos).

FR: Como anda o Movimento espírita da Região dos Lagos? Além de Cabo Frio, quais as outras cidades que também desenvolvem um bom trabalho na divulgação da mensagem espírita?

R: O 34º CEU, unidade da CEERJ responsável por promover a integração das casas espíritas em Cabo Frio, Arraial do Cabo e Armação dos Búzios, realiza um trabalho impecável, o que contribui para que o Movimento Espírita da Região dos Lagos seja consistente e de expressão. As outras cidades não ficam atrás, integrando harmoniosamente o movimento. A integração vence as dificuldades que surgem.

FR: Qual é em sua opinião a importância da evangelização na casa espírita?

R: Acho a evangelização o trabalho mais importante em toda casa espírita, pois traz os ensinamentos do Mestre Jesus, sob a ótica espírita, preparando nossos jovens para serem homens de bem. Promove o fortalecimento do núcleo da sociedade mais importante - a família. Os evagelizandos de hoje serão os evangelizadores de amanhã e estarão comandando diversos setores da sociedade, inclusive as casas espíritas.

A casa espírita que não tem a tarefa de evangelização da infância e juventude corre grande risco de perecer por falta de tarefeiros.

FR: Fale-nos do excelente trabalho que sabemos são desenvolvidos no CETJ, com os grupos de infância e mocidade?

R: Aos sábados à tarde, quem chega à nossa casa acha que está em uma festa! Não temos mais onde colocar jovens - literalmente! Para a nossa felicidade, todas as turmas (e não são poucas) estão lotadas, separadas por faixa etária, com um programa de estudo afinado com os preceitos espíritas. Tudo isso fruto do excelente trabalho realizado pelo departamento da Infância e Juventude, dirigidos, respectivamente, pelas companheiras Augusta e Dejanira, que juntamente com os tarefeiros envolvidos, executam com amor e responsabilidade essa tarefa de tão grande importância para o movimento espírita.

FR: Em relação aos jovens de nossas mocidades espíritas, como devem proceder seus evangelizadores para mantê-los interessados no estudo da doutrina e em sua reforma íntima?

R: Jovem gosta de jovem! Esse paradigma não deve ser quebrado, na minha opinião. Eles querem debater temas atuais e cabe aos organizadores da evangelização colocar o assunto sob o contexto da Doutrina Espírita. Gostam de atividades de jovens, como Teatro, Música e Cinema.

Os mais radicais acham que a Casa Espírita não é local para atividades artísticas, como música e outras. Embora eu também ache que na reunião pública, onde a concentração é de suma importância, o andamento das músicas deva ser mais suave, de modo a trazer paz e relaxamento, elevando a vibração do ambiente, há reuniões de confraternização - realizadas geralmente fora do salão de conferências - onde os jovens podem se expressar com um pouco mais de liberdade, porém, dentro dos ensinamentos doutrinários. Esses eventos atraem outros jovens que jamais entrariam em uma reunião pública.

Uma coisa que o jovem não suporta é hipocrisia. Têm sempre um olhar crítico em relação ao comportamento dos que estão responsáveis pelo grupo, portanto, não é tarefa para qualquer um. Nosso querido Mestre Jesus já nos alertou sobre os “sepulcros caiados por fora”.

Eles também desejam aplicar seus conhecimentos nas tarefas da casa e ficam muito felizes quando são solicitados para lerem páginas na reuniões públicas, para fazerem preces, distribuírem a água magnetizada após o passe e outras tarefas possíveis.

Todos amam as tarefas coletivas fora da casa espírita, como reuniões em sítios, visitas a orfanatos e asilos, excursões a outras casas, etc. Mas o evento que mais gostam é a COMEERJ, promovida pela CEERJ durante os dias de carnaval, envolvendo atividades de estudo, lúdicas e de arte - tudo sob a ótica espírita.

FR: O que é oferecido aos pais que levam seus filhos para esses grupos de estudo da infância e da mocidade aí no CETJ, em termos de doutrina espírita?

R: Reunião do Grupo de Pais, onde são abordados temas da Doutrina Espírita voltados para o convívio familiar.

Observamos que aquelas crianças que são simplesmente deixadas no portão para a Evangelização, desistem de participar... É muito importante o exemplo dos pais.

FR: Qual a melhor maneira de divulgarmos com acerto os postulados espíritas?

R: Todos os meios lícitos, como as palestras públicas e seminários com conteúdo bem aplicado, TV, rádios, jornais, revistas, Internet e outros são importantes, mas a maior divulgação está na atitude de cada espírita fora do espaço geográfico do centro. Ser espírita dentro da casa espírita é muito fácil, mas onde mais nos observam é em outros espaços públicos. Essa é velha, mas vou repetir: “Um bom exemplo é capaz de arrastar multidões”.

FR: Em sua opinião, o Brasil é realmente o coração do mundo, Pátria do Evangelho?

R: Tem tudo para ser. Tomando por exemplo Cabo Frio, que recebe turistas do mundo inteiro, observamos que um turista de outro país, principalmente fora da América Latina, dificilmente deixa que você se aproxime dele, de modo a ter algum tipo de contato físico. Se você se aproxima um passo, ele recua um passo. Passei a observar esse fato após ter sido alertado pelo professor César Soares dos Reis, quando em seminário na nossa casa, sobre essa característica presente nos nossos irmãos da América do Norte. É um fato. Já o brasileiro, ao ser apresentado a outro, vai logo abraçando e beijando - é diferente! Teria isso algo a ver com o Espiritismo ter no Brasil uma aceitação e expansão maior do que em outros países?

FR: Como você analisa o trabalho legado à humanidade por Allan Kardec?

R: Perfeito! Ele era, quando encarnado, um homem de sucesso, estudioso e de raro bom senso. Não se deixou influenciar peso sensacionalismo que girava em torno dos fenômenos físicos, buscando um causa inteligente. Sabia do componente anímico de cada médium e procurou comparar dados de várias fontes diferentes, com o objetivo de minimizar esse fator e expressar o máximo de credibilidade possível. Até os dias atuais nenhuma informação presente na codificação foi contestada pelo meio científico. É esse trabalho que temos que dar continuidade e manter a credibilidade da codificação, sem mudar o sentido de nada, pois como disse anteriormente, o trabalho de Kardec foi perfeito! Cabe ao meio espírita examinar tudo e refutar o que não estiver de acordo com a codificação. Não podemos esperar que tudo fique a cargo da FEB - esse trabalho é de todos nós.

FR: Você poderia nos explicar por quais motivos o espiritismo desperta tão pouco interesse para o estudo e tão grande interesse pelos fenômenos?

R: O ser humano ainda é muito materialista e clama por soluções mágicas, sem esforço. Com essa perspectiva espera encontrar nos fenômenos as soluções mágicas para seus problemas. A verdadeira solução dos problemas está no autoconhecimento e no entendimento do agente causal. Isso só se consegue com estudo e disposição para modificar o que há de errado no interior de cada um... Dá muito trabalho! Por isso alguns preferem os fenômenos - ficam na ilusão, mas não têm trabalho significante.

FR: Acompanhamos seu trabalho na divulgação do Espiritismo, e seu esforço na defesa da fidelidade doutrinária, como você está vendo essa invasão de livros tidos como espíritas, sem a menor preocupação com os preceitos contidos na codificação do espiritismo?

R: Oportunismo do mercado editorial. Hoje em dia ser espírita é chique. Tem muita gente publicando obras com critérios questionáveis, cujo único objetivo é vender. Compra o incauto, muitas vezes com a assessoria de algumas poucas casas espíritas que não selecionam melhor as obras que circulam pelos seus departamentos.

FR: O que poderia ser feito para evitar que livros sem conteúdo doutrinário fossem vendidos nas livrarias das casas espíritas sérias?

R: Toda livraria deveria estar subordinada ao Departamento de Doutrina da casa espírita, mas o que normalmente vemos é que o próprio presidente ou alguém por ele delegado - na maioria das vezes - faz o próprio pedido de livros às distribuidoras, não tendo tempo para examinar o conteúdo.

Temos atualmente várias editoras e distribuidoras vendendo “gato por lebre”, ou seja, livros intitulados espíritas, mas que de espiritismo têm pouca coisa e o que é mais grave - conceitos incorretos.

Algo mais me preocupa: alguns palestrantes que têm trabalhos cujo fim mais evidente é o de vender seus próprios livros. Não me parece muito ético, pois em alguns casos os livros sequer são espíritas.

A finalidade da livraria na casa espírita deve ser a divulgação do espiritismo. O lucro, embora necessário, não deve ser o objetivo principal.

FR: Caro Paulo Jorge, vemos, lemos e ouvimos diariamente os meios de comunicação divulgando notícias como corrupção, crimes, violência etc., em sua opinião, o que está realmente acontecendo com o nosso planeta?

R: “... Porque é necessário que sucedam escândalos, mas ai daquele homem por quem vem o escândalo...” (Mateus, 18)

Segundo o apóstolo Mateus, o mal ainda é necessário e não são raras as vezes em que o mal ocorre em grande proporção, de modo que a comoção de muitos provoque uma mudança de comportamento. A humanidade, embora esteja rumando para o bem, ainda está muito próxima da origem. Assim, o mal em pequena escala ainda é assimilado como algo “quase normal” - Daí a necessidade do escândalo. Mas isso sempre ocorreu... Os meios de comunicação é que evoluíram muito! Hoje tomamos ciência dos fatos em tempo real, o que não ocorria há cerca de 30 anos, quando aqui no Brasil, por exemplo, a imprensa era censurada. Hoje nem a censura teria a capacidade de impedir as notícias (opinião pessoal), pois com o advento da Internet ocorreu também a popularização da tecnologia.

FR: Você acredita que a regeneração do nosso planeta esteja realmente próxima, como nos informam os Espíritos Superiores?

R: Acredito! Embora vejamos o mal em muitos lugares, vemos também muita gente praticando o bem. A questão reside em quão próxima estará a tão esperada regeneração, pois o tempo é um componente importante para os seres encarnados; para os desencarnados é diferente...

Tenho algum ceticismo com relação a datas futuras (confesso). Geralmente essas datas falham. Por via das dúvidas, acho melhor fazermos a nossa parte. Não conheço ninguém que tenha saído perdendo por realizar o seu trabalho no bem. Que o nosso Mestre Jesus nos ajude a perseverar!

FR: A proposta da aprovação da Lei do Aborto, não é indício de que a humanidade está muito distante da moral apregoada por Jesus de amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo?

R: Vemos uma minoria ruidosa tentando comandar uma maioria ignorante. Alguns tentando defender interesses próprios. Isso não vem se repetindo ao longo da história? Sabemos que fomos todos criados ignorantes, com condições iguais de desenvolvimento. Somos todos destinados ao bem, mas o desvio moral do ser humano às vezes o tira do rumo certo. Até ele descobrir que errou, sofre, mas termina por encontrar o caminho correto e retoma sua caminhada rumo ao esclarecimento. Da sombra à luz há uma grande distância e a humanidade ainda está mais próxima da sombra do que da luz, portanto, ainda longe da moral apregoada por Jesus.

FR: Paulo Jorge, o que você diria a quem alimente a pretensão de fazer um aborto?

R: Desista! Você está cometendo um grande erro!

Para nós espíritas é mais fácil entender que o aborto é um equívoco, pois sabemos que o espírito foi criado bem antes do corpo físico e que já passou por várias encarnações. O reencarnante provavelmente já conviveu com a atual mãe em outras existências.

Para os praticantes das religiões dogmáticas modernas, que acreditam que o espírito é criado juntamente com o corpo físico, fica mais difícil entender que o aborto é um delito grave.

Para os materialistas o aborto não parece errado, pois não acreditam na existência do espírito.

Creio que a ciência no futuro aceitará a reencarnação como um fenômeno natural. Então, todos tomarão conhecimento do verdadeiro sentido da vida - o que os espíritas já sabem há muito tempo. Nesse tempo, o aborto sequer será cogitado.

FR: Quais foram suas maiores conquistas na divulgação do espiritismo através das palestras e seminários que você realiza?

R: Certa vez recebemos em Cabo Frio meu cunhado, Carlos Athayde, que era completamente avesso ao espiritismo. Convenci-o, com muito custo, a me acompanhar em uma palestra que fiz no Centro Espírita Trabalhadores de Jesus. Observei que antes da palestra ele estava sentado no corredor, um pouco assustado com o salão lotado, como sempre acontece aos domingos. Fiquei preocupado, pois não notei nele nenhum sinal de contentamento - pelo contrário: estava, como se diz, “com cara de poucos amigos”. O tema da palestra era “O Valor da Amizade”, baseada no livro “Boa Nova” (Humberto de Campos/Chico Xavier).

Pude observar que no decorrer da exposição o humor do Carlos foi melhorando e achei mesmo que ele estava gostando do assunto.

Hoje ele é um espírita convicto, tarefeiro da Sociedade Espírita Amor e Caridade em São Gonçalo, onde reside. Isso me deixou muito feliz, e sempre que o nosso humilde trabalho pode influenciar alguém para melhor, experimentamos a felicidade!

FR: Amigo, qual são seus planos para o futuro?

R: Continuar o trabalho simples que realizo, se Deus me permitir, de modo que eu possa contribuir, ainda que minimamente, para a divulgação dessa doutrina que é tão importante para mim e para minha família.

FR: Prezado Paulo Jorge, há alguma coisa ou assunto, que você gostaria de abordar e que deixei de perguntar?

R: Querido amigo, você, além de excelente palestrante, é um perguntador nato! Parece até que andou tomando umas aulas com o próprio Kardec...

O trabalho de divulgação da Doutrina Espírita que você faz é impecável e deve servir de inspiração para outros confrades.

Cabo Frio já está sentindo a sua falta. Vou sugerir ao Ciro, que dirige atualmente o Departamento de Doutrina no CETJ, que o convide novamente, pois da última vez foi muito bom!

FR: Para encerrar, gostaríamos que você deixasse registrada sua mensagem a toda família espírita brasileira.

R: Buscamos a casa espírita por motivos diversos, mas de modo geral, todo ser humano quer encontrar a felicidade! Buscamos a felicidade em todos os lugares e na maioria das vezes esquecemos de buscá-la no local onde ela realmente está - dentro de nós mesmos! Nós nascemos destinados à felicidade e um dia a experimentaremos plenamente, mas nenhum templo religioso nos levará à felicidade num passe de mágica - é necessário muito trabalho! Na nossa atual condição humana somente nos sentimos realizados quando ajudamos nossos irmãos mais necessitados. Mas para que essa ajuda se concretize temos que buscar dentro de nós mesmos aquelas qualidades que estavam bem escondidas, tímidas, ofuscadas por nossas imperfeições ainda tão evidentes - nisso a casa espírita pode ajudar! Toda casa espírita está empenhada no estudo da Doutrina e possui diversos trabalhos de caridade, necessitando somente da nossa boa vontade para o estudo e das nossas mãos para o trabalho.

A filosofia é muito importante para o entendimento, mas somente o trabalho no bem promove a nossa evolução. Como disse o codificador, “Fora da caridade não há salvação”.

Que o nosso Mestre Jesus possa nos dar forças para que coloquemos em prática seus ensinamentos.

Agradeço ao querido amigo Francisco Rebouças pela oportunidade de me expressar nesse importante veículo de comunicação e peço desculpas se deixei de atender alguns anseios.

Muita paz a todos!

FR: Em nome dos nossos distintos amigos, leitores do FRANCISCO REBOUÇAS - ESPIRITISTA, agradecemos ao amigo Paulo Jorge, por sua gentil maneira de nos atender para esta entrevista, rogando a Jesus nosso Mestre e Guia, que o inspire, guarde e abençoe abundantemente hoje e sempre.

Francisco Rebouças

Brasil coração do mundo...

https://youtu.be/_a9tpJnGcbw

Homenagem a Chico Xavier

Haroldo Dias Dutra - As cartas de Paulo

Haroldo Dutra - Jesus o Médico da Almas

https://youtu.be/Uk7OUvyGCZU



Divaldo Franco

https://youtu.be/OVbstbRFs9M

Entrevista sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis...

Reencarnação é uma realidade

Palestra O trabalho no Bem - Cristiane Parmiter

Palestra: As Leis Divinas e nós - Cristiane Parmiter

Palestra: Benevolência - Cristiane Parmiter

Palestra: Jesus e o Mundo - Cristiane Parmiter

Palestra: A Dinâmica do Perdão - Cristiane Parmiter

Palestra: Perante Jesus - Cristiane Parmiter

Palestra AVAREZA - Cristiane Parmiter

Palestra Obediência Construtiva - Cristiane Parmiter

Palestra Tribulações - Cristiane Parmiter

Palestra Conquistando a Fé - Cristiane Parmiter

Palestra Humildade e Jesus - Cristiane Parmiiter

Palestra Renúncia - Cristiane Parmiter

Rádios Brasil

Simplesmente Espetacular!!!

Professora Amanda Gurgel

Andrea Bocelli & Sarah Brightman - Time To Say Goodbye

De Kardec aos dias de hoje

Madre Teresa

As Mães de Chico Xavier

Reencarnação - Menino Piloto

http://www.youtube.com/embed/cQ2ZqUCKDow" frameborder="0" allowfullscreen>

Muitas Vidas

Espiritismo: família de Andrea Maltarolli mantém contato com a autora - Mais Você - GLOBO

Divaldo Franco

ESPIRITISMO - CHICO XAVIER - REPORTAGEM DO FANTASTICO - OS SEGREDOS DE CHICO

Entrevista com Divaldo Franco

Sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis, e muito mais, confira. 1ª Parte 2ª Parte

Oração de Gratidão - Divaldo Franco

Chico Xavier

Chico Xavier no Fantástico

Chico Xavier (2010) trailer oficial

Página de Mensagens

Nesta página estarei lançando variadas páginas de conteúdo edificante para nosso aprendizado.

Francisco Rebouças.

1-ANTE A LIÇÃO

"Considera o que te digo, porque o Senhor te dará entendimento em tudo".- Paulo. II TIMÓTEO. 2:7.

Ante a exposição da verdade, não te esquives à meditação sobre as luzes que recebes.

Quem fita o céu, de relance, sem contemplá-lo, não enxerga as
estrelas; e quem ouve uma sinfonia, sem abrir-lhe a acústica da alma, não lhe percebe as notas divinas.

Debalde escutarás a palavra inspirada de pregadores ardentes, se não descerrares o coração para que o teu sentimento mergulhe na claridade bendita daquela.

Inúmeros seguidores do Evangelho se queixam da incapacidade de retenção dos ensinos da Boa Nova, afirmando-se ineptos à frente das novas revelações, e isto porque não dispensam maior trato à lição ouvida, demorando-se longo tempo na província da distração e da leviandade.

Quando a câmara permanece sombria, somos nós quem desata o ferrolho à janela para que o sol nos visite.

Dediquemos algum esforço à graça da lição e a lição nos responderá com as suas graças.

O apóstolo dos gentios é claro na observação. "Considera o que te digo, porque, então, o Senhor te dará entendimento em tudo."

Considerar significa examinar, atender, refletir e apreciar.

Estejamos, pois, convencidos de que, prestando atenção aos
apontamentos do Código da Vida Eterna, o Senhor, em retribuição à nossa boa-vontade, dar-nos-á entendimento em tudo.

Livro: Fonte Viva
Chico Xavier/Emmanuel

NO CAMPO FÍSICO

"Semeia-se corpo animal, ressuscitará corpo espiritual." - Paulo. (I CORÍNTIOS, 15:44.)

Ninguém menospreze a expressão animal da vida humana, a pretexto de preservar-se na santidade.

A imersão da mente nos fluidos terrestres é uma oportunidade de sublimação que o espírito operoso e desperto transforma em estruturação de valores eternos.

A sementeira comum é símbolo perfeito.

O gérmen lançado à cova escura sofre a ação dos detritos da terra, afronta a lama, o frio, a resistência do chão, mas em breve se converte em verdura e utilidade na folhagem, em perfume e cor nas flores e em alimento e riqueza nos frutos.

Compreendamos, pois, que a semente não estacionou. Rompeu todos os obstáculos e, sobretudo, obedeceu à influência da luz que a orientava para cima, na direção do Sol.

A cova do corpo é também preciosa para a lavoura espiritual, quando nos submetemos à lei que nos induz para o Alto.

Toda criatura provisoriamente algemada à matéria pode aproveitar o tempo na criação de espiritualidade divina.

O apóstolo, todavia, é muito claro quando emprega o termo "semeia-se". Quem nada planta, quem não trabalha na elevação da própria vida, coagula a atividade mental e rola no tempo à maneira do seixo que avança quase inalterável, a golpes inesperados da natureza.

Quem cultiva espinhos, naturalmente alcançará espinheiros.

Mas, o coração prevenido que semeia o bem e a luz, no solo de si mesmo, espere, feliz, a colheita da glória espiritual.

E N T R E I R M Ã O S
Olympia Belém (Espírito)[1]

Estes são tempos desafiadores para todos os que buscam um mundo melhor, onde reine o amor, onde pontifique a fraternidade, onde possam florir os mais formosos sentimentos nos corações.
Anelamos por dias em que a esperança, há tanto tempo acariciada, possa converter-se em colheita de progressos e de paz.
Sonhamos com esse alvorecer de uma nova era em que o Espiritismo, transformado em religião do povo, apresentando Jesus às multidões, descrucificado e vivo, possa modificar as almas, para que assumam seu pujante papel de filhas de Deus no seio do mundo.
Entrementes, não podemos supor que esses ansiados dias estejam tão próximos, quando verificamos que há, ainda, tanta confusão nos relacionamentos, tanta ignorância nos entendimentos, tanta indiferença e ansiedade nos indivíduos, como se vendavais, tufões, tormentas variadas teimassem em sacudir o íntimo das criaturas, fazendo-as infelizes.
A fim de que os ideais do Cristo Jesus alcancem a Terra, torna-se indispensável o esforço daqueles que, tendo ouvido o cântico doloroso do Calvário, disponham-se a converter suas vidas na madrugada luminosa do Tabor.
O mundo terreno, sob ameaças de guerras e sob os rufares da violência, em vários tons, tem urgência do Mestre de Nazaré, ainda que O ignore em sua marcha atordoada, eivada do materialismo que o fascina, que o domina e que o faz grandemente desfigurado, por faltar sentido positivo e digno no uso das coisas da própria matéria.
Na atualidade, porém, com as advertências da Doutrina dos Espíritos, com essa luculenta expressão da misericórdia de Deus para com Seus filhos terrenos, tudo se torna menos áspero, tudo se mostra mais coerente, oferecendo-nos a certeza de que, no planeta, tudo está de conformidade com a lei dos merecimentos, com as obras dos caminheiros, ora reencarnados, na estrada da suspirada libertação espiritual.
"A cada um segundo as suas obras" aparece como canto de justiça e esperança, na voz do Celeste Pastor.
Hoje, reunidos entre irmãos, unimo-nos aos Emissários destacados do movimento de disseminação da luz sobre as brumas terráqueas, e queremos conclamar os queridos companheiros, aqui congregados, a que não se permitam atormentar pelos trovões que se fazem ouvir sobre as cabeças humanas, ameaçadores, tampouco esfriar o bom ânimo, considerando que o Cristo vela sempre. Que não se deixem abater em razão de ainda não terem, porventura, alcançado as excelentes condições para o ministério espírita, certos de que o tempo é a magna oportunidade que nos concede o Senhor. Que ponham mãos à obra, confiantes e vibrantes, certos de que os verdadeiros amigos de Jesus caminham felizes, apesar das lutas e das lágrimas, típicas ocorrências das experiências, das expiações e das provas.
Marchemos devotados, oferecendo, na salva da nossa dedicação, o melhor que o Espiritismo nos ensina, o melhor do que nos apresenta para os que se perdem nas alamedas do medo, da desesperança e da ignorância a nossa volta.
Hoje, entre os amigos espíritas, encontramos maior ânimo para a superação dos nossos próprios limites, o que configurará, ao longo do tempo a superação dos limites do nosso honroso Movimento Espírita.
Sejamos pregadores ou médiuns, evangelizadores, escritores ou servidores da assistência social, não importa. Importa que nos engajemos, todos, nos labores do Codificador, plenificando-nos da grande honra de cooperar com os excelsos interesses do Insuperado Nazareno.
O tempo é hoje, queridos irmãos. O melhor é o agora, quando nos entrelaçamos para estudar, confraternizar e louvar a Jesus com os corações em clima festivo.
Certos de que o Espiritismo é roteiro de felicidade e bandeira de luz, que devemos içar bem alto sobre o dorso do planeta, abracemo-nos e cantemos, comovidos: Louvado seja Deus! Louvado seja Jesus!
Com extremado carinho e votos de crescente progres­so para todos, em suas lidas espiritistas, quero despedir-me sempre devotada e servidora pequenina.
Olympia Belém.

[1]
- Mensagem psicografada pelo médium J. Raul Teixeira no dia 03.09.95, no encerramento da X Confraternização Espírita do Estado do Rio de Janeiro.

O TEMPO

“Aquele que faz caso do dia, patrão Senhor o faz.” — Paulo. (ROMANOS, capítulo 14, versículo 6.)

A maioria dos homens não percebe ainda os valores infinitos do tempo.
Existem efetivamente os que abusam dessa concessão divina. Julgam que a riqueza dos benefícios lhes é devida por Deus.
Seria justo, entretanto, interrogá-los quanto ao motivo de semelhante presunção.
Constituindo a Criação Universal patrimônio comum, é razoável que todos gozem as possibilidades da vida; contudo, de modo geral, a criatura não medita na harmonia das circunstâncias que se ajustam na Terra, em favor de seu aperfeiçoamento espiritual.
É lógico que todo homem conte com o tempo, mas, se esse tempo estiver sem luz, sem equilíbrio, sem saúde, sem trabalho?
Não obstante a oportunidade da indagação, importa considerar que muito raros são aqueles que valorizam o dia, multiplicando-se em toda parte as fileiras dos que procuram aniquilá-lo de qualquer forma.
A velha expressão popular “matar o tempo” reflete a inconsciência vulgar, nesse sentido.
Nos mais obscuros recantos da Terra, há criaturas exterminando possibilidades sagradas. No entanto, um dia de paz, harmonia e iluminação, é muito importante para o concurso humano, na execução das leis divinas.
Os interesses imediatistas do mundo clamam que o “tempo é dinheiro”, para, em seguida, recomeçarem todas as obras incompletas na esteira das reencarnações... Os homens, por isso mesmo, fazem e desfazem, constroem e destroem, aprendem levianamente e recapitulam com dificuldade, na conquista da experiência.
Em quase todos os setores de evolução terrestre, vemos o abuso da oportunidade complicando os caminhos da vida; entretanto, desde muitos séculos, o apóstolo nos afirma que o tempo deve ser do Senhor.

Livro: Caminho Verdade e Vida.
Chico Xavier/Emmanuel.

NISTO CONHECEREMOS

"Nisto conhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro." (I JOÃO, 4:6.)

Quando sabemos conservar a ligação com a Paz Divina, apesar de todas as perturbações humanas, perdoando quantas vezes forem necessárias ao companheiro que nos magoa; esquecendo o mal para construir o bem; amparando com sinceridade aos que nos aborrecem; cooperando espiritualmente, através da ação e da oração, a benefício dos que nos perseguem e caluniam; olvidando nossos desejos particulares para servirmos em favor de todos; guardando a fé no Supremo Poder como luz inapagável no coração; perseverando na bondade construtiva, embora mil golpes da maldade nos assediem; negando a nós mesmos para que a bênção divina resplandeça em torno de nossos passos; carregando nossas dificuldades como dádivas celestes; recebendo adversários por instrutores; bendizendo as lutas que nos aperfeiçoam a alma, à frente da Esfera Maior; convertendo a experiência terrena em celeiros de alegrias para a Eternidade; descortinando ensejos de servir em toda parte; compreendendo e auxiliando sempre, sem a preocupação de sermos entendidos e ajudados; amando os nossos semelhantes qual temos sido amados pelo Senhor, sem expectativa de recompensa; então, conheceremos o espírito da verdade em nós, iluminando-nos a estrada para a redenção divina.

DOUTRINAÇÕES

"Mas não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos, antes, por estarem os vossos nomes escritos nos céus." — Jesus. (LUCAS, capítulo 10, versículo 20.)

Freqüentemente encontramos novos discípulos do Evangelho exultando de contentamento, porque os Espíritos perturbados se lhes sujeitam.

Narram, com alegria, os resultados de sessões empolgantes, nas quais doutrinaram, com êxito, entidades muita vez ignorantes e perversas.

Perdem-se muitos no emaranhado desses deslumbramentos e tocam a multiplicar os chamados "trabalhos práticos", sequiosos por orientar, em con-tactos mais diretos, os amigos inconscientes ou infelizes dos planos imediatos à esfera carnal.

Recomendou Jesus o remédio adequado a situações semelhantes, em que os aprendizes, quase sempre interessados em ensinar os outros, esquecem, pouco a pouco, de aprender em proveito próprio.

Que os doutrinadores sinceros se rejubilem, não por submeterem criaturas desencarnadas, em desespero, convictos de que em tais circunstâncias o bem é ministrado, não propriamente por eles, em sua feição humana, mas por
emissários de Jesus, caridosos e solícitos, que os utilizam à maneira de canais para a Misericórdia Divina; que esse regozijo nasça da oportunidade de servir ao bem, de consciência sintonizada com o Mestre Divino, entre as certezas
doces da fé, solidamente guardada no coração.

A palavra do Mestre aos companheiros é muito expressiva e pode beneficiar amplamente os discípulos inquietos de hoje.

Livro: Caminho Verdade e Vida.

Chico Xavier/Emmanuel.

FILHOS DA LUZ

FILHOS DA LUZ"Andai como filhos da luz." - Paulo.

(EFÉSIOS, 5:8.)Cada criatura dá sempre notícias da própria origem espiritual.

Os atos, palavras e pensamentos constituem informações vivas da zona mental de que procedemos.

Os filhos da inquietude costumam abafar quem os ouve, em mantos escuros de aflição.

Os rebentos da tristeza espalham o nevoeiro do desânimo.

Os cultivadores da irritação fulminam o espírito da gentileza com os raios da cólera.

Os portadores de interesses mesquinhos ensombram a estrada em que transitam, estabelecendo escuro clima nas mentes alheias.

Os corações endurecidos geram nuvens de desconfiança, por onde passam.

Os afeiçoados à calúnia e à maledicência distribuem venenosos quinhões de trevas com que se improvisam grandes males e grandes crimes.

Os cristãos, todavia, são filhos da luz.E a missão da luz é uniforme e insofismável.Beneficia a todos sem distinção.

Não formula exigências para dar.Afasta as sombras sem alarde.

Espalha alegria e revelação crescentes.Semeia renovadas esperanças.Esclarece, ensina, ampara e irradia-se.

Vinha de Luz

Chico Xavier/André Luiz


QUEM LÊ, ATENDA

"Quem lê, atenda." - Jesus. (MATEUS, 24:15.)

Assim como as criaturas, em geral, converteram as produções sagradas da Terra em objeto de perversão dos sentidos, movimento análogo se verifica no mundo, com referência aos frutos do pensamento.

Freqüentemente as mais santas leituras são tomadas à conta de tempero emotivo, destinado às sensações renovadas que condigam com o recreio pernicioso ou com a indiferença pelas obrigações mais justas.

Raríssimos são os leitores que buscam a realidade da vida.

O próprio Evangelho tem sido para os imprevidentes e levianos vasto campo de observações pouco dignas.

Quantos olhos passam por ele, apressados e inquietos, anotando deficiências da letra ou catalogando possíveis equívocos, a fim de espalharem sensacionalismo e perturbação? Alinham, com avidez, as contradições aparentes e tocam a malbaratar, com enorme desprezo pelo trabalho alheio, as plantas tenras e dadivosas da fé renovadora.

A recomendação de Jesus, no entanto, é infinitamente expressiva.

É razoável que a leitura do homem ignorante e animalizado represente conjunto de ignominiosas brincadeiras, mas o espírito de religiosidade precisa penetrar a leitura séria, com real atitude de elevação.

O problema do discípulo do Evangelho não é o de ler para alcançar novidades emotivas ou conhecer a Escritura para transformá-la em arena de esgrima intelectual, mas, o de ler para atender a Deus, cumprindo-lhe a Divina Vontade.

Livro; Vinha de Luz
Chico Xavier/Emmanuel