Trabalhemos todos, pela Unificação do movimento espírita!!

O Espiritismo é uma questão de fundo; prender-se à forma seria puerilidade indigna da grandeza do assunto. Daí vem que os centros que se acharem penetrados do verdadeiro espírito do Espiritismo deverão estender as mãos uns aos outros, fraternalmente, e unir-se para combater os inimigos comuns: a incredulidade e o fanatismo.”

“Dez homens unidos por um pensamento comum são mais fortes do que cem que não se entendam.”

Allan Kardec (Obras Póstumas – Constituição do Espiritismo – Item VI).



domingo, 30 de agosto de 2009

Ouça sua consciência!

Os conselhos ajudam, não há dúvida...
Mas não se esqueça de que a solução de nossos problemas está dentro de nós mesmos, na voz silenciosa de nossa consciência, que é a voz de Deus dentro de nós.
Não se deixe enganar: só você será o responsável pelo caminho que escolher.
Ninguém poderá prestar contas por você.
Procure, portanto, viver acertadamente, de acordo com sua consciência.
Livro: Minutos de Sabedoria
Carlos Torres Pastorino.
Francisco Rebouças

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

A Língua

O benfeitor Emmanuel, no livro Apostilas da Vida, psicografado por Francisco cândido Xavier, em uma de suas inúmeras páginas de advertências, endereçadas a todos nós, faz excelente abordagem sobre a maneira de como devemos fazer uso da bênção da palavra, articulada pelo pequeno instrumento capaz de as pronunciar, alertando-nos ainda, para a observação de que embora seja de pequeno tamanho e bastante leve, a língua é, indubitavelmente, um dos fatores determinantes no destino das criaturas, ajudando-as a conquistarem a vitória nos embates da vida, no crescimento das virtudes do espírito imortal, ou as arremessando de encontro ao lodaçal da delinqüência e das trevas.

É veículo de transmissão do bem ou do mal, da vida ou da morte, dependendo da forma como é utilizada, se de maneira irresponsável produz trevas, se de maneira equilibrada, positiva, responsável, produzirá bons frutos, por isso mesmo, prestemos atenção às sábias recomendações do esclarecido espírito Emmanuel, sobre a melhor forma de nos utilizarmos da palavra em nosso benefício e do nosso próximo, conforme segue:

Ponderada, favorece o juízo;
Leviana, descortina a imprudência;
Alegre – espalha otimismo.
Triste – semeia desânimo.
Generosa – abre caminho à elevação.
Maledicente – cava despenhadeiros.
Gentil – provoca o reconhecimento.
Atrevida – atrai o ressentimento.
Serena – produz calma.
Fervorosa – impõe confiança.
Descrente – invoca a frieza.
Bondosa – auxilia sempre.
Descaridosa – fere sem perceber.
Sábia – ensina.
Ignorante – complica.
Nobre – cria o respeito.
Sarcástica – improvisa o desprezo.
Educada – auxilia a todos.
Inconsciente – gera desequilíbrio” .
Por isso mesmo, exortava Jesus;
“Não procures o argueiro nos olhos de teu irmão, quando trazes uma trave nos teus.”
A língua é a bússola de nossa alma, enquanto nos demoramos na Terra.
Conduzamo-la, na romagem do mundo, para a orientação do Senhor, porque, em verdade, ela é a força que abre as portas do nosso coração às fontes da vida ou às correntes da perturbação e da morte. ¹

É, portanto, meus irmãos, de grande valia procurarmos utilizar de maneira sábia a bênção de ter esse pequeno mas valioso instrumento para o nosso progresso que é nossa língua, utilizando-a de maneira amorosa, compreensiva, moderada, respeitosa, e responsável, pois daremos conta de qualquer palavra que proferirmos no desejo de ferir, caluniar, separar etc, pois como bem nos ensina Emmanuel, “A palavra é índice de nossa posição evolutiva, é indispensável aprimorá-la, iluminá-la, enobrecê-la”.
Fonte: Apostilas da Vida
Chico Xavier/Emmanuel


Francisco Rebouças.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Evangelização Espírita

ENCONTRO DE ESCOLAS DE EVANGELIZAÇÃO ESPÍRITA DE BANGU VAI ESTUDAR E DEBATER O TEMA "VIVO FELIZ COM JESUS".
O evento está marcado para o dia 4 de outubro, nas dependências da Escola Municipal Antonio Austragésilo.
Endereço: Rua da Fábrica, s/nº, Bangu, RJ.
Promoção do CEU/CEERJ.
Francisco Rebouças

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Estudando o espiritismo

Missão dos Espíritas


O Evangelho Segundo o Espiritismo

Não escutais já o ruído da tempestade que há de arrebatar o velho mundo e abismar no nada o conjunto das iniqüidades terrenas? Ah! bendizei o Senhor, vós que haveis posto a vossa fé na sua soberana justiça e que, novos apóstolos da crença revelada pelas proféticas vozes superiores, ides pregar o novo dogma da reencarnação e da elevação dos Espíritos, conforme tenham cumprido, bem ou mal, suas missões e suportado suas provas terrestres.

Não mais vos assusteis! As línguas de fogo estão sobre as vossas cabeças. Ó verdadeiros adeptos do Espiritismo!... sois os escolhidos de Deus! Ide e pregai a palavra divina. É chegada a hora em que deveis sacrificar à sua propagação os vossos hábitos, os vossos trabalhos, as vossas ocupações fúteis. Ide e pregai. Convosco estão os Espíritos elevados. Certamente falareis a criaturas que não quererão escutar a voz de Deus, porque essa voz as exorta incessantemente à abnegação. Pregareis o desinteresse aos avaros, a abstinência aos dissolutos, a mansidão aos tiranos domésticos, como aos déspotas! Palavras perdidas, eu o sei; mas não importa. Faz-se mister regueis com os vossos suores o terreno onde tendes de semear, porquanto ele não frutificará e não produzirá senão sob os reiterados golpes da enxada e da charrua evangélicas. Ide e pregai!

Ó todos vós, homens de boa-fé, conscientes da vossa inferioridade em face dos mundos disseminados pelo Infinito!... lançai-vos em cruzada contra a injustiça e a iniqüidade. Ide e proscrevei esse culto do bezerro de ouro, que cada dia mais se alastra. Ide, Deus vos guia! Homens simples e ignorantes, vossas línguas se soltarão e falareis como nenhum orador fala. Ide e pregai, que as populações atentas recolherão ditosas as vossas palavras de consolação, de fraternidade, de esperança e de paz.

Que importam as emboscadas que vos armem pelo caminho! Somente lobos caem em armadilhas para lobos, porquanto o pastor saberá defender suas ovelhas das fogueiras imoladoras.

Ide, homens, que, grandes diante de Deus, mais ditosos do que Tomé, credes sem fazerdes questão de ver e aceitais os fatos da mediunidade, mesmo quando não tenhais conseguido obtê-los por vós mesmos; ide, o Espírito de Deus vos conduz.

Marcha, pois, avante, falange imponente pela tua fé! Diante de ti os grandes batalhões dos incrédulos se dissiparão, como a bruma da manhã aos primeiros raios do Sol nascente. — Erasto, anjo da guarda do médium. (Paris, 1863.)
Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, Cap. XX, item 4.
Francisco Rebouças

domingo, 23 de agosto de 2009

Seminário na SUÍÇA

A querida amiga Gorete Newton, sempre atenciosa acaba de nos enviar as informações do próximo acontecimento do movimento espírita em terras Suíças, dessa vez trata-se da apresentação de Cezar Braga Said - Pedagogo, Psicólogo, Mestre em educação(UFRJ), Professor universitário, expositor e escritor espírita, Colaborador da Casa de Cultura Espírita - Mesquita-RJ, Colaborador da Rádio Rio de Janeiro, que realizará um seminário sobre o tema Depressão, conforme cartaz.
César é Autor dos seguintes livros:
1.Um homem no mundo (biografia de J.Raul Teixeira) 2. Centro Espírita- Uma visão construtiva 3. Centro Espírita - Tendências e tendenciosidades 4. Conversando com você 5. Crescendo com você 6. Meditando com Você 7. Deus contigo.
Além de outros destinados ao público infanto-juvenil.
Será uma alegria contarmos com sua presença. – Saudações fraternais de todos nós que fazemos parte do CEEAK.

A partir de 24 de agosto todos os detalhes em nosso Site: http://www.ceeak/
Agradecemos mais uma vez a essa prestimosa amiga, e rogamos a Jesus que o evento seja um grande sucesso.
Francisco Rebouças

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Reconhecimento? Não conte com isso!

Foi Jesus, com todo o seu conhecimento sobre o ser humano, quem nos afirmou categoricamente: “ninguém é profeta em sua terra”. Deixando, bem claro, que não deveríamos esperar reconhecimento por qualquer tipo de realização que por ventura fossemos capazes de empreender em nossa comunidade, seja ela, familiar, social, religiosa etc., pois, nem mesmo ele, como enviado do Pai, conseguiu a compreensão e o reconhecimento de sua sublime missão sequer em sua própria família consangüínea.

É, dessa forma, muito comum entre nós, espíritas, essa constatação; pois, por mais que alguém procure mostrar que de alguma forma está bem melhor do que anteriormente em relação ás suas atitudes para com seu semelhante, ou em relação ao seu nível de conhecimento dos postulados espíritas, ou em outro ponto de vista qualquer, ainda assim, não deve contar com o reconhecimento dos que os conhecem das suas vivências anteriores, pois, que o terão sempre por incapaz de qualquer realização de caráter superior.

Por mais que seja notório seu aprimoramento e crescimento no aspecto intelectual, moral, e particularmente no campo religioso, muito dificilmente logrará convencer aqueles de sua convivência mais íntima, no seio da família ou da sua comunidade, dos progressos que haja alcançado.

Não foi por outra razão, que Jesus nosso Modelo e Guia nos alertou para que não nos deixássemos levar por essa situação, e continuássemos a nos ocupar apenas com nosso progresso moral, sem preocupação com o reconhecimento alheio sobre nossa melhoria e crescimento, principalmente entre os nossos afeiçoados, conforme consta do seu evangelho e que transcrevemos a seguir:

Tendo vindo à sua terra natal, instruía-os nas sinagogas, de sorte que, tomados de espanto, diziam: Donde lhe vieram essa sabedoria e esses milagres? – Não é o filho daquele carpinteiro? Não se chama Maria, sua mãe, e seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas? Suas irmãs não se acham todas entre nós? Donde então lhe vêm todas essas coisas? - E assim faziam dele objeto de escândalo. Mas, Jesus lhes disse: Um profeta só não é honrado em sua terra e na sua casa. - E não fez lá muitos milagres devido à incredulidade deles. (S. Mateus, cap. XIII, vv. 54-58)”. ¹
“(...) O princípio de tal verdade reside numa conseqüência natural da fraqueza humana e pode explicar-se deste modo:

O hábito de se verem desde a infância, em todas as circunstâncias ordinárias da vida, estabelece entre os homens uma espécie de igualdade material que, muitas vezes, faz que a maioria deles se negue a reconhecer superioridade moral num de quem foram companheiros ou comensais, que saiu do mesmo meio que eles e cujas primeiras fraquezas todos testemunharam. Sofre-lhes o orgulho com o terem de reconhecer o ascendente do outro. Quem quer que se eleve acima do nível comum está sempre em luta com o ciúme e a inveja. Os que se sentem incapazes de chegar à altura em que aquele se encontra esforçam-se para rebaixá-lo, por meio da difamação, da maledicência e da calúnia; tanto mais forte gritam, quanto menores se acham, crendo que se engrandecem e o eclipsam pelo arruído que promovem. Tal foi e será a História da Humanidade, enquanto os homens não houverem compreendido a sua natureza espiritual e alargado seu horizonte moral. Por aí se vê que semelhante preconceito é próprio dos espíritos acanhados e vulgares, que tomam suas personalidades por ponto de aferição de tudo (...)”. O Evangelho segundo o Espiritismo
, cap. XIV.) ²

Inúmeras, são, as situações em que comprovamos essa verdade anunciada por Jesus em nosso dia-a-dia, e verificamos que muito distantes ainda estamos do momento em que o reconhecimento da melhoria do nosso semelhante deixe de ser ignorada por nós, e dessa forma, não mais procurarmos enxergar somente a sua parte negativa, mas também, reconhecer a importância do seu esforço no trabalho por melhorar.

Ainda não conseguimos valorizamos os gestos nobres do nosso companheiro de caminhada, que através de denodado esforço busca seu crescimento, em luta constante contra suas más inclinações; mas, não deixamos de criticá-lo quando comete um deslize qualquer, como se tivéssemos moral para condená-lo por proferir essa ou aquela palavra ou por cometer esse ou aquele ato impensado que qualquer de nós também pode realizar.

No entanto, ainda somos incapazes de elogiar os trabalhos bem executados em nossa casa espírita, principalmente se não fazemos parte dele, mas, não deixamos de proferir nossas observações contrárias quando não estamos de acordo com os mesmos; não temos uma palavra de incentivo para aquele que se dedica a esta ou àquela função de caridade em benefício nosso e do nosso próximo, mas, não deixamos de cobrá-lo se esquecer de executar qualquer de suas atribuições, não somos capaz de reconhecer os progressos realizados por esse ou aquele companheiro no entendimento e divulgação da mensagem espírita, mas, não perdoamos quando comete qualquer deslize doutrinário.

Assim sendo, está mais que na hora de revertermos essa situação, que, antes de tudo, demonstra o quanto ainda somos mesquinhos, invejosos, ciumentos, pequenos em termos de moralidade, conforme nos esclarece o evangelho no texto acima citado, e, procurarmos incentivar e seguir o exemplo de todos esses irmãos que mesmo a custa de grande sacrifício e esforço individual, estão conseguindo logrando superar suas deficiências; e, em vez de fingirmos que não estamos notando seu progresso, procurar dentro de nossas possibilidades, seguir seus exemplos, e ainda, incentivar, e reconhecer a transformação que estão procedendo e alcançando.

Ouçamos, pois, o conselho do benfeitor Emmanuel que nos diz: “Esforcemo-nos por fazer o melhor ao nosso alcance, desde agora, e a perfeição ser-nos-á, um dia, preciosa fonte de bên­çãos, descortinando-nos luminoso porvir”. ³

Que o Mestre de Nazaré nos guarde em sua paz.


Bibliografia:
1) A Gênese, cap. XIII, vv. 54-58)”;
2) Kardec, Alan. O Evangelho segundo o Espiritismo – FEB 112ª edição – Cap. XVII;
3) Xavier, Francisco Cândido - livro: Nascer e Renascer, Cap. 16- ditado pelo Espírito Emmanuel.

Francisco Rebouças.

Palestra de Divaldo em Niterói

Prezados amigos segunda-feira dia 17/08/2009, o Tribuno Espírita Divaldo Pereira Franco esteve no clube Português de Niterói, realizando mais uma excelente palestra.
Na Foto, Raul Teixeira anuncia os componentes da mesa, seus convidados:
Sob os auspícios da S.E.F. - Sociedade Espírita Fraternidade, presidida pelo também Tribuno Espírita Raul Teixeira, Divaldo tem se apresentado aos espiritistas de Niterói, sempre às segundas-feiras quando dá por encerrado seu ciclo de palestras e seminários no Rio de Janeiro.
DIVALDO AO MICROFONE
Na foto, Divaldo profere a palestra de forma admirável como sempre o faz, sob o olhar atencioso da platéia presente.
Foi mais uma feliz oportunidade em que os confrades das diversas casas espíritas de nossa cidade e de outras muitas que lá se faziam representar, puderam trocar cumprimentos abraços, experiências etc.
PÚBLICO PRESENTE
Ao lado, vista parcial do público presente ao evento, representante do movimento espírita de todo o estado do Rio de Janeiro.
Pessoalmente, tive a alegria de rever companheiros de ideal espírita amigos que há muito não via, entre os quais o nosso sempre querido Celso Rufino na foto que segue.
Esta foi mais uma grande noite para o movimento espírita de nossa cidade, e desde já ficamos no aguardo do próximo ano, para mais uma vez vivenciarmos momentos de alegria e fraternidade como o deste abençoado dia.

Entre os muitos amigos que tive a alegria de abraçar estava o querido Celso Rufino, com quem já há algum tempo não tinha o prazer de conversar.
Ei-lo na foto abaixo, sempre solícito e demonstrando todo seu carinho para com os amigos.

Resta-nos aguardar o próximo ano, para mais uma vez vivenciarmos momentos de alegria e fraternidade como o deste abençoado dia.

Grande abraço em todos,
Francisco Rebouças.

ABORTO, JAMAIS

A liberdade que prezas
Por galardão de tua vida,
Quantas vezes a arrevesas,
Fazendo-a mais reduzida?

Se te proclamas, ufano,
Defensor dos inocentes,
Não te apresentes insano
Entre os mais indiferentes.

Aborto! Jamais o faças
Resolução de problemas,
Pois, pelo ser que rechaças,
Terás a dor como algemas.

Aborto! Nunca cogites
Dessa trama inferior.
Por mais na agrura te agites,
Confia mais no Senhor.

Quem ama jamais se estende
Justificando o que é mal.
A vida é bênção que esplende.
Aborto é o que, afinal?

Não tisnes tua consciência
Com alusões sem sentido,
P´ra não sofreres a ardência
Pelo filho não nascido.

Goza, então, tua liberdade
Com inteireza no bem,
Sem remorsos, com verdade,
Desde a Terra até o além.

José Raul Teixeira.
Ditado pelo Espírito Belmiro Braga.
Mensagem psicografada na Sociedade Espírita Fraternidade - RJ
Francisco Rebouças

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Abaixo a burocracia

Existe no meio espírita, infelizmente, uma grande quantidade de companheiros com grande influência em suas instituições, que procuram manter variadas tarefas de cunho puramente espiritual, sob os acanhados limites da burocracia, não deixando as tarefas fluírem de forma natural, simples, sem os inconvenientes entraves perniciosos e perfeitamente dispensáveis impostos pela burocracia.

Para tudo, inventam uma determinada exigência, com a intenção exclusiva de terem o prazer de posteriormente anunciarem vaidosamente que foram eles que estabeleceram esta ou aquela maneira como exigência na rotina de trabalhos, que normalmente são executadas pelos outros.

Assim é que em muitas das casas espíritas, tarefas muito simples são transformadas em verdadeiros exercícios de paciência transformando-se em verdadeiros testes de compreensão e tolerância para tantos quantos se dispuserem a colaborar nas tarefas cotidianas dessas instituições espíritas.

São normalmente pessoas que carregam a frustração de nunca terem sob seus domínios na vida familiar, profissional, social etc., a direção de qualquer atividade em que pudessem ser conhecidos como dirigentes, responsáveis, ou chefes. Assim sendo, quando chegam à casa espírita, carregam consigo essa frustração tão incômoda que na primeira oportunidade que tiverem, tornarão esses desejos realidades, pondo em prática esse lado escuro da personalidade decepcionada com a vida e com tudo o que lhe tem acontecido até então.

O espiritismo por si só, já é uma doutrina liberta dos atavismos arcaicos de outrora, ainda apreciados por outras tantas correntes religiosas, e solicita de seus adeptos vigilância constante para não serem atraídos para os modismos, achismos e quais quer outros atos que venham a criar óbices, ao bom andamento dos trabalhos na Seara do Mestre de Nazaré, incluindo aí, as burocracias dispensáveis enxertadas nos labores das Instituições Espíritas, por esses pseudo-entendidos de doutrina que vivem a bolar esta ou aquela nova exigência para as tarefas mais simples.

O verdadeiro espírita segue os ensinos dos espíritos Superiores, e a simplicidade em tudo, foi a maneira com que Jesus sempre se apresentou em todas as suas atividades ensinando pelo exemplo, modificando os métodos absurdos nas coisas mais simples como na oração sincera sem necessidade das palavras rebuscadas, simplificando as coisas mais complicadas como eram entendidas e levadas a efeito pelo povo da época.

Enfatizou em suas pregações que a adoração a Deus não se faz pelas aparências exteriores, mas justamente, pela transformação moral interior do indivíduo, que em se transformando moralmente, mais simples se torna em todas as suas ações de caráter físico e espiritual.

Sobre o assunto, vejamos o que nos diz o Dr. Bezerra de Menezes:

No Além existem regras de trabalho admiravelmente estabelecidas, equivalentes a leis, mediante as quais os trabalhadores do Bem poderão tomar as providências que a sua responsabilidade, ou competência, entenderem devidas e necessárias. Geralmente aplicam-nas, as providências, Espíritos investidos de autoridade, espécie de chefes de Departamento ou de secção, tal como os entendem os homens, sem que para tanto sejam necessários entendimentos prévios com outras autoridades superiores, ou seja, o regime da burocracia, de que os homens tanto abusam nas suas indecisões, e o qual é desconhecido no Espaço.

De outro modo, encontrando-se os referidos serviços do Invisível sob a jurisprudência da fraternidade universal, quaisquer servidores estarão em condições de resolver os problemas que se apresentam no seu roteiro, desde que para tanto investidos se encontrem daquela autoridade que, no Além, absolutamente não é o cargo que confere, mas o equilíbrio consciencial e moral de que disponham
.” ¹

Que possamos todos nós, desde já, conscientizarmo-nos de que burocracia é entrave ao crescimento e desenvolvimento das atividades de nossa casa espírita e da doutrina espírita, e, que precisa urgentemente ser banida das atividades de uma casa espírita séria, comprometida com os ensinos do Mestre de todos nós Jesus de Nazaré, que nos convoca ao exercício da humildade e da simplicidade em todas as nossas atividades.

Fonte:

1) Livro: DRAMAS DA OBSESSÃO - YVONE DO AMARAL PEREIRA, Cap. 3
DITADO PELO ESPÍRITO ADOLFO BEZERRA DE MENEZES.



Francisco Rebouças

Evento Musical

O CEAP - Centro Espírita Antônio de Pádua estará realizando no próximo sábado dia 22/08/09, a sua Tarde Musical.
Participação do seu Trio Musical, conforme cartaz anexo.
Local: Centro dos Chauffeurs de Niterío (Garagem São cristóvão)
Endereço: Rua Visconde de Sepetiba, nº 427 - Centro/Niterói-RJ.
Convites à vendas no CEAP a R$ 10,00, com direito a salgadinhos e refrigerantes. Toda renda do evento será destinada às obras assistencias da casa.
Compareça, divulgue em sua lista de contatos, vamos prestigiar as atividades do movimento espírita.
Francisco Rebouças.

A Influência Moral do Médium nas Comunicações

Por mais que nos dediquemos em estudar, para melhor compreensão da Mediunidade, ainda muito pouco sabemos a respeito desse maravilhoso dom com que a Soberana Sabedoria do universo nos contemplou para as mais altas e salutares tarefas de ordem Espiritual.

Porém, à medida que vamos sendo esclarecidos, sobre sua utilização de maneira proveitosa para o nosso crescimento como Espíritos Imortais que somos, melhor podemos percebê-la, senti-la e presenciar seus efeitos, para entender que achamo-nos ainda nas preliminares de suas questões tão complexas, não obstante a Mediunidade datar de todos os tempos, outorgada por Deus a todos os seus filhos.

Assim, pinçamos dentro de uma vasta literatura, sobre esse tão belo tema, algumas linhas que possam nos trazer um pouco mais de esclarecimento, no propósito maior de
contribuir para que nos tornemos dignos tarefeiros da área mediúnica, buscando servir cada dia mais e melhor; tornando-nos instrumentos úteis na lavoura do Mestre de Nazaré, espalhando em nossa volta a claridade do amor em forma de caridade aos mais necessitados.

Começamos pelo Livro dos Médiuns, onde recolhemos os ensinamentos que seguem:

226.O desenvolvimento da mediunidade guarda relação com o desenvolvimento moral dos médiuns?

"Não; a faculdade propriamente dita se radica no organismo; independe do moral. O mesmo, porém, não se dá com o seu uso, que pode ser bom, ou mau, conforme as qualidades do médium."

Sempre se há dito que a mediunidade é um dom de Deus, uma graça, um favor. Por que, então, não constitui privilégio dos homens de bem e por que se vêem pessoas indignas que a possuem no mais alto grau e que dela usam mal?

"Todas as faculdades são favores pelos quais deve a criatura render graças a Deus, pois que homens há privados delas. Poderias igualmente perguntar por que concede Deus vista magnífica a malfeitores, destreza a gatunos, eloqüência aos que dela se servem para dizer coisas nocivas. O mesmo se dá com a mediunidade. Se há pessoas indignas que a possuem, é que disso precisam mais do que as outras, para se melhorarem. Pensas que Deus recusa meios de salvação aos culpados? Ao contrário, multiplica-os no caminho que eles percorrem; põe-nos nas mãos deles. Cabe-lhes aproveitá-los. Judas, o traidor, não fez milagres e não curou doentes, como apóstolo? Deus permitiu que ele tivesse esse dom, para mais odiosa tornar aos seus próprios olhos a traição que praticou."

Os médiuns, que fazem mau uso das suas faculdades, que não se servem delas para o bem, ou que não as aproveitam para se instruírem, sofrerão as conseqüências dessa falta?

"Se delas fizerem mau uso, serão punidos duplamente, porque têm um meio a mais de se esclarecerem e o não aproveitam. Aquele que vê claro e tropeça é mais censurável do que o cego que cai no fosso."

Visto que as qualidades morais do médium afastam os Espíritos imperfeitos, como é que um médium dotado de boas qualidades transmite respostas falsas, ou grosseiras?

"Conheces, porventura, todos os escaninhos da alma humana? Demais, pode a criatura ser leviana e frívola, sem que seja viciosa. Também isso se dá, porque, às vezes, ele necessita de uma lição, a fim de manter-se em guarda."

Por que permitem os Espíritos superiores que pessoas dotadas de grande poder, como médiuns, e que muito de bom poderiam fazer, sejam instrumentos do erro?

"Os Espíritos de que falas procuram influenciá-las; mas, quando essas pessoas consentem em ser arrastadas para mau caminho, eles as deixam ir. Daí o servirem-se delas com repugnância, visto que a verdade não pode ser interpretada pela mentira. "

Será absolutamente impossível se obtenham boas comunicações por um médium imperfeito?

"Um médium imperfeito pode algumas vezes obter boas coisas, porque, se dispõe de uma bela faculdade, não é raro que os bons Espíritos se sirvam dele, à falta de outro, em circunstâncias especiais; porém, isso só acontece momentaneamente, porquanto, desde que os Espíritos encontrem um que mais lhes convenha, dão preferência a este."

Qual o médium que se poderia qualificar de perfeito?

"Perfeito, ah! bem sabes que a perfeição não existe na Terra, sem o que não estaríeis nela. Dize, portanto, bom médium e já é muito, por isso que eles são raros. Médium perfeito seria aquele contra o qual os maus Espíritos jamais ousassem, uma tentativa de enganá-lo. O melhor é aquele que, simpatizando somente com os bons Espíritos, tem sido o menos enganado."

Se ele só com os bons Espíritos simpatiza, como permitem estes que seja enganado?

"Os bons Espíritos permitem, às vezes, que isso aconteça com os melhores médiuns, para lhes exercitar a ponderação e para lhes ensinar a discernir o verdadeiro do falso. Depois, por muito bom que seja, um médium jamais é tão perfeito, que não possa ser atacado por algum lado fraco. Isto lhe deve servir de lição. As falsas comunicações, que de tempos a tempos ele recebe, são avisos para que não se considere infalível e não se ensoberbeça. Porque, o médium que receba as coisas mais notáveis não tem que se gloriar disso, como não o tem o tocador de realejo que obtém belas árias movendo a manivela do seu instrumento."

Quais as condições necessárias para que a palavra dos Espíritos superiores nos chegue isenta de qualquer alteração?

"Querer o bem; repulsar o egoísmo e o orgulho. Ambas essas coisas são necessárias."

Uma vez que a palavra dos Espíritos superiores não nos chega pura, senão em condições difíceis de se encontrarem preenchidas, esse fato não constitui um obstáculo à propagação da verdade?

"Não, porque a luz sempre chega ao que a deseja receber. Todo aquele que queira esclarecer-se deve fugir às trevas e as trevas se encontram na impureza do coração.
"Os Espíritos, que considerais como personificações do bem, não atendem de boa-vontade ao apelo dos que trazem o coração manchado pelo orgulho, pela cupidez e pela falta de caridade.
"Expurguem-se, pois, os que desejam esclarecer-se, de toda a vaidade humana e humilhem a sua inteligência ante o infinito poder do Criador. Esta a melhor prova que poderão dar da sinceridade do desejo que os anima. É uma condição a que todos podem satisfazer."

227. Se o médium, do ponto de vista da execução, não passa de um instrumento, exerce, todavia, influência muito grande, sob o aspecto moral. Pois que, para se comunicar, o Espírito desencarnado se identifica com o Espírito do médium, esta identificação não se pode verificar, senão havendo, entre um e outro, simpatia e, se assim é lícito dizer-se, afinidade. A alma exerce sobre o Espírito livre uma espécie de atração, ou de repulsão, conforme o grau da semelhança existente entre eles. Ora, os bons têm afinidade com os bons e os maus com os maus, donde se segue que as qualidades morais do médium exercem influência capital sobre a natureza dos Espíritos que por ele se comunicam. Se o médium é vicioso, em torno dele se vêm grupar os Espíritos inferiores, sempre prontos a tomar o lugar aos bons Espíritos evocados. As qualidades que, de preferência, atraem os bons Espíritos são: a bondade, a benevolência, a simplicidade do coração, o amor do próximo, o desprendimento das coisas materiais. Os defeitos que os afastam são: o orgulho, o egoísmo, a inveja, o ciúme, o ódio, a cupidez, a sensualidade e todas as paixões que escravizam o homem à matéria. ¹
Fonte: Livro dos Médiuns Capítulo XX.


Passamos agora a alguns ensinamentos contidos no Livro: Nos Domínios da Mediunidade, pelo Espírito André Luiz, Psicografia de Chico Xavier.

Capítulo I

Indubitavelmente – concordava o Assistente Áulus – a mediunidade é problema dos mais sugestivos na atualidade do mundo. Aproxima-se o homem terreno da Era do Espírito. Sob a luz da Religião Cósmica do Amor e da Sabedoria e, decerto, precisa de cooperação, a fim de que se lhe habilite o entendimento.

Sobre Áulus, informa-nos André Luiz:

Interessava-se pelas experimentações mediúnicas, desde 1779, quando conhecera Mesmer, em Paris, no estudo das célebres proposições lançadas a público pelo famoso magnetizador. Reencarnando no início do século passado, apreciara, de perto, as realizações de Allan Kardec, na codificação do Espiritismo, e privara com Cahagnet e Balzac, com Théophile Gautier e Victor Hugo, acabando seus dias na França, depois de vários decênios consagrados à mediunidade e ao magnetismo, nos moldes científicos da Europa. No mundo espiritual prosseguiu no mesmo rumo, observando e trabalhando em seu apostolado educativo. Dedicando-se agora à obra de espiritualização no Brasil, e isto há mais de trinta anos, comentava, otimista, as esperanças do novo campo de ação, dando-nos a conhecer a primorosa bagagem de memória e experiências de que se fazia portador.

Áulus leva André Luiz e Hilário para ouvirem a palestra do Instrutor Albério, em vasto recinto do Ministério das Comunicações, que entre outros ensinamentos lhes falou:

“...Cada mundo possui o campo de tensão electromagnética que lhe é próprio, no teor de força gravítica em que se equilibra, e cada alma se envolve no círculo de forças vivas que lhe transpiram do “hálito” mental, na esfera de criaturas a que se imana, em obediência às suas necessidades de ajuste ou crescimento para imortalidade.
Cada planeta revoluciona na órbita que lhe é assinalada pelas do equilíbrio, sem ultrapassar as linhas de gravitação que lhe dizem respeito, e cada consciência evolve no grupo espiritual a cuja movimentação se subordina.
Somos, pois, vastíssimo conjunto de Inteligências, sintonizadas no mesmo padrão vibratório de percepção, integrando um Todo, constituído de alguns bilhões se seres, que formam por assim dizer a Humanidade Terrestre...

...Filhos do Criador, d’Ele herdamos a faculdade de criar e desenvolver nutrir e transformar.
Naturalmente circunscritos nas dimensões conceptuais em que nos encontramos, embora na insignificância de nossa posição comparada à glória dos Espíritos que já atingiram a angelitude, podemos arrojar de nós a energia atuante do próprio pensamento, estabelecendo, em torno de nossa individualidade, o ambiente psíquico que nos é particular...

...Nossa mente é, dessarte, um núcleo de forças inteligentes, gerando plasmas sutil que, a exteriorizar-se incessantemente de nós, oferece recursos de objetividade às figuras de nossa imaginação, sob o comando de nossos próprios desígnios.
A idéia de um “ser” organizado por nosso espírito, a que o pensamento dá forma e ao qual a vontade imprime movimento e direção.
Do conjunto de nossas idéias resulta a nossa própria existência...

...Segundo é fácil de concluir, todos os seres vivos respiram na onda de psiquismo dinâmico que lhes é peculiar, dentro das dimensões que lhes são características ou na freqüência que lhes é própria. Esse psiquismo independe dos centros nervosos, de vez que, fluindo da mente, é ele que condiciona todos os fenômenos da vida orgânica em si mesma...

... Examinando, pois, os valores anímicos como faculdades de comunicação entre os Espíritos, qualquer que seja o plano em que se encontrem, não podemos perder de vista o mundo mental do agente e do recipiente, porquanto, em qualquer posição mediúnica, a inteligência receptiva está sujeita às possibilidades e a interpretações dos pensamentos que é capaz de produzir.
Um hotentote desencarnado, em se comunicando com um sábio terrestre, ainda jungido ao envoltório físico, não lhe poderá oferecer notícias outras, além dos assuntos triviais em que se lhe desdobraram no mundo as experiências primitivistas, e um sábio, sem o indumento carnal, entrando em relação com o hotentote, ainda colado ao seu “habitat” africano, não conseguirá facultar-lhe cooperação imediata, senão no trabalho embrionário em que se lhe encravam os interesses mentais, como sejam o auxílio a um rebanho bovino ou a cura de males do corpo denso. Por isso mesmo, o hotentote não se sentiria feliz na companhia do sábio e o sábio, a seu turno, não se demoraria com o hotentote, por falta desse alimento quase imponderável a que podemos chamar “vibrações compensadas”.
É da lei, que nossas maiores alegrias sejam recolhidas ao contacto daqueles que, em nos compreendendo, permutam conosco valores mentais de qualidades idênticas aos nossos, assim como as árvores oferecem maior coeficiente de produção se colocadas entre companheiras da mesma espécie, com as quais trocam seus princípios germinativos.
Em mediunidade, portanto, não podemos olvidar o problema da sintonia.
Atraímos os Espíritos que se afinam conosco, tanto quanto somos por eles atraídos; e se é verdade que cada um de nós somente pode dar conforme o que tem, é indiscutível que cada um recebe de acordo com aquilo que dá.
Achando-se a mente na base de todas as manifestações mediúnicas, quaisquer que sejam os característicos em que se expressem, é imprescindível enriquecer o pensamento, incorporando-lhe os tesouros morais e culturais, os únicos que nos possibilitam fixar a luz que jorra para nós, das Esferas Mais Altas, através dos gênios da sabedoria e do amor que supervisionam nossas experiências.
Procederam acertadamente aqueles que compararam nosso mundo mental a um espelho.
Refletimos as imagens que nos cercam e arremessamos na direção dos outros as imagens que criamos.
E, como não podemos fugir ao imperativo da atração, somente retrataremos a claridade e a beleza, se instalarmos a beleza e a claridade no espelho de nossa vida íntima...

... Missões santificantes e guerras destruidoras, tarefas nobres e obsessões pérfidas, guardam origem nos reflexos da mente individual ou coletiva, combinados com as forças sublimadas ou degradantes dos pensamentos de que se nutrem.
Saibamos, assim, cultivar a educação, aprimorando-nos cada dia.
Médiuns somos todos nós, nas linhas de atividade em que nos situamos.
A força psíquica, nesse ou naquele teor de expressão, é peculiar a todos os seres, mas não existe aperfeiçoamento mediúnico sem acrisolamento da individualidade.
É contraproducente intensificar a movimentação da energia sem disciplinar-lhe os impulsos.
É perigoso possuir sem saber usar.
O espelho sepultado na lama não reflete o esplendor do Sol.
O lago agitado não retrata a imagem da estrela que jaz no infinito.
Elevemos nosso padrão de conhecimento pelo estudo bem conduzido e apuremos a qualidade de nossa emoção pelo exercício constante das virtudes superiores, se nos propomos recolher a mensagem das Grandes Almas.
Mediunidade não basta só por si.
É imprescindível saber que tipo de onda mental assimilamos para conhecer da qualidade de nosso trabalho e ajuizar de nossa direção.”

Capítulo II

Áulus esclarece a André Luiz e seu companheiro Hilário sobre a possibilidade do plano espiritual aquilatar as possibilidades dos grupos de trabalhadores do plano físico na tarefa mediúnica, com o auxílio de um aparelho especial chamado Psicoscópio.

“...Em nosso esforço de supervisão, podemos classificar sem dificuldade as perspectivas desse ou daquele agrupamento de serviços psíquicos que aparecem no mundo. Analisando a psicoscopia de uma personalidade ou de uma equipe de trabalhadores, é possível anotar-lhes as possibilidades e categorizar-lhes a situação.

Segundo as radiações que projetam, planejamos a obra que podem realizar no tempo.
Se o espectroscópio permite ao homem perquirir a natureza dos elementos químicos, localizados a enormes distâncias, através da onda luminosa que arrojam de si, com muito mais facilidade identificamos os valores da individualidade humana pelos raios que emite. A moralidade, o sentimento, a educação e o caráter são claramente perceptíveis, através de ligeira inspeção.

Mas – indagou Hilário, investigador -, e na hipótese de surgirem elementos arraigados ao mal, numa formação de cooperadores do bem? De posse da ficha psicoscópica, os instrutores espirituais providenciar-lhes-ão a expulsão?

Não será preciso. Se a maioria permanece empenhada na extensão do bem, a minoria encarcerada no mal distancia-se do conjunto, pouco a pouco, por ausência de afinidade.

Contudo – alegou ainda o meu companheiro - , que acontece numa instituição cujo programa elevado se degenera em desequilíbrio, induzindo-nos a reconhecer que a virtude aí não passa de bandeira fictícia, acobertando a ignorância e a perversidade?

Então, nesse caso – adiantou o interpelado, tolerante -, dispensamos qualquer regime de perseguição ou denúncia. Encarrega-se a vida de colocar-nos no lugar que nos compete...

...Não podemos realizar qualquer estudo de faculdades medianímicas, sem o estudo da personalidade. Considero, assim, de extrema importância a apreciação dos centros cerebrais, que representam bases de operação do pensamento e da vontade, que influem de modo compreensível em todos os fenômenos mediúnicos, desde a intuição pura à materialização objetiva. Esses recursos, que merecem a defesa e o auxílio das entidades sábias e benevolentes, em suas tarefas de amor e sacrifício junto dos homens, quando os medianeiros se sustentam no ideal superior da bondade e do serviço ao próximo, em muitas ocasiões podem ser ocupados por entidades inferiores ou animalizadas, em lastimáveis processos de obsessão...

... Muitos médiuns se arrojam a prejuízos dessa ordem. Depois de ensaios promissores e começo brilhante, acreditam-se donos de recursos espirituais que lhes não pertencem ou temem as aflições prolongadas da marcha e recolhem-se à inutilidade, descendo de nível moral ou conchegando-se a improdutivo repouso, porquanto retomam inevitavelmente a cultura dos impulsos primitivos que o trabalho incessante no bem os induziria a olvidar...

...Nossas realizações espirituais do presente são pequeninas réstias de claridade sobre as pirâmides de sombra do nosso passado. É imprescindível muita cautela com as sementeiras do bem para que a ventania do mal não as arrase. É por isso que a tarefa mediúnica, examinada como instrumentação para a obra das Inteligências superiores, não é tão fácil de ser conduzida a bom termo, de vez que, contra o canal ainda frágil que se oferece à passagem da luz, acometem as ondas pesadas de treva da ignorância, a se agitarem, compactas, ao nosso derredor...”

Capítulo III

“..O Espírito em turvação é um alienado mental, requisitando auxílio. Nas sessões de caridade, qual a que presenciamos, o primeiro socorrista é o médium que o recebe, mas, se esse socorrista cai no padrão vibratório do necessitado que lhe roga serviço, há pouca esperança no amparo eficiente. O médium, pois, quando integrado nas responsabilidades que esposa, tem o dever de colaborar na preservação da ordem e da respeitabilidade na obra de assistência aos desencarnados, permitindo-lhes essa manifestação não colida com a dignidade imprescindível ao recinto...

... E numa imagem feliz para ilustrar o assunto, ajuntou:
- Um médium passivo, em tais circunstâncias, pode ser comparado à mesa de serviço cirúrgico, retendo o enfermo necessitado de concurso médico.
Se o móvel especializado não possuísse firmeza e humildade, qualquer intervenção seria de todo impossível...”

Capítulo XIII

Em matéria de mediunidade, não nos esqueçamos do pensamento.
Nossa alma vive onde se lhe situa o coração.
Caminharemos, ao influxo de nossas próprias criações, seja onde for.
A gravitação no campo mental é tão incisiva, quanto na esfera da experiência física.
Servindo ao progresso geral, move-se a alma na glória do bem. Emparedando-se no egoísmo, arrasta-se, em desequilíbrio, sob as trevas do mal.
A lei Divina é o bem de todos.
Colaborar na execução de seus propósitos sábios é iluminar a mente e clarear a vida. Opor-lhe entraves, a pretexto de acalentar caprichos perniciosos, é obscurecer o raciocínio e coagular a sombra ao redor de nós mesmos.
É indispensável ajuizar quanto à direção dos próprios passos, de modo a evitarmos o nevoeiro da perturbação e a dor do arrependimento.
Nos domínios do espírito não existe a neutralidade.
Evoluímos com a luz eterna, segundo os desígnios de Deus, ou estacionamos na treva, conforme a indébita determinação de nosso “eu”.

... Satisfazer-se alguém com o rótulo, em matéria religiosa, sem qualquer esforço de sublimação interior, é tão perigoso para a alma quanto deter uma designação honorífica entre os homens com menosprezo pela responsabilidade que ela impõe.
Títulos de fé não constituem meras palavras, acobertando-nos deficiências e fraquezas. Expressam deveres de melhoria a que não nos será lícito fugir, sem agravo de obrigações.
Em nossos círculos de trabalho, desse modo, não nos bastará o ato de crer e convencer.
Ninguém é realmente espírita à altura desse nome, tão-só porque haja conseguido a cura de uma escabiose renitente, com o amparo de entidades amigas, e se decida, por isso, a aceitar a intervenção do Além-Túmulo na sua existência; e ninguém é médium, na elevada conceituação de termo, somente porque se faça órgão de comunicação entre criaturas visíveis e invisíveis.
Para conquistar a posição de trabalho a que nos destinamos, de conformidade com os princípios superiores que nos enaltecem o roteiro, é necessário concretizar-lhes a essência em nossa estrada, por intermédio do testemunho de nossa conversão ao amor santificante.
Não bastará, portanto, meditar a grandeza de nosso idealismo superior. É preciso substancializar-lhe a excelsitude em nossas manifestações de cada dia. ²

É, muito importante que, nós médiuns, nos conscientizemos do grande benefício que o correto exercício da mediunidade nos faculta, e busquemos nos aprimorar cada vez mais nas tarefas de socorro espiritual, para subirmos alguns degraus na escalada do progresso espiritual que tem em Jesus Cristo o modelo a ser seguido por todos, para que exercitando a prática da caridade em prol do mais necessitado, espalhando o bem em torno dos nossos passos, seguindo seus exemplos, consigamos por fim levar a efeito a nossa necessária e tão sonhada reforma moral.

Bibliografia
1) Livro dos Médiuns Capítulo XX.
2) Nos Domínios da Mediunidade, pelo Espírito André Luiz, Psicografia de Chico Xavier.
3) Grifos nossos.

Francisco Rebouças


Chico Xavier

Selo Comemorativo

Prezados amigos, chegou ao nosso conhecimento a agradável notícia de que, graças à feliz iniciativa do GEEM (Caio Ramacciotti), o Ministério das Comunicações homologou, no dia 17/08/09, decisão dos Correios (ECT) de emitir selo comemorativo em homenagem ao centenário de nascimento de Chico Xavier, a ocorrer em 2010.
O selo será emitido e lançado pelos Correios, diferentemente dos selos personalizados, que são exclusivos da iniciativa privada, com aprovação dos Correios.

É o reconhecimento da Nação à notável obra do querido Chico.

A família espírita sente-se honrada e feliz com essa merecida homenagem a quem tanto se doou em benefício da felicidade se seu irmão em humanidade.
Receba aí na espiritualidade um grande e carinhoso abraço amigo CHICO!
Francisco Rebouças.

Raul Teixeira em Londres

O tribuno espírita Raul Teixeira, estará mais uma vez em Londres na Inglaterra, nos dias 19 e 20 de setembro, para a realização de seminários conforme cartaz distribuido pela BUSS - BRITISH UNION OF SPIRITIST SOCIETIES.
Raul Teixeira tem participação destacada na divulgação da doutrina espírita por tudo mundo, levando os conceitos filosóficos da doutrina dos espíritos para além das fronteiras de nossa pátria.
Que seja mais uma vez bem sucedido, em sua missão confiada pelos Imostais da Vida Maior, em nome do mestre de Nazaré.
Francisco Rebouças.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Mês espírita de São Gonçalo


O 37º CEU - Conselho Espírita de São Gonçalo, estará promevendo o mês espírita daquela cidade Fluminense.


Os eventos acontecerão nos dias e horários estabelecidos conforme cartaz anexo.

Local: Espaço Espírita Fraternidade (EEFRA/CEUSG).
Rua Visconde de Sepetiba, nº 53 - Nova Cidade - SG.
Mais informações: http://www.ceusg.org.br/
Tel: 2607-6092

Compareça, divulgue, prestigie mais esse importante evento de divulgação da doutrina espírita.



Francisco Rebouças.

VIII FEIRA DO LIVRO ESPÍRITA


RIO DAS OSTRAS/RJ




P R O G R AM AÇ Ã O

Dia 04/09/2009 - Sexta Feira

19h - Abertura da Feira
20 h - Palestra: Evangelho – Fonte de Amor – Darcy Neves ( CEERJ)
20h – Oficina com crianças

Dia 05/09/2009 – Sábado

10h - Seminário: As angústias do cotidiano e o espiritismo
Coordenador: Joelson Rodrigues Macaé/RJ
12h - Almoço
14h - Cantando com o Evangelho ( apresentação das casas, Coral CESC – música e poesia )
16h - Seminário: Bezerra de Menezes: o grande apóstolo – Tânia Jardim ( Macaé )
19 h - Palestra: Alan Kardec, o elo da realização entre Ciência, Filosofia e a Religião – Hélio Ribeiro- Rio de Janeiro
19 h - Oficina com crianças

20:30h - Teatro: Maria de Magdala – A mulher que muito amou

Contato: geamorefraternidade@gmail.com

Dia 06/09/2009 - Domingo

10h - Seminário: Evangelho/Mediunidade/Juventude – Beth Campos ( Cabo Frio )
12h - Almoço
14h - Encontro de mocidades
16 h - Jesus e as crianças
18 h - Teatro: O Pequeno Cristão na Nova Era
19 h - Palestra: Jesus – Rita Core ( Laje do Muriaé - RJ)
19 h - Oficina com crianças
20:30 h - Encerramento


Realização:

Ação Social Espírita Eurípedes Barsanulfo
Casa Espírita Suave Caminho
Centro Espírita Joseph Gleber
Grupo Espírita Amor e Fraternidade
Grupo Espírita Casimiro de Abreu
Lar Espírita à Luz do Evangelho
Sociedade Espírita Joanna de Angelis
MAP (Movimento de Amor ao Próximo)

Apoio:
Prefeitura Municipal de Rio das Ostras
UEM – União Espírita Macaense
CEERJ – Conselho Estadual Espírita do Estado do Rio de Janeiro

Local: Colégio Municipal América Abdalla
Rua Carlos Vianna, s/n, Centro – Rio das Ostras

“A atualidade exige o Evangelho por Luz Maior suscetível de assegurar a paz e a alegria no espírito imperecível.” (Bezerra de Menezes)



Francisco Rebouças

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Doutrina Espírita e Direito

Prezados irmãos e amigos, que Jesus possa habitar nossos corações hoje e sempre!

O IEBM - Instituto Espírita Bezerra de Menezes, convida para todos para o "X Encontro da Doutrina Espírita com o Direito", que será relizado no dia 29/08/2009, sábado o, das 16 às 19h30min, no salão Paulo de Tarso, em sua sede.
Conforme cartaz!

Endereço: Rua Cel. Gomes Machado, 140, 5º andar, Centro, Niterói/RJ.


Compareça, divulgue.







Francisco Rebouças

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Mensagens espirituais

Prezados amigos, estaremos lançando com frequência para nosso aprendizado e reflexão as páginas do livro Vida Feliz de Divaldo Pereira Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis. Segue a página inicial da referida obra.
VIDA FELIZ

Em Ecbátana, cidade antiga da Pérsia, havia uma Academia onde chamada Silenciosa, porque os seus membros deveriam manter-se calados quanto possível, em meditação, resolvendo os problemas que lhes eram apresentados.

Certo dia, em que todos estavam reunidos, apresentou-se um eminente pensador chamado Dr. Zeb, que foi ali propor a sua candidatura a um daqueles lugares disputados.

O presidente da entidade atendeu-o em silêncio, e, diante dos diversos acadêmicos, escreveu o número mil no quadro de giz, colocando um zero à sua esquerda, fazendo-o entender que este era o seu significado para os presentes.

Dr. Zeb, sem qualquer enfado, apagou o zero e o transferiu para o lado direito do número, tornando-o dez vezes maior.

Surpreendido, o sábio tomou de uma taça de cristal e repletou-a com água de tal forma, que toda gota acrescentada resultava numa gota a exceder e perde-se...

O candidato, sem perturbar-se, tirou uma pétala de bela rosa que adornava o recinto e a depôs sobre a água da taça, que se manteve sem nenhuma perturbação, tomando-se mais bela.

Diante da excelente resposta, Dr. Zeb foi então admitido como membro do Colégio de sábios.

Considerando o expressivo número de obras portadoras de regras de conduta, de orientação moral e evangélica, mais um pequeno livro poderia parecer um zero ao lado esquerdo do algarismo significativo...

Tendo em vista porém, o número de mentes e corações que solicitam diretrizes e auxílio, inspiração e apoio espiritual, animamo-nos a reunir duzentos pequenos temas já muito conhecidos, oferecendo-lhes um tratamento simples e de fácil aplicação, para brindar os nossos leitores, o que então fazemos, rogando as bênçãos de Jesus para todos nós.

Esperamos que, na sua singeleza, ele venha tornar-se a pétala de rosa que o Dr. Zeb colocou sobre a taça repleta de líquido, dando significado, beleza e vida à existência de todo aquele que o ler.

Joanna de Ângelis
Salvador, 20 de fevereiro de 1988.
Francisco Rebouças

sábado, 15 de agosto de 2009

Mensagem de Bezerra de Menezes

Cristãos decididos

…Estamos sendo convocados pelos Espíritos nobres para ser os lábios pelos quais a palavra de Jesus chegue aos corações empedernidos.
Estamos sendo convocados para ser os braços do Mestre, que afaguem, que se alonguem na direção dos mais aflitos, dos combalidos, dos enfraquecidos na luta.
Estamos colocados na postura do bom samaritano, a fim de podermos ser aquele que socorra o caído na estrada de Jericó da atualidade.
Nunca houve na história da sociedade terrena tantas conquistas de natureza intelectual e tecnológica!
Nunca houve tanta demonstração de humanismo, de solidariedade, tanta luta pelos direitos humanos!
É necessário, agora, que os cristãos decididos arregacem as mangas e ajam em nome de Jesus.
Em qualquer circunstância, que se interroguem: - em meu lugar que faria Jesus?
E, faça-o, conforme o amoroso Companheiro dos que não têm companheiros, faria.
Filhos da alma!
Estamos saturados de tecnologia de ponta, graças, à qual, as imagens viajam no mundo quase com a velocidade do pensamento, e a dor galopa desesperada o dorso da humanidade em desalinho.
O Espiritismo veio como Consolador para erradicar as causas das lágrimas.
Sois os herdeiros do Evangelho dos primeiros dias, vivenciando-o à última hora.
Estais convidados a impregnar o mundo com ternura, utilizando-vos da compaixão.
Periodicamente, neste planeta de provas e expiações, as mentes em desalinho vitalizam microorganismos viróticos que dão lugar a pandemias destruidoras.
Recordemo-nos das pestes que assolaram o mundo: a peste negra, a peste bubônica, as gripes espanhola, a asiática e a deste momento de preocupações, porque as mentes dominadas pelo ódio, pelo ressentimento, geram fatores propiciatórios à manifestação de pandemias desta e de outra natureza.
Só o amor, meus filhos, possui o antídoto para anular esses terríveis e devastadores acontecimentos, desses flagelos que fazem parte da necessidade da evolução.
Sede vós aquele que ama.
Sede vós, cada um de vós, aquele que instaura o Reino de Deus no coração e dilata-o em direção da família, do lugar de trabalho, de toda a sociedade.
Não postergueis o dever de servir para amanhã, para mais tarde.
Fazei o bem hoje, agora, onde quer que se faça necessário.
As mães afro-descendentes, as mães de todas as raças, em um coro uníssono, sob o apoio da Mãe Santíssima, oram pela transformação da Terra em Mundo de Regeneração.
Sede-lhes filhos dóceis à sua voz quão dócil foi o Crucificado galileu que, ao despedir-se da Terra, elegeu-a mãe do evangelista do amor, por extensão, a Mãe Sublime da Humanidade.

Muita paz, meus filhos.
Que o Senhor de bênçãos nos abençoe.
O servidor humílimo e paternal de sempre,

Bezerra

(Mensagem psicofônica recebida pelo médium Divaldo Pereira Franco, ao final da conferência pública em torno da maternidade, realizada no Grupo Espírita André Luiz, no Rio de Janeiro, na noite de 13 de agosto de 2009.)
Francisco Rebouças

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Palavras de Gênio!





Francisco Rebouças

DIVALDO FRANCO EM NITERÓI

Prezados irmãos, neste domingo dia 16/08/2009, será realizado o almoço entre amigos conforme cartaz anexo, com renda revestida em benefício das obras sociais do Remanso Fraterno.

Local: Remanso Fraterno
Endereço: Rua Jean Valentim Mouliac, nº 123 - Várzea das Moças - Niterói/RJ. Horário: 12:30 às 15:00h. Cardápio: COZIDO (opção: frango grelhado).
Preço: R$ 15,00 -antecipado ou R$ 18,00- no dia.
Mais informações: 2717-8235 ou: secretaria@sef.org.br
Na segunda-feira, dia 17/08/2009, às 20:30h, será a vez do movimento espírita de Niterói e adjacencias, estar com o Tribuno espírita Divaldo Franco, que estará realizando palestra no Clube Português de Niterói, sob os auspícios da SEF - Sociedade Espírita Fraternidade, através do conhecido e também Tribuno espírita Raul Teixeira.

Local: CLUBE PORTUGUÊS DE NITERÓI Endereço: Rua Professor Lara Vilela, 176 - São Domingos - Niterói - RJ, Cep: 24210590. Telefone: (21) 2717-4225

Compareça, a ambos os eventos, divulgue em sua lista de contatos.

Francisco Rebouças.

Divaldo Franco em Nilópolis

O Tribuno Espírita Divaldo Pereira Franco estará fazendo conferência na cidade fluminense de Nilópolis neste sábado dia 15.08.2009.

Os organizadores informam os últimos detalhes para quem desejar comparecer e participar do evento que tem como título: Você e a Paz.
Abertura dos portões: 13 horas.
Endereço: R. Pracinha Wallace Paes Leme, 1025 – Centro – Nilópolis.
Programação resumida:
14 horas: Banda Arte e Consciência e grupo de dança Asas da Alma
15 horas: Nando Cordel, homenagens e prece de abertura.
16 horas: Palestra com Divaldo Pereira Franco.
18 horas: Previsão de término.

Orientação à chegada:
Em diversos pontos de Nilópolis estarão pessoas para indicar o caminho.
Estacionamento
Cadeiras:
O evento contará com mil cadeiras. Contamos com a cooperação de todos para dar preferência às pessoas idosas, gestantes e com dificuldades de locomoção.
Transporte:
Para aqueles que chegarem a Nilópolis de condução, haverá uma van até a Beija-Flor, que estará disponível ao lado da rodoviária.
Acessibilidade:
Pessoas com dificuldade de locomoção e em cadeiras de rodas poderão entrar com o carro pelo estacionamento e retirá-lo assim que a pessoa desembarcar.
Lanche:
Haverá cantina com salgados, batata frita e bebidas não alcoólicas no local.
Crianças:
Teremos atividades para os pequeninos no estande da Coluna Animada, situado no estacionamento.

Um abraço.
João Menezes.

Francisco Rebouças

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Estudo sobre a prece

Prezados amigos, iniciamos a partir de hoje o estudo sobre a prece, pela sua importância, e pela necessidade de estarmos sempre vigilantes e em oração como nos solicitou o Mestre de Nazaré.
Lição 1
CAPÍTULO XXVII - PEDI E OBTEREIS

Qualidades da prece

1. Quando orardes, não vos assemelheis aos hipócritas, que, afetadamente, oram de pé nas sinagogas e nos cantos das ruas para serem vistos pelos homens. - Digo-vos, em verdade, que eles já receberam sua recompensa. - Quando quiserdes orar, entrai para o vosso quarto e, fechada a porta, orai a vosso Pai em secreto; e vosso Pai, que vê o que se passa em secreto, vos dará a recompensa.

Não cuideis de pedir muito nas vossas preces, como fazem os pagãos, os quais imaginam que pela multiplicidade das palavras é que serão atendidos. Não vos torneis
semelhantes a eles, porque vosso Pai sabe do que é que tendes necessidade, antes que lho peçais. (S. MATEUS, cap. VI, vv., 5 a 8.)

2. Quando vos aprestardes para orar, se tiverdes qualquer coisa contra alguém, perdoai-lhe, a fim de que vosso Pai, que está nos céus, também vos perdoe os vossos pecados. - Se não perdoardes, vosso Pai, que está nos céus, também não vos perdoará os pecados. (S. MARCOS, cap. XI, vv. 25 e 26.)

3. Também disse esta parábola a alguns que punham a sua confiança em si mesmos, como sendo justos, e desprezavam os outros:
Dois homens subiram ao templo para orar; um era fariseu, publicano o outro. - O fariseu, conservando-se de pé, orava assim, consigo mesmo: Meu Deus, rendo-vos graças por não ser como os outros homens, que são ladrões, injustos e adúlteros, nem mesmo como esse publicano. Jejuo duas vezes na semana; dou o dízimo de tudo o que possuo.

O publicano, ao contrário, conservando-se afastado, não ousava, sequer, erguer os olhos ao céu; mas, batia no peito, dizendo: Meu Deus, tem piedade de mim, que sou um pecador.

Declaro-vos que este voltou para a sua casa, justificado, e o outro não; porquanto, aquele que se eleva será rebaixado e aquele que se humilha será elevado. (S. LUCAS, cap. XVIII, vv. 9 a 14.)

4. Jesus definiu claramente as qualidades da prece. Quando orardes, diz ele, não vos ponhais em evidência; antes, orai em secreto. Não afeteis orar muito, pois não é pela multiplicidade das palavras que sereis escutados, mas pela sinceridade delas. Antes de orardes, se tiverdes qualquer coisa contra alguém, perdoai-lhe, visto que a prece não pode ser agradável a Deus, se não parte de um coração purificado de todo sentimento contrário à
caridade. Oral, enfim, com humildade, como o publicano, e não com orgulho, como o fariseu. Examinai os vossos defeitos, não as vossas qualidades e, se vos comparardes aos outros, procurai o que há em vós de mau. (Cap. X, nº 7 e nº 8.)
Fonte: E.S.E. Cap. XXVII.
Francisco Rebouças

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Trabalhadores Atentos!

“Medita estas coisas, ocupa-te nelas para que o teu aproveitamentoseja manifesto a todos”. Paulo – I Timóteo, 4/15 ¹

“Em muitas reencarnações passadas, adotamos igualmente a estranha maneira de muitos dos nossos irmãos, vinculados hoje ao cristianismo, cujo comportamento religioso a vida reajustará, qual aconteceu a nós outros”. ²

Se, desejamos efetivamente nos tornar bons cristãos, precisamos inicialmente seguir os ensinos deixados por Jesus Cristo, em seu evangelho de Luz, traduzido para o nosso total entendimento pelos Imortais da Vida Maior, e codificado pelo espírito fabuloso do seguidor fiel de seu Mestre, o incomparável Allan Kardec.

Ensinam, os Emissários Superiores, que nem sempre levar vantagem na visão humana significa vencer ou ganhar na linguagem espiritual, e quase sempre a vitória na conquista material representa verdadeira derrota em termos morais espirituais.

Que saber ceder, é conquistar recursos de que necessitamos para a subida aos cimos da espiritualidade, visto que representa uma demonstração positiva em matéria de desprendimento dos valores perecíveis em benefício da concórdia e da paz.

Que o trabalho, é o maior propulsor do Espírito para o crescimento, representa mesmo o único e verdadeiro caminho para quem deseja o progresso individual e a construção da felicidade no porvir, o que não se conquistará sem muito esforço e devotamento.

Que, o ato de perdoar, é a chave para abrir as algemas que nos prendem ao passado de ódio e rancor, libertando-nos para vôos muito mais altos e agradáveis, para nosso Ser oriundo e a caminho da Luz.

Que amando, conquistaremos os outros, pois, o amor é vida e vida é liberdade, alegria, prazer, nos proporcionando o encontro com a fraternidade universal, que emana da Divindade e que é a base de tudo no universo.

Que sabendo suportar as imperfeições dos nossos semelhantes, com paciência e compreensão, nos preparamos para a vida de harmonia e pacificação da nossa vida íntima, projetando-nos dessa forma para a convivência pacífica com a humanidade inteira.

Que, enfrentando com disposição os percalços, os contratempos do nosso caminho de regeneração, com resignação e empreendendo os devidos esforços por superá-los, mais fortes seguiremos na estrada do progresso e da pureza espiritual adquirindo experiências imprescindíveis que nos servirão de âncora para alcançarmos, êxitos em nossos dignos e inadiáveis objetivos de crescimento.

É, dessa forma, que todo o sincero discípulo de Jesus precisa entender a vida, não como uma punição que o Pai Criador nos está impondo, e sim, como mais uma abençoada oportunidade de refazer as nossas equivocadas construções de um passado desditoso, em que não soubemos utilizar de forma adequada e equilibrada o nosso livre-arbítrio, e dessa maneira nossas construções não tiveram a base sólida de que o Mestre nos falou, quando nos pediu que levantássemos a nossa edificação sob alicerces seguros, para que a tempestade não a derrubasse.

Bibliografia:
1) Primeira Epístola de Paulo a Timóteo, Cap. 4 Versículo, 15;
2) Xavier, Francisco Cândido, Livro: Palavras de Vida Eterna, pelo Espírito Emmanuel – CEC Comunhão Espírita Cristã, 24ª edição - Capítulo 159.



Francisco Rebouças

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Estudando o espiritismo


16. - Assim como a Ciência propriamente dita tem por objeto o estudo das leis do princípio material, o objeto especial do Espiritismo é o conhecimento das leis do principio espiritual. Ora, como este último principio é uma das forças da Natureza, a reagir incessantemente sobre o principio material e reciprocamente, segue-se que o conhecimento de um não pode estar completo sem o conhecimento do outro.

O Espiritismo e a Ciência se completam reciprocamente; a Ciência, sem o Espiritismo, se acha na impossibilidade de explicar certos fenômenos só pelas leis da matéria; ao Espiritismo, sem a Ciência, faltariam apoio e comprovação. O estudo das leis da matéria tinha que preceder o da espiritualidade, porque a matéria é que primeiro fere os sentidos. Se o Espiritismo tivesse vindo antes das descobertas científicas, teria abortado, como tudo quanto surge antes do tempo.
Fonte:
A Gênese - FEB, 12ª edição - Cap. I, item 16
Francisco Rebouças

domingo, 9 de agosto de 2009

Feliz dia dos Pais!

Hoje, dia 09 de agosto de 2009, segundo domingo do mês, estaremos comemorando uma das datas mais significativas na vida de todos nós, O Dia dos Pais. O objetivo primordial dessa comemoração é o fortalecimento dos laços familiares, em consideração e respeito a quem nos proporcionou mais esta oportunidade reencarnatória para nosso progresso e aprimoramento moral espiritual.

Aproveitemos esta excelente oportunidade para retribuir um pouco do amor e de tudo que essa pessoa tão especial tem nos propiciado. Parabéns papais de todo o universo por mais essa data tão expressiva na vida de todos nós seus filhos, e que Deus nosso Pai Maior, possa estar em cada coração e mente de cada herói de nossas famílias, abençoando-os e cuidando de suas vidas.

Como Surgiu: Conta a história que em 1909, em Washington, Estados Unidos, Sonora Louise Smart Dodd, filha do veterano da guerra civil, John Bruce Dodd, ao ouvir um sermão dedicado às mães, teve a idéia de celebrar também o Dia dos Pais. Ela queria homenagear seu próprio pai, que viu sua esposa falecer em 1898 ao dar a luz ao sexto filho, e que teve de criar o recém-nascido e seus outros cinco filhos sozinho.

Quando adulta, Sonora sentia-se orgulhosa de seu pai ao vê-lo superar todas as dificuldades sem a ajuda de ninguém. Então, em 1910, Sonora enviou uma petição à Associação Ministerial de Spokane, cidade localizada em Washigton, Estados Unidos, e também pediu auxílio para uma Entidade de Jovens Cristãos da cidade. O primeiro Dia dos Pais norte-americano foi comemorado em 19 de junho daquele ano, aniversário do pai de Sonora. A rosa foi escolhida como símbolo do evento, sendo que as vermelhas eram dedicadas aos pais vivos e as brancas, aos falecidos.

A partir daí a comemoração difundiu-se da cidade de Spokane para todo o estado de Washington, a partir de 1924 o presidente Calvin Coolidge, apoiou a idéia de um Dia dos Pais nacional e, finalmente, em 1966 o prItálicoesidente Lyndon Johnson assinou uma proclamação presidencial declarando o terceiro domingo de junho como o Dia dos Pais. (alguns dizem que foi oficializado pelo presidente Richard Nixon em 1972).

No Brasil, a idéia de comemorar esta data partiu do publicitário Sylvio Bhering e foi festejada pela primeira vez no dia 14 de Agosto de 1953, dia de São Joaquim, patriarca da família. Essa data foi alterada para o 2º domingo de agosto por motivos comerciais, ficando diferente da americana e européia. Cada país comemora o dia dos Pais em datas diferentes.

Embora essa data seja marcada nos dias de hoje, pelo forte apelo comercial, onde muita gente tenta tirar proveito para aquisição de ganhos financeiros; devemos todos como filhos conscientes que somos prestar-lhes nossa eterna gratidão a esses Heróis da vida de todos nós, e retribuir-lhes mesmo que em apenas um dia no ano, o que é muito pouco, o tanto que nos têm propiciado, agradecendo por tudo que nos deram e continuam nos dando, pois, sem sua ajuda não estaríamos vivenciando os belos e importantes momentos de sucesso que conquistamos em nossas vidas.

Que saibamos dedicar nessa data o melhor de nós, para que nesse dia nosso Pai possa sentir o quanto o amamos, embora nem sempre lhes tenhamos dito. Que Deus, Pai de todos nós possa envolver todos os Pais terrestres, proporcionando-lhes muita saúde, paz e progresso não só nessa data, mas em todos os dias de suas vidas.

Fonte: pesquisa na Internet.
Francisco Rebouças

sábado, 8 de agosto de 2009

Feirão beneficente pró Casa Maria de Magdala

Prezados irmãos de ideal espírita, A Casa Maria de Magdala, instituição modelo em nosso estado (RJ ) no amparo aos portadores do HIV/ Aids, comemorou, no dia 22 de julho último, 18 anos de sua feliz fundação, apresentando diversas solenidades.

Para todos nós que conhecemos os objetivos e o trabalho sério desempenhado por essa nobre instituição, é motivo de alegria e mesmo de honra verificar o crescimento dessa grandiosa obra de ação integrada, erguida pelo esforço do saudoso e inesquecível médico e médium espírita René Pessa, e de outros abnegados trabalhadores da Seara do Mestre de Nazaré.

Dessa forma, estamos convocando todo o movimento espírita de nossa cidade e de todo o estado para prestigiarmos mais um Feirão em benefício da assistência as 21 crianças e seis adultos albergados em suas dependências, carentes do apoio de toda a comunidade cristã.

Compareça, prestigie, divulgue em suas listas de contatos.

Evento : 8º Feirão Beneficente Pró Casa Maria de Magdala.
Data: 13/09/2009.
Horário: 09 às 18 h
Local: Centro Educacional de Niterói – Rua Itaguaí, 173. Pé Pequeno, Santa Rosa Niterói - RJ

Que Jesus nos guarde em sua paz hoje e sempre!

Francisco Rebouças.

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Influência do Meio nas Comunicações

O Livro dos Médios nos traz importante estudo elaborado por Allan Kardec, para nos alertar sobre a influência que exerce o meio nas comunicações mediúnicas, para que tomemos sempre todo o cuidado necessário quando nos propormos ao trabalho na seara da Mediunidade, entendendo que muitos são os adversários e as adversidades a superar.

Recorreremos ao Capítulo XXI - Da Influência do Meio nas comunicações onde encontramos as instruções que seguem:

231. 1ª O meio em que se acha o médium exerce alguma influência nas manifestações?

"Todos os Espíritos que cercam o médium o auxiliam, para o bem ou para o mal."
2ª Não podem os Espíritos superiores triunfar da má-vontade do Espírito encarnado que lhes serve de intérprete e dos que o cercam?

"Podem, quando julgam conveniente e conforme a intenção da pessoa que a eles se dirige. Já o dissemos: os Espíritos mais elevados se comunicam, às vezes, por uma graça especial, mau grado à imperfeição do médium e do meio, mas, então, estes se conservam completamente estranhos ao fato."
3ª Os Espíritos superiores procuram encaminhar para uma corrente de idéias sérias as reuniões fúteis?
"Os Espíritos superiores não vão às reuniões onde sabem que a presença deles é inútil. Nos meios pouco instruídos, mas onde há sinceridade, de boa mente vamos, ainda mesmo que aí só instrumentos medíocres encontremos. Não vamos, porém, aos meios instruídos onde domina a ironia. Em tais meios, é necessário se fale aos ouvidos e aos olhos: esse o papel dos Espíritos batedores e zombeteiros. Convém que aqueles que se orgulham da sua ciência sejam humilhados pelos Espíritos menos instruídos e menos adiantados."

4ª Aos Espíritos inferiores é interdito o acesso às reuniões sérias?

"Não, algumas vezes lhes é permitido assistir a elas, a fim de aproveitarem os ensinos que vos são dados; mas, conservam-se silenciosos, como estouvados numa assembléia de gente ponderada. "

232. Fora erro acreditar alguém que precisa ser médium, para atrair a si os seres do mundo invisível. Eles povoam o espaço; temo-los incessantemente em tomo de nós, ao nosso lado, vendo-nos, observando-nos, intervindo em nossas reuniões, seguindo-nos, ou evitando-nos, conforme os atraímos ou repelimos. A faculdade mediúnica em nada influi para isto: ela mais não é do que um meio de comunicação. De acordo com o que dissemos acerca das causas de simpatia ou antipatia dos Espíritos, facilmente se compreenderá que devemos estar cercados daqueles que têm afinidade com o nosso próprio Espírito, conforme é este graduado, ou degradado. Consideremos agora o estado moral do nosso planeta e compreenderemos de que gênero devem ser os que predominam entre os Espíritos errantes. Se tomarmos cada povo em particular, poderemos, pelo caráter dominante dos habitantes, pelas suas preocupações, seus sentimentos mais ou menos morais e humanitários, dizer de que ordem são os Espíritos que de preferência se reúnem no seio dele.

Partindo deste princípio, suponhamos uma reunião de homens levianos, inconseqüentes, ocupados com seus prazeres; quais serão os Espíritos que preferentemente os cercarão? Não serão de certo Espíritos superiores, do mesmo modo que não seriam os nossos sábios e filósofos os que iriam passar o seu tempo em semelhante lugar. Assim, onde quer que haja uma reunião de homens, há igualmente em torno deles uma assembléia oculta, que simpatiza com suas qualidades ou com seus defeitos, feita abstração completa de toda idéia de evocação. Admitamos agora que tais homens tenham a possibilidade de se comunicar com os seres do mundo invisível, por meio de um intérprete, isto é, por um médium; quais serão os que lhes responderão ao chamado? Evidentemente, os que os estão rodeando de muito perto, à espreita de uma ocasião para se comunicarem. Se, numa assembléia fútil, chamarem um Espírito superior, este poderá vir e até proferir algumas palavras ponderosas, como um bom pastor que acode ao chamamento de suas ovelhas desgarradas. Porém, desde que não se veja compreendido, nem ouvido, retira-se, como em seu lugar o faria qualquer de nós, ficando os outros com o campo livre.

233. Nem sempre basta que uma assembléia seja séria, para receber comunicações de ordem elevada. Há pessoas que nunca riem e cujo coração, nem por isso, é puro. Ora, o coração, sobretudo, é que atrai os bons Espíritos. Nenhuma condição moral exclui as comunicações espíritas; os que, porém, estão em más condições, esses se comunicam com os que lhes são semelhantes, os quais não deixam de enganar e de lisonjear os preconceitos.

Por aí se vê a influência enorme que o meio exerce sobre a natureza das manifestações inteligentes. Essa influência, entretanto, não se exerce como o pretenderam algumas pessoas, quando ainda se não conhecia o mundo dos Espíritos, qual se conhece hoje, e antes que experiências mais concludentes houvessem esclarecido as dúvidas. Quando as comunicações concordam com a opinião dos assistentes, não é que essa opinião se reflita no Espírito do médium, como num espelho; é que com os assistentes estão Espíritos que lhes são simpáticos, para o bem, tanto quanto para o mal, e que abundam nos seus modos de ver. Prova-o o fato de que, se tiverdes a força de atrair outros Espíritos, que não os que vos cercam, o mesmo médium usará de linguagem absolutamente diversa e dirá coisas muito distanciadas das vossas idéias e das vossas convicções.

Em resumo: as condições do meio serão tanto melhores, quanto mais homogeneidade houver para o bem, mais sentimentos puros e elevados, mais desejo sincero de instrução, sem idéias preconcebidas. ¹

Por tudo que os espíritos nos ensinaram sobre a importância do meio nas comunicações, não podemos nos esquecer do cuidado em buscar o adequado recinto para a prática da mediunidade séria, atentando para o fato de que o meio exerce fundamental importância no correto exercício das práticas mediúnicas, e que nós espíritas que detemos todo esse conhecimento a cerca do assunto, procuremos seguir as instruções dos Espíritos Superiores, dedicando-nos a este labor com boa-vontade e disciplina na certeza de que procedendo conforme os ensinos aqui ministrados, estaremos sempre na companhia dos bons Espíritos que nos sustentarão nas obras de caridade em nosso próprio benefício, do nosso próximo e de toda a humanidade.
Fonte:
Livro dos Médiuns, FEB - 36ª edição.
Francisco Rebouças.

Brasil coração do mundo...

https://youtu.be/_a9tpJnGcbw

Homenagem a Chico Xavier

Haroldo Dias Dutra - As cartas de Paulo

Haroldo Dutra - Jesus o Médico da Almas

https://youtu.be/Uk7OUvyGCZU



Divaldo Franco

https://youtu.be/OVbstbRFs9M

Entrevista sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis...

Reencarnação é uma realidade

Palestra O trabalho no Bem - Cristiane Parmiter

Palestra: As Leis Divinas e nós - Cristiane Parmiter

Palestra: Benevolência - Cristiane Parmiter

Palestra: Jesus e o Mundo - Cristiane Parmiter

Palestra: A Dinâmica do Perdão - Cristiane Parmiter

Palestra: Perante Jesus - Cristiane Parmiter

Palestra AVAREZA - Cristiane Parmiter

Palestra Obediência Construtiva - Cristiane Parmiter

Palestra Tribulações - Cristiane Parmiter

Palestra Conquistando a Fé - Cristiane Parmiter

Palestra Humildade e Jesus - Cristiane Parmiiter

Palestra Renúncia - Cristiane Parmiter

Rádios Brasil

Simplesmente Espetacular!!!

Professora Amanda Gurgel

Andrea Bocelli & Sarah Brightman - Time To Say Goodbye

De Kardec aos dias de hoje

Madre Teresa

As Mães de Chico Xavier

Reencarnação - Menino Piloto

http://www.youtube.com/embed/cQ2ZqUCKDow" frameborder="0" allowfullscreen>

Muitas Vidas

Espiritismo: família de Andrea Maltarolli mantém contato com a autora - Mais Você - GLOBO

Divaldo Franco

ESPIRITISMO - CHICO XAVIER - REPORTAGEM DO FANTASTICO - OS SEGREDOS DE CHICO

Entrevista com Divaldo Franco

Sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis, e muito mais, confira. 1ª Parte 2ª Parte

Oração de Gratidão - Divaldo Franco

Chico Xavier

Chico Xavier no Fantástico

Chico Xavier (2010) trailer oficial

Página de Mensagens

Nesta página estarei lançando variadas páginas de conteúdo edificante para nosso aprendizado.

Francisco Rebouças.

1-ANTE A LIÇÃO

"Considera o que te digo, porque o Senhor te dará entendimento em tudo".- Paulo. II TIMÓTEO. 2:7.

Ante a exposição da verdade, não te esquives à meditação sobre as luzes que recebes.

Quem fita o céu, de relance, sem contemplá-lo, não enxerga as
estrelas; e quem ouve uma sinfonia, sem abrir-lhe a acústica da alma, não lhe percebe as notas divinas.

Debalde escutarás a palavra inspirada de pregadores ardentes, se não descerrares o coração para que o teu sentimento mergulhe na claridade bendita daquela.

Inúmeros seguidores do Evangelho se queixam da incapacidade de retenção dos ensinos da Boa Nova, afirmando-se ineptos à frente das novas revelações, e isto porque não dispensam maior trato à lição ouvida, demorando-se longo tempo na província da distração e da leviandade.

Quando a câmara permanece sombria, somos nós quem desata o ferrolho à janela para que o sol nos visite.

Dediquemos algum esforço à graça da lição e a lição nos responderá com as suas graças.

O apóstolo dos gentios é claro na observação. "Considera o que te digo, porque, então, o Senhor te dará entendimento em tudo."

Considerar significa examinar, atender, refletir e apreciar.

Estejamos, pois, convencidos de que, prestando atenção aos
apontamentos do Código da Vida Eterna, o Senhor, em retribuição à nossa boa-vontade, dar-nos-á entendimento em tudo.

Livro: Fonte Viva
Chico Xavier/Emmanuel

NO CAMPO FÍSICO

"Semeia-se corpo animal, ressuscitará corpo espiritual." - Paulo. (I CORÍNTIOS, 15:44.)

Ninguém menospreze a expressão animal da vida humana, a pretexto de preservar-se na santidade.

A imersão da mente nos fluidos terrestres é uma oportunidade de sublimação que o espírito operoso e desperto transforma em estruturação de valores eternos.

A sementeira comum é símbolo perfeito.

O gérmen lançado à cova escura sofre a ação dos detritos da terra, afronta a lama, o frio, a resistência do chão, mas em breve se converte em verdura e utilidade na folhagem, em perfume e cor nas flores e em alimento e riqueza nos frutos.

Compreendamos, pois, que a semente não estacionou. Rompeu todos os obstáculos e, sobretudo, obedeceu à influência da luz que a orientava para cima, na direção do Sol.

A cova do corpo é também preciosa para a lavoura espiritual, quando nos submetemos à lei que nos induz para o Alto.

Toda criatura provisoriamente algemada à matéria pode aproveitar o tempo na criação de espiritualidade divina.

O apóstolo, todavia, é muito claro quando emprega o termo "semeia-se". Quem nada planta, quem não trabalha na elevação da própria vida, coagula a atividade mental e rola no tempo à maneira do seixo que avança quase inalterável, a golpes inesperados da natureza.

Quem cultiva espinhos, naturalmente alcançará espinheiros.

Mas, o coração prevenido que semeia o bem e a luz, no solo de si mesmo, espere, feliz, a colheita da glória espiritual.

E N T R E I R M Ã O S
Olympia Belém (Espírito)[1]

Estes são tempos desafiadores para todos os que buscam um mundo melhor, onde reine o amor, onde pontifique a fraternidade, onde possam florir os mais formosos sentimentos nos corações.
Anelamos por dias em que a esperança, há tanto tempo acariciada, possa converter-se em colheita de progressos e de paz.
Sonhamos com esse alvorecer de uma nova era em que o Espiritismo, transformado em religião do povo, apresentando Jesus às multidões, descrucificado e vivo, possa modificar as almas, para que assumam seu pujante papel de filhas de Deus no seio do mundo.
Entrementes, não podemos supor que esses ansiados dias estejam tão próximos, quando verificamos que há, ainda, tanta confusão nos relacionamentos, tanta ignorância nos entendimentos, tanta indiferença e ansiedade nos indivíduos, como se vendavais, tufões, tormentas variadas teimassem em sacudir o íntimo das criaturas, fazendo-as infelizes.
A fim de que os ideais do Cristo Jesus alcancem a Terra, torna-se indispensável o esforço daqueles que, tendo ouvido o cântico doloroso do Calvário, disponham-se a converter suas vidas na madrugada luminosa do Tabor.
O mundo terreno, sob ameaças de guerras e sob os rufares da violência, em vários tons, tem urgência do Mestre de Nazaré, ainda que O ignore em sua marcha atordoada, eivada do materialismo que o fascina, que o domina e que o faz grandemente desfigurado, por faltar sentido positivo e digno no uso das coisas da própria matéria.
Na atualidade, porém, com as advertências da Doutrina dos Espíritos, com essa luculenta expressão da misericórdia de Deus para com Seus filhos terrenos, tudo se torna menos áspero, tudo se mostra mais coerente, oferecendo-nos a certeza de que, no planeta, tudo está de conformidade com a lei dos merecimentos, com as obras dos caminheiros, ora reencarnados, na estrada da suspirada libertação espiritual.
"A cada um segundo as suas obras" aparece como canto de justiça e esperança, na voz do Celeste Pastor.
Hoje, reunidos entre irmãos, unimo-nos aos Emissários destacados do movimento de disseminação da luz sobre as brumas terráqueas, e queremos conclamar os queridos companheiros, aqui congregados, a que não se permitam atormentar pelos trovões que se fazem ouvir sobre as cabeças humanas, ameaçadores, tampouco esfriar o bom ânimo, considerando que o Cristo vela sempre. Que não se deixem abater em razão de ainda não terem, porventura, alcançado as excelentes condições para o ministério espírita, certos de que o tempo é a magna oportunidade que nos concede o Senhor. Que ponham mãos à obra, confiantes e vibrantes, certos de que os verdadeiros amigos de Jesus caminham felizes, apesar das lutas e das lágrimas, típicas ocorrências das experiências, das expiações e das provas.
Marchemos devotados, oferecendo, na salva da nossa dedicação, o melhor que o Espiritismo nos ensina, o melhor do que nos apresenta para os que se perdem nas alamedas do medo, da desesperança e da ignorância a nossa volta.
Hoje, entre os amigos espíritas, encontramos maior ânimo para a superação dos nossos próprios limites, o que configurará, ao longo do tempo a superação dos limites do nosso honroso Movimento Espírita.
Sejamos pregadores ou médiuns, evangelizadores, escritores ou servidores da assistência social, não importa. Importa que nos engajemos, todos, nos labores do Codificador, plenificando-nos da grande honra de cooperar com os excelsos interesses do Insuperado Nazareno.
O tempo é hoje, queridos irmãos. O melhor é o agora, quando nos entrelaçamos para estudar, confraternizar e louvar a Jesus com os corações em clima festivo.
Certos de que o Espiritismo é roteiro de felicidade e bandeira de luz, que devemos içar bem alto sobre o dorso do planeta, abracemo-nos e cantemos, comovidos: Louvado seja Deus! Louvado seja Jesus!
Com extremado carinho e votos de crescente progres­so para todos, em suas lidas espiritistas, quero despedir-me sempre devotada e servidora pequenina.
Olympia Belém.

[1]
- Mensagem psicografada pelo médium J. Raul Teixeira no dia 03.09.95, no encerramento da X Confraternização Espírita do Estado do Rio de Janeiro.

O TEMPO

“Aquele que faz caso do dia, patrão Senhor o faz.” — Paulo. (ROMANOS, capítulo 14, versículo 6.)

A maioria dos homens não percebe ainda os valores infinitos do tempo.
Existem efetivamente os que abusam dessa concessão divina. Julgam que a riqueza dos benefícios lhes é devida por Deus.
Seria justo, entretanto, interrogá-los quanto ao motivo de semelhante presunção.
Constituindo a Criação Universal patrimônio comum, é razoável que todos gozem as possibilidades da vida; contudo, de modo geral, a criatura não medita na harmonia das circunstâncias que se ajustam na Terra, em favor de seu aperfeiçoamento espiritual.
É lógico que todo homem conte com o tempo, mas, se esse tempo estiver sem luz, sem equilíbrio, sem saúde, sem trabalho?
Não obstante a oportunidade da indagação, importa considerar que muito raros são aqueles que valorizam o dia, multiplicando-se em toda parte as fileiras dos que procuram aniquilá-lo de qualquer forma.
A velha expressão popular “matar o tempo” reflete a inconsciência vulgar, nesse sentido.
Nos mais obscuros recantos da Terra, há criaturas exterminando possibilidades sagradas. No entanto, um dia de paz, harmonia e iluminação, é muito importante para o concurso humano, na execução das leis divinas.
Os interesses imediatistas do mundo clamam que o “tempo é dinheiro”, para, em seguida, recomeçarem todas as obras incompletas na esteira das reencarnações... Os homens, por isso mesmo, fazem e desfazem, constroem e destroem, aprendem levianamente e recapitulam com dificuldade, na conquista da experiência.
Em quase todos os setores de evolução terrestre, vemos o abuso da oportunidade complicando os caminhos da vida; entretanto, desde muitos séculos, o apóstolo nos afirma que o tempo deve ser do Senhor.

Livro: Caminho Verdade e Vida.
Chico Xavier/Emmanuel.

NISTO CONHECEREMOS

"Nisto conhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro." (I JOÃO, 4:6.)

Quando sabemos conservar a ligação com a Paz Divina, apesar de todas as perturbações humanas, perdoando quantas vezes forem necessárias ao companheiro que nos magoa; esquecendo o mal para construir o bem; amparando com sinceridade aos que nos aborrecem; cooperando espiritualmente, através da ação e da oração, a benefício dos que nos perseguem e caluniam; olvidando nossos desejos particulares para servirmos em favor de todos; guardando a fé no Supremo Poder como luz inapagável no coração; perseverando na bondade construtiva, embora mil golpes da maldade nos assediem; negando a nós mesmos para que a bênção divina resplandeça em torno de nossos passos; carregando nossas dificuldades como dádivas celestes; recebendo adversários por instrutores; bendizendo as lutas que nos aperfeiçoam a alma, à frente da Esfera Maior; convertendo a experiência terrena em celeiros de alegrias para a Eternidade; descortinando ensejos de servir em toda parte; compreendendo e auxiliando sempre, sem a preocupação de sermos entendidos e ajudados; amando os nossos semelhantes qual temos sido amados pelo Senhor, sem expectativa de recompensa; então, conheceremos o espírito da verdade em nós, iluminando-nos a estrada para a redenção divina.

DOUTRINAÇÕES

"Mas não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos, antes, por estarem os vossos nomes escritos nos céus." — Jesus. (LUCAS, capítulo 10, versículo 20.)

Freqüentemente encontramos novos discípulos do Evangelho exultando de contentamento, porque os Espíritos perturbados se lhes sujeitam.

Narram, com alegria, os resultados de sessões empolgantes, nas quais doutrinaram, com êxito, entidades muita vez ignorantes e perversas.

Perdem-se muitos no emaranhado desses deslumbramentos e tocam a multiplicar os chamados "trabalhos práticos", sequiosos por orientar, em con-tactos mais diretos, os amigos inconscientes ou infelizes dos planos imediatos à esfera carnal.

Recomendou Jesus o remédio adequado a situações semelhantes, em que os aprendizes, quase sempre interessados em ensinar os outros, esquecem, pouco a pouco, de aprender em proveito próprio.

Que os doutrinadores sinceros se rejubilem, não por submeterem criaturas desencarnadas, em desespero, convictos de que em tais circunstâncias o bem é ministrado, não propriamente por eles, em sua feição humana, mas por
emissários de Jesus, caridosos e solícitos, que os utilizam à maneira de canais para a Misericórdia Divina; que esse regozijo nasça da oportunidade de servir ao bem, de consciência sintonizada com o Mestre Divino, entre as certezas
doces da fé, solidamente guardada no coração.

A palavra do Mestre aos companheiros é muito expressiva e pode beneficiar amplamente os discípulos inquietos de hoje.

Livro: Caminho Verdade e Vida.

Chico Xavier/Emmanuel.

FILHOS DA LUZ

FILHOS DA LUZ"Andai como filhos da luz." - Paulo.

(EFÉSIOS, 5:8.)Cada criatura dá sempre notícias da própria origem espiritual.

Os atos, palavras e pensamentos constituem informações vivas da zona mental de que procedemos.

Os filhos da inquietude costumam abafar quem os ouve, em mantos escuros de aflição.

Os rebentos da tristeza espalham o nevoeiro do desânimo.

Os cultivadores da irritação fulminam o espírito da gentileza com os raios da cólera.

Os portadores de interesses mesquinhos ensombram a estrada em que transitam, estabelecendo escuro clima nas mentes alheias.

Os corações endurecidos geram nuvens de desconfiança, por onde passam.

Os afeiçoados à calúnia e à maledicência distribuem venenosos quinhões de trevas com que se improvisam grandes males e grandes crimes.

Os cristãos, todavia, são filhos da luz.E a missão da luz é uniforme e insofismável.Beneficia a todos sem distinção.

Não formula exigências para dar.Afasta as sombras sem alarde.

Espalha alegria e revelação crescentes.Semeia renovadas esperanças.Esclarece, ensina, ampara e irradia-se.

Vinha de Luz

Chico Xavier/André Luiz


QUEM LÊ, ATENDA

"Quem lê, atenda." - Jesus. (MATEUS, 24:15.)

Assim como as criaturas, em geral, converteram as produções sagradas da Terra em objeto de perversão dos sentidos, movimento análogo se verifica no mundo, com referência aos frutos do pensamento.

Freqüentemente as mais santas leituras são tomadas à conta de tempero emotivo, destinado às sensações renovadas que condigam com o recreio pernicioso ou com a indiferença pelas obrigações mais justas.

Raríssimos são os leitores que buscam a realidade da vida.

O próprio Evangelho tem sido para os imprevidentes e levianos vasto campo de observações pouco dignas.

Quantos olhos passam por ele, apressados e inquietos, anotando deficiências da letra ou catalogando possíveis equívocos, a fim de espalharem sensacionalismo e perturbação? Alinham, com avidez, as contradições aparentes e tocam a malbaratar, com enorme desprezo pelo trabalho alheio, as plantas tenras e dadivosas da fé renovadora.

A recomendação de Jesus, no entanto, é infinitamente expressiva.

É razoável que a leitura do homem ignorante e animalizado represente conjunto de ignominiosas brincadeiras, mas o espírito de religiosidade precisa penetrar a leitura séria, com real atitude de elevação.

O problema do discípulo do Evangelho não é o de ler para alcançar novidades emotivas ou conhecer a Escritura para transformá-la em arena de esgrima intelectual, mas, o de ler para atender a Deus, cumprindo-lhe a Divina Vontade.

Livro; Vinha de Luz
Chico Xavier/Emmanuel