Trabalhemos todos, pela Unificação do movimento espírita!!

O Espiritismo é uma questão de fundo; prender-se à forma seria puerilidade indigna da grandeza do assunto. Daí vem que os centros que se acharem penetrados do verdadeiro espírito do Espiritismo deverão estender as mãos uns aos outros, fraternalmente, e unir-se para combater os inimigos comuns: a incredulidade e o fanatismo.”

“Dez homens unidos por um pensamento comum são mais fortes do que cem que não se entendam.”
Allan Kardec (Obras Póstumas – Constituição do Espiritismo – Item VI).



quinta-feira, 30 de abril de 2009

MIGUEL TAVARES DE GOUVEIA

Muito obrigado, amigo Miguel!

O movimento espírita brasileiro, e, mais precisamente o fluminense, ficou desfalcado de mais um de seus maiores e mais completos trabalhadores, não só pelas realizações que empreendeu em todo o estado do Rio de Janeiro e fora dele, como seminários, palestras, e variadas formas de divulgação da doutrina espírita, mas também e principalmente pelo conteúdo de conhecimentos de que era, ou melhor, é possuidor.

Posso dizer de coração, sem qualquer sombra de dúvidas que muito poucas pessoas tiveram o privilégio de conhecer tão profundamente a doutrina espírita como Miguel Tavares de Gouveia, mesmo muitos dos consagrados autores que são endeusados pelo movimento espírita, não se equiparam a esse ícone do espiritismo, que viveu a vida física sem alardes, sem qualquer prurido em prol de angariar qualquer tipo de fama, seguiu sempre sua linha de conduta pautada na simplicidade, na honestidade e na decência tão desprezadas nas atitudes de muitos espíritas de nossos dias.

Entre suas diversas atividades na divulgação de nossa doutrina da forma mais fiel possível ao contido na codificação, destacam-se entre outras a excelente maneira como dirigiu o Departamento de Mediunidade da antiga USEERJ, onde realizou inúmeros trabalhos de treinamento voltado às tarefas da mediunidade nas casas espíritas de o nosso estado, foi colaborador dedicado também na área doutrinária da antiga FEERJ, coisa que sabia fazer como poucos no mundo, devido ao cabedal de conhecimentos em profundidade de nossa doutrina espírita de que é possuidor, compilando diversas apostilas com fundamentos retirados das obras da codificação e das obras auxiliares de reconhecido conteúdo moral doutrinário, sobre variados assuntos de interesse da mediunidade, tais como: passes, atendimento fraterno, obsessões, reunião mediúnica dentre outras tantas, pelas quais é possível a quem assim desejar, uma adequada postura capaz de produzir os êxitos que se deseja alcançar em todas essas atividades espirituais nas casas espíritas, apostilas essas que muito têm sido utilizadas em instituições de todo o Brasil e em mais 25 outros países, por indicação de Divaldo Pereira Franco, dito pelo próprio Divaldo no Quitandinha em Petrópolis, quando da realização de um encontro que realizou naquela cidade serrana e do qual fui pessoalmente testemunha.

Não se deteve apenas na instituição a que mais se dedicou a UMEN – União da Mocidade Espírita de Niterói, onde foi presidente por muitos anos, sendo conhecido e respeitado por todos que o consideramos “Presidente de Honra” de nossa casa, mas também, a tantas quanto lhes solicitaram ajuda para implantação de tarefas na área da mediunidade e posso afirmar que não foram poucas, onde sempre se apresentou de boa vontade, prestando todo apoio que elas necessitavam, só se afastando quando a instituição já tinha capacidade de caminhar sem sua presença amiga.

Fundou em Itaipava o Grupo Espírita Bezerra de Menezes, levando para aquela cidade a primeira casa espírita, pois, até então, seus moradores eram obrigados a se deslocarem para Petrópolis se desejassem assistir a palestras e outras atividades espíritas, iniciativa essa tão feliz, que veio preencher o anseio daquela comunidade de ter em seus limites geográficos uma instituição espírita tornando-se então uma realidade para um número cada vez mais crescente de espíritas que a procuram.

Sua vida discreta e reta há de servir para nós outros, que tivemos o privilégio de conhecê-lo e com ele participar de estudos sérios e aprofundados durantes esses últimos 20 anos, nos quais conseguimos armazenar uma infinidade de informações e conteúdos desses estudos em que Miguel muito nos prestou esclarecimentos que jamais esqueceremos e que nos propiciou obter um conhecimento mais profundo da doutrina que esposamos.
Certo é que, se ficamos sem esse ícone em nossa esfera física, grande foi a festa pelo seu retorno à pátria espiritual, recebido pelos amigos discípulos de Jesus, como mais um trabalhador que retorna com suas obrigações cumpridas sem restrições, para receber o devido salário a que faz jus. Nós seus amigos, ficamos a rogar ao Mestre de Nazaré que o ilumine e guarde em sua doce paz, por todo o sempre.

Temos absoluta certeza, que onde quer que se encontre essa alma bondosa, estaremos sendo beneficiados por sua dedicação aos amigos para os quais sempre representou a mão amiga pelas quais aquele que precisasse poderia recorrer a qualquer hora.

Por tudo o que fez, pelos ensinos que ministrou com sabedoria e humildade, pelos exemplos de comportamento cristão que nos deixou, somos-te eternamente gratos, amigo Miguel.



Francisco Rebouças.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Nota de Falecimento!

Prezados amigos do movimento espírita do Estado do Rio de Janeiro, é com tristeza que cumpro o dever de comunicar a todos o falecimento do nosso querido amigo Miguel Tavares de Gouvea, conhecido trabalhador da U.M.E.N., e do movimento espírita de nosso estado, ocorrido hoje 28/04/09 por volta das 18 horas.
O Sepultamento será no Semitério "Parque da Colina" em Niterói, amanhã dia 29/04/09, às 15 horas.
Francisco Rebouças.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Estudando o Espiritismo

CAPÍTULO I
CARÁTER DA REVELAÇÃO ESPÍRITA
12. - O Espiritismo, dando-nos a conhecer o mundo invisível que nos cerca e no meio do qual vivíamos sem o suspeitarmos, assim como as leis que o regem, suas relações com o mundo visível, a natureza e o estado dos seres que o habitam e, por conseguinte, o destino do homem depois da morte, é uma verdadeira revelação, na acepção científica da palavra.

13. - Por sua natureza, a revelação espírita tem duplo caráter: participa ao mesmo tempo da revelação divina e da revelação científica. Participa da primeira, porque foi providencial o seu aparecimento e não o resultado da iniciativa, nem de um desígnio premeditado do homem; porque os pontos fundamentais da doutrina provêm do ensino que deram os Espíritos encarregados por Deus de esclarecer os homens acerca de coisas que eles ignoravam, que não podiam aprender por si mesmos e que lhes importa conhecer, hoje que estão aptos a compreendê-las. Participa da segunda, por não ser esse ensino privilégio de indivíduo algum, mas ministrado a todos do mesmo modo; por não serem os que o transmitem e os que o recebem seres passivos, dispensados do trabalho da observação e da pesquisa, por não renunciarem ao raciocínio e ao livre-arbítrio; porque não lhes é interdito o exame, mas, ao contrário, recomendado; enfim, porque a doutrina não foi ditada completa, nem imposta à crença cega; porque é deduzida, pelo trabalho do homem, da observação dos fatos que os Espíritos lhe põem sob os olhos e das instruções que lhe dão, instruções que ele estuda, comenta, compara, a fim de tirar ele próprio as ilações e aplicações. Numa palavra, o que caracteriza a revelação espírita é o ser divina a sua origem e da iniciativa dos Espíritos, sendo a sua elaboração fruto do trabalho do homem.

14. - Como meio de elaboração, o Espiritismo procede exatamente da mesma forma que as ciências positivas, aplicando o método experimental. Fatos novos se apresentam, que não podem ser explicados pelas leis conhecidas; ele os observa, compara, analisa e, remontando dos efeitos às causas, chega à lei que os rege; depois, deduz-lhes as conseqüências e busca as aplicações úteis. Não estabeleceu nenhuma teoria preconcebida; assim, não apresentou como hipóteses a existência e a intervenção dos Espíritos, nem o perispírito, nem a reencarnação, nem qualquer dos princípios da doutrina; concluiu pela existência dos Espíritos, quando essa existência ressaltou evidente da observação dos fatos, procedendo de igual maneira quanto aos outros princípios. Não foram os fatos que vieram a posteriori confirmar a teoria: a teoria é que veio subseqüentemente explicar e resumir os fatos. É, pois, rigorosamente exato dizer-se que o Espiritismo é uma ciência de observação e não produto da imaginação. As ciências só fizeram progressos importantes depois que seus estudos se basearam sobre o método experimental; até então, acreditou-se que esse método também só era aplicável à matéria, ao passo que o é também às coisas metafísicas.

15. - Citemos um exemplo. Passa-se no mundo dos Espíritos um fato muito singular, de que seguramente ninguém houvera suspeitado: o de haver Espíritos que se não consideram mortos. Pois bem, os Espíritos superiores, que conhecem perfeitamente esse fato, não vieram dizer antecipadamente: «Há Espíritos que julgam viver ainda a vida terrestre, que conservam seus gostos, costumes e instintos.» Provocaram a manifestação de Espíritos desta categoria para que os observássemos. Tendo-se visto Espíritos incertos quanto ao seu estado, ou afirmando ainda serem deste mundo, julgando-se aplicados às suas ocupações ordinárias, deduziu-se a regra. A multiplicidade de fatos análogos demonstrou que o caso não era excepcional, que constituía uma das fases da vida espírita; pode-se então estudar todas as variedades e as causas de tão singular ilusão, reconhecer que tal situação é sobretudo própria de Espíritos pouco adiantados moralmente e peculiar a certos gêneros de morte; que é temporária, podendo, todavia, durar semanas, meses e anos. Foi assim que a teoria nasceu da observação. O mesmo se deu com relação a todos os outros princípios da doutrina.

16. - Assim como a Ciência propriamente dita tem por objeto o estudo as leis do princípio material, o objeto especial do Espiritismo é o conhecimento das leis do principio espiritual. Ora, como este último principio é uma das forças da Natureza, a reagir incessantemente sobre o principio material e reciprocamente, segue-se que o conhecimento de um não pode estar completo sem o conhecimento do outro. O Espiritismo e a Ciência se completam reciprocamente; a Ciência, sem o Espiritismo, se acha na impossibilidade de explicar certos fenômenos só pelas leis da matéria; ao Espiritismo, sem a Ciência, faltariam apoio e comprovação. O estudo das leis da matéria tinha que preceder o da espiritualidade, porque a matéria é que primeiro fere os sentidos. Se o Espiritirsmo tivesse vindo antes das descobertas científicas, teria abortado, como tudo quanto surge antes do tempo.
Livro:
A Gênese - Cap. I, itens 12 a 16
Francisco Rebouças

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Filhos, responsabilidade nossa!

Uma das grandes responsabilidades que o ser humano recebe quando ainda no plano espiritual se prepara para mais uma etapa reencarnatória, está justamente a de aceitar a oportunidade de receber quando aqui estiver reencarnado, espíritos desequilibrados e carentes na qualidade de filhos, justamente para as necessárias orientações e os devidos carinhos de que se fizerem carentes, ajudando-os para o reajuste espiritual, pois, geralmente são espíritos com grandes necessidades e enormes dificuldades evolutivas.

A doutrina espírita nos oferece os ensinos ministrados pelos Espíritos Superiores que nos trouxeram os necessários esclarecimentos sobre o assunto, mostrando-nos a responsabilidade de todo aquele que recebe de Deus, a sublime tarefa da Paternidade e da Maternidade, e os benefícios ou malefícios de uma boa ou má criação desses seres entregues à nossa responsabilidade de pais.

"(...) Ó espíritas! compreendei agora o grande papel da Humanidade; compreendei que, quando produzis um corpo, a alma que nele encarna vem do espaço para progredir; inteirai-vos dos vossos deveres e ponde todo o vosso amor em aproximar de Deus essa alma; tal a missão que vos está confiada e cuja recompensa recebereis, se fielmente a cumprirdes. Os vossos cuidados e a educação que lhe dareis auxiliarão o seu aperfeiçoamento e o seu bem estar futuro. Lembrai-vos de que a cada pai e a cada mãe perguntará Deus: Que fizestes do filho confiado à vossa guarda? Se por culpa Vossa ele se conservou atrasado, tereis como castigo vê-lo entre os Espíritos sofredores, quando de vós dependia que fosse ditoso. Então, vós mesmos, assediados de remorsos, pedireis vos seja concedido reparar a vossa falta; solicitareis, para vós e para ele, outra encarnação em que o cerqueis de melhores cuidados e em que ele, cheio de reconhecimento, vos retribuirá com o seu amor.

Não escorraceis, pois, a criancinha que repele sua mãe, nem a que vos paga com a ingratidão; não foi o acaso que a fez assim e que vo-la deu. Imperfeita intuição do passado se revela, do qual podeis deduzir que um ou outro já odiou muito, ou foi muito ofendido; que um ou outro veio para perdoar ou para expiar. Mães! abraçai o filho que vos dá desgostos e dizei convosco mesmas: Um de nós dois é culpado. Fazei-vos merecedoras dos gozos divinos que Deus conjugou à maternidade, ensinando aos vossos filhos que eles estão na Terra para se aperfeiçoar, amar e bendizer. Mas oh! muitas dentre vós, em vez de eliminar por meio da educação os maus princípios inatos de existências anteriores, entretêm e desenvolvem esses princípios, por uma culposa fraqueza, ou por descuido, e, mais tarde, o vosso coração, ulcerado pela ingratidão dos vossos filhos, será para vós, já nesta vida, um começo de expiação.

A tarefa não é tão difícil quanto vos possa parecer. Não exige o saber do mundo. Podem desempenhá-la assim o ignorante como o sábio, e o Espiritismo lhe facilita o desempenho, dando a conhecer a causa das imperfeições da alma humana.

Desde pequenina, a criança manifesta os instintos bons ou maus que traz da sua existência anterior. A estudá-los devem os pais aplicar-se. Todos os males se originam do egoísmo e do orgulho. Espreitem, pois, os pais os menores indícios reveladores do gérmen de tais vícios e cuidem de combatê-los, sem esperar que lancem raízes profundas. Façam como o bom jardineiro, que corta os rebentos defeituosos à medida que os vê apontar na árvore. Se deixarem se desenvolvam o egoísmo e o orgulho, não se espantem de serem mais tarde pagos com a ingratidão. Quando os pais hão feito tudo o que devem pelo adiantamento moral de seus filhos, se não alcançam êxito, não têm de que se inculpar a si mesmos e podem conservar tranqüila a consciência. A amargura muito natural que então lhes advém da improdutividade de seus esforços, Deus reserva grande e imensa consolação, na certeza de que se trata apenas de um retardamento, que concedido lhes será concluir noutra existência a obra agora começada e que um dia o filho ingrato os recompensará com seu amor. (Cap. XIII, nº 19.)

Deus não dá prova superior às forças daquele que a pede; só permite as que podem ser cumpridas. Se tal não sucede, não é que falte possibilidade: falta a vontade. Com efeito, quantos há que, em vez de resistirem aos maus pendores, se comprazem neles. A esses ficam reservados o pranto e os gemidos em existências posteriores. Admirai, no entanto, a bondade de Deus, que nunca fecha a porta ao arrependimento. Vem um dia em que ao culpado, cansado de sofrer, com o orgulho afinal abatido, Deus abre os braços para receber o filho pródigo que se lhe lança aos pés. As provas rudes, ouvi-me bem, são quase sempre indício de um fim de sofrimento e de um aperfeiçoamento do Espírito, quando aceitas com o pensamento em Deus. E um momento supremo, no qual, sobretudo, cumpre ao Espírito não falir murmurando, se não quiser perder o fruto de tais provas e ter de recomeçar. Em vez de vos queixardes, agradecei a Deus o ensejo que vos proporciona de vencerdes, a fim de vos deferir o prêmio da vitória. Então, saindo do turbilhão do mundo terrestre, quando entrardes no mundo dos Espíritos, sereis aí aclamados como o soldado que sai triunfante da refrega". ¹

Cabe-nos, portanto, seguir as sábias orientações dos mensageiros celestes, e nos empenhar na nobre tarefa de encaminhar os nossos filhos para o crescimento e desenvolvimento das virtudes de que são portadores, enfrentando a tarefa da paternidade e da maternidade com responsabilidade, carinho e amor, certos de que Deus nos dará o justo salário ao final da obra que realizarmos sob suas bênçãos e a colaboração dos Espíritos Superiores.

Fonte:
1)E.S.E.- Cap.XIV, item 9.
2) Grifos nossos.

Francisco Rebouças.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Aproveitemos o hoje com sabedoria!

O Passado se foi, do futuro nada sabemos, por essa razão, hoje é o dia mais importante a ser vivido! E, foi por essa razão que a Soberana Sabedoria do Universo nos beneficiou com a benção do esquecimento das nossas ações do passado quase sempre desditosas, equivocadas e negativas, que só nos trariam enormes embaraços diante dos que nos estão à volta em mais esta oportunidade reencarnatória.

Sem o lenitivo benéfico que o esquecimento nos propicia, estaríamos com as perfeitas lembranças do mal que fizemos ou dos sofrimentos que nos causaram; dos inimigos que nos prejudicaram ou daqueles a quem prejudicamos, situação essa que nos deixaria profundamente desequilibrados sem qualquer condição de tê-los como familiares, amigos, etc. etc.

Isto porque como nos aclara a doutrina espírita, é através da reencarnação que nos relacionamos novamente com aqueles a quem tivemos por amigos ou inimigos do passado que hoje podem estar em nossa família como nossos pais, irmãos, filhos, amigos etc., em sublime oportunidade para que nos reconciliemos, pois, somos filhos do mesmo Pai, conseqüentemente irmãos em Deus.

Dessa forma, precisamos entender que tudo o que nos acontece na presente encarnação e que aparentemente nada fizemos por merecer, nesta oportunidade, tem uma causa anterior, isto é, são dívidas contraídas perante a Lei Maior de amor e caridade, pois, sendo Deus soberanamente bom e justo, impossível é que um filho seu possa ser injustiçado, pagar por aquilo que não deve, daí, se concluir que alguém que tem um filho ou um pai, ou qualquer outro familiar ou não, como entrave em sua vida, é que algo o prende a essa criatura por força das Leis que regem os destinos das criaturas tão bem resumidas por Jesus em: “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos”.

São as famílias, dádivas importantíssimas para a aproximação dos desafetos de outrora, onde podemos auxiliar e perdoar os que nos devem, ao mesmo tempo em que podemos também ser perdoados e auxiliados por aqueles a quem devemos, reatando os vínculos interrompidos por desavenças e incompreensões causadas pela ignorância que nos mantinha escravos do egoísmo e do orgulho, causadores de nossas infelicidades e dores.

Através da reencarnação Deus nos proporciona as necessárias oportunidades de que carecemos para a devida reparação dos equívocos de ontem, para que através do esforço no trabalho de burilamento individual, também podermos dar nossa parcela de contribuição para o progresso e crescimento do bem e da paz entre os homens, contribuindo dessa forma com nossa participação pequena mais necessária e imprescindível na tarefa de elevação moral espiritual nossa e do nosso planeta.

Precisamos cumprir o plano que traçamos com a ajuda dos amigos celestes, quando da nossa vinda para o plano da matéria, pois, todos nós ao reencarnarmos, trazemos um "planejamento de vida", no qual nos comprometemos a cumprir à risca os nossos compromissos assumidos perante a espiritualidade, e diante da necessidade de pacificação de nossa consciência atormentada, que tanto nos incomoda, e que nos cobra a urgente reparação do mal e a devida disposição de servir de instrumento do bem e da paz, como discípulos sinceros e operosos do Mestre de Nazaré.


Francisco Rebouças.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

ENTREVISTA

FRANCISCO REBOUÇAS – ESPIRITISTA, APRESENTA A ENTREVISTA CONCEDIDA COM EXCLUSIVIDADE POR GORETE NEWTON, DEDICADA TRABALHADORA DA SEARA ESPÍRITA NA SUIÇA.

Entrevista:

FR : Prezada Gorete Newton, como aconteceu o seu encontro com a doutrina espírita?
R: Foi no ano de 1985, na cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Eu passava por profundos transtornos psicológicos que me levaram a obsessão avassaladora. Uma longa história...
Certo dia minha mãe me levou (na marra) para um centro espíritta, o Caminho da redenção, onde conheci Divaldo Pereira Franco, e em menos de 24 horas fiquei curada.

FR: Qual a casa espírita que você freqüenta hoje?
R: Hoje, sou presidente e fundadora do CEEAK – Centro de estudos espíritas Allan Kardec em Winterthur, Kantão de Zurique, na Suíça.
FR: Como e porque aconteceu sua ida para Suíça?
R: A empresa onde meu marido trabalho o transferiu do Brasil para o México e do México para a Suíça.
FR: Que funções você exerce na atualidade no movimento espírita?
R: Nos últimos 4 anos, até o dia 22 de março deste ano, presidi a UCESS – União de Centros de Estudos espíritas na Suíça. Sou atualmente presidente de 3 associações, O CEEAK – Centros de Estudos espíritas Allan Kardec, a EDICEI Suisse que é a primeira Secção editorial internacional do CEI, conselho espírita internacional (A EDICEI Suisse foi fundada pelo CEI para beneficiar os Centros espíritas através da edição de obras em lingua alemã assim como distribuir os livros que são editados pela FEB e EDICEI), e também sou presidente do LICHTVERLAG (Editora Luz, que é responsável em editar nossos livros).
FR: Como começou sua ligação com o CEEAK - Centro de Estudos Espíritas Allan Kardec?
R: Desde 1992 quando cheguei em Winterthur comecei a freqüentar um grupo de estudos na casa de uma amiga em Zurique, a Senhora Suzana da Silva Maia, que era diplomata. Quando ela percebeu que iria ter que se transferir para outro país decidiu, muito sabiamente fundar um centro espírita para que o grupo não morresse quando ela fosse embora. Ela encontrou um pequeno porão, alugou com a ajuda de alguns de nós e oficialisou a AFFA, Associação filosófica espírita Francisco de Assis. Quando ela decidiu mudar-se para Trinidad Tobago me convidou para ser Diretora de assuntos filosóficos do centro ao que aceitei profundamente emocionada. Trabalhei na AFFA até 1998 quando fiquei grávida do meu terceiro filho. A AFFA já se encontrava consolidada e tínhamos já muitos trabalhadores de confiança e aptos a seguir com o trabalho, foi quando decidi fundar o CEEAK em Winterthur, cidade onde sempre residi.
FR: Como está o movimento espírita na Suíça?
R: Somos 9 centros espíritas dos quais 8 se encontram congregados em nossa União, UCESS. O movimento é lento, mas sólido e bem estruturado.
FR: Em que outros países da Europa você vê o espiritismo em crescimento?
R: O trabalho espírita na Europa será crescente proporcionalmente às publicações que venham a ser feitas nas linguas de cada país. O movimento em Portugal é grande, pois é enorme a gama de informações e literatura, assim como na Espanha. Depois vem a França e em seqüencia a Alemanha e a Suíça. Nos outros países ainda é um trabalho muito mais hercúleo, exigindo corajosos e abnegados irmãos que não se deixam desestimular pelas dificuldades. Mas mesmo com toda a dificuldade o movimento é crescente. E com o início das atividades do CEI tudo foi se solidificando pois temos a oportunidade de nos encontrarmos e trocar experiências, uns incentivando os outros.
FR: Qual a maior dificuldade de praticar o espiritismo fora do Brasil?
R: Somos sementes espalhadas ao vento, Jesus nos sopra, e caimos em terras diferentes. Às vezes encontramos um canto fértil que nos possibilita brotar. Às vezes caímos sobre pedras e não desistimos, buscamos as brechas onde possamos removê-las, mas brotamos!
A maior barreira é a literatura nas linguas nativas, mas como é necessário adubar a terra Jesus envia Brasileiros que mesmo sem literatura para o povo de alguns países, não se deixam abater e estudam entre si, arando a terra que se tornará fertil um dia, e as sementes em muitos pontos serão plantadas pelos filhos que sairão destes trabalhos feitos entre nós mesmos. Não acho que haja dificuldade em praticar o espiritismo, há dificuldade em vencermos a nós mesmos.

FR: Existem muitas divergências em termos de interpretação da mensagem espírita, em sua opinião porque isso ocorre se os ensinamentos espíritas são tão claros?
R: Sobre as divergências elas ocorrem mais pelas falhas dos que disseminam a doutrina do que pela interpretação da doutrina como um todo. A doutrina espírita é muito clara nas obras básicas, mas nós já temos uma experiência de 150 anos que nos levou a criar novos critérios, principalmente em relação à parte prática, com o auxílio da literatura complementar enviada pelos espíritos. Aí o que interfere é o EGO de cada um, e a falta de ponderação. Somos sempre os mesmo... cada um ainda quer ser dono da verdade e se esquece de abrir mão de pontos de vista pessoais em prol de uma difusão equilibrada e harmônica.
Acho que se evitássemos polêmicas e discussões infrutíferas avançaríamos mais. Muitos que polemizam o tempo todo, gritando para cima e pra baixo deveriam calar-se, para o bem da obra.

FR: Existem muitos grupos de estudos da doutrina espírita na Suíça?
R: Já respondi acima. Somos 9 Grupos.
FR: O Suíço está aceitando bem os postulados de nossa doutrina, ou o movimento espírita na Suíça ainda é constituído quase que exclusivamente por brasileiros aí radicados?
R: A escola preparada para a difusão do espiritismo no mundo é o Brasil. Nós, ex-europeus, ex-americanos, ex-asiáticos etc... renascemos lá para darmos continuidade ao nosso compromisso com Jesus, de absorver na prática, como encarnados, através da convivência com um dos povos mais amorosos e tolerantes do mundo, os arroubos do desprendimento e da abnegação, que vivenciamos a cada dia em nossa encarnação nos dias vividos no Brasil. Lá que tivemos contato com a fé singela e inquebrantável em Deus, com a alegria que muitas vezes brilha nos rostos da miséria. Tudo isso, teríamos que levar em nossa mala existencial, para que a Doutrina espírita entre não só no raciocínio dos povos, mas também em seus corações sedentos de fé e amor.
FR: Quais foram as maiores conquistas de sua dedicação ao movimento espírita ?
R: Muitas me encheram o coração de alegrais que não se podem descrever. Mas a primeira foi ver um suíço, que não fala uma palavra de portugues, mas é casado com uma brasileira, fazer sua primeira palestra em nosso centro, em alemão, ele é um doce de criatura, cientista, e foi o primeiro suíço de fala alemã a fazer uma palestra em nosso centro. Tínhamos até então a contribuição valoroza de nossa irmã Edith Burkhard, mas ela viveu e estudou no Brasil, é diferente, mas ele o Urs não, ele começou estudando com ela e realizou um sonho que eu acalentei por muitos anos. Depois veio mais! Nosso segundo encontro espírita na Suíça, foi aberto pela palestra de Oliver Sprenger, que nem mulher brasileira tem! Ele subiu no púlpito e começou a falar: Nós espíritas na Suíça... eu me debulhei e orei a Jesus em agradecimento pelo que ouvia.
Mas a mais linda foi ver uma de nossas filhas, que era uma criança quando chegamos e hoje está com 23 anos, a Luciana Camenisch, fazer sua primeira palestra com o tema o Suicídio na visão espírita, em alemão.
Tudo isso significa que a semente plantada, já começa a eclodir, e minha alma se alegra. Se amanhã eu faltar, irei em paz, pois cumpri o meu dever. Com a ajuda de abnegados irmãos que trabalham incansávelmente ao meu lado.

FR: Quais são os maiores desafios a conquistar?
R: Publicar livros na lingua alemã. É o maior de todos.
FR: O que você diria a quem lhe pedisse orientação de obras para iniciar no conhecimento do espiritismo?
R: Leiam as obras de Kardec, primeiro o livro dos espíritos, depois o evangelho e depois os outros. Leiam as obras de André Luiz e Emmanuel, e iluminem-se com Joanna de Angelis também, para que possam saber depois distinguir o que é espiritismo do que não é.

FR: O aborto continua sendo o assunto mais discutido no meio espírita no momento, de que maneira nós espíritas podemos contribuir para evitar esse crime?
R: Este é um grande problema da humanidade. Nós só temos uma saída, educar para amar. Tudo começa em casa. As leis humanas são falhas, mas a educação de nossos filhos é a maior contribuição que podemos dar para que estes crimes parem de acontecer. Muitos de nossos filhos serão apoio para seus amigos e amigas, e quem sabe salvarão vidas com poucas palavras. Instruamos na casa espírita a criança e o Jovem, pois somente eles poderão mudar o mundo através dos próprios atos.
FR: Porque nos dias de hoje, 2009 anos após Jesus nos trazer suas mensagens de amor e respeito ao próximo, o ser humano ainda não pratica seus ensinamentos?
R: Porque a Natureza não dá saltos e porque estamos falhando na educação de nossos filhos. Queremos que eles sejam exitosos alunos das escolas para terem um bom emprego, ou serem ricos para poder comprar tudo. Mas esquecemos de ensinar o amor a Deus, a necessidade de lutarmos contra o egoísmo e contra o orgulho. E o pior, muitos ensinamos com palavras mas desensinamos com os próprios atos. O exemplo é tudo!
FR: Quais seus projetos para o futuro?
R: Aprender a amar o meu próximo como a mim mesma. E tentar trazer mais livros em lingua alemã para a Europa.
FR: Amiga, quero agradecê-la de coração, pela maneira tão gentil com que você nos tem enviado as notícias do movimento espírita aí na Suíça e na Europa como um todo.
R: Eu é quem agradeço de coração a oportunidade de responder à esta entrevista.
FR: Gorete Newton, estamos desde há muito, apoiando a campanhaOnde estão as crianças filhas de pais espíritas? Vamos evangelizar os "pequeninos"? Que visa o incentivo da evangelização infantil no Estado do Rio de Janeiro, e, temos recebido muitas informações do Brasil todo de que muitas casas espíritas que não tinham esse trabalho começaram a partir de nosso incentivo. Existe esse trabalho de evangelização da infância e juventude aí na Suíça?
R: Graças a uma alma dedicada, chamada Arlete Länzlinger, temos um belo trabalho sendo desenvolvido em nosso centro, mas outros centros também já tem evangelização, sobressaindo-se o ESTESIA de Berna que tem já há muitos anos um belo trabalho com os jóvens.
FR: Os amigos suíços, levam os filhos aos centros?
R: Sim, temos muitas crianças e jóvens.
FR: Gorete Newton, o que você gostaria de ter respondido e que não te perguntei?
R: Acho que não me perguntaria mais nada. Obrigada por tudo.
FR: Prezada amiga, estaremos sempre à disposição para colaborar na divulgação do que for necessário em prol do crescimento da doutrina espírita, fique à vontade para nos contatar sempre que desejar.
R: Ao que agradeço profundamente e me coloco à disposição para o que esteja a meu alcance.
FR: Para encerrar, gostaria que você deixasse registrada sua mensagem a toda família espírita brasileira, através do nosso Blog espírita.
R: Sejamos pais, sejamos mães. Paremos para olhar o que nossos filhos nos querem dizer. Olhemos nossos filhos nos olhos quando eles falam conosco. Prestemos atenção para sermos verdadeiros amigos de nossos filhos. Educar exige observação, dedicação e abnegação, mas também energia e coragem para as horas em que tenhamos que colocar limites. Sejamos firmes, mas nunca cruéis. Sejamos amor mas nunca permissivos por comodidade. Eduquemos nossos filhos para que se tornem homens de bem, como prega o evangelho segundo o espiritismo, e não pessoas que tenham que, a todo custo, serem melhores que as outras. Eduquemos nossos filhos para serem honestos e se envergonhar dos que roubam e prejudicam a sociedade, mas nunca os eduquemos para que desprezem ou se vinguem. Eduquemos nossos filhos para serem amigos de todos sem distinção, para que não venhamos a ser surpreendidos pelos crimes cometidos por jovens que estamos presenciando todos os dias. O desprezo gera o criminoso.
Tudo isso depende de como nós, pais, mesmos somos.
Sejamos exemplos de homens de bem, pois nossos filhos o serão também.

FR: Agradecemos a Gorete Newton, pela gentileza em atender á nossa solicitação para esta entrevista, e rogamos ao Mestre de Nazaré que a guarde em sua paz, hoje e sempre.
Muito obrigada pela oportunidade desta troca. Que Jesus nos cuide a todos.
Saudações fraternais desde Nova Iorque onde me encontro respondendo esta entrevista.
Abraço a todos os irmãos de ideal espírita rogando para que nos incluam em suas preces.
Carinhosamente,
Gorete Newton


Francisco Rebouças.

terça-feira, 14 de abril de 2009

A Doença do Consumo

A Revista Época, trouxe em uma de suas edições passadas uma matéria da escritora Americana de 60 anos, Vicki Robin, graduada pela Universidade Brown, autora do livro “Seu Dinheiro ou Sua Vida”, já traduzido para dez idiomas, em que ela analisa o problema do consumismo desenfreado que desequilibra a vida de muitas das suas vítimas, pelo descontrole que toma conta do indivíduo.

Uma das fundadoras do movimento Simplicidade Voluntária, a escritora americana prega a abstinência do luxo, o respeito ao meio ambiente e considera que o grande mal do planeta é o consumismo, alerta todos os que ouvem suas palestras, a não buscarem a felicidade nos shoppings, e pensar duas vezes para abrir a carteira e fazer os cálculos muito bem feitos, antes de comprar qualquer coisa, procurando verificar quantas horas de trabalho precisará para ganhar o dinheiro que se pretende gastar.

Inquirida sobre o porquê de se consumir tanto nos dias de hoje; respondeu: “Porque a cultura do consumismo vende a vergonha. Se a propaganda puder envergonhar alguém, terá um consumidor em potencial. As pessoas se envergonham de não ter algo. E correm às compras para cobrir essa vergonha imediatamente. Dessa forma, nossa cultura vende vergonha e sentimento de inferioridade. E ninguém quer ser inferior aos outros”.

Logo a seguir, explica como isso acontece: “As propagandas passam a idéia de que você é infeliz, gorda e feia. Ao comprar determinado produto, porém, poderá ser feliz, jovem, magra. E com namorado. Sutilmente, dizem que podem melhorar sua vida. Além disso, a cultura do consumo corta a ligação com a família. Quem tem amigos não consome tanto. Quando se tem família, tudo acontece ao redor dela. Longe de ambos, é preciso pagar por tudo. O consumismo cresce quando essas ligações são rompidas. O consumismo nos ensina que o mundo é morto, sem vida. Ele faz você se sentir sozinho. Por isso, tento re-conectar as pessoas entre si e com seu mundo interior”.

Quando, perguntada sobre se as pessoas são mais felizes por comprarem mais, ela assim se expressa: - “É o que chamamos de curva da felicidade. Quando você compra o que é necessário para sobreviver, há muita alegria em relação ao valor gasto. Quando é por conforto, a alegria é menor. Depois de certo ponto, comprar não dá mais felicidade. Tudo será lixo - coisas que você compra, mas que não lhe dão nada. Pode ser até mesmo uma casa”.

Em seguida, a escritora americana, responde de forma bem simples, a pergunta formulada pela citada revista, se é possível levar uma vida simples nas grandes cidades? Dizendo: “É uma vida com intenções, na qual a pessoa pensa em seus valores e no que é importante. É uma maneira de refletir sobre o que está acontecendo. Quem sonha muito não está refletindo. Se refletimos, podemos nos distanciar dos assuntos e ponderar melhor. Depois, voltamos ao curso normal da vida com mais consciência. Muitas vezes, numa sociedade consumista, as pessoas se dão conta de que têm muito, consomem muito, fazem tudo muito rápido e não têm horas suficientes para fazer o que realmente querem. É a doença do muito. O consumismo nos distrai e enche todas as horas do dia. Quando estamos cansados, não temos tempo sequer para pensar no que realmente queremos. Vida simples é viver com o suficiente, o essencial”.

Fala-nos ainda que as crianças de hoje começam a consumir muito cedo; enfocando que: - “A indústria de propaganda mira conscientemente as crianças. Sabe que, se as ensinam cedo a tomar Coca-Cola em vez de Pepsi, a vida inteira consumirão Coca-Cola sem se dar conta. As agências de propaganda sabem detalhes como o tom de vermelho de que uma criança de 2 anos gosta. As crianças ficam muito tempo em frente à televisão. Nos primeiros cinco anos, aprendem a realidade por meio da TV. Por isso é muito difícil uma pessoa, ao chegar aos 40, se dar conta de que algo que ela entende desde a infância como verdade não é verdade. A Coca-Cola vai ser melhor que a Pepsi para sempre”.

Alerta, a escritora americana, para o fato de as pessoas contaminadas pela peste do consumismo, nunca se darem conta disso, porque, – “O ser humano só descobre o que quer ao ver o que o outro tem. Nessa cultura da propaganda, vemos muita gente com muito mais que nós. O estilo de vida dos ricos está nas revistas. Disso surgem os desejos. Se você não pode ter algo, fica deprimido. Compra para não se sentir pior que o outro. É o que acontece com os negros americanos, que compram para ser como os brancos. Nos Estados Unidos, somos tão racistas que os negros se endividam para comprar as mesmas coisas que os brancos. Com isso, criam dívidas enormes”.

Em vista do exposto, é preciso se ter muita cautela em relação às nossas reais necessidades de consumo, para não sermos também vítimas desse mal que cresce de forma surpreendente a desgraçar a vida de inúmeras famílias de todas as classes sociais, com efeito maior e bem mais devastador naquelas de menor poder aquisitivo.

Por essa razão, cada vez mais nos certificamos do valor da mensagem espírita, que nos esclarece para os cuidados que precisamos tomar contra esse perigoso mal que infelicita a tantas criaturas em todo o mundo, justamente pela falta de observação para suas reais necessidades da vida, aumentando nosso entendimento e compreensão de que, não precisamos da grande maioria dos bens supérfluos que nos matamos para conseguir...

No livro Episódios Diários, a benfeitora Joanna de Ângelis, nos assevera:

O Consumismo atual responde por muitos problemas. As indústrias do supérfluo apresentam no mercado um sem-número de produtos desnecessários, que aturdem os indivíduos. Estimulados pela propaganda bem elaborada, desejam comprar, mesmo sem poder o que vêem, o que lhes é apresentado, numa volúpia crescente”.

Mais à frente esclarece: (...) consumismo é fantasia, transferência do necessário para o secundário. O consumidor que não reflete antes de adquirir, termina consumido pelas dívidas que o atormentam. Muita gente faz compras, por mecanismos de evasão.

(...) Insatisfeitas consigo mesmas, fogem adquirindo coisas mortas, e mais se perturbando. Confere a necessidade legítima, antes de te permitires o consumismo” .

Os Imortais da Vida Maior responderam a Allan Kardec, seus questionamentos sobre o assunto conforme segue:

Necessário e supérfluo

715. Como pode o homem conhecer o limite do necessário?

“Aquele que é ponderado o conhece por intuição. Muitos só chegam a conhecê-lo por experiência e à sua própria custa.”

716. Mediante a organização que nos deu, não traçou a Natureza o limite das nossas necessidades?

“Sem dúvida, mas o homem é insaciável. Por meio da organização que lhe deu, a Natureza lhe traçou o limite das necessidades; porém, os vícios lhe alteraram a constituição e lhe criaram necessidades que não são reais.”

717. Que se há de pensar dos que açambarcam os bens da Terra para se proporcionarem o supérfluo, com prejuízo daqueles a quem falta o necessário?

“Olvidam a lei de Deus e terão que responder pela privações que houverem causado aos outros.”
Nada tem de absoluto o limite entre o necessário e o supérfluo. A Civilização criou necessidades que o selvagem desconhece e os Espíritos que ditaram os preceitos acima não pretendem que o homem civilizado deva viver como o selvagem. Tudo é relativo, cabendo à razão regrar as coisas. A Civilização desenvolve o senso moral e, ao mesmo tempo, o sentimento de caridade, que leva os homens a se prestarem mútuo apoio. Os que vivem à custa das privações dos outros exploram, em seu proveito, os benefícios da Civilização. Desta têm apenas o verniz, como muitos há que da religião só têm a máscara.

Resta-nos, seguir os ensinamentos contidos na filosofia espírita, para entendermos que as coisas de fora não equacionarão nossos estados íntimos qualquer que seja nossa dificuldade, dão-nos a falsa impressão de que resolveremos nossas aflições, para em seguida nos mostrarem que são na verdade incapazes de nos dar a paz que buscamos de forma equivocada, e que só encontraremos com a disposição de fazer a nossa real modificação interior, na busca e no desenvolvimento dos valores morais espirituais que jazem latentes no imo do nosso ser, a espera da nossa disposição de utilizá-los.

Fontes:
Livro Episódios diários - Divaldo Pereira Franco - Joanna de Ângelis– Livraria Espírita “Alvorada” 1ª Edição- 25 Capítulo.

Livro dos Espíritos – Allan Kardec – FEB. 76ª Edição

Revista Época.
Francisco Rebouças.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Lançamento de livro

Caros amigos, mais um evento será realizado em Salvador/Bahia, trata-se do lançamento de mais uma obra espírita conforme segue:

No próximo dia 03/05 – no Centro de Convenções da Bahia – o médium Divaldo Franco irá realizar um Workshop para lançamento da mais nova obra do Espírito Joanna de Ângelis :

Em Busca da Verdade”.

Através da psicografia do médium Divaldo Franco, a veneranda entidade apresenta uma análise de belas parábolas do Evangelho, estabelecendo uma ponte com os ensinamentos da Psicologia e do Espiritismo.

O ingresso, que custa R$ 40,00, dá direito à obra.

Horário: 09:00 às 18:00 (com intervalo para o almoço das 12:00 às 14:30)
Locais de venda : Mansão do Caminho/Centro Espírita Caminho da Redenção; Centro Espírita Paulo e Estevão; Banca de Livros Espiritas - Ed. CAPEMI, térreo - próximo ao Iguatemi.

Informações: (71) 3409-8320 (Fátima) / (71) 9191-2884 / (71) 9145-7117.
Cordialmente,

Equipe Organizadora



Francisco Rebouças

sábado, 11 de abril de 2009

Mensagens espirituais

1 - IMPERATIVOS CRISTÃOS

Aprende — humildemente.
Ensina — praticando.
Administra — educando.
Obedece — prestativo.
Ama — edificando.
Teme — a ti mesmo.
Sofre — aproveitando.
Fala — construindo.
Ouve — sem malícia.
Ajuda — elevando.
Ampara — levantando.
Passa — servindo.
Ora — serenamente.
Pede — com juízo.
Espera — trabalhando.
Crê — agindo.
Confia — vigiando.
Recebe — distribuindo.
Atende — com gentileza.
Coopera — sem apego.
Socorre — melhorando.
Examina — salvando.
Esclarece — respeitoso.
Semeia — sem aflição.
Estuda — aperfeiçoando.
Caminha — com todos.
Avança — auxiliando.
Age — no bem geral.
Corrige — com bondade.
Perdoa — sempre.

Livro: Agenda Cristã
Chico Xavier/André Luiz
Francisco Rebouças

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Rádio Espírita

RÁDIO FRATERNIDADE


Prezados companheiros de lide espírita, o nosso amigo Rubens de Castro Filho, dedicado trabalhador da Seara Espírita, nos solicita a divulgação e a audiência para a Rádio Fraternidade a emissora do Bem na Internet, que se propõe a divulgação da doutrina espírita, conforme planejamento descrito abaixo:

"Além da música vamos reapresentar os programas gravados Fonte Viva de Luz e Elucidações Espíritas. Pretendemos fazer, via internet, novos programas ao vivo. Vamos ter também os programas Dimensão Espírita e Estudando o Espiritismo. As mensagens do Momento Espírita também estão na programação, bem como mensagens na voz do querido Chico Xavier.

Tem o espaço Conversando com Divaldo Franco em que aproveitamos o material bem produzido pela TV Mundo Maior e o Programa Transição. As palestras e seminários espíritas também terão vez (temos vários expositores, falando sobre temas variados). Além disso na programação teremos as rádio-novelas(Nosso Lar, Há 2000 anos, Sexo e Destino), os contos preparados pela equipe de Teatro Iluminarte, Momento de Prece, notícias, comentários e muito mais.

Para que o projeto realmente se transforme, consolide precisamos da sua ajuda. E a ajuda que VOCÊ pode dar é simples: DIVULGAÇÃO.

Nota: Estamos apoiando de coração mais essa bendita iniciativa dos nosso amigos de Uberlândia, e rogamos a Deus que a Rádio Fraternidade cresça e leve a consolação da doutrina espírita a todos os corações carentes da mensagem de Jesus por todo o planeta.

Saudações,
Francisco Rebouças.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Aborto, sinônimo de crime!

Rio, Niterói e o Brasil, todos contra o Aborto!

Caros amigos, não descansarei, enquanto essa indecente Lei que pode legalizar o crime mais covarde que a humanidade comete contra um Ser indefeso, tão filho de Deus quanto seu próprio assassino, que se julga dono de sua vida e do próximo, seja definitivamente banida de nossos códigos de ética, e jamais aceita como lei.

Quem pratica o sexo, deve ter consciência e responsabilidade para arcar com suas conseqüências, entre outras a criação do feto que se desenvolve no útero materno, não se justificando de forma alguma que alguém possa matá-lo quando bem desejar. ABORTO É CRIME!, e quem o pratica deve ser responsabilizado, e punido exemplarmente para deixar de ser tão cruel e covarde!!!

Os que querem a aprovação da Lei, na esmagadora maioria, visam uma única meta que se esconde por trás da defesa dos direitos da mulher, ou outro argumento qualquer, visam dar expansão aos seus instintos animalescos, com a legalização e normalização da prostituição em larga escala, sem que sejam envolvidos ou responsabilizados por quaisquer tipos de escândalos, pois, o aborto acobertaria seus crimes e práticas condenáveis contra menores.

Quaisquer que sejam as desculpas que engendrarem, para favorecer a essa tese indecente e desumana de legalização do aborto, não passarão de simples SOFISMAS, maldosamente arquitetados, por esses lobos devoradores.

Façamos, pois, todo o esforço possível ao nosso alcance, para que essa desgraça não se torne legal em nosso País.

Abaixo o aborto, e viva a vida.

Chega de crime, cadeia para os criminosos, esse o verdadeiro clamor da sociedade brasileira!

Veja matéria que segue sobre as manifestações contrárias à prática do aborto, da nossa sociedade fluminense.

No mês do lançamento de "O Livro dos Espíritos" (18 de abril de 1857), movimento espírita do Rio de Janeiro promove eventos com temática direito à vida. Os principais encontros são: 13 de abril, segunda-feira, a Universidade Federal Fluminense (UFF) abre espaço no "Debate de hoje" para falar sobre o aborto e suas conseqüências. Entre as questões a serem respondidas estão a inviolabilidade do direito à vida, aborto mal sucedido, se o aborto é uma questão de saúde pública, gravidez decorrente de estupro ou que ameaça a vida da gestante, fetos anencéfalos, se a mulher tem direito à escolha, se o aborto é uma questão de cunho religioso. Com entrada gratuita, o encontro acontecerá no Teatro da UFF, Rua Miguel de Frias, 9 (Icaraí), telefax (21) 2629-5030. Maiores Informações: http://www.centro/deartes.uff.br. O debate terá transmissão ao vivo pela Unitevê, o canal universitário de Niterói e São Gonçalo (17 NET) ou pela Internet www.uff.br/uniteve.

No dia 16 de abril, quinta-feira, durante o 6° mês da Cultura Espírita de Niterói, o 38º Conselho Espírita de Unificação de Niterói apresenta "Espiritismo em Defesa da Vida", em sessão solene do Dia do Livro Espírita, detalhes no cartaz anexo. Em 17 de abril, sexta-feira, 19 horas: "Ato Público de instalação da Frente Parlamentar em Defesa da Vida" na Câmara de Niterói, com presença da doutora Marlene Nobre, presidente da Associação Médico Espírita (AME) do Brasil e Internacional. O ato será realizado por iniciativa do Vereador Felipe Peixoto.

Francisco Rebouças.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Evento Internacional

Prezados irmãos, mais uma notícia enviada pela amiga Gorete Newton, sobre eventos que estão se realizando ou a por acontecer no continente Europeu. Desta feita será a presença de Divaldo Franco que realizará palestra que terá por tema: " Libertação do Sofrimento". Conforme cartaz ao lado.
Local: A palestra acontecerá no CEEAK.

Industriestrasse 8 - Winterthur - Suiça.

Data: Sábado, 30/05/2009.

Horário: de 19:30 às 22:00h.
Entrada livre.
Ficamos a rogar ao Mestre de Nazaré que tudo ocorra em paz, e agradecemos de coração a gentileza e o carinho da nossa amiga Gorete Newton, que sempre nos brinda com suas notícias.
Francisco Rebouças.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Espiritismo, espírita, espiritista

Caros amigos, é preciso estudar a doutrina espírita, para entender que espiritismo só existe na dificação de Allan Kardec, tudo o mais é espiritualismo.
Dessa forma, espírita só o é, aquele que segue o contido na codificação do espiritismo, da forma mais fiel ao seus postulados. Não façamos mais confusão, com os que não a seguem e se denominam espíritas, sem verdadeiramente serem, conforme contido na matéria que segue.
I N T R O D U Ç Ã O
ao estudo da
DOUTRINA ESPÍRITA
I

Para se designarem coisas novas são precisos termos novos. Assim o exige a clarezada linguagem, para evitar a confusão inerente à variedade de sentidos das mesmas palavras. Os vocábulos espiritual, espiritualista, espiritualismo têm acepção bem definida. Dar-lhes outra, para aplicá-los à doutrina dos Espíritos, fora multiplicar as causas já numerosas de anfibologia.
Com efeito, o espiritismo é o oposto do materialismo. Quem quer que acredite haver em si alguma coisa mais do que matéria, é espiritualista. Não se segue daí, porém, que creia na existência dos Espíritos ou em suas comunicações com o mundo visível. Em vez das palavras espiritual, espiritualismo, empregamos, para indicar a crença a que vimosde referir-nos, os termos espírita e espiritismo, cuja forma lembra a origem e o sentidoradical e que, por isso mesmo, apresentam a vantagem de ser perfeitamente inteligíveis,deixando ao vocábulo espiritualismo a acepção que lhe é própria. Diremos, pois, que adoutrina espírita ou o Espiritismo tem por princípio as relações do mundo material com os Espíritos ou seres do mundo invisível.
Os adeptos do Espiritismo serão os espíritas, ou, se quiserem, os espiritistas. Como especialidade, o Livro dos Espíritos contém a doutrina espírita; comogeneralidade, prende-se à doutrina espiritualista, uma de cujas fases apresenta. Essa a razão porque traz no cabeçalho do seu título as palavras: Filosofia espiritualista.
Fonte:
O Livro dos Espíritos - Introdução I
Francisco Rebouças

Brasil coração do mundo...

https://youtu.be/_a9tpJnGcbw

Homenagem a Chico Xavier

Haroldo Dias Dutra - As cartas de Paulo

Haroldo Dutra - Jesus o Médico da Almas

https://youtu.be/Uk7OUvyGCZU



Divaldo Franco

https://youtu.be/OVbstbRFs9M

Entrevista sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis...

Reencarnação é uma realidade

Palestra O trabalho no Bem - Cristiane Parmiter

Palestra: As Leis Divinas e nós - Cristiane Parmiter

Palestra: Benevolência - Cristiane Parmiter

Palestra: Jesus e o Mundo - Cristiane Parmiter

Palestra: A Dinâmica do Perdão - Cristiane Parmiter

Palestra: Perante Jesus - Cristiane Parmiter

Palestra AVAREZA - Cristiane Parmiter

Palestra Obediência Construtiva - Cristiane Parmiter

Palestra Tribulações - Cristiane Parmiter

Palestra Conquistando a Fé - Cristiane Parmiter

Palestra Humildade e Jesus - Cristiane Parmiiter

Palestra Renúncia - Cristiane Parmiter

Rádios Brasil

Simplesmente Espetacular!!!

Professora Amanda Gurgel

Andrea Bocelli & Sarah Brightman - Time To Say Goodbye

De Kardec aos dias de hoje

Madre Teresa

As Mães de Chico Xavier

Reencarnação - Menino Piloto

http://www.youtube.com/embed/cQ2ZqUCKDow" frameborder="0" allowfullscreen>

Muitas Vidas

Espiritismo: família de Andrea Maltarolli mantém contato com a autora - Mais Você - GLOBO

Divaldo Franco

ESPIRITISMO - CHICO XAVIER - REPORTAGEM DO FANTASTICO - OS SEGREDOS DE CHICO

Entrevista com Divaldo Franco

Sobre Emmanuel, Joanna de Ângelis, e muito mais, confira. 1ª Parte 2ª Parte

Oração de Gratidão - Divaldo Franco

Chico Xavier

Chico Xavier no Fantástico

Chico Xavier (2010) trailer oficial

Página de Mensagens

Nesta página estarei lançando variadas páginas de conteúdo edificante para nosso aprendizado.

Francisco Rebouças.

1-ANTE A LIÇÃO

"Considera o que te digo, porque o Senhor te dará entendimento em tudo".- Paulo. II TIMÓTEO. 2:7.

Ante a exposição da verdade, não te esquives à meditação sobre as luzes que recebes.

Quem fita o céu, de relance, sem contemplá-lo, não enxerga as
estrelas; e quem ouve uma sinfonia, sem abrir-lhe a acústica da alma, não lhe percebe as notas divinas.

Debalde escutarás a palavra inspirada de pregadores ardentes, se não descerrares o coração para que o teu sentimento mergulhe na claridade bendita daquela.

Inúmeros seguidores do Evangelho se queixam da incapacidade de retenção dos ensinos da Boa Nova, afirmando-se ineptos à frente das novas revelações, e isto porque não dispensam maior trato à lição ouvida, demorando-se longo tempo na província da distração e da leviandade.

Quando a câmara permanece sombria, somos nós quem desata o ferrolho à janela para que o sol nos visite.

Dediquemos algum esforço à graça da lição e a lição nos responderá com as suas graças.

O apóstolo dos gentios é claro na observação. "Considera o que te digo, porque, então, o Senhor te dará entendimento em tudo."

Considerar significa examinar, atender, refletir e apreciar.

Estejamos, pois, convencidos de que, prestando atenção aos
apontamentos do Código da Vida Eterna, o Senhor, em retribuição à nossa boa-vontade, dar-nos-á entendimento em tudo.

Livro: Fonte Viva
Chico Xavier/Emmanuel

NO CAMPO FÍSICO

"Semeia-se corpo animal, ressuscitará corpo espiritual." - Paulo. (I CORÍNTIOS, 15:44.)

Ninguém menospreze a expressão animal da vida humana, a pretexto de preservar-se na santidade.

A imersão da mente nos fluidos terrestres é uma oportunidade de sublimação que o espírito operoso e desperto transforma em estruturação de valores eternos.

A sementeira comum é símbolo perfeito.

O gérmen lançado à cova escura sofre a ação dos detritos da terra, afronta a lama, o frio, a resistência do chão, mas em breve se converte em verdura e utilidade na folhagem, em perfume e cor nas flores e em alimento e riqueza nos frutos.

Compreendamos, pois, que a semente não estacionou. Rompeu todos os obstáculos e, sobretudo, obedeceu à influência da luz que a orientava para cima, na direção do Sol.

A cova do corpo é também preciosa para a lavoura espiritual, quando nos submetemos à lei que nos induz para o Alto.

Toda criatura provisoriamente algemada à matéria pode aproveitar o tempo na criação de espiritualidade divina.

O apóstolo, todavia, é muito claro quando emprega o termo "semeia-se". Quem nada planta, quem não trabalha na elevação da própria vida, coagula a atividade mental e rola no tempo à maneira do seixo que avança quase inalterável, a golpes inesperados da natureza.

Quem cultiva espinhos, naturalmente alcançará espinheiros.

Mas, o coração prevenido que semeia o bem e a luz, no solo de si mesmo, espere, feliz, a colheita da glória espiritual.

E N T R E I R M Ã O S
Olympia Belém (Espírito)[1]

Estes são tempos desafiadores para todos os que buscam um mundo melhor, onde reine o amor, onde pontifique a fraternidade, onde possam florir os mais formosos sentimentos nos corações.
Anelamos por dias em que a esperança, há tanto tempo acariciada, possa converter-se em colheita de progressos e de paz.
Sonhamos com esse alvorecer de uma nova era em que o Espiritismo, transformado em religião do povo, apresentando Jesus às multidões, descrucificado e vivo, possa modificar as almas, para que assumam seu pujante papel de filhas de Deus no seio do mundo.
Entrementes, não podemos supor que esses ansiados dias estejam tão próximos, quando verificamos que há, ainda, tanta confusão nos relacionamentos, tanta ignorância nos entendimentos, tanta indiferença e ansiedade nos indivíduos, como se vendavais, tufões, tormentas variadas teimassem em sacudir o íntimo das criaturas, fazendo-as infelizes.
A fim de que os ideais do Cristo Jesus alcancem a Terra, torna-se indispensável o esforço daqueles que, tendo ouvido o cântico doloroso do Calvário, disponham-se a converter suas vidas na madrugada luminosa do Tabor.
O mundo terreno, sob ameaças de guerras e sob os rufares da violência, em vários tons, tem urgência do Mestre de Nazaré, ainda que O ignore em sua marcha atordoada, eivada do materialismo que o fascina, que o domina e que o faz grandemente desfigurado, por faltar sentido positivo e digno no uso das coisas da própria matéria.
Na atualidade, porém, com as advertências da Doutrina dos Espíritos, com essa luculenta expressão da misericórdia de Deus para com Seus filhos terrenos, tudo se torna menos áspero, tudo se mostra mais coerente, oferecendo-nos a certeza de que, no planeta, tudo está de conformidade com a lei dos merecimentos, com as obras dos caminheiros, ora reencarnados, na estrada da suspirada libertação espiritual.
"A cada um segundo as suas obras" aparece como canto de justiça e esperança, na voz do Celeste Pastor.
Hoje, reunidos entre irmãos, unimo-nos aos Emissários destacados do movimento de disseminação da luz sobre as brumas terráqueas, e queremos conclamar os queridos companheiros, aqui congregados, a que não se permitam atormentar pelos trovões que se fazem ouvir sobre as cabeças humanas, ameaçadores, tampouco esfriar o bom ânimo, considerando que o Cristo vela sempre. Que não se deixem abater em razão de ainda não terem, porventura, alcançado as excelentes condições para o ministério espírita, certos de que o tempo é a magna oportunidade que nos concede o Senhor. Que ponham mãos à obra, confiantes e vibrantes, certos de que os verdadeiros amigos de Jesus caminham felizes, apesar das lutas e das lágrimas, típicas ocorrências das experiências, das expiações e das provas.
Marchemos devotados, oferecendo, na salva da nossa dedicação, o melhor que o Espiritismo nos ensina, o melhor do que nos apresenta para os que se perdem nas alamedas do medo, da desesperança e da ignorância a nossa volta.
Hoje, entre os amigos espíritas, encontramos maior ânimo para a superação dos nossos próprios limites, o que configurará, ao longo do tempo a superação dos limites do nosso honroso Movimento Espírita.
Sejamos pregadores ou médiuns, evangelizadores, escritores ou servidores da assistência social, não importa. Importa que nos engajemos, todos, nos labores do Codificador, plenificando-nos da grande honra de cooperar com os excelsos interesses do Insuperado Nazareno.
O tempo é hoje, queridos irmãos. O melhor é o agora, quando nos entrelaçamos para estudar, confraternizar e louvar a Jesus com os corações em clima festivo.
Certos de que o Espiritismo é roteiro de felicidade e bandeira de luz, que devemos içar bem alto sobre o dorso do planeta, abracemo-nos e cantemos, comovidos: Louvado seja Deus! Louvado seja Jesus!
Com extremado carinho e votos de crescente progres­so para todos, em suas lidas espiritistas, quero despedir-me sempre devotada e servidora pequenina.
Olympia Belém.

[1]
- Mensagem psicografada pelo médium J. Raul Teixeira no dia 03.09.95, no encerramento da X Confraternização Espírita do Estado do Rio de Janeiro.

O TEMPO

“Aquele que faz caso do dia, patrão Senhor o faz.” — Paulo. (ROMANOS, capítulo 14, versículo 6.)

A maioria dos homens não percebe ainda os valores infinitos do tempo.
Existem efetivamente os que abusam dessa concessão divina. Julgam que a riqueza dos benefícios lhes é devida por Deus.
Seria justo, entretanto, interrogá-los quanto ao motivo de semelhante presunção.
Constituindo a Criação Universal patrimônio comum, é razoável que todos gozem as possibilidades da vida; contudo, de modo geral, a criatura não medita na harmonia das circunstâncias que se ajustam na Terra, em favor de seu aperfeiçoamento espiritual.
É lógico que todo homem conte com o tempo, mas, se esse tempo estiver sem luz, sem equilíbrio, sem saúde, sem trabalho?
Não obstante a oportunidade da indagação, importa considerar que muito raros são aqueles que valorizam o dia, multiplicando-se em toda parte as fileiras dos que procuram aniquilá-lo de qualquer forma.
A velha expressão popular “matar o tempo” reflete a inconsciência vulgar, nesse sentido.
Nos mais obscuros recantos da Terra, há criaturas exterminando possibilidades sagradas. No entanto, um dia de paz, harmonia e iluminação, é muito importante para o concurso humano, na execução das leis divinas.
Os interesses imediatistas do mundo clamam que o “tempo é dinheiro”, para, em seguida, recomeçarem todas as obras incompletas na esteira das reencarnações... Os homens, por isso mesmo, fazem e desfazem, constroem e destroem, aprendem levianamente e recapitulam com dificuldade, na conquista da experiência.
Em quase todos os setores de evolução terrestre, vemos o abuso da oportunidade complicando os caminhos da vida; entretanto, desde muitos séculos, o apóstolo nos afirma que o tempo deve ser do Senhor.

Livro: Caminho Verdade e Vida.
Chico Xavier/Emmanuel.

NISTO CONHECEREMOS

"Nisto conhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro." (I JOÃO, 4:6.)

Quando sabemos conservar a ligação com a Paz Divina, apesar de todas as perturbações humanas, perdoando quantas vezes forem necessárias ao companheiro que nos magoa; esquecendo o mal para construir o bem; amparando com sinceridade aos que nos aborrecem; cooperando espiritualmente, através da ação e da oração, a benefício dos que nos perseguem e caluniam; olvidando nossos desejos particulares para servirmos em favor de todos; guardando a fé no Supremo Poder como luz inapagável no coração; perseverando na bondade construtiva, embora mil golpes da maldade nos assediem; negando a nós mesmos para que a bênção divina resplandeça em torno de nossos passos; carregando nossas dificuldades como dádivas celestes; recebendo adversários por instrutores; bendizendo as lutas que nos aperfeiçoam a alma, à frente da Esfera Maior; convertendo a experiência terrena em celeiros de alegrias para a Eternidade; descortinando ensejos de servir em toda parte; compreendendo e auxiliando sempre, sem a preocupação de sermos entendidos e ajudados; amando os nossos semelhantes qual temos sido amados pelo Senhor, sem expectativa de recompensa; então, conheceremos o espírito da verdade em nós, iluminando-nos a estrada para a redenção divina.

DOUTRINAÇÕES

"Mas não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos, antes, por estarem os vossos nomes escritos nos céus." — Jesus. (LUCAS, capítulo 10, versículo 20.)

Freqüentemente encontramos novos discípulos do Evangelho exultando de contentamento, porque os Espíritos perturbados se lhes sujeitam.

Narram, com alegria, os resultados de sessões empolgantes, nas quais doutrinaram, com êxito, entidades muita vez ignorantes e perversas.

Perdem-se muitos no emaranhado desses deslumbramentos e tocam a multiplicar os chamados "trabalhos práticos", sequiosos por orientar, em con-tactos mais diretos, os amigos inconscientes ou infelizes dos planos imediatos à esfera carnal.

Recomendou Jesus o remédio adequado a situações semelhantes, em que os aprendizes, quase sempre interessados em ensinar os outros, esquecem, pouco a pouco, de aprender em proveito próprio.

Que os doutrinadores sinceros se rejubilem, não por submeterem criaturas desencarnadas, em desespero, convictos de que em tais circunstâncias o bem é ministrado, não propriamente por eles, em sua feição humana, mas por
emissários de Jesus, caridosos e solícitos, que os utilizam à maneira de canais para a Misericórdia Divina; que esse regozijo nasça da oportunidade de servir ao bem, de consciência sintonizada com o Mestre Divino, entre as certezas
doces da fé, solidamente guardada no coração.

A palavra do Mestre aos companheiros é muito expressiva e pode beneficiar amplamente os discípulos inquietos de hoje.

Livro: Caminho Verdade e Vida.

Chico Xavier/Emmanuel.

FILHOS DA LUZ

FILHOS DA LUZ"Andai como filhos da luz." - Paulo.

(EFÉSIOS, 5:8.)Cada criatura dá sempre notícias da própria origem espiritual.

Os atos, palavras e pensamentos constituem informações vivas da zona mental de que procedemos.

Os filhos da inquietude costumam abafar quem os ouve, em mantos escuros de aflição.

Os rebentos da tristeza espalham o nevoeiro do desânimo.

Os cultivadores da irritação fulminam o espírito da gentileza com os raios da cólera.

Os portadores de interesses mesquinhos ensombram a estrada em que transitam, estabelecendo escuro clima nas mentes alheias.

Os corações endurecidos geram nuvens de desconfiança, por onde passam.

Os afeiçoados à calúnia e à maledicência distribuem venenosos quinhões de trevas com que se improvisam grandes males e grandes crimes.

Os cristãos, todavia, são filhos da luz.E a missão da luz é uniforme e insofismável.Beneficia a todos sem distinção.

Não formula exigências para dar.Afasta as sombras sem alarde.

Espalha alegria e revelação crescentes.Semeia renovadas esperanças.Esclarece, ensina, ampara e irradia-se.

Vinha de Luz

Chico Xavier/André Luiz


QUEM LÊ, ATENDA

"Quem lê, atenda." - Jesus. (MATEUS, 24:15.)

Assim como as criaturas, em geral, converteram as produções sagradas da Terra em objeto de perversão dos sentidos, movimento análogo se verifica no mundo, com referência aos frutos do pensamento.

Freqüentemente as mais santas leituras são tomadas à conta de tempero emotivo, destinado às sensações renovadas que condigam com o recreio pernicioso ou com a indiferença pelas obrigações mais justas.

Raríssimos são os leitores que buscam a realidade da vida.

O próprio Evangelho tem sido para os imprevidentes e levianos vasto campo de observações pouco dignas.

Quantos olhos passam por ele, apressados e inquietos, anotando deficiências da letra ou catalogando possíveis equívocos, a fim de espalharem sensacionalismo e perturbação? Alinham, com avidez, as contradições aparentes e tocam a malbaratar, com enorme desprezo pelo trabalho alheio, as plantas tenras e dadivosas da fé renovadora.

A recomendação de Jesus, no entanto, é infinitamente expressiva.

É razoável que a leitura do homem ignorante e animalizado represente conjunto de ignominiosas brincadeiras, mas o espírito de religiosidade precisa penetrar a leitura séria, com real atitude de elevação.

O problema do discípulo do Evangelho não é o de ler para alcançar novidades emotivas ou conhecer a Escritura para transformá-la em arena de esgrima intelectual, mas, o de ler para atender a Deus, cumprindo-lhe a Divina Vontade.

Livro; Vinha de Luz
Chico Xavier/Emmanuel